conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Confinamento: oportunidade de cuidar do corpo e da mente

Publicado

Nova rotina de isolamento devido ao coronavírus não precisa ser sinônimo de sedentarismo

A vida seguia seu ritmo e de repente tudo parou. Trabalho, estudo, passeios, práticas esportivas. O isolamento social imposto pela necessidade de conter rapidamente o avanço do novo coronavírus trouxe diversas restrições para a rotina diária, e uma delas diz respeito à atividade física. Mas o confinamento não precisa ser sinônimo de sedentarismo, como destaca o professor de Educação Física e personal trainer Alex França Lana.

“A prática de exercícios físicos durante esse período de confinamento é muito importante. Não só por conta de todos os benefícios promovidos em níveis fisiológicos, através da manutenção de um estado de atividade física corporal, mas também para contribuir com o controle emocional, com nossa saúde mental que tende a ficar abalada diante de uma situação tão inesperada”, ponderou Lana.

O treinador é um dos profissionais que recorreram à internet para garantir a frequência nas aulas de seus alunos e também para incentivar quem está buscando orientação para sair do sedentarismo durante o isolamento. Via aplicativo ele fornece gratuitamente alguns programas de treinamento.

“Há uma diversidade de treinos que foram elaborados para diversas realidades, no entanto, a recomendação para prescrição de um programa específico para cada pessoa, permanece”, diz.  Nesse último caso, o serviço é pago. Segundo o treinador, o app tem tido muitos acessos, com retorno positivo, tanto dos que acessam os treinos gratuitos como dos que optam pela consultoria personalizada.

Os aplicativos de atividades físicas também estão se tornando ferramentas usadas por algumas empresas nesse período de confinamento para estimular os funcionários a cuidarem da saúde.

O Grupo Águia Branca lançou uma campanha para funcionários: “Com os corações internos, somos mais fortes”. A ideia é selecionar uma série de conteúdos e dicas que possam ajudar os colaboradores e familiares no período de isolamento social.

“Diante do desafio que é ficar preso em casa, os exercícios físicos são uma alternativa para desestressar, manter o corpo em movimento e promover a imunidade. Acontece que nem todos têm disciplina e motivação para fazer isoladamente e muitos não têm conhecimento sobre como fazer os exercícios corretamente. Os aplicativos contribuem nesse sentido”, explica a assessora de Comunicação e Sustentabilidade do grupo, Adriana Denadai.

Para quem optar pelos aplicativos, Alex Lana destaca que o básico é saber se há um profissional de Educação Física habilitado por trás da elaboração dos programas. E faz um alerta: “Acho que o mais importante é se conhecer, saber suas limitações e não dar continuidade ao que não te faz bem. Se você está fazendo um programa de exercícios de algum aplicativo e sentiu algum tipo de desconforto, cesse essa atividade até descobrir a causa desse desconforto”.

Lana também fez ressalvas quanto aos treinos disseminados na internet. “Somente o profissional de Educação Física é habilitado a prescrever e orientar a prática de exercícios físicos. Não cometa o erro de ir seguindo programas avulsos postados por blogueiros que não são da área e não conhecem sua realidade”.

Yoga

Outro tipo de atividade física que vem ganhando adeptos durante a quarentena é o yoga – prática milenar de harmonização do corpo com a mente por meio de técnicas de respiração, posturas e meditação. A professora Fabiana Lorencette explica que o yoga trabalha diretamente no processo de disciplinar a mente com firmeza e flexibilidade, refletindo assim no corpo e no equilíbrio espiritual, o que auxilia na capacidade de lidar melhor com os processos de mudanças e imprevistos, como o período de isolamento social.

Segundo Fabiana, os benefícios da prática podem ser observados desde o primeiro dia de aula, como por exemplo, o corpo e o processo respiratório expandidos, mente mais focada e sensação de alegria que tem a ver com o equilíbrio hormonal proporcionado pelos exercícios.

A profissional também adaptou suas aulas para o ambiente virtual e viu a procura quase dobrar neste período. “A procura pela prática de yoga aumentou consideravelmente de uns dois anos para cá, acredito que seja porque as pessoas têm voltado mais a atenção para o que traz bem-estar em relação à qualidade de vida. Com esse processo pelo qual estamos passando, de confinamento, a procura aumentou ainda mais, numa escala de 70%, acima do habitual”, afirmou.

Mesmo ministrando as aulas por videoconferência, Fabiana garante que consegue fazer ajustes básicos na postura do aluno e demonstra preocupação com o grande aumento também da oferta de aulas online.

“Não há restrições de idade e nem de condição física para realizar yoga, mas a prática de maneira virtual deve ter a atenção redobrada tanto de quem está oferecendo as aulas como de quem está praticando. Consciência e respeito vêm de cada um, ou seja, cada um tem seu ritmo e isso deve ser imensamente respeitado”, salientou.

Além das videoconferências para alunos já matriculados, a professora também decidiu levar para a internet as aulas que ministra gratuitamente desde 2016, no projeto “Yoga na Praça-Prof. Fabi””, realizado na Praça dos Namorados, em Vitória, com o objetivo de “plantar e cultivar a semente do yoga no coração das pessoas e despertar para que elas também sejam cultivadoras”.

A praça foi trocada pela live do Instagram nas manhãs de sábado e, segundo Fabiana, tem atraído praticantes de outros estados e até de países como Estados Unidos e Áustria. “Usar as redes sociais de maneira consciente e saudável também faz parte do yoga. Adaptação”, ressaltou.

Expectativas

Quanto à expectativa para o pós-confinamento, os professores Fabiana Lorencette e Alex Lana apostam em mudanças de comportamento. “Quando tudo isso passar as pessoas já não serão as mesmas e aí veremos o que elas irão adotar em suas vidas, para o cotidiano, pois irá de acordo com o aprendizado que cada um teve de toda essa lição”, apontou Fabiana.

“Sou uma pessoa bem otimista. Minha expectativa é que ao final desse período de quarentena as pessoas deem mais importância à saúde e que saibam que saúde vai além do estado de ausência de doenças. É preciso cuidar do nosso corpo e da nossa mente, independente da situação que estivermos vivendo”, concluiu Lana.

Leia mais:  Mundo atinge marca de 1 milhão de curados do coronavírus; 35 mil são no Brasil
publicidade

Medicina e Saúde

Com 21 mortes em 24 horas, Espírito Santo já soma 2.565 óbitos por coronavírus

Publicado

Mais de 83 mil casos da doença já foram confirmados no Estado. Ao todo, 68.130 pacientes conseguiram se recuperar

Em 24 horas, o Espírito Santo registrou 21 novas mortes e 522 casos foram confirmados. Com a atualização dos dados, o número de óbitos provocados pela covid-19 subiu para 2.565  e o de casos confirmados para 83.814 . Ao todo, 68.130 pacientes conseguiram se recuperar da doença.

As informações foram divulgadas, por volta das 16h40 deste sábado (1º), no Painel Covid-19, plataforma digital da Secretaria de Saúde do Estado que mostra as notificações da doença, em tempo real.

Além dos números levantados pela rede pública, o sistema também inclui os dados da rede particular do Estado e de todos os municípios.

Coronavírus

A doença é transmitida por gotículas de saliva e catarro que se espalham pelo ambiente. Como até o momento não há tratamento específico para a doença, é fundamental manter alguns cuidados como o isolamento social, recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e a etiqueta respiratória:

– Lavar as mãos frequentemente por pelo menos 20 segundos com água e sabão;

– Utilizar antisséptico de mãos à base de álcool para higienização;

– Cobrir com a parte interna do cotovelo a boca e o nariz ao tossir ou espirrar;

– Utilizar lenço descartável para higiene nasal;

– Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;

– Não compartilhar objetos de uso pessoal;

– Limpar regularmente o ambiente e mantê-lo ventilado.

Leia mais:  Campanha Novembro Azul chama atenção para saúde do homem
Continue lendo

Medicina e Saúde

Sesa inicia migração de leitos exclusivos da Covid-19 para outras especialidades médicas

Publicado

A partir desta segunda-feira (27), a Secretaria da Saúde (Sesa) vai começar a reverter o perfil de alguns leitos hospitalares disponibilizados para paciente com a Covid-19, para atender pacientes de outras especialidades médicas. A medida vale para leitos de enfermaria e leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Inicialmente, 14 leitos de UTI do Hospital Estadual Dório Silva, na Serra, deixarão de ser utilizados exclusivamente por pacientes Covid-19. Com isso, a unidade passará a ter 16 leitos de UTI para pacientes Covid-19. Ainda esta semana, outro hospital que terá mudanças na oferta de leitos para Covid-19 será o Antônio Bezerra de Farias, em Vila Velha.

Atualmente, a ocupação de leitos de enfermaria está em 57,62% e a Sesa pretende deixar entre 70 e 75%. O mesmo vale para UTIs. A marca de 70% sempre será um indicador para a migração de leitos para outros perfis, conforme explica o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes.

“Vamos ajustar o tamanho da rede hospitalar, de acordo com o comportamento da pandemia no Estado. Na medida em que migrarmos leitos para outros perfis clínicos, a ocupação obrigatoriamente subirá para entre 70 e 75%, que será a faixa de segurança para as decisões quanto à reversão do perfil dos hospitais. Na medida em que a ocupação for reduzindo de maneira sustentada, que consigamos voltar a reverter o perfil dos hospitais, somente uma nova onda de casos que possa elevar a pressão por serviços hospitalares será capaz de nos fazer rever novamente o perfil das unidades”, afirma o secretário.

A contratação dos hospitais privados será poderá ser prorrogada por 30 dias. A contratualização com os hospitais filantrópicos não terá alteração.

Leia mais:  Campanha Novembro Azul chama atenção para saúde do homem
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana