conecte-se conosco


Mundo Cristão

Reabertura de igrejas será sem cantar para não propagar o coronavírus, na Inglaterra

Publicado

O governo da Inglaterra estabeleceu as precauções que as igrejas precisam tomar quando reabrirem para o culto público a partir de 4 de julho. 

As orientações publicadas incluem uma série de restrições ao culto, com as igrejas orientadas a evitar cantar e usar instrumentos de sopro.

As igrejas estão se preparando para retomar o culto público depois de poderem abrir para orações particulares no início deste mês. 

A orientação foi produzida com conselhos da comunidade científica e da Força-Tarefa de Locais de Culto do Governo, composta por líderes religiosos. 

“Os locais de culto desempenham um papel importante no fornecimento de liderança espiritual para muitas pessoas e na união de comunidades e gerações”, diz o documento.

“No entanto, sua natureza comunitária pode torná-los lugares particularmente vulneráveis ​​à propagação do COVID-19”. 

Casamentos e funerais podem ser retomados com até 30 participantes. O culto comunitário pode ocorrer com números mais altos, sujeitos a um distanciamento social estrito. 

Os locais de culto são aconselhados a adaptar cerimônias e serviços para que sejam “concluídos no menor tempo razoável”, com os participantes “encorajados a seguir em frente, para minimizar o risco de contato e a disseminação da infecção”.

“Se apropriado, você deve reconfigurar os espaços para permitir que os fiéis se sentem em vez de ficarem em pé, o que reduz o risco de contato”, diz a orientação. 

Também recomenda que, sempre que possível, os locais de culto continuem transmitindo eventos ao vivo para evitar grandes reuniões e “continuem alcançando aqueles indivíduos que se isolam ou são particularmente vulneráveis ​​ao COVID-19”. 

As igrejas devem usar folhas de serviço de uso único e material devocional ou livros limpos num intervalo de 48 horas entre os usos.

As congregações são instruídas a “evitar cantar, gritar, levantar vozes e / ou tocar música em um volume que dificulte a conversa normal ou que incentive a gritar”.  

“Isso se deve ao potencial de aumento do risco de transmissão de aerossóis e gotículas”, diz a orientação.

O tocar de instrumentos “que são soprados deve ser especificamente evitado no culto ou nas devoções e nos ensaios”.

“Onde a música tem um papel importante no culto e há gravações disponíveis, sugerimos que você considere usá-las como uma alternativa ao canto ao vivo.

Não ficou definido sobre quem é a responsabilidade caso haja uma propagação de coronavírus em um local de culto, para que todos os líderes da igreja sejam instados a seguir as diretrizes.

Outras sugestões no documento sugerem que o dinheiro não deve passar pelas mãos; portanto, as doações online devem ser incentivadas; no entanto, se não houver opção – o dinheiro fornecido deve ser mantido em um contêiner e não tocado por vários dias.

Outros aspectos da vida da igreja, como grupos de jovens e escolas dominicais, são permitidos, mas não necessariamente aconselháveis. Os líderes da Igreja são incentivados a realizar avaliações de risco para garantir que todas as atividades sejam “seguras”.

Aqueles que desejam prestar serviços ao ar livre são incentivados a tomar precauções extras sobre segurança.

Embora as igrejas tenham recebido liberdade para reabrir a partir de 4 de julho, espera-se que muitas não o façam. A Aliança Evangélica diz que as conversas que teve com os membros é que não haverá pressa.

Alguns sugeriram que ‘igreja híbrida’ pode ser o futuro, com opções para assistir online e pessoalmente no futuro próximo.

Leia mais:  Canadá quer prender pais cristãos que desencorajarem ideologia de gênero e homossexualidade
publicidade

Mundo Cristão

Evangélicos vão ao STF para derrubar decretos que impedem igrejas de fazer cultos online

Publicado

A Associação Nacional de Juristas Evangélicos entrou com um pedido no Supremo Tribunal Federal (STF) para anular decretos municipais que impedem pastores de fazer transmissões ao vivo de cultos pela internet.

A entidade diz que fiéis têm ido aos templos para buscar assistência social e apoio espiritual na pandemia. Mesmo assim, relatam que fiscais têm proibido até mesmo reuniões de grupos de orações, dentro de residências.

O pedido se baseia em normas baixadas em cidades como João Monlevade (MG), Macapá (AP), Serrinha (BA), Rio Brilhante (MS), Armação dos Búzios (RJ), Bebedouro e Cajamar (SP) que suspenderam qualquer tipo de atividade religiosa nas igrejas, mesmo sem aglomerações.

A maioria dos estados têm permitido o retorno gradual dos templos, determinando que as igrejas não ultrapassem mais do que 30% de ocupação e adotem o uso de máscaras, álcool em gel, distância de 1 metro e meio (ou mais), observa a associação. 

No entanto, a ANAJURE monitorou uma série de violações à liberdade religiosa, apresentando determinações desproporcionais. “Embora alguns estados estejam flexibilizando, há municípios que não seguiram a tendência, pois reabriram setores diversos do comércio e não trataram da situação das igrejas”, diz a organização.

Segundo a entidade, os fiéis têm ido aos templos para buscar assistência social e apoio espiritual durante a pandemia do novo coronavírus. Mesmo assim, há relatos de fiscais que têm proibido até mesmo reuniões de grupos de orações, dentro de residências.

“Municípios têm vedado, sem ressalvas, o exercício de qualquer atividade religiosa e o funcionamento dos templos religiosos, o que tem reverberado até mesmo sobre as transmissões virtuais, executadas por um grupo pequeno de ministros”, diz a ação, que tem como relator o ministro Celso de Mello.

“Dessa maneira, lamentavelmente, parece existir preconceito e negligência com o seguimento religioso, pelo fato de grande parte dos planos de retomada falarem em economia mas não em religião, como se esse não fosse o primeiro direito humano fundamental”, diz a ANAJURE em seu site.

Dentre os estados que permanecem com atividades suspensas, estão Acre e Piauí (até 22/06), Sergipe (até 23/06), Amapá (até 30/06) e Roraima (suspensão com prazo indeterminado). São Paulo teve apenas recomendações; Espírito Santo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul não apresentam restrições específicas, recomendando apenas medidas de cautela gerais para a população; e Bahia continua permitindo atividades até 50 pessoas, com expectativa de novo decreto sobre o tema.

Leia mais:  Canadá quer prender pais cristãos que desencorajarem ideologia de gênero e homossexualidade
Continue lendo

Mundo Cristão

“Vi a morte, mas Deus me curou”, diz pastor curado do coronavírus

Publicado

O ano de 2020 parecia ser apenas mais um, como todos os outros anos. Todos levavam suas vidas sem imaginar que iriam enfrentar a pandemia do novo coronavírus e até mesmo lutar contra a doença, como o pastor Evandro Felipe da Silva, de 61 anos.

O pastor contou toda a sua experiência durante o período que esteve internado para se tratar dos sintomas da Covid-19.

Ele disse que começou com os sintomas de tosse, secreção, cansaço e falta de ar, e por ser do grupo de risco suspeitou do coronavírus e foi junto com sua filha ao pronto atendimento de Cobilândia, onde fez o teste que terminou confirmando o contágio.

“Eu nasci de novo para contar meu testemunho. O espírito santo me curou!”, comemorou o pastor, segundo informações da Tribuna Online.

Ele passou 27 dias internado e relata o quão difícil foi durante esse período, pois chegou a presenciar pessoas morrerem com o vírus. O pastor também chegou a ser entubado por causa do quadro que apresentava.

Depois que apresentou melhora, Evandro Felipe da Silva foi transferido para o Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves, na Serra, onde passou mais 9 dias em observação. Ele diz que a fé foi o fator predominante da sua cura.

“Passei os piores dias da minha vida, mas, graças a Deus, eu tive uma melhora e recebi alta na tarde de ontem (segunda-feira)”, destacou o líder religioso.

O pastor também explicou que tomou todas as medidas de precaução e prevenção contra o coronavírus, e acha que contraiu o vírus durante suas saídas para os serviços essenciais, como ir ai mercado por exemplo.

“Para mim, essa doença é bíblica. Nunca duvidei dela e, por isso, estava evitando sair de casa”, relatou. “Vi a morte, mas Deus me curou”, completou Evandro, certo de que Deus o livrou da morte por meio da Sua misericórdia.

“Eu sou a Verdade e a Vida. Quem crê em mim, jamais morrerá”. Acho que essa frase bíblica já diz tudo. Tenham fé. Para quem não passou por isso, peço que se cuide, pois essa doença é avassaladora,” conclui.

Leia mais:  Kanye West diz que cultos em sua casa o salvaram de uma vida de drogas e pornografia
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana