conecte-se conosco


Mundo Cristão

“A pandemia não alterou os planos de Deus”, diz pastor Mario Rui Boto

Publicado

Pastor da Hillsong Portugal falou sobre desafios da liderança na pandemia.

Com uma frequência média global de 150.000 pessoas por semana, a Hillsong Church é conhecida por ser uma igreja contemporânea, que atrai milhares de jovens. Ainda assim, a denominação não deixou de ser afetada de alguma forma pela pandemia do coronavírus, que forçou o fechamento de templos em todo o mundo.

Em Portugal não foi diferente, a igreja liderada pelo pastor Mario Rui Boto sentiu a necessidade de se adaptar ao momento. O pastor lidera a Hillsong Portugal desde 2017, quando o Centro Cristão da Cidade — que ele fundou em 2002 —, se ligou a Hillsong.

Casado com a Amélia e pai de 3 filhas, a Catarina de 28 anos, a Mariana de 22 anos (casada com o Diogo de 24 anos) e a Filipa de 16 anos, o pastor é um líder que se popularizou no Brasil devido aos seus ensinamentos. Rui Boto foi ordenado pastor em 1991.

Pastor Mario Rui Boto, pastora Amélia e filhas

Aos 52 anos, embora afirme que não pareça, Mario Rui Boto tem uma visão de liderança muito à frente de seu tempo, com ensinamentos que busca promover um crescimento espiritual em todas as áreas da vida, incluindo mensagens que proporcionam equilíbrio físico, emocional, mental e espiritual.

O pastor é formado em Teologia e Educação Cristã, sendo bastante requisitado para palestras, conferências e pregações.

Leia à íntegra da entrevista:

Gospel Prime – Como a pandemia afetou a Igreja em Portugal?

Mario Rui Boto – A Pandemia afetou a vida de todas as pessoas, os seus hábitos, rotinas e ritmos. Em algumas também afetou a sua vida laboral ou empresarial, as suas relações sociais e familiares, com a impossibilidade de estarem junto dos seus queridos familiares.

A Igreja é (pelo menos deveria ser) um reflexo do tecido social da comunidade onde está inserida. Como tal, quando a vida das pessoas sofre uma disrupção destas, isso reflete-se na vida das igrejas. O lado positivo disto é que ficou provado a incrível capacidade de mudança e adaptação da igreja. As igrejas tiveram de fazer mudanças profundas em menos de uma semana (o exemplo mais evidente foi o fato de passarem de um formato presencial para online, em menos de uma semana) mostrando a incrível resiliência da igreja de Cristo.

Por vezes eu ouvia alguns pastores se queixarem de que sua igreja era muito resistente à mudança, e por isso eles tinham muitas dificuldades em introduzir mudanças na vida de suas igrejas. A pandemia veio mostrar que a resistência à mudança está mais na liderança da igreja, no seu “mindset”, do que na própria igreja.

Todas as igrejas fizeram mudanças radicais no seu funcionamento, em menos de uma semana, e a grande maioria, para não dizer todas, passaram o teste com muita honra. Creio que esta pandemia retirou a todos os lideres o argumento da resistência à mudança por parte das suas congregações. A mudança começa no líder, no seu mindset, na sua resiliência e capacidade de levar os outros consigo. A igreja é um organismo vivo, incrivelmente resistente, passou pelos períodos da história e suas variantes culturais, sempre triunfante e imparável, o seu ADN é sobrenatural. A Pandemia só veio tornar mais visível essa natureza fantástica da Igreja de cristo.

De que forma a Hillsong Portugal atuou em meio ao isolamento social?

Eu não gosto da expressão “isolamento social”, prefiro o uso de “distanciamento físico”. O isolamento social é contra a natureza da Igreja, mas o distanciamento físico não consegue quebrar o “calor” e “proximidade” da comunhão dos cristãos.

No meio do distanciamento físico, procuramos promover uma maior proximidade social com as pessoas. Eu recebi testemunhos de pessoas dizendo que nunca se sentiram tão parte da igreja como no tempo em que não a podiam frequentar presencialmente.

Graças a Deus pela tecnologia, graças a Deus pela capacidade de inovar, que eu creio ser um dos frutos de Deus ter soprado a Sua imagem em nós. A igreja no seu geral, se mostrou super inovadora. Há que definir bem o que é inovação. Muitas pessoas pensam que inovação é ter o que mais ninguém tem. Mas ter o que mais ninguém tem não é inovação, é apenas demonstração de capital econômico ou capital social (a bênção de ter pessoas dotadas e capacitadas para fazer grandes coisas).

Inovação, no meu ponto de vista, é FAZER o que ninguém faz com aquilo que TODO O MUNDO tem. A Igreja deu uma lição ao mundo, que se fechou e estagnou. A igreja usou o que tinha (e muitas igrejas não tinham, nem têm, muita coisa) e fez o que nunca tinha feito. Foi incrível ver igrejas, desde as mais pequenas e com fracos recursos, às maiores e mais bem apetrechadas, continuarem a sua ação de divulgação do evangelho.

Na Hillsong Portugal procuramos nos focar no que temos, no que existe, no que está nas nossas mãos e fazer o que temos de fazer. Não vale a pena nos focarmos com o que perdemos ou não temos, vamos usar o que temos ou o que resta. Deus faz milagres com o que resta.

Hillsong Portugal

Hillsong Portugal (Arquivos Pessoais)

Qual foi o maior desafio enfrentado pela liderança?

Eu creio que o maior desafio enfrentado pela liderança é o de manter a visão, a missão e o propósito no meio de circunstancias que mudam. A nossa missão não mudou apesar de mudarem as circunstancias. O desafio de nos mantermos focados na missão que Deus nos deu, o desafio de usar o que está nas nossas mãos AGORA e não ficarmos presos ao que tínhamos antes, o desafio de manter a lucidez num mundo que parecia estar a enlouquecer. A qualidade de uma liderança se revela em tempos de aperto e incertezas generalizadas.

A Hillsong Portugal conseguiu manter uma relação de proximidade na pandemia?

Pelo menos procuramos fazer isso, como já expliquei anteriormente. Distanciamento físico não significa necessariamente distanciamento social. A expressão “distanciamento social” não cabe na vida da igreja. Os nosso grupos de conexão (grupos familiares) nunca deixaram de funcionar, usando o Zoom, as reuniões de liderança, de staff e de voluntários aconteceram até com uma maior regularidade e claro, o nosso trabalho social e de apoio aos carenciados, cresceu exponencialmente. Mas até no trabalho social vimos como Deus usou isso para nos chegarmos a pessoas e famílias que estavam isoladas, sem ninguém a que pudessem pedir ajuda, e encontraram na igreja uma família, uma Casa, um abrigo.

Quais transformações os líderes terão de enfrentar em todo o mundo?

Muita gente me tem perguntado como eu acho que vai ser a igreja no pós-pandemia, ou qual a “nova coisa” que Deus fará? Sinceramente eu creio que Ele irá continuar a fazer o que sempre tem feito: Salvar, edificar a Sua igreja, derramar do Seu Espirito, Ele é o mesmo ontem hoje e será eternamente (Hebreus 13:8).

Os líderes sempre tiveram, e terão, de enfrentar transformações e mudanças, não é algo de novo que a pandemia trouxe. Enfrentar mudanças e transformações é o café da manhã dos líderes. Vamos continuar firmes, focados em Jesus, fundados na sua palavra, corajosos, destemidos, lúcidos e visionários. Se um líder só agora, por conta da pandemia, se viu confrontado com a necessidade crescer, mudar, adaptar, lidar com transformações, etc, então o que ele tem estado a fazer é gerir e não liderar. Gerir é lidar com o que se tem, liderar é caminhar para o que ainda não existe.

O senhor se sente preparado para essas transformações?

Boa pergunta… sentir que estou preparado? Sinceramente sinto que não. Mas creio que isso pode ser uma grande vantagem, pois esse sentimento de incapacidade me leva a Cristo e á Sua presença, e de lá podemos receber tudo o que necessitamos para o tempo que estamos a viver. Eu confesso que sempre me sinto um pouco desadequado, mas até aqui isso tem me ajudado a confiar mais em Deus. Não tem mal um líder não se sentir preparado, o que tem mal é um líder ficar parado porque não se sente preparado.

Por que alguns líderes rejeitam a necessidade de se adaptar para alcançar mais pessoas?

Não sei se tenho uma resposta para isso, e se essa questão tem somete uma resposta. O que eu penso, no que diz respeito à resistência à mudança e à adaptação de métodos e modelos, é que muita da resistência à mudança vem do fato de que os métodos e os modelos, as formas, as estruturas, se dogmatizaram.

Expressões como “este é o modelo de Deus” ou “o método de Deus”, no meu ponto de vista, atrapalham mais do que ajudam. Acabamos por encontrar identidade espiritual em modelos e métodos. Infelizmente é frequente eu ouvir pastores e lideres dizerem: “ a minha igreja é uma igreja no modelo X ou Y”, como se a identidade da igreja estivesse no modelo. Por isso quando o modelo é posto em causa, para eles é mais do que colocarem um modelo ou estrutura em causa, é colocarem a própria identidade em causa.

Com uma frequência média global de 150.000 pessoas por semana, a Hillsong Church é conhecida por ser uma igreja contemporânea, que atrai milhares de jovens. Ainda assim, a denominação não deixou de ser afetada de alguma forma pela pandemia do coronavírus, que forçou o fechamento de templos em todo o mundo.

Em Portugal não foi diferente, a igreja liderada pelo pastor Mario Rui Boto sentiu a necessidade de se adaptar ao momento. O pastor lidera a Hillsong Portugal desde 2017, quando o Centro Cristão da Cidade — que ele fundou em 2002 —, se ligou a Hillsong.

Casado com a Amélia e pai de 3 filhas, a Catarina de 28 anos, a Mariana de 22 anos (casada com o Diogo de 24 anos) e a Filipa de 16 anos, o pastor é um líder que se popularizou no Brasil devido aos seus ensinamentos. Rui Boto foi ordenado pastor em 1991.

 

Leia mais:  Ir à igreja é prioridade para brasileiros pós-quarentena
publicidade

Mundo Cristão

Marcha para Jesus 2020 terá mega carreata para arrecadar alimentos

Publicado

Não haverá tradicional caminhada no evento deste ano como prevenção ao novo coronavírus. Doações serão enviadas a comunidades carentes

A Marcha para Jesus, na próxima segunda-feira (2), terá um formato diferente em 2020 por causa da pandemia do novo coronavírus. Ao invés de o público sair às ruas, uma mega carreata vai percorrer as ruas de São Paulo para arrecadar alimentos, produtos de higiene e roupas para comunidades carentes.

Por segurança, todos os participantes ficarão dentro dos próprios carros, o que evita aglomerações.

A Marcha para Jesus reúne representantes de várias denominações, que sairão às ruas para orar pelo Brasil.

O local de arrecadação de alimentos ficará na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), que abrirá as portas às 10h. Já a carreata começa por volta das 14h no Obelisco do Ibirapuera e vai seguir para o Pavilhão de Exposições do Anhembi.

O evento terá o apoio de 6 trios elétricos, que levarão bandas para animar o percurso. Também haverá um número limitado de pessoas dentro desses veículos.

Para completar, haverá um show com artistas do gênero gospel na chegada ao Anhembi. Assim como no novo estilo de show, o evento será no estilo drive in e com vagas limitadas. Somente 1.500 veículos, previamente cadastrados e com 4 pessoas no máximo por carro, poderão participar.

Entre as atrações confirmadas até o momento, estão: Renascer Praise, Mariana Valadão, Juliana Silva, Sarah Bia, Davi Sacer, Leandro Borges, Kemuel, Casa Worship e Ton Carfi.

O evento também será transmitido via YouTube e Facebook e pelas emissoras oficiais da Marcha para Jesus – Rede Gospel de Televisão e Rádio Gospel FM.

MARCHA PARA JESUS – CARREATA SOLIDÁRIA
Posto de arrecadação: 
Assembleia Legislativa de SP a partir das 10h

Saída: Obelisco do Ibirapuera às 14h
Chegada e show drive in: Pavilhão de Exposição do Anhembi às 17h
Mais informações: https://www.marchaparajesus.com.br

Leia mais:  Pesquisa: 68% dos cristãos na pandemia buscam na igreja oração e apoio emocional
Continue lendo

Mundo Cristão

Bispo episcopal, investigado por recusar casamentos do mesmo sexo, anuncia sua renúncia

Publicado

Um bispo da Igreja Episcopal dos Estados Unidos anunciou sua renúncia depois que um painel disciplinar o considerou culpado de violar a lei canônica por se recusar a permitir a bênção do casamento entre pessoas do mesmo sexo em sua diocese. 

O painel concluiu no mês passado  que o bispo de Albany, William Love, violou a Resolução B012, uma medida aprovada pela Igreja em 2018 exigindo que todas as dioceses episcopais permitissem as bênçãos do casamento do mesmo sexo.

Logo depois que a resolução foi aprovada, Love respondeu instruindo o clero da Diocese de Albany que eles não deveriam realizar cerimônias de bênção pelo mesmo sexo. 

“Jesus está chamando a Igreja para seguir Seu exemplo. Ele está chamando a Igreja para ter a coragem de falar Sua Verdade em amor sobre o comportamento homossexual – mesmo que não seja politicamente correto”, declarou sua carta de 2018.

“As relações sexuais entre dois homens ou duas mulheres nunca fizeram parte do plano de Deus e são uma distorção de Seu desígnio na criação e, como tal, devem ser evitadas.”

O bispo Love foi posteriormente investigado e audiências disciplinares foram realizadas sobre suas ações no início deste ano. 

Emitindo seu veredicto no mês passado, o painel disciplinar disse: “As ações de Love ao emitir uma Orientação Pastoral para seu clero para que eles se abstenham de realizar casamentos do mesmo sexo violaram a Disciplina e Adoração da Igreja como o Bispo Love prometeu em seus votos ordinais. Suas ações , portanto, constitui uma violação do Cânon IV.3.2 (a). ” 

Ele também disse: “Privar casais do mesmo sexo do acesso ao matrimônio tem um impacto material e substancial em seu bem-estar espiritual, emocional e físico como povo de Deus.”

Embora o painel tenha emitido sua sentença contra o bispo, deveria se reunir novamente na segunda-feira para decidir quais medidas disciplinares seriam tomadas contra ele.

O bispo Love confirmou sua renúncia em um discurso ao sínodo da Diocese de Albany no sábado, 24, “reconhecendo que qualquer ação disciplinar oferecida não seria algo com que eu pudesse, em sã consciência, concordar”, relata Anglican Ink .

Ele disse aos membros do sínodo que estava “muito decepcionado” com a decisão e discordava “fortemente” das conclusões do painel.

Ele acrescentou, no entanto, que não acreditava que um recurso seria bem-sucedido. 

“Infelizmente, dada a natureza deste caso e a intenção demonstrada da Igreja Episcopal de garantir que todas as dioceses (onde a lei civil o permita) permitam casamentos do mesmo sexo, não tenho razão para acreditar que apelar da decisão do Painel de Audiência resultaria em qualquer outro resultado “, disse ele. 

Sua renúncia entrará em vigor em 1º de fevereiro de 2021.

Leia mais:  Ex-travesti se casa e vira missionário: “resgatar vidas”
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana