conecte-se conosco


Brasil

Diretor Executivo da Suzano está entre os mais admirados na área Jurídica em 2020

Publicado

Ranking da Análise Editorial homenageia o trabalho desenvolvido no ano e destaca os esforços durante a pandemia mundial  

Pablo Machado, Diretor Executivo de Relações e Gestão Legal da Suzano, empresa referência global na fabricação de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto, é reconhecido entre os executivos mais admirados do País em 2020.  

O ranking publicado pelo Anuário Executivos Jurídicos e Financeiros homenageia os principais executivos do País por suas ações à frente das equipes de Finanças e Jurídica. Na área de Finanças, Marcelo Bacci, Diretor Executivo de Finanças e de Relações com Investidores da Suzano, também figura na lista de Executivos Financeiros.  

A votação contou com a participação de mais de 400 executivos jurídicos eleitores. Eles indicaram mais de 600 nomes dos pares que mais admiram. O levantamento resultou em 49 executivos jurídicos eleitos Mais Admirados e 65 finalistas.  

“As iniciativas realizadas pela Suzano nos últimos meses mostram a conexão da empresa com toda a sua rede de colaboradores e das comunidades que dependem de suas atividades. Encabeçamos diversos projetos com resultados positivos durante 2020 e tenho orgulho de dizer que sou parte desse time”, afirma Machado. 

Pablo Machado é graduado em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) e tem especialização em Contratos, Direito Comercial e Negociação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e mestrado (LL.M) em Direito do Comércio Internacional pela Universidade da Califórnia, Martin Luther King School of Law (Estados Unidos). Machado ocupa essa posição na Suzano desde junho de 2016 no comando das áreas Jurídica, Tributária, de Relações Institucionais, Inteligência Patrimonial Florestal e Licenciamento Ambiental da companhia. 

Leia mais:  Exame de Bolsonaro dá negativo para coronavírus
publicidade

Brasil

Governo Federal recupera quase R$ 110 milhões do auxílio emergencial

Publicado

Ministério da Cidadania diz que 89,1 mil devoluções foram registradas por civis e outras 26,2 mil por militares

O governo federal recuperou R$ 109,1 milhões em devoluções do auxílio emergencial, de acordo dados divulgados nesta sexta-feira (7) pelo Ministério da Cidadania. 

Mais de 115 mil pessoas que receberam o benefício não se enquadravam nas regras e, por isso, devolveram os recursos. Foram registradas 89,1 mil devoluções por civis e outras 26,2 mil por militares. 

Dos 65,8 milhões de beneficiários, apenas 0,44% não se encaixam nos critérios da lei.  O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, diz que a quantidade de devoluções é significativa.

“O número de devoluções é muito significativo e expressivo, mas na verdade tivemos uma ação importante que resultou de um acordo com a Controladoria-Geral da União, que foi a transparência ativa, um conceito de combate à falha e à corrupção muito importante”, afirma Lorenzoni.

Como devolver o auxílio emergencial?

De acordo com a pasta, as devoluções podem ser feitas pelo site oficial. Ao entrar no site, é preciso inserir o CPF do beneficiário. Com as informações preenchidas, a plataforma vai emitir uma GRU (Guia de Recolhimento da União) e o cidadão poderá fazer o pagamento nos canais de atendimento do Banco do Brasil, como internet, terminais de autoatendimento e caixas eletrônicos. 

Como denunciar

O canal para registro de denúncias de fraudes é o sistema Fala.Br (Plataforma integrada de Ouvidoria e Acesso à Informação da CGU).

Para falar com a ouvidoria, você deve fazer uma manifestação de denúncia, que serve para comunicar ocorrências de ato ilícitos ou irregularidades.

Adicionalmente, o Portal da Transparência traz a relação pública de todos aqueles que receberam o auxílio emergencial, no seguinte endereço eletrônico. Há pesquisa por estado, município e mês. A ferramenta também permite busca por nome e CPF ou pelos telefones 121 ou 0800 – 707– 2003.

Leia mais:  Brasil tem 3.670 mortes e 52.995 casos confirmados de covid-19
Continue lendo

Brasil

Antes de lançamento, notas falsas de R$ 200 já circulam no RJ

Publicado

O Banco Central anunciou que a nova nota de R$200 só entrará em circulação no final de agosto

Após o anúncio do Banco Central sobre a criação da nota de 200 reais, imagens publicadas nas redes sociais indicam que cédulas falsas já estão circulando em Madureira, na zona norte do Rio de Janeiro. O bairro é conhecido pelo seu intenso comércio popular, principalmente no Mercadão de Madureira, o maior centro comercial da cidade.

A nota falsa é alaranjada e tem o desenho do lobo-guará, animal brasileiro escolhido para ilustrar a nova moeda. No entanto, a nova nota só entrará em circulação no final de agosto de 2020.

O crime de falsificação está previsto no artigo 289 do Código Penal, com pena que pode variar de 3 a 12 anos de prisão.

A nova nota tem visa atender a demanda por dinheiro em espécie, que aumentou durante a pandemia de covid-19, e a falta de retorno ao sistema bancário de valores pagos em espécie a beneficiários do auxílio-emergencial de R$ 600.

Em entrevista coletiva, o Banco Central informou que não há relação entre a nova cédula e a desvalorização do real perante ao dólar e nem quanto a perspectivas altas de inflação.

Como identificar notas falsas?

O Banco Central ressalta que há meios do cidadão reconhecer a autenticidade das cédulas. O aplicativo “Dinheiro Brasileiro”, criado em 2016 por conta das Olimpíadas no Rio, permite que o usuário verifique se uma nota é falsificada.

Para usar, basta fotografar a nota e o aplicativo verifica os elementos de segurança presentes nas notas oficiais.

Leia mais:  Petrobras reduzirá preço do diesel em 10% a partir de segunda (27)
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana