conecte-se conosco


Internacional

Mulher astronauta que viveu mais tempo no espaço retorna à Terra

Publicado

Christina Koch ficou 328 dias na Estação Espacial Internacional e fez parte da caminhada espacial histórica só de mulheres

A astronauta Christina Koch retorna à Terra, nesta quinta-feira (6) após entrar para a história da exploração espacial ao passar 328 dias na Estação Espacial Internacional (ISS) e ao ter participado da primeira caminhada espacial composta apenas por mulheres. Ao longo do período em que ficou na órbita do planeta, a norte-americana realizou pesquisas científicas importantes e ainda conseguiu se divertir com o privilégio de esta no espaço. Veja algumas das fotos compartilhadas por Christina em sua conta no Instagram durante a missão da Nasa.

O recorde permanência no espaço de Cristina é importante também para os estudos das consequências no corpo de longas viagens pelo Sistema Solar. Os resultados vão contribuir para estimar qual será o impacto de uma viagem até Marte, por exemplo

O recorde permanência no espaço de Cristina é importante também para os estudos das consequências no corpo de longas viagens pelo Sistema Solar. Os resultados vão contribuir para estimar qual será o impacto de uma viagem até Marte, por exemplo.

Durante o tempo livre, a astronauta gostava de fica na janela da ISS observando a Terra .

Durante o tempo livre, a astronauta gostava de fica na janela da ISS observando a Terra 

Leia mais:  Israel autoriza pouso de avião que vai retirar brasileiros da China
publicidade

Internacional

Na Europa, medo do coronavírus leva a corrida aos mercados

Publicado

Desinfetantes e máscaras descartáveis são os itens mais procurados, além de alimentos. Escolas, bibliotecas e outros locais públicos estão fechados

Após autoridades da região do Vêneto determinarem o fechamento de escolas, locais públicos como bibliotecas, museus e até cemitérios por conta do surto de coronavírus em várias cidades da Itália, as pessoas com medo, pânico e insegurança iniciaram uma corrida histérica a farmácias e supermercados.

No sábado, os itens mais procurados eram desinfetantes e máscaras descartáveis mas hoje a busca é de praticamente todos os itens, de papel higiênico a frutas, carnes, enlatados em geral, macarrão, arroz. Tudo com data de validade maior. Mas não só. Os ovos também sumiram das prateleiras dos supermercados.

Em Bassano Del Grappa, uma pequena cidade que fica no centro do Vêneto, na noite de anteontem já faltavam produtos em todos os supermercados. Filas gigantes, pessoas com máscaras, carrinhos que transbordavam de mercadorias, “uma cena de filme de horror”, como resumiu Gigliola Battocchio, de 54 anos, uma das proprietárias do supermercado Battocchio, um dos maiores da região. “Já no sábado percebemos um aumento de 20% nas vendas; no domingo, de 40%; e ontem, de 100%.”

Para Gigliola, “as pessoas entraram em uma espécie de psicose, após o decreto do governo porque havia rumores de que todos os estabelecimentos seriam fechados e, com medo de ficar sem comida começaram a ‘atacar’ os supermercados”. Segundo a empresária italiana, não é tanto o medo do coronavírus que causou essa espécie de histeria coletiva, mas o medo de ficar sem comida em casa. “A Itália é um país que viveu a fome por causa da guerra e o maior medo dos italianos é justamente passar fome de novo.”

Lidia Vidana, de 42 anos, carregava as compras para o carro no estacionamento do Ali, outro supermercado de Bassano. Não havia feito estoque, mas comprado um pouco a mais do que o habitual. “Concordo com as restrições de controle estabelecidas pelo governo, mas é difícil controlar o sentimento das pessoas”, afirmou a italiana. Ela disse não julgar as pessoas que estocam alimentos com receio de restrições ainda maiores. “Eu tenho parentes na Espanha, na Catalunha, em Valência e Madri – e as pessoas também estão apavoradas. Meus parentes afirmaram que as máscaras descartáveis e desinfetantes também estão faltando nas prateleiras dos supermercados espanhóis.”

“O shopping está vazio, o número de vendas caiu 40%. Não tenho medo, é só uma gripe mais forte. Acho que as pessoas estão exagerando um pouco”, disse Gaia Sebbeu, de 20 anos, garçonete do bar Diemme, no Grifone de Bassano. “O problema é que esse vírus se difunde muito rápido, mas até agora ninguém aqui do bar pediu para usar máscara ou luva”, contou a jovem italiana.

Enquanto tomava um café no balcão do bar, a aposentada Alessandra Trolezi, de 68 anos, contou que outro dia estava na rua quando começou a tossir e viu que as pessoas se afastaram dela, “provavelmente pensando que fosse infectada pelo coronavírus”.

Um funcionário da rede ferroviária italiana, que pediu para não se identificar, afirmou nunca ter visto uma situação tão crítica. “Domingo de carnaval foram vendidas apenas 50 passagens de trem de Bassano para Veneza. Em situações normais, são vendidas cerca de 700.”

Clima de preocupação exagerada com o vírus

O clima de preocupação exagerada pode levar a agressões físicas, como a que aconteceu com uma cidadã chinesa que, na semana passada, foi agredida fisicamente e insultada por um casal de italianos no centro de Turim. A imigrante mora há 20 anos na Itália e precisou ser levada para o hospital.

Para a prefeita de Bassano del Grappa, Elena Pavan, do partido Liga Norte, do ex-ministro Matteo Salvini, “era necessário tomar essas medidas que foram adotadas pelo governo”. “Mas criou uma psicose em parte das pessoas, que deram uma importância maior ao que realmente está acontecendo.”

O Salão do Móvel de Milão, o mais importante do mundo, foi transferido para o período entre 16 e 21 de junho, por causa do coronavírus. A previsão inicial era que ocorre de 21 a 26 de abril. A feira de literatura infantil e juvenil de Bolonha — a principal do mundo – também já havia sido adiada. O evento, que seria realizado de 30 de março a 2 de abril, foi transferido para 4 a 7 de maio.

Leia mais:  Vírus misterioso mata duas pessoas na China, e Brasil reforça cuidado
Continue lendo

Internacional

Nasa quer lançar, até 2023, robô que vai procurar água na Lua

Publicado

Com o tamanho de um carinho de golfe, a sonda pretende coletar informações e buscar por recursos para a sobrevivência da humanidade

A Nasa divulgou nesta segunda-feira (25) um pedido de ajuda financeira a seus parceiros para conseguir enviar a sonda espacial Viper à Lua até 2023. O objetivo é procurar gelo de água sobre a superfície do satélite.

 O robô Viper tem o tamanho de um carro de golfe e conta com ferramentas para explorar a superfície lunar, como uma broca de um metro para coletar informações do solo e, principalmente, procurar água e recursos no lado inexplorado da Lua. A  expedição deve durar 100 dias.

Esta será a primeira missão com o objetivo claro de encontrar recursos que justifiquem a exploração humana no local. A agência espacial americana pretende adiantar ao máximo o projeto para verificar a possibilidade de recursos. 

Caso exista água, facilitaria seu próximo projeto — a Artemis, que pretende enviar astronautas para a Lua em 2024, 50 anos após o momento histórico em que Neil Armstrong pisou em solo lunar.

Nasa pede Investimentos de parceiros

A agência possui um núcleo chamado de “Commercial Lunar Payload Services”, um serviço de entregas para a Lua que conta com 14 empresas dispostas ajudar a investir na pesquisa aeroespacial, como o envio de sondas e satélites, tudo sob o guarda-chuva do projeto Artemis.

Como troca, essas empresas que investiram terão prioridade nos recursos e investimentos disponíveis na Lua, caso o projeto tenha sucesso.

“O projeto Artemis integra os desejos e necessidades de explorar, e nossos parceiros nos ajudam a fazer isso com uma abordagem que seja sustentável financeiramente”, a o administrador do setor de exploração e ciência da Nasa Steven Clarke.

Leia mais:  Bilionário defende férias ilimitadas e só três dias de trabalho
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana