conecte-se conosco


Mundo Cristão

Covid-19: cristãos vão às ruas do Peru para pedir reabertura das igrejas fechadas há 7 meses

Publicado

Centenas de fiéis de igrejas evangélicas se reuniram no último domingo (11) na Praça San Martín, um dos o públicos mais importantes da cidade de Lima, no Peru, para pedir às autoridades a reabertura dos templos.

Os manifestantes, que são membros do Movimento Missionário Mundial, se uniram para pedir ao governo peruano que as igrejas sejam reabertas. Os templos no país estão fechados há mais de 7 meses, desde o início do bloqueio devido à pandemia de Covid-19.

Os fiéis também aproveitaram a reunião para orar pelo bem-estar do Peru e das autoridades.

“Depois de meses, continuamos obedecendo às nossas autoridades, porque nossos templos estão fechados até agora. Não podemos nos reunir com um grande número de pessoas, por isso escolhemos este lugar (Praça San Martín) para orar por nosso país” , disse o pastor Agustín Vásquez Díaz, da Iglesia Cristiana Pentecostés, ao jornal El Comercio de Peru.

O pastor disse que irá continuar obedecendo às autoridades e manter suas igrejas fechadas, mas fez um pedido para que o Ministério da Saúde permita a abertura dos templos de acordo com os protocolos de segurança.

“Vemos que os centros comerciais abriram, as baladas vão abrir, os cassinos também vão abrir. Então, por que não abrir os templos? Só queremos nos refugiar porque somos crentes”, disse Agustín Vásquez.

Apesar da diminuição dos casos de coronavírus no Peru, as autoridades sanitárias do país alertam para uma possível nova onda de infecções. Até o momento, o Peru tem mais de 853 mil casos confirmados de Covid-19 e mais de 33 mil mortes.

Leia mais:  Instituto Escolhi Esperar recebe reconhecimento de utilidade pública
publicidade

Mundo Cristão

Marcha para Jesus 2020 terá mega carreata para arrecadar alimentos

Publicado

Não haverá tradicional caminhada no evento deste ano como prevenção ao novo coronavírus. Doações serão enviadas a comunidades carentes

A Marcha para Jesus, na próxima segunda-feira (2), terá um formato diferente em 2020 por causa da pandemia do novo coronavírus. Ao invés de o público sair às ruas, uma mega carreata vai percorrer as ruas de São Paulo para arrecadar alimentos, produtos de higiene e roupas para comunidades carentes.

Por segurança, todos os participantes ficarão dentro dos próprios carros, o que evita aglomerações.

A Marcha para Jesus reúne representantes de várias denominações, que sairão às ruas para orar pelo Brasil.

O local de arrecadação de alimentos ficará na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), que abrirá as portas às 10h. Já a carreata começa por volta das 14h no Obelisco do Ibirapuera e vai seguir para o Pavilhão de Exposições do Anhembi.

O evento terá o apoio de 6 trios elétricos, que levarão bandas para animar o percurso. Também haverá um número limitado de pessoas dentro desses veículos.

Para completar, haverá um show com artistas do gênero gospel na chegada ao Anhembi. Assim como no novo estilo de show, o evento será no estilo drive in e com vagas limitadas. Somente 1.500 veículos, previamente cadastrados e com 4 pessoas no máximo por carro, poderão participar.

Entre as atrações confirmadas até o momento, estão: Renascer Praise, Mariana Valadão, Juliana Silva, Sarah Bia, Davi Sacer, Leandro Borges, Kemuel, Casa Worship e Ton Carfi.

O evento também será transmitido via YouTube e Facebook e pelas emissoras oficiais da Marcha para Jesus – Rede Gospel de Televisão e Rádio Gospel FM.

MARCHA PARA JESUS – CARREATA SOLIDÁRIA
Posto de arrecadação: 
Assembleia Legislativa de SP a partir das 10h

Saída: Obelisco do Ibirapuera às 14h
Chegada e show drive in: Pavilhão de Exposição do Anhembi às 17h
Mais informações: https://www.marchaparajesus.com.br

Leia mais:  Deive Leonardo conta como tem impactado milhões: “Graça de Deus”
Continue lendo

Mundo Cristão

Bispo episcopal, investigado por recusar casamentos do mesmo sexo, anuncia sua renúncia

Publicado

Um bispo da Igreja Episcopal dos Estados Unidos anunciou sua renúncia depois que um painel disciplinar o considerou culpado de violar a lei canônica por se recusar a permitir a bênção do casamento entre pessoas do mesmo sexo em sua diocese. 

O painel concluiu no mês passado  que o bispo de Albany, William Love, violou a Resolução B012, uma medida aprovada pela Igreja em 2018 exigindo que todas as dioceses episcopais permitissem as bênçãos do casamento do mesmo sexo.

Logo depois que a resolução foi aprovada, Love respondeu instruindo o clero da Diocese de Albany que eles não deveriam realizar cerimônias de bênção pelo mesmo sexo. 

“Jesus está chamando a Igreja para seguir Seu exemplo. Ele está chamando a Igreja para ter a coragem de falar Sua Verdade em amor sobre o comportamento homossexual – mesmo que não seja politicamente correto”, declarou sua carta de 2018.

“As relações sexuais entre dois homens ou duas mulheres nunca fizeram parte do plano de Deus e são uma distorção de Seu desígnio na criação e, como tal, devem ser evitadas.”

O bispo Love foi posteriormente investigado e audiências disciplinares foram realizadas sobre suas ações no início deste ano. 

Emitindo seu veredicto no mês passado, o painel disciplinar disse: “As ações de Love ao emitir uma Orientação Pastoral para seu clero para que eles se abstenham de realizar casamentos do mesmo sexo violaram a Disciplina e Adoração da Igreja como o Bispo Love prometeu em seus votos ordinais. Suas ações , portanto, constitui uma violação do Cânon IV.3.2 (a). ” 

Ele também disse: “Privar casais do mesmo sexo do acesso ao matrimônio tem um impacto material e substancial em seu bem-estar espiritual, emocional e físico como povo de Deus.”

Embora o painel tenha emitido sua sentença contra o bispo, deveria se reunir novamente na segunda-feira para decidir quais medidas disciplinares seriam tomadas contra ele.

O bispo Love confirmou sua renúncia em um discurso ao sínodo da Diocese de Albany no sábado, 24, “reconhecendo que qualquer ação disciplinar oferecida não seria algo com que eu pudesse, em sã consciência, concordar”, relata Anglican Ink .

Ele disse aos membros do sínodo que estava “muito decepcionado” com a decisão e discordava “fortemente” das conclusões do painel.

Ele acrescentou, no entanto, que não acreditava que um recurso seria bem-sucedido. 

“Infelizmente, dada a natureza deste caso e a intenção demonstrada da Igreja Episcopal de garantir que todas as dioceses (onde a lei civil o permita) permitam casamentos do mesmo sexo, não tenho razão para acreditar que apelar da decisão do Painel de Audiência resultaria em qualquer outro resultado “, disse ele. 

Sua renúncia entrará em vigor em 1º de fevereiro de 2021.

Leia mais:  Padre vira alvo do Ministério Público após criticar decisão do STF sobre homofobia: “Mordaça”
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana