conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Saúde discute doenças transmitidas por pombos

Publicado

Para falar sobre o tema, colegiado convidou a infectologista Rubia Miossi, do Hospital das Clínicas

Quando branco, o pombo é considerado o símbolo da paz. Mas essa ave também pode trazer muitos transtornos para a população, inclusive doenças graves que podem levar à morte ou deixar sequelas.

Para conhecer o impacto dessa realidade na população, a Comissão de Saúde recebe, nesta terça-feira (26), a médica infectologista do Hospital Universitário Cassiano Antônio de Moraes (Hucam) Rubia Miossi, que vai falar sobre doenças dos pombos. A reunião começa às 9 horas, no Plenário Rui Barbosa.

Segundo o Ministério da Saúde, por viverem com facilidade em áreas urbanas os pombos são geralmente vistos com simpatia pela população, que acaba por alimentá-los de forma imprópria, causando doenças nas aves, além de proporcionar sua proliferação. 

Entre as chamadas zoonoses que podem ser transmitidas ao ser humano por meio das fezes dos pombos estão criptococose, histoplasmose, ornitose e salmonelose.

De acordo com o Ministério da Saúde, é possível controlar a população dessas aves nas cidades e promover ações para que eles vivam em locais mais naturais à espécie: na área urbana, os pombos vivem 5 anos em condições inadequadas, mas a sobrevida sobe para 15 em ambientes naturais.

Comissão

Presidida pelo deputado Doutor Hércules (MDB), o colegiado é formado também pelos deputados Dr. Emilio Mameri (PSDB), vice-presidente e proponente do tema em discussão, Hudson Leal (Republicanos), membro efetivo e Luciano Machado (PV), suplente. 

Leia mais:  Câncer de esôfago como o de Bruno Covas costuma ser silencioso
publicidade

Medicina e Saúde

Tinta de cabelo e alisadores estão associados a câncer, sugere estudo

Publicado

Acompanhamento feito por pesquisadores norte-americanos aponta risco aumentado de tumores de mama, principalmente entre mulheres negras

Um estudo feito por pesquisadores norte-americanos e publicado nesta semana no Jornal Internacional de Câncer sugere que algumas mulheres que utilizam tinta de cabelo e alisadores químicos estão mais sujeitas a desenvolver câncer de mama.

Foi identificado que mulheres negras que usavam tinta permanente (formulações que contêm água oxigenada e amônia) regularmente tinham chance 60% maior de desenvolver câncer de mama do que mulheres negras que não faziam uso. Entre mulheres brancas, esse índice foi de 7%.

Além disso, os pesquisadores analisaram os alisadores de cabelo. Foi constatado um aumento de 30% do risco de tumor de mama entre as mulheres em geral. Entretanto, eles observaram que mulheres negras costumam usar esse tipo de produto com mais frequência.

A pesquisa durou cerca de oito anos e monitorou 46,7 mil mulheres, entre 35 e 74 anos, sem histórico de câncer de mama, mas que tinham uma irmã que havia tido tumor desse tipo. Foram identificados 2.794 casos de tumor mamário maligno nesse período.

Médicos ouvidos pelo jornal The New York Times disseram que o estudo não é conclusivo, embora recomendem uso moderado desses produtos.

A cientista Robin Dodson, do Silent Spring Institute em Newton, Massachusetts, identificou que alguns alisadores vendidos no mercado norte-americano contêm compostos que imitam o estrogênio, hormônio que alimenta alguns tipos de tumores de mama.

“A maioria dos produtos atualmente disponíveis no mercado não é testada adequadamente quanto à segurança e não é testada para substâncias químicas que causam desregulação endócrina”, disse ao jornal.

A Sociedade Americana de Câncer observa que as tinturas permanentes — que modifica a cor do cabelo até que ele seja substituído por um novo — de tons mais escuros “têm mais alguns produtos químicos que podem causar câncer” e que “esses produtos são uma grande preocupação em potencial”.

Leia mais:  80% dos jovens se exercitam menos de uma hora por dia, diz OMS
Continue lendo

Medicina e Saúde

Dia do Médico da Saúde da Família e Comunidade: Profissionais selecionados começam os atendimentos nas próximas semanas

Publicado

Quelen Tanize Alves da Silva, diretora geral do ICEPi.

Nesta quinta-feira (05) comemora-se o Dia do Médico da Saúde da Família e Comunidade, especialidade estratégica para um atendimento focado na relação médico-paciente.

Esse profissional é o especialista em pessoas e acompanha seus pacientes ao longo de toda trajetória clínica, criando vínculo com a comunidade onde realiza os atendimentos. Ele se destaca por avaliar o histórico do paciente de forma integral, para gerar um diagnóstico mais adequado e preciso.

Para realizar essa aproximação entre médico e paciente, um novo modelo de gestão para a saúde do Espírito Santo foi apresentado pela Secretaria da Saúde (Sesa). Trata-se do Programa de Qualificação da Atenção Primária à Saúde, que tem o objetivo de inovar e qualificar o atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) no Estado.

Dentro do pacote de ações do Programa, três estão relacionadas à área da formação profissional e provimento, além da seleção de médicos para o Programa Estadual de Formação de Especialistas para o SUS e para a contratação de médicos supervisores especialistas em Medicina de Família e Comunidade, que irão atuar no corpo docente do Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação em Saúde (ICEPi).

De acordo com a diretora geral do ICEPi, Quelen Tanize Alves da Silva, a partir do momento em que a Atenção Básica tem um bom atendimento, ela se torna resolutiva para basicamente 85% do que a população procura.

Para isso, o ICEPi abriu, em outubro, um edital para o preenchimento de 476 vagas, sendo 241 para médicos, 128 enfermeiros e 107 cirurgiões-dentistas, que vão atender aos 76 municípios capixabas que aderiram à proposta do programa. Este programa dará a oportunidade de os profissionais participarem de cursos de pós-graduação nas suas áreas, com o desenvolvimento de atividades de práticas assistenciais nos municípios.

De acordo com a diretora geral do ICEPi, a iniciativa visa cooperar com o provimento de profissionais de saúde para reduzir as desigualdades regionais e ampliar a cobertura e a resolutividade da Atenção Primária à Saúde. Para Quelen Tanize Alves da Silva, a adesão de quase a totalidade dos municípios capixabas mostra o apoio ao programa, que terá como um de seus objetivos reverter a constante queda na cobertura da Estratégia de Saúde da Família.

“Com isso teremos consequentemente a melhoria dos indicadores de saúde no Espírito Santo e a soma positiva na melhoria da prestação de serviços à população”, afirmou.

 

Leia mais:  80% dos jovens se exercitam menos de uma hora por dia, diz OMS

Histórico da Medicina de Família e Comunidade

A Medicina de Família e Comunidade começou no Brasil em meados da década de 1970, com o movimento da saúde comunitária, e junto do Programa de Agentes Comunitários de Saúde foi uma das bases para a criação da Estratégia Saúde da Família (PSF) nos anos 1990. Tanto a estratégia do Sistema Único de Saúde (SUS) quanto a especialidade médica se encontram em franca expansão.

A Saúde da Família tem mais de 30 mil equipes, atendendo mais da metade da população brasileira no SUS.

 

O ICEPi

O Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação em Saúde (ICEPi), é responsável por um conjunto de políticas de inovação em saúde. Com ele, a Sesa passa a investir de maneira robusta na qualificação e modernização das práticas de cuidado da rede própria e no apoio aos municípios, criando um amplo movimento de formação de serviço de Médicos de Família e Comunidade e de especialistas.

O Instituto tem como objetivo reestruturar a atenção em saúde no Estado com fortalecimento das gestões municipais, atuando na resolução e na qualificação do cuidado em saúde para ampliar o acesso da população.

Leia mais:  Câncer de esôfago como o de Bruno Covas costuma ser silencioso
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana