conecte-se conosco


Medicina e Saúde

O que é imunidade cruzada e como pode proteger contra a covid-19

Publicado

Fenômeno e seria possível graças à capacidade de memória do sistema imunológico e à semelhança que existe entre os vírus da família coronavírus

Ainda não há um medicamento específico que possa prevenir ou mesmo tratar todos os casos de covid-19, embora avanços científicos tenham sido conquistados nessa área. Por isso, o combate à doença depende exclusivamente do sistema imunológico. Pesquisadores, inclusive, têm discutido a possibilidade de “imunidade cruzada” contra o novo coronavírus.

O fênomeno acontece quando as ferramentas desenvolvidas pelo sistema de defesa para combater um invasor conhecido anteriormente pelo organismo também serve para agir contra um novo vírus, como é o caso do SARS-COV-2. Isso é possível graças à memória imunológica e à semelhança entre os agentes infecciosos.

“Eu tenho uma infecção. Isso gerou uma resposta no sistema imune que ficou guardada e aí, quando entro em contato com um vírus parecido, já tenho o mecanismo para combatê-lo”, explica a alergista Ana Karolina Barreto Marinho, coordenadora do Departamento Científico de Imunização da Asbai (Associação Brasileira de Alergia e Imunologia).

De acordo com ela, há dois estudos já publicados sobre o tema. “Esses artigos mostram que pessoas saudáveis que nunca tiveram contato com o SARS-COV-2 já têm células e anticorpos de memórias por causa da infecção por outros coronavírus. A hipótese é que eles sejam protetores”, detalha.

Isso ajudaria a explicar, segundo os pesquisadores, algumas questões: por que algumas pessoas não pegaram o novenvolvem quadros leves da doença.

Como isso é possível?

Ana Karolina explica que o sistema imune é “um conjunto de células e proteínas que vão nos proteger contra qualquer organismo invasor”. Ele tem dois mecanismos de combate: a imunidade inata e a adaptativa (também chamada de dquirida).

“A imunidade inata é um pouco mais fraca, mas é a nossa primeira, nasce com a gente. Não gera uma resposta duradoura e de memória, serve para qualquer agente infeccioso”, descreve.

É a imunidade adaptativa que produz uma resposta personalizada para cada corpo estranho que entra em contato com o organismo e é responsável pela memória imunológica.

Há dois tipos de células envolvidas nesse processo: os linfócitos T são capazes de identificar e matar células infectadas pelo novo coronavírus e os linfóitos B, que fabricam anticorpos.

Segundo Ana Karolina, quando há o primeiro contato com o novo coronavírus, as células da imunidade inata vão entrar em ação para tentar barrá-lo e, ao mesmo tempo, mandarão um sinal para que a imunidade adaptativa produza anticorpos e outras células mais eficientes e duradouras para combatê-lo.

“Assim, em um segundo contato, as células e anticorpos da imunidade adquirida já vão estar prontas e a resposta [do sistema imunológico] será mais eficaz”, completa.

Outro aspecto que possibilita a imunidade cruzada é o fato de o SARS-COV-2 fazer parte de uma família grande de coronavírus. Sete deles já são conhecidos e quatro circulam entre humanos.

Alguns causam infecções respiratórias que variam do resfriado comum a doenças mais graves, como a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS) e a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS).

“Existem proteínas semelhantes nos vírus que compõem a família coronavírus e essa semelhança faz com que os anticorpos ‘encaixem’ em mais de um deles, isso talvez nos dê essa proteção cruzada”, pondera a especialista.

Leia mais:  Operadoras querem planos de saúde para doenças específicas
publicidade

Medicina e Saúde

Mulheres na menopausa têm maior risco de desenvolver covid-19 grave

Publicado

A pesquisa demonstrou que altos níveis de estrogênio podem ter um efeito protetor contra o novo coronavírus

Mulheres na menopausa apresentam maior risco de desenvolver a covid-19 de forma grave, já que esse hormônio tem uma queda brusca nessa fase de acordo com uma pesquisa da King’s College London publicada no periódico médico medRxiv. A pesquisa demonstrou que altos níveis de estrogênio podem ter um efeito protetor contra o novo coronavírus.

O estrógeno, além de determinar as funções do corpo feminino, como o ovulação, interage com o sistema imunológico, influenciando quantas células imunológicas são produzidas e como elas respondem à infecção, conforme ressalta o estudo. Foram analisados dados de mais de 500 mil mulheres na pós-menopausa, pré-menopausa usando pílula contraceptiva oral combinada (progesterona e estrógeno) e na pós-menopausa em terapia de reposição hormonal no Reino Unido entre 7 de maio e 15 de junho por meio de um aplicativo.

De acordo com os pesquisadores, a covid-19 era mais frequente em mulheres na pós-menopausa e, na faixa etária entre 45 a 50 anos, havia um maior risco de sintomas como anosmia (perda de paladar e olfato), febre e tosse persistente e de necessidade de internação para tratamento com oxigênio.

A prevalência da covid-19 entre mulheres que tomavam contraceptivo combinado, entre 18 e 45 anos, era mais baixa e a frequência de sintomas também. A taxa de hospitalização também foi significativamente menor.

A partir desses dados, os pesquisadores levantaram a hipótese de que o estrógeno poderia servir como protetor contra a doença. Estudos anteriores sobre SARS-CoV e MERS sugerem que isso possa explicar por que homens de todas as idades têm maior risco de infecção grave, incluindo a covid-19.

Já em mulheres na pós-menopausa, entre 50 e 65 anos, que faziam reposição hormonal, a frequência da doença foi alta, mas a gravidade, não, apresentando baixa taxa de hospitalização.

Segundo o Manual Merk, a idade média para a menopausa nos Estados Unidos, é 52 anos. Mas pode ocorrer entre 45 e 55 anos. Fumantes, mulheres que moram em altitudes elevadas e desnutridas costumam entrar na menopausa precocemente, ainda de acordo com o Manual.

Leia mais:  Estado recebe mais 59 respiradores pulmonares nessa quarta-feira (22)
Continue lendo

Medicina e Saúde

Pesquisa inédita revela que índices de amamentação cresceram no Brasil

Publicado

Estudo do Ministério da Saúde aponta que mais da metade (53%) das crianças brasileiras continua sendo amamentada no primeiro ano de vida, e mais de 45% das menores de seis meses recebem leite materno exclusivo

Os índices de aleitamento materno estão aumentando no Brasil, de acordo com resultados preliminares do Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil (Enani) do Ministério da Saúde. Foram avaliadas 14.505 crianças menores de cinco anos entre fevereiro de 2019 e março de 2020. Mais da metade (53%) das crianças brasileiras continua sendo amamentada no primeiro ano de vida. Entre as menores de seis meses o índice de amamentação exclusiva é de 45,7%. Já nas menores de quatro meses, de 60%. Para marcar a Semana Mundial do Aleitamento Materno 2020 (SMAM), o Ministério da Saúde lançou, na tarde desta terça-feira (04), a campanha publicitária “Apoie a amamentação: proteger o futuro é um papel de todos”.

Ao comparar os dados do Enani com inquéritos nacionais anteriores, com base em indicadores de amamentação propostos pela Organização Mundial da Saúde (OMS), todos os indicadores melhoraram no Brasil. O último dado de 2006 da Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher (PNDS), em comparação com o Enani, aponta para aumento de 15 vezes na prevalência de aleitamento materno exclusivo entre as crianças menores de 4 meses, e de 8,6 vezes entre crianças menores de 6 meses.

Já na comparação com os últimos 34 anos, houve aumento de quase 13 vezes no índice de amamentação exclusiva em crianças menores de 4 meses e de cerca de 16 vezes entre crianças menores de 6 meses. Em relação ao indicador de aleitamento materno continuado, ou seja, até 24 meses da criança, o aumento registrado foi de 22,7 vezes no primeiro ano de vida e de 23,5 em menores de dois anos, em comparação com os dados da Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde (PNDS) de 1986.

O Enani é um estudo inédito e foi encomendado pelo Ministério da Saúde, com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e coordenação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O inquérito nacional de alimentação e nutrição infantil foi aplicado por meio de questionários, além da avaliação antropométrica e da coleta de sangue de crianças menores de cinco anos para a avaliação do estado nutricional e deficiências nutricionais.

Os dados de aleitamento materno são preliminares. O estudo, com o restante dos resultados, está em fase final de consolidação. O objetivo é atualizar os indicadores nacionais referentes ao estado nutricional, consumo alimentar e carências nutricionais infantis; além de subsidiar as políticas públicas desenvolvidas pelo Ministério da Saúde, por meio da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança e da Política Nacional de Alimentação e Nutrição, para esse público.

AMAMENTAÇÃO NA PANDEMIA

O Ministério da Saúde recomenda a manutenção da amamentação. A orientação leva em consideração os benefícios para a saúde da criança e da mulher; a ausência de constatações científicas significativas sobre a transmissão do coronavírus por meio do leite materno; e por não ter recomendação para a suspensão do aleitamento materno na transmissão de outros vírus respiratórios. Nestes casos, a amamentação deve ocorrer desde que a mãe deseje e esteja em condições clínicas adequadas para fazê-lo.

No caso das mães que tenham confirmação ou estejam com suspeita de Covid-19 que não puderem ou não quiserem amamentar, devem ser orientadas por profissionais de saúde a realizarem a extração do leite materno manualmente ou por bomba. O leite materno retirado deve ser ofertado à criança de preferência usando um copo e/ou colher limpos (pela facilidade na limpeza) pela própria mãe, se assim ela desejar e tiver condições clínicas para isso ou por uma pessoa que não tenha sinais ou sintomas de doença e com quem o bebê se sinta confortável.

Antes de qualquer decisão, a mulher deve procurar profissionais de saúde para obter orientações sobre os cuidados necessários para manter a amamentação no período da infecção pelo vírus.

Campanha de Amamentação

Assista ao lançamento da Campanha de Amamentação 2020. A ação do Ministério da Saúde marca a Semana Mundial de Aleitamento Materno 2020 (SMAM) no Brasil.

Posted by Ministério da Saúde on Tuesday, August 4, 2020

NOVA CAMPANHA

O Ministério da Saúde também lançou, nesta terça-feira (4), campanha de incentivo à amamentação. A medida marca o início do Agosto Dourado e a Semana Mundial do Aleitamento Materno 2020 (SMAM), que ocorre na primeira semana de agosto, em mais de 150 países. Com o mote “Apoie a amamentação: proteger o futuro é um papel de todos”, a campanha objetiva mostrar que os benefícios da amamentação alcançam não só a mãe e o bebê, mas a sociedade e todo o planeta. A campanha terá filme, cartaz, folder e peças digitais e será veiculada a partir de hoje (4) até 17/08.

A campanha brasileira está alinhada com o tema da WABA (World Alliance for Breaseeding Action – Aliança Mundial para Ação em Aleitamento Materno), idealizadora da semana e que definiu como linha de conscientização para este ano “Apoie o Aleitamento Materno. Por um planeta saudável”.

Os benefícios da amamentação extrapolam a relação mãe e filho e beneficiam todo planeta. A amamentação é capaz de reduzir até 13% a mortalidade por causas evitáveis em crianças menores de 5 anos e, a cada ano que a mulher amamenta, o risco de desenvolver câncer de mama reduz em 6%. A amamentação também diminui os custos com tratamentos nos sistemas de saúde e ajuda a combater a fome e a desnutrição em todas as suas formas, bem como garante a segurança alimentar de crianças por todo o mundo.

O leite materno é o “padrão ouro” da alimentação, é o alimento mais completo para o bebê e tem tudo que ele precisa para se desenvolver de forma saudável até os seis meses de vida. A partir dos seis meses, a orientação é para que o bebê continue mamando até os dois anos ou mais e seja introduzida a alimentação complementar saudável.

Crianças amamentadas têm menos alergias, infecções, diarreias, doenças respiratórias e otites, além de menores chances de desenvolver obesidades e diabetes tipo 2; assim como possuem melhor desempenho em testes de inteligência e se transformam em adultos mais saudáveis e produtivos.

Para mais informações sobre o tema, o Ministério da Saúde possui o Guia Alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos, que é a diretriz oficial para a população brasileira sobre amamentação e alimentação complementar saudável.

Leia mais:  Laboratório Regional Norte de Saúde Pública recebe equipamento para exames rápidos de HIV e hepatite C
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana