conecte-se conosco


Brasil

Brasil registra 85 assassinatos de candidatos em 2020, diz pesquisa

Publicado

Levantamento do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania revela ainda outras 119 agressões contra candidatos no país até 20 de novembro

Um levantamento elaborado pelo cientista político Pablo Nunes, coordenador do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania, fundado pela Universidade Cândido Mendes, revelou que 85 candidatos nas eleições municipais de 2020 foram assassinados no Brasil até o último dia 20 de novembro. Os dados abrangem políticos que concorreram aos cargos de vereador, prefeitos e vice-prefeitos.

De acordo com o Pablo Nunes, doutor pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), houve outros 119 registros de agressões contra políticos que registraram candidaturas. O pesquisador também elaborou um mapa que consolida os casos de homicídios, tentativas e outras agressões violentas intencionais contra vereadores e prefeitos.

Os assassinatos ou tentativas são praticados em praticamente todos os estados brasileiros, em cidades pequenas ou grandes centros. Recentemente, o candidato a vereador de Guarulhos, na Grande São Paulo, Ricardo Moura (PL)São Paulo, foi baleado enquanto fazia uma transmissão ao vivo pelo celular.

Em São Vicente, município da Baixada Santista, a candidata a prefeita da cidade Solange Freitas (PSDB) teve o carro atingido por tiros. A blindagem do veículo protegeu a política e equipe que a acompanhava.

Já o candidato à Prefeitura de Armação de Búzios (RJ) Tom Viana (PSL) foi vítima de um ataque a tiros em Cabo Frio, na região dos Lagos. O político, que é policial militar, não foi atingido porque o veículos era blindado. Segundo o depoimento da vítima, dois homens em uma moto emparelharam na estrada e efetuaram os disparos.

Motivações dos crimes

Pablo Nunes considera inviável elucidar os motivos de grande parte dos atentados em razão das deficiências verificadas nas investigações policiais de homicídios e da “alta impunidade nos crimes violentos” no país.

“[Em] muitos desses casos de mortes de políticos, a gente tem as informações que foram colocadas pela imprensa e algumas atualizações que também foram feitas por esses órgãos. Então, é muito difícil definir algumas das motivações”, frisou.

O especialista identificou muitos indícios na dinâmica dos crimes que o levam a suspeitar de casos de execução. “Essa dinâmica de dois homens em uma moto ou dois homens em um carro, que saltam desse veículo e efetuam disparos contra o político.”

No entanto, o cientista político Pablo Nunes considera difícil atrelar os crimes aos mandantes ou definir se a motivação partiu de uma rixa local e relacionada à atividade política da vítima ou uma possível ligação com o crime organizado.

“É muito difícil fazer uma linha divisória entre o que é nitidamente uma motivação política ou motivação de crime organizado, porque essas fronteiras estão meio meio apagadas, opacas. Mas, sim, tem alguns casos em que há milícia e questões de tráfico envolvidos”, avaliou.

Se a descoberta da motivação dos assassinatos é penosa para as autoridades policiais, a elucidação dos assassinatos também tem índices baixos. Poucos casos chegam a julgamento e os processos abertos podem se arrastar por até cinco anos.

“A gente tem casos, como o de um candidato a vereador em Patrocínio [MG] que foi morto enquanto estava em uma live na internet. Então, toda a dinâmica foi filmada e o autor foi rapidamente reconhecido. De certa forma, é uma investigação que vai ser mais fácil. Nos outros casos, que são a grande maioria, são a dinâmica de execução em que os criminosos rapidamente fogem da cena do crime e muitos deles não deixam rastro”, complementou.

Perfil das vítimas

Segundo o estudo publicado pelo Centro de Estudos de Segurança e Cidadania, a maioria das vítimas é composta por homens — salvo poucos casos nos quais as mulheres foram alvo dos assassinos — com idade média de 49 anos. Também não foi possível fazer um recorte racial com a análise dos crimes, um dos pontos pretendidos pela pesquisa.

“Existem dois ou três casos de mulheres que foram mortas. No caso das mulheres, não é uma proporção significativa, porque a gente sabe que as mortes violentas no país se concentram na população masculina. Mas esse numero de 49 anos em média aponta para uma diferença dos homicídos no geral, pois o político, normalmente, tem um perfil mais velho do que a população em geral”, explicou Nunes.

Impacto na democracia

Pablo Nunes vê a violência política como uma ferramenta nas disputais eleitorais no país e avalia que uma das suas consequêncas é o enfraquecimento do sistema democrático, pois tira a possibilidade de votar e ser votado que o cidadão possui.

“Quando você, por meio da violência, proíbe a pessoa de se colocar como candidato, você está colocando em xeque e impossibilitando que uma parcela da população tenha um representante dos seus interesses. A própria ideia da democracia é colocada em xeque”, finalizou.

A delegada Raquel Kobashi Gallinati Lombardi, presidente do Sindpesp (Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo), também vê os atentados contra candidatos com preocupação pelo abalo à democracia.

A policia explica que, ao se deparar com um crime de homicídio ou tentativa de homicídio, a Polícia Civil precisa considerar todas as variáveis ao iniciar a investigação. Apenas ao final das apurações, o delegado poderá indicar no inquérito policial, com base nas provas coletadas, se a motivação do crime foi política.

“De qualquer forma, um crime contra um candidato durante o período eleitoral fere também o processo democrático, porque interfere diretamente no processo de escolha das pessoas que assumirão o poder político e administrativo da cidade, do Estado ou até mesmo do país”, enfatizou a delegada Raquel Gallinati Kobashi Lombardi.

Leia mais:  É meu dever’, diz 1ª brasileira a testar vacina contra covid-19
publicidade

Brasil

Mais de 5,7 milhões de brasileiros não têm acesso a banheiro, diz IBGE

Publicado

Pesquisa de Orçamentos Familiares mostra que um em cada quatro moradores do Brasil não vive em moradias plenamente adequadas

Cerca de 2,8% da população brasileira (5,7 milhões) não têm acesso a um banheiro exclusivo ou utilizam de um buraco, segundo estudo divulgado nesta quarta-feira (25), pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Para 96,8% da população, o domicílio em que residem tem banheiro para uso exclusivo e outros 0,4% compartilham o local com um ou mais lares. Quase todas as moradias que não contam com o cômodo estão situadas nas regiões Norte e Nordeste.

Além da falta de banheiro, a POF (Pesquisa de Orçamentos Familiares) indica que quase um quarto (23,5%) das pessoas no Brasil não vivem em uma moradia plenamente adequada. Do total, a área urbana reúne 15,7% da população nessas condições, enquanto 7,8% estão na área rural.

De acordo com o estudo, 91,4% das pessoas no Brasil residem em domicílios com paredes externas com material predominante de alvenaria, taipa com revestimento ou madeira apropriada para construção. Os lares com piso predominante de cerâmica, lajota ou pedra; ou madeira apropriada abrigam 82,6% dos residentes no Brasil.

No entanto, a proporção de pessoas com telhado com laje de concreto ou madeira apropriada, que dão mais segurança ao domicílio, é de apenas 30,6% da população brasileira, sendo 29,3% na área urbana e somente 1,2% na área rural.

A região Sudeste responde pela maior proporção de pessoas vivendo em domicílios com a melhor condição de cobertura (48,8%). Em todos outros locais, o tipo de telhado predominante para a maioria da população é a telha sem laje de concreto ou somente com a laje. A característica é mais acentuada entre as famílias do Norte (84,6%) e no Nordeste (83,5%).

Risco do domicílio

O levantamento também apurou a opinião da pessoa de referência da família em relação à situação de risco do domicílio a partir de cinco aspectos.

Problemas como fumaça, mau cheiro, barulho e outras questões ambientais causados pelo trânsito ou indústria no domicílio foram relatados por 25,3% dos entrevistados, dos quais 23,3% estão localizadas no setor urbano.

Leia mais: Depressão aumenta 34% e atinge 16,3 milhões de brasileiros

Já os lares localizados nas proximidades de rio, baía, lago, açude ou represa poluídos abrigam 15,8% da população. Do total, 89,4% das pessoas estão na área urbana e 10,6% na área rural.

No que se refere aos domicílios em situação de risco por estarem localizados em áreas com violência ou vandalismo, 38,2% da população no Brasil afirma ser afetada pelo problema.

Serviços

Entre os domicílios em que energia elétrica é originada em uma rede geral, 64% das pessoas que vivem em domicílios onde a frequência do fornecimento é em tempo integral avaliam a moradia como boa. Outros 26,4% a consideram satisfatória e 7,3% avaliam que o abastecimento é ruim.

Em relação à disponibilidade de água, 47,1% dos lares com abastecimento diário avaliam o lar como bom, 18,5% o consideram somente satisfatório e 4,6% alegam que a residência é ruim.

Das mais de 78 milhões de pessoas que vivem em domicílios que não tem escoadouro de esgoto adequado, 23,6% avaliou a moradia como boa, enquanto 10,9% e 3,5% acham satisfatória e ruim, respectivamente.

Com referência à opinião da qualidade do serviço de coleta de lixo, 54,8% das pessoas que vivem em domicílios com coleta diária consideram que sua moradia é boa, 22% a julgam satisfatória e 5,8% ruim. Já para aqueles que têm seu lixo domiciliar coletado por caçambas, 4,3% avaliam a coleta de lixo como boa, 1,9% satisfatória e 0,6% como e ruim.

Leia mais:  Qualificar ES abre 10 mil vagas em cursos on-line nesta terça-feira (28)
Continue lendo

Brasil

Senador é suspeito de estuprar jovem de 22 anos em São Paulo

Publicado

Crime supostamente cometido pelo parlamentar Irajá (PSD-TO) foi registrado no 14º DP (Pinheiros) nesta segunda-feira (23) na capital paulista

O senador Irajá Silvestre Filho (PSD-TO) é suspeito de estuprar uma jovem de 22 anos num flat em um bairro nobre da cidade de São Paulo (SP). O parlamentar nega as acusações – leia, abaixo, a nota completa.

A suspeita contra o senador, filho da também senadora Kátia Abreu (PP-TO), consta de um boletim de ocorrência registrado na madrugada desta segunda-feira (23) pela jovem no 14º Distrito Policial (Pinheiros).

De acordo com o documento, a vítima conheceu o senador num restaurante no Jockey Club de São Paulo. Depois, à noite, teriam ido para uma balada.

No local, “conheceram outras pessoas, consumiram bebidas alcoólicas e ali permaneceram, relatando a vítima que dado instante perdeu a consciência e veio a acordar na suíte de um flat”, diz o documento.

O boletim de ocorrência pontua ainda que, no flat, a jovem recobrou a consciência e acordou com o senador em cima dela, cometendo o ato de estupro. O parlamentar teria dito, segundo a vítima, as frases “você é minha” e “agora você é minha, eu estou apaixonado”.

A vítima disse que não resistiu ao abuso porque ficou com medo de que ele pudesse agredí-la, mas pediu para tomar água e ir ao banheiro, o que lhe foi negado. Num dado momento em que ela conseguiu ir ao banheiro, se trancou e mandou mensagens para uma amiga pedindo socorro. 

Com a chegada dessa amiga, a vítima partiu para cima do senador, dando socos. Em seguida, desceram para a recepção, onde acionaram a polícia. O senador, por sua vez, continuou no quarto, segundo o relato. Mas, quando os policiais chegaram, o parlamentar não estava mais ali.

Os policiais solicitaram perícia no local, além de encaminhar a vítima para exames de conjunção carnal e outros atos libidinosos, assim como exame toxicológico.

A vítima passou por exames na manhã desta segunda, segundo informou um amigo à reportagem. Disse também que ela recebeu medicação para lidar com o trauma.

A reportagem procurou a defesa do senador Irajá (PSD-TO). Leia, abaixo, a íntegra da nota:

“Foi com surpresa, decepção, tristeza e indignação que tomei conhecimento do episódio infame, maldoso e traiçoeiro envolvendo a minha vida e minha dignidade.

Eu sempre pautei minha vida profissional, pública e pessoal pela ética, respeito e retidão, sendo inimaginável ser acusado de algo dessa natureza.

O fato é que, como principal interessado na revelação ampla e total de toda essa farsa, solicitei que meu advogado, Daniel Bialski, reforçasse às autoridades responsáveis pela investigação do caso que requisitassem a realização de exame de corpo delito na acusadora para comprovar a verdade.

Ressalto que compareci espontaneamente à delegacia responsável pela apuração dos fatos e pedi para ser submetido, voluntariamente, a exame de corpo de delito e toxicológico, tudo para desmistificar o quanto aleivosamente alegado.

As filmagens, demais provas e testemunhas hão de repor a verdade no seu devido lugar e vir a declarar minha total e plena inocência.

Confio na polícia e na Justiça e sei que ficará provado que jamais houve nada que possa tangenciar qualquer comportamento inapropriado de minha parte.

Lamento muito ter sido envolvido nesse enredo calunioso e difamatório que busca manchar o meu nome em função da visibilidade momentânea da função que ocupo.

Reitero que aguardarei a conclusão das investigações antes de fazer qualquer nova manifestação. Não pretendo ser atirado para essa arena sórdida. A verdade aparecerá e eu a aguardarei com serenidade.

Declaro e reitero que não cometi ilícito algum e estou à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos que se fizerem necessários

Senador Irajá”

Leia mais:  Lista de beneficiários do auxílio emergencial de R$ 600 é ampliada
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana