conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Secretaria da Saúde descarta primeiro caso suspeito de Coronavírus no ES

Publicado

Nesta quarta-feira (26), a equipe do Centro de Operações Estratégicas (COE) da Secretaria da Saúde (Sesa) se reuniu para tratar sobre atualizações relacionadas ao Coronavírus. O primeiro caso suspeito da doença foi registrado no Espírito Santo na tarde desta terça-feira (25). No entanto, no início da tarde desta quarta, após a realização de exames pelo Laboratório Central do Espírito Santo (Lacen-ES), foi confirmado que se trata de um caso de Influenza A, sendo descartado o Covid-19.

O paciente deu entrada no Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves (HEJSN), na Serra, apresentando febre e outros sintomas respiratórios. O hospital tem a expertise de atendimento a casos graves e é um dos hospitais de referência para atendimento aos casos suspeitos, definido pelo Plano Estadual de Enfrentamento e Controle do Covid-19.

O paciente é um aposentado de 54 anos, morador da Grande Vi0t0ória, que chegou recentemente de uma viagem à Itália. Desde o final da tarde de terça-feira, ele foi monitorado pela equipe médica do hospital e teve amostras de material coletado para exames laboratoriais. O caso suspeito foi informado no mesmo dia ao Ministério da Saúde, mas o descarte para Coronavírus foi confirmado no início da tarde de hoje, ou seja, em menos de 24 horas após a coleta do material.

O coordenador do Centro de Operações Estratégicas (COE) da Sesa, Luiz Carlos Reblin, explicou que se não houvesse a detecção de nenhuma outra virose, o caso se encerraria aqui mesmo. “Se não houvesse a detecção de nenhuma outra virose, esse material seria enviado para o laboratório de referência que, para o Espírito Santo seria a Fiocruz, no Rio de Janeiro, e para um período aproximado de sete dias para a positividade ou não para o Coronavírus”, explicou.

Plano de contingência

Desde o início dos primeiros casos de Coronavírus na China, o Espírito Santo elaborou um plano de contingência para evitar a circulação do vírus no Estado. Entre as definições apresentadas estão a definição dos hospitais de referência, que serão o Hospital Infantil Nossa Senhora da Glória (HINSG), em Vitória, que é referência em atendimento pediátrico, e o Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves (HEJSN), na Serra, que tem a expertise de atendimento a casos graves.

A remoção dos pacientes com casos suspeitos para os hospitais de referência, de acordo com o plano, ficará a cargo do Serviço Móvel de Urgência (Samu 192) e do serviço de remoção estadual nos municípios que não têm Samu.

Em relação ao atendimento a ser realizado nos municípios, que poderá ser a porta de entrada de casos suspeitos, todos os profissionais já estão sendo orientados e capacitados para identificação da infecção. Os municípios também estão orientados a realizarem a comunicação obrigatória por meio do FormSUS, para que haja a notificação imediata dos possíveis casos.

O Laboratório Central do Espírito Santo (Lacen/ES) fica responsável pelas análises das amostras enviadas pelas unidades de saúde. No local, as amostras serão analisadas para triagem de outras viroses e, caso os resultados descartem casos de influenza ou outras viroses, o material será enviado para o laboratório de referência nacional (Fiocruz) para confirmação ou descarte do caso.

“Agora, com esse descarte, vamos continuar no esforço para que esse vírus não circule entre nós. Na medida em que ele passe a circular, as unidades básicas e hospitais passam a olhar de forma diferente para o paciente que apresentar sintomas. A partir de agora já temos um olhar diferenciado para pessoas que circularam pela Europa, pois até agora a gente olhava apenas para quem vinha de países asiáticos. Então a gente já amplia o leque de países para definição de casos suspeitos”, destacou Reblin.

Na última sexta-feira (21), o Ministério da Saúde passou a enquadrar também, na definição casos suspeitos de Covid-19, pessoas com histórico de viagens a outros sete países: Japão, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Singapura, Camboja, Vietnã e Tailândia. A mudança ocorreu devido ao aumento de 14% no número de novos casos fora da China.

O coronavírus é um novo vírus que tem causado doença respiratória, com casos recentemente registrados na China.

Leia mais:  Está nas suas mãos evitar que o coronavírus se espalhe
publicidade

Medicina e Saúde

Estudo diz que gatos domésticos podem ser infectados pelo novo coronavírus

Publicado

Gatos domésticos podem se infectar com o novo coronavírus, segundo um estudo chinês preliminar publicado em 31 de março. Não há evidência de carga viral suficiente para haver infecção de humanos a partir dos gatos. O Sars-Cov-2 foi detectado no sistema respiratório superior dos bichanos, mas não nos pulmões. Nenhum deles ficou doente, ao contrário da tigresa-de-málaca do zoológico do Bronx, em Nova Iorque, nos Estados Unidos. Ela testou positivo e desenvolveu tosse seca, sintoma mais comum da COVID-19 em humanos.

Uma equipe de 17 pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências da Agricultura, em laboratório, infectaram gatos, furões, porcos, cachorros, galinhas e patos. A principal pergunta dos cientistas é “se o coronavírus tem origem em animais selvagens, ele poderia contaminar animais domésticos e, dessa forma, transformá-los em reserva de infecção?”

Os donos de cães podem ficar tranquilos. Mesmo com a exposição forçada, os cachorros apresentaram baixa suscetibilidade, e nas aves e nos porcos o vírus sequer foi detectado. Entretanto o estudo demonstrou que furões e gatos domésticos podem sofrer contágio. A infecção do vírus é eficiente em felinos, que podem ter transmissão assintomática entre si através de gotículas respiratórias. Apesar de recomendar vigilância aos gatos, os cientistas chineses não detectaram carga viral suficiente para que os bichanos pudessem servir de vetor de transmissão a humanos. Mesmo não ficando doentes, eles apresentaram anticorpos para o coronavírus. Diferente dos humanos, os pulmões dos gatos não tinham nenhum rastro de infecção.

Leia mais:  Banho de mar é a boa do verão, mas todo cuidado com a água-viva

No caso dos furões, alguns animais desenvolveram febre e perda de apetite, e o vírus foi detectado também em seu sistema respiratório superior, o que faria deles um bom modelo para testes de uma futura vacina para COVID-19, apontam ainda os pesquisadores. O estudo foi baseado em exposição forçada ao vírus em laboratório e não corresponde a interações reais entre humanos e animais. Além disso, por ser preliminar, foi utilizado um número pequeno de animais. O estudo ainda não passou por revisão da comunidade científica.

Continue lendo

Medicina e Saúde

Coronavírus: Por que as crianças são afetadas de forma diferente

Publicado

Uma das crenças a respeito do novo coronavírus é a de que, enquanto os idosos formam um grupo de alto risco, as crianças estão protegidas. Mas essa narrativa traz perigos: embora sejam poucos, existem casos preocupantes de crianças e jovens com a saúde seriamente afetada pela infecção.

Assim como os adultos, crianças expostas ao vírus podem apresentar os sintomas da covid-19. A boa notícia é que a maioria dos casos parece não ter gravidade.

É importante lembrar dos casos graves de crianças com covid-19: na Europa, as mais jovens vítimas fatais da epidemia identificadas até agora são um menino de 5 anos que já tinha problemas de saúde no Reino Unido e uma menina de 12 anos da Bélgica. Na China, foi reportado a morte de uma criança de 14 anos em decorrência do vírus.

Nos EUA, o governo de Illinois afirmou estar investigando se um bebê de menos de um ano, morto durante a pandemia, tinha outros problemas prévios de saúde.

“No início da pandemia, pensava-se que crianças não estavam sendo infectadas, mas agora está claro que a quantidade de infecção em crianças é a mesma que em adultos”, explica Andrew Pollard, professor de Infecções Pediátricas e Imunidade na Universidade de Oxford.

Acontece que, na maioria dos casos, diz ele, “quando elas são infectadas, seus sintomas são mais leves.”

O que explica, então, o fato de haver menos relatos de infecção e sintomas graves em crianças?

Sala de aula sendo higienizada; fechamento de escolas ajuda a evitar também a contaminação de adultosImages Sala de aula sendo higienizada; fechamento de escolas ajuda a evitar também a contaminação de adultos

Dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China apontam que jovens com menos de 19 anos respondiam por 2% dos 72,3 mil casos de covid-19 identificados ainda nos primórdios da pandemia, em 20 de fevereiro. Nos EUA, um estudo com 508 pacientes não identificou nenhum caso fatal entre crianças, que respondiam por menos de 1% das internações no grupo estudado.

“Pode ser que o vírus tenha afetado mais adultos até o momento porque houve transmissões em locais de trabalho e em ambientes de viagem”, pondera Sanjay Patel, consultor de doenças infecciosas pediátricas no Hospital Infantil de Southampton, na Inglaterra. “Agora que vemos mais adultos estando com seus filhos, podemos ver um aumento no número de infecções em crianças, ou não.”

O coronavírus afeta as crianças de modo distinto?

Parece que sim.

Crianças não estão imunes ao vírus e há casos graves relatados, mas em geral seu sistema imune responde de modo diferente à covid-19, segundo as evidências iniciais

“É uma observação extraordinária na literatura (médica) global que já temos sobre os coronavírus, que mesmo crianças com problemas graves, sob terapias imunodepressivas ou em tratamento contra o câncer, são muito menos afetadas do que os adultos, em especial os mais velhos”, explica Andrew Pollard, que coordena um grupo de vacinas em Oxford.

Um estudo chinês sobre a covid-19 em crianças mostra que pouco mais da metade tinha sintomas leves de febre, tosse, dor de garganta, nariz escorrendo, dores no corpo e espirros. Um terço desenvolvia sinais de pneumonia, com febre constante, tosse e chiados no peito, mas sem a falta de ar e a dificuldade para respirar vistas nos casos mais severos da doença.

Graham Roberts, consultor pediátrico honorário na Universidade de Southampton, explica que “as crianças (com covid-19) são predominantemente afetadas nas vias aéreas superiores (nariz, boca e garganta), então desenvolvem sintomas parecidos aos de resfriados, em vez de o vírus conseguir acessar suas vias aéreas inferiores – ou seja, o pulmão -, causando a pneumonia e os sintomas potencialmente fatais que vemos em adultos”.

Por que as crianças infectadas têm se saído melhor que os adultos?

A resposta a essa pergunta ainda não é conhecida, porque o vírus é muito novo, afirma Graham Roberts.

“Uma das possibilidades é de que o vírus dependa de uma proteína na superfície da célula (o chamado receptor) para entrar na célula e começar a causar problemas”, diz ele.

“O coronavírus parece usar o receptor da enzima conversora de angiotensina 2 (ECA-2) para esse propósito. Pode ser que as crianças tenham menos receptores de ECA-2 em suas vias inferiores (pulmão) do que nas vias superiores, e por isso as vias superiores (nariz, boca e garganta) serem mais afetadas.”

Essa hipótese, se confirmada, explicaria por que crianças infectadas com o coronavírus parecem desenvolver mais sintomas de resfriado do que de pneumonia.

A afinidade do coronavírus pelo receptor de ECA-2 já havia sido demonstrado em linhas de células e em roedores em estudos de laboratório de 2003, bem como em estudos de genoma dos coronavírus RsSHC014 e Rs3367 (relacionados, mas não idênticos ao coronavírus da SARS) isolados a partir de morcegos chineses em 2013.

Pollard, por sua vez, afirma que pode haver uma outra explicação. “Não é tanto que as crianças não estejam sendo afetadas, mas que algo muda na pessoa que, quando ela envelhece, aumenta a probabilidade de ela ser afetada”, opina.

Ele atribui isso ao envelhecimento do sistema imunológico (imunossenescência), que torna o corpo menos capaz para enfrentar novas infecções. “No entanto, não vemos imunossenescência em jovens adultos, e está claro que até mesmo jovens adultos têm um risco maior do que as crianças de desenvolver graus severos (da covid-19), então essa provavelmente não é a resposta completa”, acrescenta Pollard.

Há muitas formas em que o sistema imunológico de uma criança difere do de um adulto, inclusive pelo fato de que a imunidade dos pequenos ainda está em construção: crianças, especialmente as que frequentam creche ou escola, são expostas a uma grande quantidade de novas infecções respiratórias, e isso pode fazer com que elas tenham uma base maior de níveis de anticorpos contra vírus, em comparação com adultos.

“Crianças parecem acumular mais respostas (a infecções virais) do que os adultos, como febres altas, que não são tão frequentes nos adultos”, explica Roberts. “É bem possível que o sistema imune infantil seja mais bem equipado para controlar o vírus, restringi-lo às vias aéreas superiores sem causar grandes problemas adicionais e eliminá-lo.”

“Também pode ser que crianças previamente infectadas com os demais quatro tipos (conhecidos) de coronavírus possam desenvolver uma proteção cruzada”, acrescenta Patel.

Além disso, os autores do estudo de casos infantis na China sugerem que, como as crianças têm menor incidência de problemas respiratórios e cardiovasculares crônicos, elas são mais resilientes à infecção grave pelo coronavírus do que idosos.

“Muito poucas crianças têm infecção severa de covid-19”, afirma Pollard. “Isso de fato sugere que há algo fundamentalmente diferente sobre a forma como elas estão lidando com o vírus.”

Há uma terceira razão pela qual crianças parecem não estar ficando duramente adoecidas na pandemia. Em adultos em estado grave, uma resposta imune exagerada do corpo no combate ao vírus – em termos médicos, uma tempestade de citocina – parece causar mais danos do que benefícios, provocando uma falência múltipla de órgãos.

Crianças, com sistema imunológico mais imaturo, parecem ser menos capazes de criar tempestades de citocina no combate a infecções virais.

Embora essa hipótese tampouco ainda tenha confirmação na atual pandemia, respostas de crianças durante a epidemia de Sars, em 2003, provaram que, ao contrário de adultos, crianças não desenvolviam respostas de citocina muito elevadas.

As crianças, mesmo com sintomas leves ou inexistentes, podem transmitir o vírus?

Sim, podem.

“Essa é a grande questão”, afirma Roberts. “Muitos acham que as crianças são de baixo risco e por isso não precisamos nos preocupar com elas. Sim, isso pode ser verdade para crianças que não tem problemas médicos crônicos, como imunodeficiências. Mas as pessoas esquecem que as crianças são provavelmente uma das principais rotas pelas quais a infecção está se espalhando pelas comunidades.”

O coronavírus é transmitido de uma pessoa infectada a uma não infectada por meio do contato direto com gotículas respiratórias (pela tosse e espirro, por exemplo) e por superfícies que estejam contaminadas. Isso significa que as crianças infectadas, mesmo que assintomáticas ou com sintomas leves, podem estar passando a doença adiante – até mesmo para parentes idosos.

“Crianças com sintomas leves provavelmente serão uns dos maiores contribuintes para espalhar o vírus”, prossegue Roberts. “É por isso que o fechamento das escolas é crucial, para reduzir o ritmo de contaminação.”

Houve padrão similar com outros vírus – em que as crianças têm sintomas leves, mas são potencialmente grandes transmissoras?

Sim, e um dos casos se refere ao vírus da influenza (gripe).

“A influenza em uma criança com frequência se restringe a um nariz escorrendo, (mas) na população mais velha ela pode levar à hospitalização, à UTI e ser fatal”, afirma Roberts, explicando que um dos objetivos de campanhas de vacinação contra gripe em crianças é justamente evitar que elas passem o vírus adiante aos mais velhos.

A covid-19 afeta de modo diferente crianças de diferentes idades?

Parece que sim. Dados chineses sugerem que crianças pequenas, bebês em particular, são mais vulneráveis à covid-19 do que outros grupos etários infantis. Enquanto casos graves foram identificados entre 1 a cada 10 bebês do grupo estudado, essa taxa caía dramaticamente entre crianças com mais de cinco anos (3 ou 4 a cada 100 desenvolviam sintomas graves).

“(A doença) parece ter uma predileção para crianças em idade pré-escolar”, diz Roberts. “Elas têm vias aéreas menores. Elas são menos robustas que as mais velhas em combater a infecção. Também têm maior probabilidade de serem hospitalizadas, por serem tão novas.”

Momento atual pode gerar grandes angústias nas crianças© Getty Images Momento atual pode gerar grandes angústias nas crianças

E quanto aos adolescentes?

“Nos adolescentes, vemos uma maturação do sistema imunológico para um padrão mais adulto, que é menos eficiente no combate ao vírus. É importante lembrar, porém, que sabemos muito pouco sobre o vírus – estamos especulando no sentido de entender os padrões epidemiológicos que estamos observando.”

No estudo chinês, não foram reportadas mortes entre crianças de 9 anos ou menos; entre adolescentes, houve a morte do menino de 14 anos.

A covid-19 afeta recém-nascidos?

Sim. Há ao menos dois casos de infecção entre recém-nascidos que ganharam destaque: um em Wuhan, na China, e um em Londres, no Reino Unido. Não se sabe ainda se os recém-nascidos contraíram a doença no útero materno ou depois de nascer. Mas, nos dois casos, as mães testaram positivo ao coronavírus.

Ainda sabemos pouco sobre como o coronavírus afeta bebês no útero.

Há evidências de que tipos prévios de coronavírus podem causar abortos espontâneos, partos prematuros e baixo crescimento dos bebês. Mas ainda não há estudos a respeito de se a covid-19 provoca efeitos similares.

De qualquer modo, o sistema de saúde pública britânico aponta que grávidas estão sob maior risco de desenvolver sintomas graves com o coronavírus e recomenda que elas sejam extremamente cautelosas no isolamento social.

Por que é importante falar com as crianças sobre a covid-19

Para além de explicar a elas a importância de cuidados extras com a higiene e o distanciamento social, é preciso acolher suas angústias.

“Com tantas discussões sobre a covid-19, algo que pais realmente precisam fazer é explicar às crianças que elas não vão morrer pela covid-19. É uma mensagem importante de ser transmitida”, opina Patel.

“Como pediatras, sabemos que as crianças têm medo, mas muitas vezes não conseguem articular isso.”

Pollard concorda e também sugere que cuidadores expliquem às crianças que “na maioria das circunstâncias, elas estão protegidas” das complicações mais graves.

“Crianças e adolescentes estão preocupadas com suas famílias”, diz Linnea Karlsson, professora da Universidade de Turku, na Finlândia, e psiquiatra infantil. “Devemos explicar a elas que estas são circunstâncias excepcionais, ou não estaríamos exigindo as mudanças em sua rotina. Precisamos explicar que, nesta situação, devemos cuidar de todos, e não só de nós mesmos e nossas famílias.”

*Com reportagem de Michelle Fernandes, para a BBC Future

Leia mais:  Secretaria da Saúde recebe mais uma notificação de caso suspeito de Coronavírus
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana