conecte-se conosco


Internacional

Apple e Nike são acusadas de usar ‘trabalho forçado’ de minoria muçulmana na China

Publicado

Ativistas acusaram as empresas ocidentais de “apoiar e se beneficiar” dos abusos da minoria muçulmana chinesa

Gigantes corporativas, incluindo a Nike, enfrentam crescentes pedidos para cortar relações com fornecedores acusados de explorar “trabalho forçado” do povo uigur, na China.

Ativistas lançaram uma campanha acusando empresas de “apoiar e se beneficiar” da exploração do grupo minoritário muçulmano.

Os Estados Unidos também aumentaram a pressão econômica, alertando as empresas a recusarem negócios em Xinjiang por conta dos abusos.

A Nike e outras marcas disseram que estão monitorando o problema.

A Nike afirmou estar “fazendo investigações contínuas com nossos fornecedores na China para identificar e avaliar riscos potenciais relacionados ao emprego de uigures ou outras minorias étnicas”.

A empresa disse que não recebe materiais diretamente de Xinjiang, a região no oeste da China que abriga grande parte da população uigure do país e onde muitas das fábricas a usam como mão-de-obra.

A Apple também disse que está investigando as acusações. “Não encontramos indícios de trabalho forçado nas linhas de produção da Apple e planejamos continuar monitorando”, afirmou a empresa.

Políticos e ativistas dizem que as empresas precisam fazer mais se não quiserem ser cúmplices dos abusos dos direitos humanos pelo governo chinês.

“As marcas e os varejistas deveriam ter encerrado isso há muito tempo, mas não fizeram e é por isso que essa exposição pública é importante e necessária”, disse Chloe Cranston, da Anti-Slavery International, uma das mais de 180 organizações envolvidas na campanha.

“Não se trata apenas de cortar os negócios com um fornecedor. É adotar uma abordagem abrangente.”

O que está acontecendo em Xinjiang?

Relatórios do Australian Strategic Policy Institute (ASPI) do Congresso americano, entre outros, revelaram que milhares de uigures foram transferidos para trabalhar em fábricas em toda a China, sob condições nas quais o relatório da ASPI dizia “indicar fortemente o trabalho forçado”. Isso ligou essas fábricas a mais de 80 marcas de destaque, incluindo Nike e Apple.

A China, que acredita-se ter detido mais de um milhão de uigures em campos de “reeducação” em Xinjiang, descreveu seus programas — que incluem supostamente uma esterilização forçada — como treinamento e educação no trabalho.

Xinjiang produz cerca de 80% do algodão da China

As autoridades dizem que estão respondendo aos “riscos de extremismo” e negaram acusações sobre supostos campos de concentração.

Omer Kanat, diretor-executivo da Uyghur Human Rights Project, disse que fazer com que as empresas desviem seus negócios de Xinjiang é fundamental para convencer o governo chinês a mudar suas políticas.

“Até agora, houve condenações sobre o que o governo chinês está fazendo, mas não houve nenhuma ação”, disse ele à BBC. “O governo chinês não fará nada a menos que haja alguns impactos reais, portanto, mirar nas empresas significa muito.”

O que os governos estão fazendo?

Os Estados Unidos estão aumentando a pressão econômica relacionada à questão de Xinjiang.

Este mês, o país alertou as empresas que fazem negócios em Xinjiang.

As autoridades de fronteira americanas também apreenderam um carregamento de 13 toneladas de cosméticos produzidos na região com um valor estimado de US$ 800 mil (cerca de R$ 4,1 bilhões).

Já o Departamento de Comércio colocou em uma lista negra mais 11 empresas — fornecedores que trabalham com companhias como a Apple —, uma medida que limita a capacidade dessas empresas para comprar produtos americanos.

Os parlamentares do Congresso dos Estados Unidos estão avaliando criar uma legislação que proíba explicitamente as importações de Xinjiang, enquanto os políticos americanos e da Europa também elaboram uma legislação que forçaria as empresas a monitorar a questão mais de perto.

Região chinesa exporta até apliques capilares para os EUA

“Empresas de todo o mundo devem reavaliar suas operações e cadeias de fornecedores e encontrar alternativas que não explorem o trabalho e violem os direitos humanos do povo uigure”, disse o congressista americano James McGovern, que lidera um comitê na China.

Kanat disse acreditar que um movimento internacional está crescendo nesse sentido, apontando para comentários recentes do secretário das Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, que acusou a China de violações “grosseiras e notórias” dos direitos humanos e disse que sanções não podem ser descartadas.

“Isso é encorajador”, disse ele. “É o primeiro passo.”

O que as empresas dizem?

A campanha ativista está focada em marcas de roupas porque Xinjiang produz a maior parte do algodão da China, responsável por cerca de 20% do suprimento mundial.

As empresas de vestuário disseram que estão levando o problema a sério.

A Nike disse que, depois de questionar um de seus fornecedores, o Taekwang Group, sobre o assunto, a empresa parou de recrutar funcionários de Xinjiang em uma de suas fábricas.

A empresa de roupas esportivas disse que o Taekwang afirmou que esses trabalhadores “tinham a possibilidade de encerrar ou estender seus contratos a qualquer momento”.

“Isso continua sendo uma questão de importância crítica”, afirmou a empresa. “Continuamos a recorrer à orientação de especialistas e estamos trabalhando com marcas e outras partes interessadas para considerar todas as abordagens disponíveis para lidar com essa situação de forma responsável”.

Fábrica da Taekwang Group na China

A Gap também disse que tem políticas que proíbem trabalho involuntário em sua cadeia de suprimentos e não compra roupas diretamente de Xinjiang.

“Também reconhecemos que uma quantidade significativa do suprimento mundial de algodão é cultivado e distribuído por lá”, acrescentou.” Portanto, estamos tomando medidas para entender melhor como nossa cadeia de suprimentos global pode ser impactada indiretamente “.

Outras empresas contestaram as alegações de que suas cadeias de suprimentos estavam contaminadas por trabalho forçado.

A Adidas disse que nunca havia comprado produtos de Xinjiang e que a empresa citada no relatório da ASPI alegou falsamente ser um fornecedor.

“Os padrões da Adidas no local de trabalho proíbem estritamente todas as formas de trabalho forçado e prisional e são aplicáveis ​​a todas as empresas da nossa cadeia de suprimentos”, acrescentou. “O uso de trabalho forçado por qualquer um de nossos parceiros resultará no término da parceria.”

A Apple disse que não encontrou nenhum problema, apesar de realizar várias auditorias surpresa em seu fornecedor de longa data O-Film — uma das empresas citadas pelo Departamento de Comércio dos Estados Unidos.

Algumas das empresas chinesas acusadas de usar trabalho forçado de trabalhadores uigures também contestaram as alegações.

“Nós absolutamente não temos, não usamos e nunca usaremos trabalho forçado em nenhum lugar de nossa empresa”, disse a Esquel Group, fabricante de camisas de Hong Kong, que supostamente é fornecedora de marcas como Lacoste.

Ela acrescentou que ficou “profundamente ofendida” pela decisão dos EUA de adicioná-la à sua lista negra de importações nesta semana.

“Estamos trabalhando com todas as autoridades relevantes para resolver a situação e continuamos comprometidos com Xinjiang, pois temos orgulho de nossa contribuição para a região nos últimos 25 anos”.

Leia mais:  Covid, Corona e Lockdown, nomes da moda na Ásia
publicidade

Internacional

Portugal prolonga estado de emergência sanitária contra covid-19

Publicado

Medidas que serão aplicadas a partir da próxima terça-feira serão anunciadas no sábado e podem incluir uma divisão do país em vários níveis de restrições

Portugal prorrogou nesta sexta-feira até 8 de dezembro o estado de emergência sanitária, que está em vigor desde 9 de novembro, enquanto o governo ainda não especificou as medidas que serão aplicadas a partir de terça-feira.

O presidente da república, o conservador Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou que assinou um novo decreto que estabelece o estado de emergência pelo prazo de 15 dias, o máximo previsto na lei portuguesa.

“O estado de emergência durará o tempo que for necessário para combater a pandemia” do coronavírus, que poderá atingir o seu pico em Portugal “entre o final de novembro e o início de dezembro”, mas será “provavelmente” seguido de uma “terceira onda” em janeiro ou fevereiro, afirmou ele em um discurso televisionado.

O governo socialista se reuniu nesta sexta-feira em um conselho extraordinário de ministros para decidir as restrições sanitárias que serão estabelecidas sob o estado de emergência.

As medidas que serão aplicadas a partir da próxima terça-feira serão reveladas no sábado e podem incluir uma divisão do país em vários níveis de restrições dependendo da gravidade da situação epidemiológica.

Desde 9 de novembro, os municípios mais afetados estão sujeitos a toque de recolher noturno nos dias de semana e a partir das 13h nos fins de semana.

O teletrabalho é obrigatório mas, ao contrário do primeiro confinamento, as escolas estão abertas.

Cerca de 80% da população já está em processo de reconfinamento parcial.

Leia mais:  Israel autoriza pouso de avião que vai retirar brasileiros da China
Continue lendo

Internacional

Covid: casos nas últimas 4 semanas superam 1º semestre de pandemia

Publicado

Comparação foi feita pelo diretor-geral da OMS, que disse estar preocupado com a ocupação de UTIs na Europa e na América do Norte

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanomm Ghebreyesus, afirmou, nesta sexta-feira (20), que foram notificados mais casos de infecção pelo novo coronavírus nas últimas quatros semanas, do que nos seis meses iniciais da pandemia de covid-19.

O líder da agência destacou a preocupação, especialmente no Hemisfério Norte, na Europa e América do Norte, com o grande número de pessoas internadas nas unidades de terapia intensiva (UTI) nos hospitais. Tedros admitiu o temor de um colapso nas redes nacionais de saúde.

Nesta quinta-feira (19), último dia com dados consolidados pela OMS, o número de mortes por covid-19 foi de 10.190. Essa foi a primeira vez desde 15 de agosto que  a marca de 10 mil óbitos provocados pela doença foi superada.

De acordo com informações preliminares disponibilizadas pela OMS, o balanço desta sexta-feira terá ainda mais vítimas.

Já a quantidade de notificação de casos ao longo de ontem foi de 605.126. Hoje, conforme aponta a Organização Mundial de Saúde, também será verificada uma alta.

Ao todo, desde o início da pandemia, a OMS já contabilizou 56.623.643 casos de infecções em todo o planeta, a maioria nas Américas que já tiveram 24.035.426.

O número de pessoas mortas pela covid-19 chegou a 1.355.963, com o Brasil aparecendo como o segundo no ranking de países com mais mortes, 167.455, apenas atrás dos Estados Unidos.

Leia mais:  Com clima favorável, nave tripulada parte em direção à Estação Espacial
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana