conecte-se conosco


Internacional

Irã anuncia execução de lutador acusado de matar segurança

Publicado

Muitas organizações internacionais importantes protestaram contra a execução de Navid Afkari e pediram ao país para poupar sua vida

A agência nacional de notícias iraniana IRNA anunciou neste sábado (12) que o Irã executou o campeão nacional de luta greco-romana Navid Afkari por um assassinato que ele, segundo as autoridades judiciais iranianas, confessou.

Ele teria sido executado na prisão de Adelabad em Shiraz, no sul do país.

O lutador de 27 anos enfrenta duas penas de morte desde que foi condenado por matar um segurança a facadas e por outras acusações ligadas a protestos antigoverno em 2018, de acordo com a mídia estatal.

Apesar de o Irã dizer que ele confessou o crime, há a suspeita de que Navid Afkari só foi morto por ter se tornado, ao lado de seus irmãos Vahid e Habib, um crítico ao atual presidente, Hassan Rohani.

Afkari disse que foi torturado para fazer uma confissão falsa, de acordo com familiares e ativistas, e seu advogado diz não haver prova de sua culpa.

Apesar de o Irã dizer que ele confessou o crime, ocorrido durante os protestos contra o governo, há a suspeita de que Navid Afkari só foi morto por ter se tornado, ao lado de seus irmãos Vahid e Habib, um crítico ao atual presidente, Hassan Rohani.

Afkari disse que foi torturado para fazer uma confissão falsa, de acordo com familiares e ativistas, e seu advogado diz não haver prova de sua culpa.

Os dois irmãos de Afkari, também condenados no caso, tiveram penas de 54 e 27 anos de prisão.

Muitas organizações internacionais importantes protestaram contra a execução planejada e pediram ao Irã que poupasse a vida de Afkari.

Uma associação global que representa 85 mil atletas pediu, nesta semana, a expulsão do Irã do esporte mundial se o país executasse o campeão de luta greco-romana.

“O ato horroroso de executar um atleta só pode ser considerado um repúdio aos valores humanitários que sustentam o esporte”, disse Brendan Schwab, diretor da Associação Mundial de Atletas (AMA), em um comunicado.

Protestos são registrados em várias partes do mundo neste sábado.

Leia mais:  Enfermeira é suspeita de tentar matar cinco bebês com morfina
publicidade

Internacional

Gatos contraem e transmitem Covid-19, mas adoecem pouco, sugere estudo

Publicado

Cientistas espanhóis estudaram caso de felino cujo dono foi morto pelo coronavírus e teve vários familiares infectados

O caso médico de um gato atendido num hospital veterinário na Catalunha, na Espanha, traz novas evidências de que os felinos domésticos contraem e transmitem o novo coronavírus, mas adoecem pouco de Covid-19. O animal, cujo dono havia morrido da doença, foi recebido com graves problemas respiratórios e sofreu eutanásia para prevenir dor e sofrimento.

Por ser uma das primeiras suspeitas de problemas respiratórios graves, o corpo do animal acabou sendo encaminhado para necrópsia em um laboratório de alta segurança. O resultado do procedimento foi descrito nesta sexta-feira (18) em um estudo publicado pela revista científica PNAS, da Academia Nacional de Ciências dos EUA. No artigo, os cientistas descrevem a história de Negrito, um gato persa mesclado com gato europeu comum, de quatro anos de idade.

Quando ele chegou ao Centro de Pesquisa em Saúde Animal de Barcelona (Irta-Cresa), os cientistas logo constaram que, de fato, o animal tinha sido infectado pelo Sars-CoV-2, vírus causador da Covid-19. O que acabou matando o felino, porém, foi uma “cardiomiopatia hipertrófica”, doença caracterizada por um inchaço do coração que compromete seus movimentos.

O problema, segundo os cientistas, não estava relacionado ao coronavírus, mesmo tendo evoluído para edema pulmonar e trombose.

“Não se encontrou nenhuma evidência de pneumonia viral, e nenhum Sars-CoV-2 foi detectado no pulmão”, escrevem os cientistas, liderados por Joaquim Segalés. No tecido cardíaco de Negrito e outros órgãos danificados do animal também não havia presença do vírus, que se apresentou no organismo apenas de forma superficial, no focinho e nas vias aéreas superiores.

A constatação da infecção, porém, é fruto de preocupação, afirmam os pesquisadores, porque não está claro qual seu papel no núcleo de transmissão de Covid-19 em que ele vivia. Após o dono de Negrito morrer de Covid-19, o gato foi adotado por familiares do espanhol, que moravam em outra casa, todos os quais também diagnosticados com o coronavírus.

Zoonose reversa

Segundo os pesquisadores, não está claro se Negrito teve algum papel na disseminação da doença. Casos suspeitos de “zoonose reversa”, em que o patógeno é transmitido de humanos para animais, são menos bem estudados na literatura científica do que episódios comuns de zoonose, de animais para humanos.

Os cientistas do Irta-Cresa fizeram uma busca de outros trabalhos e levantaram apenas casos confirmados de zoonose reversa em quatro cães, seis gatos, oito grandes felinos de zoológico (cinco tigres e seis leões) e algumas doninhas em fazendas de pele.

Pela proximidade que gatos têm, e por sua presença comum em habitações pequenas no mundo inteiro, porém, os cientistas acreditam que é preciso entender melhor a dinâmica da Covid-19 na relação entre felinos e humanos.

“Como a susceptibilidade de gatos domésticos está agora bem estabelecida, são necessários estudos amplos sobre a prevalência do Sars-CoV-2 nesses animais para entender com precisão o papel dessa espécie na pandemia da Covid-19”, escrevem Segalés e colegas.

“Apesar de ser ser altamente especulativa a possibilidade de o Sars-Cov-2 agravar doenças pré-existentes em gatos e outros animais, seria importante certificar se isso pode ocorrer.”

O caso de Negrito chegou a ser noticiado pela imprensa local da Catalunha em maio como o primeiro gato do país diagnosticado por Covid-19. Só agora, porém, com um estudo já submetido a revisão independente, fica esclarecido que não foi o vírus que matou o animal. Uma boa notícia trazida pelos cientistas é que Whisky, o companheiro de apartamento de Negrito, passa bem e aparentemente não chegou a contrair o patógeno.

No estudo, os pesquisadores agradecem às últimas donas do gato, Esther e Carla Zamora, por terem doado o corpo do felino à ciência.

Leia mais:  Máscara de pandemia de quatro séculos atrás se destaca em competição entre museus
Continue lendo

Internacional

Passageiro é flagrado usando cobra como ‘máscara’ em ônibus na Inglaterra

Publicado

Um homem foi flagrado usando uma cobra enrolada no pescoço, no lugar da máscara de proteção contra Covid-19. A cena foi registrada em um ônibus na cidade de Swinton, na Inglaterra, e viralizou nas redes sociais nesta semana.

Uma testemunha chegou a relatar que achou se tratar de uma máscara diferente, mas que percebeu que, depois de um tempo, o réptil começou a se movimentar.

Um porta-voz da empresa de ônibus declarou que é importante seguir as regras de proteção facial adequadas para Covid-19 no transporte público e disse que o caso está sendo investigado, por causa do risco à segurança dos passageiros.

Uso correto 

sorrindo com máscara

As máscaras de prevenção à Covid-19 devem ser de material adequado e exigem um uso específico para que tenham o resultado de proteção esperado.

“Muitas vezes, as pessoas saem com a máscara, mas não a usam corretamente. A máscara precisa cobrir o nariz e a boca. Essa máscara não poder ficar pendurada no pescoço, ou simplesmente protegendo [somente] a boca. É importante que as pessoas a utilizem adequadamente”, alerta o coordenador executivo do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, João Gabbardo.

Gabbardo defende que a máscara tem um papel fundamental em conter a disseminação da Covid-19. Para ele, ainda houve uma demora em determinar a obrigatoriedade do uso do equipamento. 

“O Brasil e o mundo demoraram muito para ter iniciado [o uso]. Acho que a OMS [Organização Mundial da Saúde] demorou em recomendar a utilização das máscaras”, afirmou. 

O tempo de permanência com a máscara varia de acordo com o material com que ela foi feito. As máscaras de tecido, recomendadas pelo Ministério da Saúde, devem ser trocadas a cada duas horas.

A infectologista Rosana Richtmann explica que, no momento da troca, é importante não colocar as mãos no meio delas, já que o tecido pode estar contaminado. É preciso puxar pelos elásticos que envolvem as orelhas.

Leia mais:  Opositor de Putin sai do coma induzido após envenenamento
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana