conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Junho Vermelho: a importância de ser um doador de sangue

Publicado

Junho é o mês de conscientização sobre a importância da doação de sangue. Com o tema “#Compartilhe”, a Secretaria da Saúde (Sesa) chama atenção para a campanha Junho Vermelho e para a doação contínua de sangue.

Amor, Tempo, Vida, Atitude, Afeto e Esperança são destaques da campanha #Compartilhe que busca significar o ato de ser um doador. 

Para a diretora geral do Centro Estadual de Hemoterapia e Hematologia Marcos Daniel Santos (Hemoes), Marcela Gonçalves Murad, a Campanha Junho Vermelho contribui, anualmente, com o aumento das doações de sangue. “É uma forma de sensibilizar as pessoas, além de fazer quem já doou em algum momento a se lembrar da importância de voltar a doar. Neste período muitas pessoas são estimuladas a doar pela primeira vez”, ressalta. 

O tema da campanha, segundo Marcela Murad, demonstra a grandeza da doação de sangue. “Você pode doar o que tem de mais valioso, o desejo de salvar o próximo”.

A diretora explica ainda que cada doação pode salvar até quatro vidas. “O sangue doado é centrifugado e assim temos seus hemocomponentes, que são: hemácia, plaquetas, crio precipitado e o plasma. O paciente, pode necessitar apenas de um desses hemocomponente ou de todos, tudo depende do seu estado clínico. 

A importância de um doador regular

O doador de sangue regular tem uma grande importância. Ele ajuda a manter os estoques estáveis, fazendo com que pessoas que necessitem de transfusões regulares ou aquelas que passam por enfermidades transitórias sejam salvas.

Há quatro anos a enfermeira da Unidade de Coleta da Serra, Janayna Pereira de Souza, realizou a sua primeira doação de sangue e desde então doa continuamente.

“Comecei a ser doadora com o incentivo dos profissionais do Hemoes, logo quando comecei a trabalhar com hemoterapia na Unidade da Serra. Percebi o quanto é importante e, a partir desse sentimento, faço a doação regularmente”, comentou

Janayna Pereira reforça que esse ato proporciona um sentimento de amor, solidariedade e empatia ao próximo, além de incentivar a população a realizar essa ação do bem.

“Neste momento, é importante que todos se esforcem para ajudar a salvar vidas. É hora de somar, multiplicar e provocar mudanças de comportamento. Essa campanha com certeza vai ajudar nessa luta pela ação do bem.”  

Quem pode doar

Antes de efetivamente doar sangue, os voluntários passam por uma triagem para avaliar sua condição de saúde e verificar se estão aptos a realizar a doação. Quem tem entre 16 e 69 anos pode se candidatar como voluntário. Para os mais velhos, uma ressalva: só pode doar quem tiver feito a primeira doação até os 60 anos. Já os menores de 18 anos precisam de autorização de um responsável legal.

O interessado em doar sangue deve ir até uma unidade do Hemoes, apresentar um documento oficial com foto e responder a um questionário. Caso tenha almoçado, deve aguardar três horas após a refeição para fazer a doação.

Neste período de pandemia, pessoas que tiveram diagnóstico positivo para o novo Coronavírus (Covid-19) podem realizar a doação após 30 dias sem apresentar sintomas. Já as pessoas que estiverem com sintomas gripais não devem comparecer para doação.

Agende sua doação

O atendimento em todas as unidades é por meio de agendamento. A medida visa a reduzir a circulação de pessoas nos locais para evitar aglomeração, diminuindo a possibilidade de transmissão do novo Coronavírus.

-Hemocentro de Vitória

Endereço: Avenida Marechal Campos, 1.468, Maruípe | Telefone: 3636-7920

-Unidade de Coleta de Sangue da Serra

Endereço: Avenida Eudes Scherrer Souza, s/nº (anexo ao Hospital Estadual Dório Silva) | Telefone: (27) 3218-9429

-Hemocentro de Linhares

Endereço: Av. João Felipe Calmom, 174-298 – Centro | Telefone: (27) 3264-6000

-Hemocentro de Colatina

Endereço: R. Cassiano Castelo, 276 – Centro | Telefone: (27) 3717-2800

-Hemocentro de São Mateus

Endereço: Rodovia Otovarino Duarte Santos, Km 02, Parque Washington | Telefone: (27) 3767-7954

Leia mais:  Inquérito Sorológico vai testar 32 mil capixabas para identificar contato com Coronavírus
publicidade

Medicina e Saúde

Medicamento usado para tratar piolho pode matar o coronavírus

Publicado

Pesquisadores australianos descobriram que a ivermectina, medicamento que está amplamente disponível, pode matar células do COVID-19

Cientistas do mundo inteiro estão atrás de uma cura: um medicamento que possa acabar com o novo coronavírus, que já infectou mais de 1 milhão de pessoas. A última esperança foi dada por cientistas australianos: um antiparasitário para piolhos, disponível em todo o mundo, teria matado o vírus da Covid-19 no laboratório em apenas 48 horas.

O estudo, publicado na Antiviral Research e liderado por especialistas da Universidade Monash, demonstrou que uma dose única do medicamento Ivermectina pode interromper o crescimento do vírus SARS-CoV-2 na cultura de células. “Descobrimos que mesmo uma dose única poderia remover essencialmente todo o RNA viral (material genético do vírus) em 48 horas e que, mesmo às 24 horas, havia uma redução realmente significativa”, disse a Kylie Wagstaff, do Instituto Monash Biomedicine Discovery, segundo o Daily Mail. A ivermectina é um medicamento antiparasitário aprovado pela FDA (que corresponde a Anvisa dos Estados Unidos) que também se mostra eficaz in vitro contra vírus como HIV, dengue e influenza.

O próximo passo é determinar a dosagem humana correta para garantir que o nível usado in vitro seja seguro. “No momento em que estamos tendo uma pandemia global e não há um tratamento aprovado, um composto que já está disponível em todo o mundo poderia ajudar as pessoas mais cedo”, completou. Os cientistas esperam que os estudos levem pelo menos mais um mês até que os testes sejam feitos em humanos. Além disso, é necessário financiamento para realizar testes pré-clínicos e ensaios clínicos. 

O QUE DIZEM ESPECIALISTAS BRASILEIROS?

A otorrinolaringologista Maura Neves, do Hospital Universitário da Universidade de São Paulo (USP), explica que a Ivermectina é um antiparasitário que também tem ação contra o vírus, assim como a cloroquina. “Atualmente, a usamos para pediculose e escabiose. O estudo mostrou um teste em laboratório no qual o medicamento tem ação contra o Sars cov 2. Já há evidências de que a ivermectina tenha ação contra o vírus SV40, algumas proteínas do vírus da dengue, vírus da encefalite equina venezuelana e até influenza. Mas não age contra o zika vírus por exemplo. No entanto, a pesquisa prova apenas que ela atua contra o coronavírus atual e que diminui a replicação viral de maneira importante em 48 horas. O que se deve entender é que, até o momento, isso é uma evidência fraca para uso em humanos. Trata-se de uma possibilidade. Mas pode ser que, devido à pandemia, seja considerado em humanos antes que estudos robustos sejam feitos”, conclui.

Leia mais:  Laboratório Regional Norte de Saúde Pública recebe equipamento para exames rápidos de HIV e hepatite C
Continue lendo

Medicina e Saúde

Julho Amarelo: Sesa inicia campanha de conscientização sobre hepatites virais

Publicado

Julho é o mês de conscientização sobre as hepatites virais. Com o tema “Saber Salva! Hepatites virais têm cura. Faça o teste”, a Secretaria da Saúde (Sesa) chama atenção para a campanha “Julho Amarelo” e a importância de manter a população informada sobre a doença que causa inflamação no fígado e até câncer.

No Brasil, as hepatites mais comuns são causadas pelo vírus A, B e C. De acordo com os dados parciais do Programa Estadual de Hepatites Virais da Sesa, o Espírito Santo registrou 70 casos da doença no primeiro semestre desse ano, sendo três pelo vírus A, 37 pelo vírus B e 30 pelo vírus C. No mesmo período de 2019, foram notificados 236 casos, sendo cinco de hepatite A, 166 de hepatite B e 65 de hepatite C.

O coordenador do Programa Estadual de Hepatites Virais, o médico infectologista Marcello Leal, ressalta a importância do diagnóstico precoce e de manter a caderneta de vacinação atualizada. “O diagnóstico, sobretudo precoce, é importante para identificar pessoas que possuem a doença e que não sabem, uma vez que as hepatites virais B e C são doenças silenciosas. Tratar esses pacientes reduz consideravelmente a chance de desenvolvimento de cirrose e câncer de fígado, além de interromper a cadeia de transmissão”, disse.

O teste

É importante estar atentos aos principais sintomas da doença, como febre, dor no corpo, náuseas, vômito, pele e olhos amarelados e urina escura. Após a identificação dos sinais, o paciente deve procurar a Unidades Básicas de Saúde ou Centros de Testagem e Aconselhamento de IST, AIDS e Hepatites para a realização do teste rápido de hepatites B e C.

O médico Marcello Leal explica que na hora do atendimento o profissional da saúde recolhe uma gota de sangue do paciente, deposita em pequena placa e a reação química é realizada. “Após esse processo, é feita a leitura do teste e o resultado é liberado em aproximadamente 20 minutos”, descreveu.

Diferença entre as hepatites A, B e C

A hepatite A é feita por meio da ingestão de água e alimentos contaminados por fezes de um indivíduo com a doença. Com isso, a maioria dos casos dessa classificação está associada a condições precárias de saneamento básico. A vacinação contra a hepatite A foi incluída no calendário de vacinação do Sistema Único de Saúde (SUS) em 2014, para crianças de 15 meses a 5 anos incompletos. No Espírito Santo, a maior parte dos casos registrados pela doença são em pessoas com mais de 30 anos.

Já a hepatite B pode ser transmitida por três formas distintas: relação sexual; sangue contaminado; e de mãe para filho durante a gestação ou no momento do parto. Após o contato com o vírus, existe a chance de este permanecer se multiplicando nas células do fígado por mais de seis meses, conhecida como hepatite viral crônica. No Estado, essa doença atinge indivíduos com mais de 30 anos.

No caso da hepatite C, ela é passada por meio de sangue contaminado, sendo que a maioria dos pacientes não possui sintomas. Caso a testagem não seja realizada, a doença só é detectada em estágio avançado, com sinais clínicos de cirrose ou câncer de fígado. Ainda não existe vacinação contra essa classificação da hepatite.

As vacinas para hepatite virais A e B são ofertadas na rotina das salas de vacinação das unidades de saúde dos municípios durante todo o ano.

Leia mais:  Conheça a diferença entre dengue, zika e chikungunya
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana