conecte-se conosco


São Mateus

São Mateus entra para o risco moderado, novo mapa entra em vigor na segunda

Publicado

No 22º Mapa de Risco, que passa a valer a partir de segunda-feira, 39 cidades estão classificadas como de risco baixo e os outras 39 em risco moderado

A partir da semana que vem o Espírito Santo não terá mais nenhum município no risco alto para o novo coronavírus, na classificação da matriz de risco elaborada pelo governo do Estado. O anúncio do novo mapa de risco foi feito no início da noite desta sexta-feira (11) pelo governador Renato Casagrande, durante um pronunciamento online.

No 22º Mapa de Risco, que passa a valer a partir de segunda-feira (14), 39 municípios capixabas estão classificados como de risco baixo e os outros 39 em risco moderado. São Mateus e Ibatiba, as únicas cidades ainda classificadas como de risco alto no estado, passam para o risco moderado na semana que vem. Por outro lado, Divino de São Lourenço, Mimoso do Sul e São José do Calçado, que estão  no risco baixo, passarão para o risco moderado.

Na Grande, Cariacica será o único município ainda no risco moderado. Vila Velha e Viana passarão para o risco baixo na nova matriz de risco. Vitória e Serra já haviam passado para essa classificação na última segunda-feira (7).

Veja o comparativo do atual com o próximo Mapa de Risco:

RISCO MODERADO: Água Doce do Norte, Alfredo Chaves, Anchieta, Apiacá, Barra de São Francisco, Boa Esperança, Cachoeiro de Itapemirim, Cariacica, Colatina, Conceição da Barra, Conceição do Castelo, Divino de São Lourenço, Ecoporanga, Governador Lindenberg, Guaçuí, Guarapari, Ibatiba, Ibitirama, Irupi, Itapemirim, Iúna, Laranja da Terra, Linhares, Marataízes, Mimoso do Sul, Montanha, Mucurici, Muniz Freire, Muqui, Nova Venécia, Pancas, Pedro Canário, Pinheiros, Piúma, Ponto Belo, São José do Calçado, São Mateus, Sooretama, Vargem Alta e Vila Pavão.

RISCO BAIXO: Afonso Cláudio, Águia Branca, Alegre, Alto Rio Novo, Aracruz, Atílio Vivácqua, Baixo Guandu, Bom Jesus do Norte, Brejetuba, Castelo, Domingos Martins, Dores do Rio Preto, Fundão, Ibiraçu, Iconha, Itaguaçu, Itarana, Jaguaré, Jerônimo Monteiro, João Neiva, Mantenópolis, Marechal Floriano, Marilândia, Muqui, Presidente Kennedy, Rio Bananal, Rio Novo do Sul, Santa Leopoldina, Santa Maria de Jetibá, Santa Teresa, São Domingos do Norte, São Gabriel da Palha, São Roque do Canaã, Serra, Venda Nova do Imigrante, Viana, Vila Valério, Vila Velha e Vitória.

Leia mais:  Empresa de ônibus deixa usuários a pé em São Mateus
publicidade

São Mateus

Pesquisa não desanima candidatos à Prefeitura de São Mateus

Publicado

Resultado serviu como fator estimulante para os outros com pouca pontuação

A última pesquisa feita com candidatos à Prefeitura de São Mateus só inflou o ego dos que apareceram na frente. Quanto aos outros que apareceram em posições inferiores não os desmotivaram, muito pelo contrário, foi um termômetro e balizamento para que novas ações e estratégias fossem elaboradas para reverter o quadro que apareceu na pesquisa.

Apesar de não haver prova, mas teve pessoas entrevistadas no interior que deixou de responder ao entrevistador porque o seu candidato não constava na relação apresentada.

Outro fator que foi observado pelos candidatos que avaliaram os índices foi o fato de não terem entrado de fato na campanha e a pesquisa ter sido feita antes disso acontecer, porém, publicada quando eles já estavam em campanha.

O que a reportagem ouviu dos assessores de candidatos é que o alto índice de indecisos tem sinalizado para que essa faixa seja melhor trabalhada.

A pesquisa da Rede Vitória/Futura apresentou o atual prefeito, Daniel Santana (PSDB) em primeiro lugar com 29,3 % na espontânea e 33,5 % na estimulada, seguido de Carlinhos Lyrio (Podemos) com 7,8 % e 13,5 % assim como Ferreira Júnior (SD) com 6,5 na espontânea e 13,8 na estimulada.

Leia mais:  Lixo e entulho tomam conta de bairros de São Mateus
Continue lendo

São Mateus

Fábrica de ônibus Marcopolo sai do RJ e vem para São Mateus

Publicado

A fábrica, que já foi uma das mais lucrativas da Marcopolo, deixa o RJ. Motivo seria a pandemia, mas será que se houvesse um governo interessado isso aconteceria?

Péssima notícia para a economia do Rio de Janeiro, a partir de 30/10, a Marcopolo, maior fabricante de ônibus do país, fechará as portas de sua unidade em Xerém. A fábrica, localizada na antiga Fábrica Nacional de Motores, criada nos anos 40 por Getúlio Vargas, irá transferir suas linhas para São Mateus (ES) e em Ana Rech (RS.

No ano passado, a Marcopolo concluiu um processo para ampliar a produção, um investimento de R$ 14 milhões, que permitiu o início da fabricação de ônibus urbanos e escolares, justamente os que não serão mais produzidos em Duque de Caxias.

A fábrica, que chegou a produzir 25 veículos por dias, em 2014, e chegou perto de se tornar a maior fábrica de ônibus urbanos do mundo”. Houve tempo em que o lucro de Xerém bancava os prejuízos dados pelas fábricas da Marcopolo na Rússia e em Portugal.

Localizada em ponto estratégico, ao pé da Serra de Petrópolis, com fácil acesso a Rio, Minas Gerais e São Paulo. Além disso, está a apenas 170km da fábrica da VW Caminhões e Ônibus, principal fornecedora de chassis. Ela chegou a ser a principal unidade de fabricação de carrocerias de ônibus urbanos da Marcopolo. Nos oito primeiros meses de 2020, produziu 2.201 ônibus, do total de 5.875 unidades fabricadas pela empresa no Brasil.

A planta do Rio de Janeiro é da década de 1950, quando foi fundada a Ciferal, encarroçadora de ônibus brasileira que foi comprada pela Marcopolo no final da década 1990. A área tem 111 mil metros quadrados, sendo que o parque fabril possui 75 mil metros quadrados de área construída. Para se ter uma ideia do quanto a unidade que será fechada representa na fabricação da companhia, dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus (Fabus) mostram que 40% do que foi fabricado no mês de agosto deste ano pela Marcopolo saíram da planta carioca.

A razão dada pela empresa para o fechamento foi a queda de vendas devido a pandemia do Coronavírus. No primeiro semestre, o lucro líquido da Marcopolo desabou 89,8%, para R$ 12 milhões, em razão do tombo nas vendas. Entre abril e junho, a produção do grupo no Brasil caiu 45,7%, frente ao mesmo período de 2019.

Desde a última crise, a companhia vem estudando a otimização das fábricas. Em 2016, um levantamento já mostrava que a empresa tinha mais capacidade fabril do que precisava. Desde então, foi fechada a unidade Planalto da Marcopolo em Caxias.

Atualmente, a unidade de Duque de Caxias tinha cerca de mil funcionários, mas este quadro já chegou a ter o dobro de tamanho. Os profissionais estão sendo transferidos para a unidade de São Mateus. Na informação repassada aos investidores,  a Marcopolo confirma que a concentração das operações brasileiras em um número menor de fábricas vem contribuindo para a redução de custos e incremento da eficiência. A empresa informa ainda que as melhorias operacionais alcançadas nos últimos anos permitirão que as plantas remanescentes tenham capacidade suficiente para absorverem a recuperação de volumes à medida que os mercados se regularizarem, em um cenário pós-pandemia.

Pergunta-se, tão bem localizada, é óbvio que não é apenas a pandemia que fechou a fábrica. Se houvesse um governo operante na época, talvez tal desastre pudesse ter sido evitado. Infelizmente, passamos por um tsunami político, e continuamos sofrendo as consequências.

Leia mais:  Empresa de ônibus deixa usuários a pé em São Mateus
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana