conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Campanha Novembro Azul chama atenção para saúde do homem

Publicado

O Novembro Azul é uma campanha desenvolvida no Brasil pelo Instituto “Lado a Lado pela Vida”, que teve sua origem em 2008. O mês é dedicado a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata e à conscientização sobre os cuidados com a saúde do homem.

Entre as ações voltadas ao mês no Espírito Santo, o Hospital Estadual Dr Jayme dos Santos Neves, promoverá no dia 19 de novembro, considerado dia Internacional do Homem, a palestra “Saúde do Homem”, ministrada pelo médico urologista Dr. Tharcísio Gé de Oliveira. Será aberta para pacientes, acompanhantes e funcionários.

Segundo a referência técnica estadual da Saúde do Homem, da Secretaria da Saúde (Sesa), Lucimar Ventorim Hamsi, ao falar da saúde do homem é preciso lembrar de sua integralidade e de seu cuidado como um todo.

“Trabalhamos durante todo o ano a saúde do homem de forma integral, como a promoção de vida, de saúde. Quando foi criada a Política Nacional de Atenção ao Homem, verificou-se que os óbitos não eram, em sua maioria, causados pelo câncer de próstata, mas sim por doenças crônicas, como as cardiovasculares e por causas externas”, informou a referência técnica.

Lucimar Ventorim Hamsi lembra que por uma questão cultural a maioria dos homens não procurara o médico ou o serviço de saúde e quando o fazem, é por já estarem doentes. A importância de trabalhar a integralidade requer abordar, principalmente, os cuidados que os homens precisam ter durante toda vida para seguir saudável e não adoecer, uma vez que estão mais envolvidos nos fatores de risco, como fatores de violências externas, ou de tabagismo, ingestão de álcool, etc.

“Precisamos atentá-los que ao seguir hábitos saudáveis como praticar atividades físicas, ter uma alimentação equilibrada, fazer exames periódicos, ajudam a promover a sua saúde e a evitar o adoecimento por quaisquer doenças”, explica.

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem

A Política Nacional de Atenção Integral da Saúde do Homem (PNAISH) tem como diretriz promover ações de saúde que contribuam significativamente para a compreensão da realidade masculina nos seus diversos contextos socioculturais e político-econômicos.

Por meio da PNAISH, a Sesa promove durante todo o ano ações voltadas para a promoção da saúde e prevenção de agravos, sendo foco principal da Atenção Primária, trazer conscientização de qualidade de vida, assim como informações sobre cuidados à saúde do homem para melhor viver e diminuir complicações.

A APS da Sesa prima por incentivar os municípios na implantação de políticas voltadas para toda Família, principalmente, no fortalecimento de ações nas Unidades Básicas de Saúde para cuidados aos homens.

Dados de câncer de próstata no Espírito Santo

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima-se para o biênio 2018-2019, mais de 68 mil novos casos da doença no Brasil. No Espírito Santo, segundo dados do Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde, foram registrados, de janeiro de 2018 a agosto de 2019, 1.475 casos de internação hospitalar por neoplasia maligna de próstata, sendo 898 casos em 2018 e 577 de janeiro a agosto de 2019. 

Lucimar Ventorim ressalta que a maioria dos casos de internação hospitalar por neoplasia maligna de próstata aconteceu em homens na faixa etária de 60 a 79 anos. Em relação aos óbitos, nos últimos três anos tem sido, no Estado, a sétima causa de morte entre os homens. Em 2017, foram 320 casos; em 218, 335 casos; e em 2019, até agosto, foram registrados 216 casos. A maioria dos óbitos ocorreu em homens idosos, na faixa etária de 80 anos e mais, seguidos da faixa etária de 70 a 79 anos.

Onde buscar tratamento

O Espírito Santo conta com um estabelecimento de saúde habilitado como Centro de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon) e seis estabelecimentos de saúde habilitados como Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) para o tratamento de câncer de próstata:

Hospital Santa Rita de Cássia (HSRC-AFECC) – instituição filantrópica conveniada ao Sistema Único de Saúde (SUS), classificada como Cacon;

Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI) – instituição filantrópica, conveniada ao SUS, classificada como Unacon;

Hospital Universitário Cassiano Antônio de Moraes (Hucam) – instituição pública Federal, vinculada à Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), classificada como Unacon;

Hospital Santa Casa de Misericórdia de Vitória (HSCMV) – instituição filantrópica, conveniada ao SUS, classificada como Unacon, vinculada a instituição de ensino (Emescam);

Hospital Evangélico de Vila Velha (HEVV) – instituição filantrópica, conveniada ao SUS, classificada como Unacon, vinculada a instituição de ensino (Univix);

Hospital Maternidade São José (HMSJ) – instituição filantrópica, vinculada ao SUS, classificada como Unacon;

Hospital Rio Doce – instituição filantrópica, vinculada ao SUS, classificada como Unacon.

Programação Hospitais

Hospital Estadual Dr. Roberto Arnizaut Silvares:

O hospital oferecerá atividades de sensibilização, à prevenção do câncer de próstata; disponibilização de exames e atendimentos com urologistas; roda de palestras educativas e informativas; atividade de relaxamento com a fisioterapia;

Dia 17 de novembro, das 8h30 às 15h: corte de cabelo e barba, para todos os servidores;

Dia 18 de novembro, a partir das 8h: Spa dos pés e limpeza de pele, para todos os servidores;

Dia 19 de novembro: Spa dos pés e limpeza de pele (das 8h às 15h) e palestra sobre saúde do homem, com Dr Itamar Soares Dias (às 15h), para todos os servidores;

Dia 20 de novembro, às 15h: palestra sobre câncer de próstata, com Dr Jorge Silva, para todos os servidores.  

Hospital Estadual Dr. Jayme dos Santo Neves:

– A fachada do hospital receberá a iluminação azul;

– Terá ação de conscientização para os pacientes, acompanhantes e funcionários de conscientização sobre a importância do cuidado com a saúde do homem;

– Dia 19 de novembro, às 11 horas: palestra “Saúde do Homem”, com médico Urologista Tharcísio Gé de Oliveira. Público-alvo: paciente, acompanhantes e funcionários.

Hospital Estadual Central:

– Iluminação da fachada azul durante o mês de novembro;

– Liberação para que os colaboradores venham de camisa azul as sextas-feiras;

Leia mais:  Manchas na pele: saiba o que é e como combater
publicidade

Medicina e Saúde

Como a alimentação pode ser aliada contra a dengue

Publicado

Hidratação é a palavra de ordem para a recuperação de quem está com dengue. Como o quadro clínico da doença é muito variável pode incluir febre alta, cefaleia, mialgia, prostração, náuseas, vômitos e diarreia, a desidratação pode agravar os sintomas e até evoluir para choque. “Aos primeiros sinais de choque, o paciente deve ser internado imediatamente para a correção rápida de volume de líquidos perdidos e da acidose. Durante uma administração rápida de fluidos é importante estar atento a sinais de insuficiência cardíaca”, explica Karyna Pugliese, nutricionista especialista em Fisiologia do Exercício, Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional.

Toda forma de hidratação é bem-vinda. Por isso, a
profissional recomenda que além da água, seja feita a ingestão de sucos
naturais, sopas, vitaminas, água de coco, isotônicos e soro de hidratação oral.
“Caso não consiga ingerir um volume adequado devido à presença de náuseas e
vômitos, procure um serviço de emergência para hidratação venosa”, recomenda
Karyna Pugliese.Dengue e Chikungunya são tão perigosas quanto zika na gravidez 

Toda forma de hidratação é bem-vinda. Por isso, a profissional recomenda que além da água, seja feita a ingestão de sucos naturais, sopas, vitaminas, água de coco, isotônicos e soro de hidratação oral. “Caso não consiga ingerir um volume adequado devido à presença de náuseas e vômitos, procure um serviço de emergência para hidratação venosa”, recomenda Karyna Pugliese.

Cardápio amigoManter
a alimentação adequada quando se está doente é um desafio para a maioria das
pessoas. No caso de um paciente com dengue, o quadro de náuseas pode dificultar
ainda mais. “Mas, é importante o estímulo
na ingestão de pequenas porções de alimentos, pois um organismo bem nutrido irá
reagir melhor à doença. A alimentação deve ser
fracionada e o aporte energético equilibrado. A recomendação durante o período mais crítico é de uma dieta leve e de
fácil digestão e absorção. Neste ponto, é necessário ingerir alimentos
cozidos e com menor quantidade de fibras e gorduras. É importante consumir
hortaliças em geral e alimentos ricos em ferro (carne vermelha magra, por
exemplo), frutas e sucos ricos em vitamina C. O ferro é fundamental porque
pacientes com dengue apresentam queda substancial no número de plaquetas, e a
vitamina C auxilia na absorção do ferro”, sugere Karyna, que também recomenda
alimentos ricos em proteínas, como ovos, leite e derivados. 

Cardápio amigo

Manter a alimentação adequada quando se está doente é um desafio para a maioria das pessoas. No caso de um paciente com dengue, o quadro de náuseas pode dificultar ainda mais. “Mas, é importante o estímulo na ingestão de pequenas porções de alimentos, pois um organismo bem nutrido irá reagir melhor à doença. A alimentação deve ser fracionada e o aporte energético equilibrado. A recomendação durante o período mais crítico é de uma dieta leve e de fácil digestão e absorção. Neste ponto, é necessário ingerir alimentos cozidos e com menor quantidade de fibras e gorduras. É importante consumir hortaliças em geral e alimentos ricos em ferro (carne vermelha magra, por exemplo), frutas e sucos ricos em vitamina C. O ferro é fundamental porque pacientes com dengue apresentam queda substancial no número de plaquetas, e a vitamina C auxilia na absorção do ferro”, sugere Karyna, que também recomenda alimentos ricos em proteínas, como ovos, leite e derivados. 

Leia mais:  Cientistas descobrem sinais de Parkinson no cérebro até 20 anos antes dos sintomas

Evite problemasKaryna Pugliese reforça que alimentos
que contenham salicilatos, como maçãs, damascos, cerejas, uvas, ameixas, laranjas,
bebidas com gás, chás, pepinos, pimentos de tabasco e tomates, produtos com
menta, amidos, amêndoas, cravo e vinagre
devem ser evitados.

Também não é recomendável a ingestão de
alimentos com ação antitrombótica (alho, cebola e gengibre).Quer saber mais sobre dengue? Acesse https://noticias.r7.com/cuidado-com-o-mosquito

Alimentos que contenham salicilatos, como maçãs, damascos, cerejas, uvas, ameixas, laranjas, bebidas com gás, chás, pepinos, pimentos de tabasco e tomates, produtos com menta, amidos, amêndoas, cravo e vinagre devem ser evitados. Também não é recomendável a ingestão de alimentos com ação antitrombótica (alho, cebola e gengibre).

Continue lendo

Medicina e Saúde

Zika pode ser arma contra o câncer de próstata

Publicado

Zika inibe multiplicação de células do câncer de próstata

Após revelar de modo pioneiro o potencial do zika de combater tumores no cérebro, um grupo da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) liderado pelo professor Rodrigo Ramos Catharino mostrou que o vírus também pode ser uma arma contra o câncer de próstata. Por meio de experimentos em laboratório, os cientistas observaram que esse patógeno é capaz de inibir a proliferação das células tumorais na próstata. Os resultados da pesquisa, apoiada pela Fapesp, foram divulgados na revista Scientific Reports.

“O próximo passo da investigação envolve testes em animais. Caso os resultados sejam positivos, pretendemos buscar parcerias com empresas para viabilizar os ensaios clínicos, em seres humanos”, disse Catharino, professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unicamp e coordenador do Laboratório Innovare de Biomarcadores.

A linha de pesquisa coordenada por Catharino teve início em 2015, quando foi descoberta a relação entre a epidemia de zika e o aumento nos casos de microcefalia nos estados do Nordeste. Depois que estudos confirmaram a capacidade do patógeno de infectar e destruir as células progenitoras neurais – que, nos fetos em desenvolvimento, dão origem aos diversos tipos de células cerebrais – o cientistas idealizou testar o vírus em linhagens de glioblastoma, o tipo mais comum e agressivo de câncer do sistema nervoso central em adultos.

“Como também já foi confirmada a transmissão sexual do zika e a preferência do vírus por infectar células reprodutivas, decidimos agora testar seu efeito contra o câncer de próstata”, contou à Agência Fapesp Jeany Delafiori, estudante de doutorado sob a orientação de Catharino.

O trabalho vem sendo conduzido com o apoio do Centro de Pesquisa em Obesidade e Comorbidades (OCRC), um CEPID da FAPESP na Unicamp.

Como tornar o zika um aliado contra o câncer

Em estudo divulgado recentemente, também na Scientific Reports, o grupo de Catharino descobriu que marcadores de inflamação neurológica podiam ser encontrados na saliva de bebês nascidos com microcefalia – e cujas mães foram diagnosticadas com zika durante a gestação – até pelo menos dois anos após o parto.

“Na versão ‘selvagem’, portanto, o vírus traria efeitos indesejáveis e não poderia ser usado como terapia”, explicou Catharino. Os pesquisadores então decidiram testar se o processo de inativação do zika, que contém esses danos, manteria a capacidade de destruir células tumorais.

Entre outros procedimentos, vírus foi aquecido a uma temperatura de 56º C durante uma hora, com o intuito de inibir o potencial de causar infecção. O passo seguinte foi colocar uma cultura de células de câncer de próstata em contato com o zika inativado e, após 24 e 48 horas, comparar com outro grupo de células tumorais.

“Na análise feita após 48h, a linhagem que ficou em contato com o vírus inativado apresentou um crescimento 50% menor que a linhagem controle”, contou Delafiori. Ou seja, o câncer se proliferou muito menos, o que justifica seguir com as investigações.

Leia mais:  Controverso tratamento que promete atrasar a menopausa em 20 anos deve chegar ao Brasil em 2020
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana