conecte-se conosco


Mundo Cristão

Ex-travesti se casa e vira missionário: “resgatar vidas”

Publicado

“Eu estava completamente cego, mas o Espírito Santo começou a tocar na minha vida”, conta.

Um documentário produzido pela Junta de Missões Nacionais (JMN), da Convenção Batista Brasileira, conta a história e o testemunho do ex-travesti Sérgio Luiz.

Com uma infância difícil e sem a presença dos pais, Sérgio colocou sua primeira prótese de silicone aos 15 anos. Aos 17, já estava na Europa, onde foi vítima de tráfico de pessoas e acabou adentrando no mundo da prostituição.

“Caí nas drogas, comecei a me cortar. Eu tentava suicídio… Eu gostava de roubar, eu tinha sede de roubar… Comecei a ganhar muito dinheiro, mas eu não era feliz”, lembra.

Após esse período conturbado, ele volta ao Brasil e acaba no Carandiru. É na penitenciaria que Sérgio é evangelizado.

Após o período preso, ele é recebido pela PIB em São Paulo e recebe ajuda da Cristolândia, ministério da JMN que dá assistência a dependentes químicos e codependentes. “Eu estava completamente cego, mas o Espírito Santo começou a tocar na minha vida”, testemunha.

Nesse período de conversão e transformação, Sérgio lembra do seu batismo. “Eu desci às águas com silicone e ali senti a presença de Deus”, lembra. Foram realizadas nove cirurgias para retirar silicone do corpo. “Foi um desafio muito grande”, conta o pastor Exequias Cerqueira da MN, “corria risco de vida”.

Sérgio Luiz e Miriam Souza. (Foto: Reprodução / Youtube).

Foi na casa de recuperação que ele conheceu Miriam Souza, a mulher que hoje é sua esposa. “Eu vi o Sérgio como uma resposta de oração na minha vida”, afirma Miriam. Os dois se formaram no curso de missiologia do Centro Integrado de Educação de Missões (CIEM) e se tornaram missionários.

“Meu chamado é ajudar outras pessoas e testemunhar da Palavra de Deus”, conclui.

Leia mais:  “Vi a morte, mas Deus me curou”, diz pastor curado do coronavírus
publicidade

Mundo Cristão

Pastor que tinha 10% de chance de sobreviver ao coronavírus se recupera milagrosamente

Publicado

Assim que teve início a pandemia do novo coronavírus, o medo tomou conta de parte da população, causando bastante insegurança devido ao risco de contaminação com o vírus, algo que um pastor vivenciou pessoalmente ao precisar ser internado para tratar a doença.

Se trata do pastor Rory Baker, de 54 anos. Ele passou 80 dias internado e o quadro dele se agravou a tal ponto que os médicos disseram que o líder religioso tinha apenas 10% de chance de sobreviver.

Rory Baker é o pastor presidente dos Ministérios Fruit of the Spirit Ministries em Greensboro. A irmã do pastor, Ronda Becker, disse em entrevista:

“Sinto como se o mundo tivesse sido tirado do meu ombro. Quero dizer, era apenas um sentimento que você nunca poderia ter novamente”.

Ao sair do hospital na terça-feira, o pastor foi recebido por familiares e amigos com festa. Fizeram desfiles de carro em comemoração e até o departamento de Polícia, junto com o corpo de bombeiros, festejou a recuperação do líder religioso.

Eles disseram que foi realmente um milagre, pois muitas pessoas estão sendo vítimas fatais do coronavírus, principalmente o grupo de risco.

“Estamos comemorando nosso pastor que sobreviveu ao COVID-19. Estamos comemorando isso em sua homenagem”, disseram eles durante uma transmissão ao vivo da igreja.

“Estamos parabenizando-o e agradecendo a Deus por sua volta para casa… Veja todo o apoio… Nosso bispo é amado.”

Após essa experiência, Baker disse que ninguém deve enxergar um dia de vida como garantido. Ele se emocionou bastante com a saída do hospital e às homenagens prestadas por sua recuperação.

“Não pude fazer nada além de louvar a Deus porque sabia que ele havia acabado de responder às nossas orações, porque os médicos só lhe deram 10% de chance para viver, mas Deus disse: ‘Não, tenho 90% a acrescentar‘”, disse Betty Baker, a mãe do bispo. 

Leia mais:  Desafio de ler a Bíblia toda em 42 dias conquista participantes de todo o Brasil
Continue lendo

Mundo Cristão

Reabertura de igrejas será sem cantar para não propagar o coronavírus, na Inglaterra

Publicado

O governo da Inglaterra estabeleceu as precauções que as igrejas precisam tomar quando reabrirem para o culto público a partir de 4 de julho. 

As orientações publicadas incluem uma série de restrições ao culto, com as igrejas orientadas a evitar cantar e usar instrumentos de sopro.

As igrejas estão se preparando para retomar o culto público depois de poderem abrir para orações particulares no início deste mês. 

A orientação foi produzida com conselhos da comunidade científica e da Força-Tarefa de Locais de Culto do Governo, composta por líderes religiosos. 

“Os locais de culto desempenham um papel importante no fornecimento de liderança espiritual para muitas pessoas e na união de comunidades e gerações”, diz o documento.

“No entanto, sua natureza comunitária pode torná-los lugares particularmente vulneráveis ​​à propagação do COVID-19”. 

Casamentos e funerais podem ser retomados com até 30 participantes. O culto comunitário pode ocorrer com números mais altos, sujeitos a um distanciamento social estrito. 

Os locais de culto são aconselhados a adaptar cerimônias e serviços para que sejam “concluídos no menor tempo razoável”, com os participantes “encorajados a seguir em frente, para minimizar o risco de contato e a disseminação da infecção”.

“Se apropriado, você deve reconfigurar os espaços para permitir que os fiéis se sentem em vez de ficarem em pé, o que reduz o risco de contato”, diz a orientação. 

Também recomenda que, sempre que possível, os locais de culto continuem transmitindo eventos ao vivo para evitar grandes reuniões e “continuem alcançando aqueles indivíduos que se isolam ou são particularmente vulneráveis ​​ao COVID-19”. 

As igrejas devem usar folhas de serviço de uso único e material devocional ou livros limpos num intervalo de 48 horas entre os usos.

As congregações são instruídas a “evitar cantar, gritar, levantar vozes e / ou tocar música em um volume que dificulte a conversa normal ou que incentive a gritar”.  

“Isso se deve ao potencial de aumento do risco de transmissão de aerossóis e gotículas”, diz a orientação.

O tocar de instrumentos “que são soprados deve ser especificamente evitado no culto ou nas devoções e nos ensaios”.

“Onde a música tem um papel importante no culto e há gravações disponíveis, sugerimos que você considere usá-las como uma alternativa ao canto ao vivo.

Não ficou definido sobre quem é a responsabilidade caso haja uma propagação de coronavírus em um local de culto, para que todos os líderes da igreja sejam instados a seguir as diretrizes.

Outras sugestões no documento sugerem que o dinheiro não deve passar pelas mãos; portanto, as doações online devem ser incentivadas; no entanto, se não houver opção – o dinheiro fornecido deve ser mantido em um contêiner e não tocado por vários dias.

Outros aspectos da vida da igreja, como grupos de jovens e escolas dominicais, são permitidos, mas não necessariamente aconselháveis. Os líderes da Igreja são incentivados a realizar avaliações de risco para garantir que todas as atividades sejam “seguras”.

Aqueles que desejam prestar serviços ao ar livre são incentivados a tomar precauções extras sobre segurança.

Embora as igrejas tenham recebido liberdade para reabrir a partir de 4 de julho, espera-se que muitas não o façam. A Aliança Evangélica diz que as conversas que teve com os membros é que não haverá pressa.

Alguns sugeriram que ‘igreja híbrida’ pode ser o futuro, com opções para assistir online e pessoalmente no futuro próximo.

Leia mais:  Abuso sexual e agressão física também são motivos para divórcio, diz teólogo
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana