conecte-se conosco


Medicina e Saúde

ALES: Mesa-redonda vai debater suicídio entre jovens

Publicado

Promovido pela Assembleia Legislativa, evento nesta quinta (24) contará com a participação de profissionais das áreas de educação e psicologia

A depressão e o suicídio entre adolescentes e jovens serão abordados em uma mesa-redonda virtual promovida pela Assembleia Legislativa (Ales) nesta quinta-feira (24), às 13 horas. O debate terá como foco o livro “A Geração do Quarto: Quando Crianças e Adolescentes Nos Ensinam a Amar”, de Hugo Ferreira. O autor é escritor, doutor em Educação e professor da Universidade Federal Rural de Pernambuco. A transmissão será feita pelo canal da Ales no Youtube e pela TV Assembleia.

O debate se insere no contexto da Campanha Setembro Amarelo, que envolve discussão nacional sobre prevenção ao suicídio. Segundo especialistas da área de saúde, a problemática apresenta um agravante este ano, devido ao isolamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus. 

Além de Hugo Ferreira, que fará uma exposição sobre a pesquisa, participarão do debate Heloísa Manato, diretora de atendimento a pais e alunos de uma conceituada instituição de ensino do Estado; e o psicólogo clínico e professor universitário Raphael Vaz. A jornalista Zelita Viana, pós-graduada em comunicação pública e editora do Jornal Panorama, da TV Assembleia, será a mediadora do debate. 

“Minha expectativa quanto ao evento é muito positiva. O objetivo é aproveitar as experiências dos participantes no trato com jovens e adolescentes com comportamentos que poderiam resultar em atos violentos contra eles mesmos, e levar essas percepções ao conhecimento do público, a fim de colaborar na construção de um pensamento mais positivo para as pessoas que se veem às voltas com essas situações”, afirmou Zelita Viana. 

Pesquisa 

O livro “A geração do Quarto” é resultado de uma pesquisa de campo feita em cinco capitais brasileiras, sobre a geração que nasceu no final do século 20 e início do século 21 e que, segundo o autor, apresenta adoecimento emocional e mental. Além da problemática do suicídio, apontado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como a segunda causa de mortes na faixa etária dos 15 aos 29 anos, o livro aborda outros fenômenos de impacto nesse grupo social, como automutilação e síndrome do pânico.

De acordo com Hugo Ferreira, “o livro tenta mostrar que não é mais possível fechar os olhos e silenciar diante do pedido de ajuda desse grupo social”. O autor critica “a ideia de que estamos diante de uma geração fracassada” e propõe que esses jovens sejam ouvidos.

Live 

Setembro Amarelo foi tema de uma live no Instagram da Ales neste mês, abordando o modo como a imprensa deve tratar episódios de suicídio na cobertura jornalística. O bate-papo foi com o diretor de conteúdo do grupo Bandeirantes/Jornal Metro Antônio Carlos Leite, o Cacá, que possui mais de 30 anos de experiência no jornalismo.

Leia mais:  Verão saudável: alimente-se de forma adequada e evite desidratação
publicidade

Medicina e Saúde

Vacinação em massa contra covid será necessária para saber eficácia

Publicado

Avaliação é de cientistas da Universidade de Oxford, que afirmam que testes de imunizantes contra covid-19 em andamento podem não ser suficientes

Cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, avaliam é provável que as candidatas a vacina contra a covid-19 em testes hoje no mundo tenham de ser submetidas ao uso massivo para que tenham, finalmente, sua eficácia comprovada.

Em um artigo opinativo, publicado nesta terça-feira (27) na revista científica The Lancet, Susanne Hodgson e Kate Emary falam sobre a importância de estudos contínuos de longo prazo após qualquer candidata a vacina ser licenciada e incluída em programas de imunização.

“Para determinar se uma vacina protege contra a covid-19 grave, um ensaio clínico precisa mostrar que há significativamente menos casos de doença grave em indivíduos vacinados com uma vacina contra covid-19, em comparação com indivíduos que não foram”, explica Kate.

Por outro lado, a médica, que faz parte do Grupo de Vacinas de Oxford, acrescenta que não é tão simples identificar estes casos nos testes clínicos envolvendo o novo coronavírus (SARS-CoV-2).

“Apenas uma pequena proporção de indivíduos infectados com SARS-CoV-2 desenvolve doença grave, o que significa que um número extremamente grande de voluntários é necessário em um ensaio clínico para que haja casos suficientes para obter uma medida confiável da eficácia da vacina. Isso significa que é provável que só saberemos se uma vacina protege contra a doença [covid-19] grave, uma vez que tenha sido implantada e administrada a uma grande população.”

O governo da Rússia decidiu neste sentido: aprovou, em agosto, a vacina para uso emergencial após a fase 2 de ensaios clínicos, com apenas 76 pessoas.

China criou programa de vacinação emergencialA partir disso, a Sputnik V começou a ser aplicada em um número maior de pessoas, paralelamente à fase 3, que incluirá 40 mil voluntários.

Na China, a situação é um pouco diferente. Embora as vacinas ainda não estejam aprovadas, milhares de pessoas estão recebendo doses de três candidatas.

Desde julho, o governo chinês permite que indivíduos de grupos com alto risco de contraírem a doença  sejam vacinados.

Foi criado um programa em que as pessoas assinam formulários de consentimento e podem fazer uso emergencial, segundo o chefe da força-tarefa para o desenvolvimento de uma vacina contra a covid-19, Zheng Zhongwei.

Atualmente, 44 vacinas para covid-19 estão sendo testadas em humanos (fase clínica). Outras 154 estão em desenvolvimento pré-clínico.

Susanne observa que “é improvável que vejamos um único vencedor na corrida da vacina contra a covid-19”.

“Diferentes tecnologias trarão vantagens distintas que são relevantes em diferentes situações, Além disso, provavelmente haverá desafios com a fabricação e fornecimento de uma única vacina na escala necessária, pelo menos inicialmente.”

Leia mais:  Vacinação em massa contra covid será necessária para saber eficácia
Continue lendo

Medicina e Saúde

Vacina de Oxford produz em idosos resposta imunológica contra covid-19

Publicado

A notícia de que pessoas mais velhas produzem resposta imunológica com a vacina é positiva porque o sistema imunológico enfraquece com a idade e os mais velhos têm maior risco de morrer com a covid-19

A vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford produz resposta imunológica similar em adultos mais velhos e mais jovens e tem reações adversas menores entre os idosos, anunciou a farmacêutica AstraZeneca nesta segunda-feira, 26. A vacina, produzida em parceria da empresa com a universidade, está sendo testada no Brasil.

Uma vacina eficaz é vista como divisor de águas na luta contra o novo coronavírus, que já matou mais de 1,1 milhão de pessoas, abalou a economia global e impactou a vida de milhões em todo o mundo. A vacina de Oxford, agora em fase final de testes em humanos com o objetivo de mostrar sua eficácia e segurança, é a pioneira na corrida global por um imunizante para proteger vidas e impulsionar economias prejudicadas pela pandemia do novo coronavírus.

“É animador ver que as respostas imunológicas foram similares entre adultos mais velhos e mais jovens e que as reações adversas foram menores em adultos mais velhos, que têm maior risco de gravidade da doença”, disse um porta-voz da AstraZeneca à agência Reuters. “Esses resultados ajudam a construir a evidência para a segurança e imunogenicidade da AZD1222”, disse o porta-voz, ao usar o nome técnico da vacina.

A notícia de que pessoas mais velhas produzem resposta imunológica com a vacina é positiva porque o sistema imunológico enfraquece com a idade e os mais velhos têm maior risco de morrer com a covid-19.

O porta-voz da farmacêutica se manifestou após a informação ter sido publicada mais cedo pelo jornal The Financial Times. O periódico inglês afirmou que a vacina produziu uma “resposta robusta” em idosos, que são o grupo para o qual a covid-19 traz o maior risco. De acordo com a reportagem, a vacina provoca a produção de anticorpos protetores e de células T em idosos.

Os exames de sangue que testam a imunogenicidade feitos em pacientes mais velhos parecem corroborar resultados divulgados em julho, que mostraram que a vacina gera “respostas imunes robustas” em um grupo de adultos saudáveis de 18 a 55 anos, disse o Financial Times. O jornal afirmou que detalhes dos novos resultados devem ser divulgados em breve em uma publicação científica.

FT pondera, no entanto, que os testes de imunogenicidade positiva não são ainda garantia de que a vacina se confirmará como segura e efetiva em pessoas mais velhas. Isso só será conhecido quando os testes clínicos forem finalizados.

A vacina de Oxford/AstraZeneca é uma das que estão com os testes mais avançados. Ela está na fase 3 dos ensaios clínicos, assim como a da chinesa Sinovac, feita em parceria com o Instituto Butantan, a da Pfizer e da BioNTech. É somente ao final da fase 3 que consegue atestar a eficácia de uma vacina.

O ministro da Saúde do Reino Unido, Matt Hancock, disse que uma possível vacina ainda não está pronta, mas o governo já prepara a logística de distribuição. Ele acredita que a vacinação pode ocorrer no primeiro semestre de 2021.

Em entrevista à BBC, Hancock foi questionado sobre a possibilidade de vacinação ainda neste ano. “Eu não descarto (a possibilidade), mas não é a minha real expectativa. O programa (de desenvolvimento da vacina) está indo bem, mas ainda não chegamos lá”, disse.

A vacina AZD1222 deve gerar proteção por um ano, segundo declaração feita em junho pelo CEO da AstraZeneca, Pascal Soriot. A farmacêutica britânica firmou parcerias com fornecedores e governos em todo o mundo, incluindo o Brasil.

Testes no Brasil

Ao todo, 10 mil voluntários participam dos testes da vacina no Brasil, realizados pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). No final de junho, o governo brasileiro anunciou um acordo de cooperação com a Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca para a produção em território nacional da vacina. O imunizante será fabricado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

No início deste mês, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deu início ao processo de revisão de dados para registro da vacina no Brasil, realizado por submissão contínua, ou seja, as informações são avaliadas conforme se tornam disponíveis, não apenas no momento de um pedido formal. (Com agências internacionais).

Leia mais:  Ivermectina só pode ser vendido com receita médica, decide Anvisa
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana