conecte-se conosco


Mundo Cristão

Alexandre Garcia cita Missão Portas Abertas ao relatar casos de cristofobia

Publicado

Dados da Missão Portas Abertas foram usados pelo jornalista Alexandre Garcia para rebater a narrativa adotada pela imprensa de que o presidente Jair Bolsonaro teria exagerado ao falar da existência de cristofobia mundo afora durante seu discurso na 75ª Assembleia Geral da ONU.

O jornalista comentou o cenário de perseguição religiosa a cristãos durante o quadro “Liberdade de Opinião” da CNN Brasil.

Lendo o trecho específico do pronunciamento de Bolsonaro, Garcia discordou do colega de emissora, Rafael Colombo, a respeito do contexto apontado pelo presidente: “Faço um apelo a toda comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à cristofobia”, repetiu o veterano comentarista político.

“A gente lembra ali no Chile estavam queimando igrejas, faz pouco tempo”, relembrou Alexandre Garcia. “A gente vê ataques em escolas na Nigéria, e em outros países africanos, aqueles grupos jihad, islâmicos”, acrescentou.

Citando ataques aos símbolos cristãos, ele mencionou que a imprensa noticiou casos de manifestantes que fizeram “coisas horríveis” com crucifixos e imagens da Senhora Aparecida, e destacou que esse tipo de vilipêndio a símbolos religiosos é vedado pela Constituição Federal.

Com dados da Portas Abertas, o jornalista afirmou que há 260 milhões de cristãos perseguidos no mundo, das mais diferentes denominações: “Severamente perseguidos em 50 países – católicos, ortodoxos, batistas, protestantes, evangélicos, pentecostais”.

Alexandre Garcia resgatou ainda a situação de perseguição religiosa enfrentada pelos cristãos sírios, que são minoria no país e foram severamente afetados pela guerra civil instalada na tentativa de derrubar o ditador Bashar Al-Assad. Ele relatou ouvir de amigos sírios que, da parte dos cristãos no país, há torcida para que o governante se mantenha no poder: “Porque dá a eles liberdade religiosa, pois caso entre um regime muçulmano eles vão ser destruídos”.

“A gente vê proibição na China, na Coreia do Norte, na Índia, no Paquistão, no Irã, no Afeganistão. Olha quantas igrejas, templos e escolas foram atacados no ano passado: 9.488. Escolas de missionários na África, em que entram com facão, cortando a mão, cortando o braço, pegando mulheres, crianças por serem cristãos”, afirmou, lembrando que no continente africano, países como Líbia, Nigéria, Eritreia, Sudão, Iêmen e Somália vivem situação mais crítica. “Por isso que o presidente do Brasil se preocupou”, concluiu.

Leia mais:  Jesus Vida Verão espera atrair 30 mil pessoas por dia a Vila Velha
publicidade

Mundo Cristão

Muitos jovens não voltarão à igreja após a pandemia dizem pesquisadores

Publicado

A pandemia do novo coronavírus pode representar um evento crucial de distanciamento da fé cristã entre jovens, segundo um novo estudo realizado pelo instituto Barna Group, dos Estados Unidos.

David Kinnaman, presidente do instituto cristão, e Mark Matlock, um dos diretores do Barna Group, avaliam que a maioria dos jovens que cresceram na igreja se afastarão da fé quando tornarem-se adultos, como resultado do impacto da pandemia em cristãos de 18 a 29 anos.

Os pesquisadores acreditam que a pandemia tornará a crise de fé que é comum para jovens adultos em algo ainda mais intenso, a menos que as igrejas tomem medidas para conter seu impacto: “Acho que veremos um número crescente de pessoas que perderam a conexão com sua comunidade de fé, com seus ritos e práticas habituais. Na verdade, veremos um número crescente nos próximos anos e o impacto de longo prazo será ainda maior”, declarou Kinnaman.

“Sabemos que 22% dos jovens hoje são o que chamamos de ‘pródigos’. Eles perderam totalmente a fé. Esse número cresceu o dobro [saindo] de 11% há 10 anos. Portanto, é difícil saber como será em 10 anos, mas achamos que vai realmente acelerar esse problema”, explicou o presidente do Barna Group.

Conforme informações do portal The Christian Post, Matlock citou uma pesquisa que mostra que entre os jovens de 18 a 29 anos, que foram criados como cristãos, apenas 10% são considerados verdadeiros discípulos ou pessoas ‘resilientes’ na fé. Cerca de 22% não são mais cristãos e 30% são classificados como ‘nômades’ porque ainda acreditam em Deus, mas não estão conectados a uma igreja. Outros 38% são considerados ‘frequentadores habituais da igreja’, mas têm uma relação distante com Deus.

“É importante perceber que 22% simplesmente não vão mais à igreja. Eles disseram que não se identificam mais como cristãos, o que é muito sério”, lamentou Matlock, que em seguida, sugeriu que as igrejas encontrem maneiras de fortalecer o relacionamento com essa geração e torná-los discípulos melhores: “A pandemia acelerou a urgência em discipular os frequentadores habituais da igreja. Eles vêm às nossas igrejas com uma frequência muito boa, mas não estão realmente fundamentados em sua fé, prática ou crença. E essa é uma oportunidade que temos”.

Os pesquisadores acreditam que este grupo já estava com “a mão na porta” de saída das igrejas antes da pandemia. O impacto do fechamento de igrejas só fez com que eles “girassem a maçaneta e saíssem por ela”: “Isso significa que temos que fazer conexões pessoais com esta geração”, alertou Matlock.

“Precisamos chamar cada jovem com quem temos contato. Precisamos fazer uma conexão com eles. Perguntar como eles estão, descobrir como anda sua fé, como podemos ser a igreja para eles. Sabemos que os resilientes têm esses relacionamentos, os habituais não. É difícil tentar construir essas coisas na pandemia, mas isso é mais urgente agora”, reiterou.

Leia mais:  Até 2032 evangélicos devem ser maioria no Brasil
Continue lendo

Mundo Cristão

Covid-19: cristãos vão às ruas do Peru para pedir reabertura das igrejas fechadas há 7 meses

Publicado

Centenas de fiéis de igrejas evangélicas se reuniram no último domingo (11) na Praça San Martín, um dos o públicos mais importantes da cidade de Lima, no Peru, para pedir às autoridades a reabertura dos templos.

Os manifestantes, que são membros do Movimento Missionário Mundial, se uniram para pedir ao governo peruano que as igrejas sejam reabertas. Os templos no país estão fechados há mais de 7 meses, desde o início do bloqueio devido à pandemia de Covid-19.

Os fiéis também aproveitaram a reunião para orar pelo bem-estar do Peru e das autoridades.

“Depois de meses, continuamos obedecendo às nossas autoridades, porque nossos templos estão fechados até agora. Não podemos nos reunir com um grande número de pessoas, por isso escolhemos este lugar (Praça San Martín) para orar por nosso país” , disse o pastor Agustín Vásquez Díaz, da Iglesia Cristiana Pentecostés, ao jornal El Comercio de Peru.

O pastor disse que irá continuar obedecendo às autoridades e manter suas igrejas fechadas, mas fez um pedido para que o Ministério da Saúde permita a abertura dos templos de acordo com os protocolos de segurança.

“Vemos que os centros comerciais abriram, as baladas vão abrir, os cassinos também vão abrir. Então, por que não abrir os templos? Só queremos nos refugiar porque somos crentes”, disse Agustín Vásquez.

Apesar da diminuição dos casos de coronavírus no Peru, as autoridades sanitárias do país alertam para uma possível nova onda de infecções. Até o momento, o Peru tem mais de 853 mil casos confirmados de Covid-19 e mais de 33 mil mortes.

Leia mais:  Padre vira alvo do Ministério Público após criticar decisão do STF sobre homofobia: “Mordaça”
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana