conecte-se conosco


Mundo Cristão

Evangélicos confiam em líderes religiosos e policiais, mas são céticos em relação a jornalistas

Publicado

Pesquisa da Pew Research analisou a confiança dos cristãos.

Um relatório do Pew Research Center mostra que os evangélicos norte-americanos confiam mais em líderes religiosos e na polícia do que o público em geral.

A pesquisa questionou os entrevistados se eles consideravam alguns profissionais empáticos, justos e bons “algumas vezes”, “na maioria do tempo” ou “o tempo todo”, listando profissões como líderes religiosos, policiais, diretores de escolas públicas, líderes militares, autoridades locais eleitas, jornalistas e líderes de empresas de tecnologia.

Os evangélicos têm uma confiança distinta em certos tipos de líderes. Sem surpresa, eles têm uma visão mais positiva dos líderes religiosos, sendo 86% de confiança comparado com 69% dos demais norte-americanos.

Mais evangélicos do que qualquer outro grupo demográfico deram aos líderes religiosos notas altas por cuidar das pessoas, suprir as necessidades espirituais de suas comunidades e manipular seus recursos com responsabilidade.

Uma forte maioria, 83%, diz que os líderes religiosos fornecem informações justas e precisas, em comparação com 63% na população em geral.

Aqueles que frequentam serviços religiosos semanalmente têm opiniões consideravelmente mais favoráveis ​​do clero do que os americanos que frequentam com menos frequência.

Os evangélicos também mantinham uma visão acima da média dos policiais (86% dos evangélicos os consideram atenciosos contra 79% dos americanos).

Eles também são mais propensos a acreditar em informações da polícia (81% dos evangélicos vs. 74% dos americanos) e líderes militares (72% dos evangélicos vs. 66% dos americanos).

Entre as profissões que menos despertam confiança entre os evangélicos está o jornalismo.

A maioria dos americanos (53%), incluindo membros de outros grupos religiosos, diz que os jornalistas se preocupam com os outros e “pessoas como eu”, enquanto apenas 43% dos evangélicos concordam.

Os evangélicos confiam nos membros da mídia a taxas de 10 a 15 pontos percentuais a menos do que o adulto médio quando perguntados sobre a capacidade dos jornalistas de reportar notícias que servem ao público, cobrem todos os lados de uma questão de maneira justa e fornecem informações justas e precisas.

Ainda segundo a pesquisa, católicos e americanos não religiosos são muito menos céticos em relação aos jornalistas do que os evangélicos.

Os membros do Congresso, também examinados no relatório, inspiram menos confiança nos americanos.

Os congressistas foram os únicos líderes sobre os quais menos da metade dos adultos norte-americanos – incluindo os evangélicos – dizem acreditar que às vezes ou na maior parte fornecem informações justas e precisas ao público, ou que lidam com os recursos de maneira responsável.

Leia mais:  “Vi a morte, mas Deus me curou”, diz pastor curado do coronavírus
publicidade

Mundo Cristão

Na ONU, Bolsonaro faz apelo contra ‘cristofobia’: ‘País é cristão e conservador’

Publicado

“A nova política do Brasil de aproximação simultânea a Israel e aos países árabes converge com essas iniciativas, que finalmente acendem uma luz de esperança para aquela região”, acrescentou

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira, 22, em discurso gravado e exibido na Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas, que a “paz não pode estar dissociada da segurança”. O chefe do Executivo reafirmou o compromisso brasileiro com os ideias da ONU, em especial a preservação dos direitos humanos. “Como um membro fundador da ONU, o Brasil está comprometido com os princípios basilares da Carta das Nações Unidas: paz e segurança internacional, cooperação entre as nações, respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais de todos”, afirmou.

Para Bolsonaro, a liberdade é o “maior bem da humanidade” e o terrorismo deve ser repudiado. “A cooperação entre os povos não pode estar dissociada da liberdade. O Brasil tem os princípios da paz, cooperação e prevalência dos direitos humanos inscritos em sua própria Constituição, e tradicionalmente contribui, na prática, para a consecução desses objetivos.”

Reforçando a pauta conservadora do seu governo, Bolsonaro afirmou, no final do pronunciamento, que “o Brasil é um país cristão e conservador e tem na família sua base”, além de fazer um apelo em defesa da religião cristã. “Faço um apelo a toda a comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à cristofobia”, disse.

Oriente Médio

Bolsonaro afirmou que vê um momento propício a “abertura de novos horizontes, muito mais otimistas para o futuro do Oriente Médio”. “Os acordos de paz entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, e entre Israel e o Bahrein, três países amigos do Brasil, com os quais ampliamos imensamente nossas relações durante o meu governo, constitui excelente notícia”, declarou.

Como já fez antes, o mandatário elogiou o “Plano de Paz e Prosperidade” lançado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Segundo Bolsonaro, o plano tem “uma visão promissora para, após mais de sete décadas de esforços, retomar o caminho da tão desejada solução do conflito israelense-palestino”.

“A nova política do Brasil de aproximação simultânea a Israel e aos países árabes converge com essas iniciativas, que finalmente acendem uma luz de esperança para aquela região”, acrescentou.

O presidente destacou ainda a atuação humanitária brasileira na Operação Acolhida, que recebe venezuelanos na fronteira com o Brasil em Roraima, e prestou solidariedade ao povo libanês. “Também quero reafirmar minha solidariedade e apoio ao povo do Líbano pelas recentes adversidades sofridas.”

Leia mais:  [VÍDEO] Justin Bieber ministra louvor em igreja de Beverly Hills
Continue lendo

Mundo Cristão

Atleta desafia militantes da ‘justiça racial’ a lutar por cristãos perseguidos na Nigéria

Publicado

O atleta cristão Benjamin Watson chamou a atenção dos que lutam por ‘justiça racial’ nos EUA para também olharem o sofrimento de negros em outros países.

O ex-jogador da Liga de Futebol Americano (NFL), Benjamin Watson está convocando os americanos que lutam por ‘justiça racial’ nos EUA para também pedirem o fim da violência contra os cristãos na Nigéria, já que ativistas alertam que “o mundo pode estar ignorando um possível genocídio de negros”.

Watson, de 39 anos, que é um cristão confesso, participou de uma coletiva de imprensa na quarta-feira em Washington, DC, onde se sentou ao lado da ex-candidata presidencial democrata e congressista Tulsi Gabbard, D-Hawaii, para se manifestar contra a violência perpetrada por radicais Fulani e outros grupos extremistas como o Boko Haram.

Organizado pelo Comitê Internacional da Nigéria, o evento foi projetado para aumentar a conscientização sobre a violência vivida pelas comunidades cristãs na Nigéria, já que as estimativas sugerem que milhões de pessoas foram deslocadas e milhares foram mortas nos últimos anos, devido à violência extremista que ocorre no nordeste e a violência levada a cabo por radicais islâmicos contra comunidades agrícolas predominantemente cristãs na região do Cinturão Médio da Nigéria.

“Estou aqui pelos mesmos motivos que todo mundo está”, explicou Watson. “Lembro-me há vários anos que fiquei impressionado com o fato de o Corpo de Cristo aqui nos Estados Unidos estar lidando com nossos próprios problemas. Mas, em comparação com o que está acontecendo ao redor do mundo em muitos aspectos, precisamos de pessoas que defendam aqueles que estão sendo perseguidos. Em algum momento, podemos ser nós”.

O evento, que também contou com comentários de outros defensores dos direitos humanos, ocorre depois que milhares de pessoas em todo o território dos Estados Unidos tomaram as ruas nos últimos meses para protestar contra a brutalidade policial, após a morte do afro-americano George Floyd, que morreu sob custódia policial de Minneapolis, e de outros afro-americanos.

Mais de 20 pessoas foram mortas durante os protestos liderados pelo movimento ‘Black Lives Matter’, alguns dos quais se transformaram em distúrbios violentos e ataques incendiários, que causaram US $ 2 bilhões em danos a empresas locais em cidades dos EUA.

“Estamos em um momento de avaliação racial em nosso condado”, enfatizou Watson. “ O termo ‘justiça racial’ é muito usado. Mas se estamos sinceramente preocupados com a justiça, devemos entender que a justiça deve ser defendida em casa, sim, mas também no exterior”.

Watson, que tem falado sobre questões raciais nos EUA e também é autor do livro ‘Under Our Skin’ (‘Sob Nossa Pele’), de 2015, desafiou aqueles que “se preocupam com a justiça racial e social” e estão “lutando pela igualdade dos cidadãos negros” nos EUA a “ lembrar-se e defender a justiça na pátria”.

“Este momento de ajuste de contas, por mais importante que seja para todos nós aqui nos Estados Unidos, não deve ser limitado às nossas costas, pois a injustiça persiste”, Watson insistiu. “Cada pequena ajuda conta”.

Olhos Abertos

O atleta, que falou sobre muitas injustiças ao longo dos anos, incluindo abortos e tráfico sexual, explicou que tem se informado sobre o que está acontecendo no nordeste da Nigéria com a insurgência do Boko Haram, desde quando os terroristas sequestraram 276 estudantes cristãs de uma escola em Chibok, no estado de Borno, em 2014.

“Podemos nos lembrar da hashtag de #BringBackOurGirls (#TragamNossasMeninasDeVolta) preenchendo nossas timelines. Nós nos lembramos até mesmo da primeira-dama dos Estados Unidos e celebridades tuitando sobre isso”, lembrou Watson. “Hoje, seis anos depois, mais de 100 dessas meninas ainda estão desaparecidas. As hashtags e as campanhas de mídia social cessaram, mas para muitos desses amigos, famílias e comunidades, suas vidas não foram esquecidas”.

O campeão do Super Bowl XXXVIII explicou que, embora o sequestro das meninas Chibok tenham conquistado os corações do mundo, foi “apenas um dos fatos entre milhares de assassinatos e sequestros, destruição de comunidades inteiras e queimas de igrejas que aconteceram a uma taxa genocida para o últimos 20 anos”.

“Não é apenas o Boko Haram”, disse ele. “Mais recentemente, também surgiram os pastores Fulani [criadores nômades de gado], que têm operado com impunidade e tem atacado e atacado comunidades cristãs”.

“A matança na região é maior do que a cometida pelo Estado Islâmico no Iraque e na Síria juntos”, acrescentou Watson, repetindo uma estatística mencionada anteriormente na conferência.

“Mais de 60.000 nigerianos foram mortos e cerca de 2 a 3 milhões foram deslocados”, continuou ele, citando uma estimativa da campanha Abate Silencioso da Nigéria. “Isso é algo a se considerar porque eles foram removidos de suas terras natais e morreram de fome, e esse tipo de coisa também está acontecendo”.

A Nigéria é classificada como o país com a terceira maior pontuação no Índice de Terrorismo Global de 2019, atrás apenas do Afeganistão e do Iraque.

Leia mais:  Satanista tenta interromper culto, mas acaba se rendendo a Jesus: “Isso é incrível”
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana