conecte-se conosco


Internacional

Tufão Kammuri deixa mortos e milhares de deslocados nas Filipinas

Tufão atingiu a ilha de Luzon com ventos sustentados de 155 km/h e rajadas de 235 km/h. Mais de 50 mil procuraram abrigos temporários

Publicado

Pelo menos quatro pessoas morreram e dezenas de milhares foram deslocadas no norte das Filipinas por conta da passagem do tufão Kammuri, que nesta terça-feira (3) tocou solo e causou chuvas torrenciais além de “ventos violentos”

Dezenas de milhares de pessoas foram evacuadas em várias províncias antes da passagem do tufão, que atingiu a ilha de Luzon com ventos sustentados de 155 km/h e rajadas de 235 km/h, segundo a Agência Meteorológica do país (Pagasa, sigla em filipino)

O maior número de pessoas deslocadas ficou na província de Sorgoson, ponto de entrada do tufão na ilha de Luzon, onde 55 mil pessoas em áreas de risco procuraram os abrigos temporários, segundo informações do governador da província, Francis Escudero

Duas pessoas morreram na província de Mindoro Oriental, na ilha de Mindoro, segundo o governador da província, Bonz Dolor, enquanto que ontem à noite, aconteceram outras duas mortes, uma na província de Zambales e a outra na de Bicol

A passagem do tufão levou as autoridades a anunciar a suspensão de todas as operações no Aeroporto Internacional Ninoy Aquino, em Manila, resultando no cancelamento de várias centenas de voos de 23 companhias aéreas

Kammuri também alterou a agenda dos Jogos do Sudeste Asiático, inaugurados no último sábado, com a participação de mais de 5,6 mil atletas, e nos quais as competições de oito modalidades foram adiadas ou suspensas.

Leia mais:  Cientista prevê que pandemia deve acabar mais cedo do que se espera: "Vamos ficar bem"
publicidade

Internacional

A pandemia que ameaça destruir a fruta mais popular do mundo

Publicado

Assim como a covid-19, doença que acomete bananas está se espalhando para novos países, forçando a indústria a mudar a forma como a fruta mais consumida do mundo é cultivada e até mesmo seu sabor

Uma doença letal aparece do nada. Sua transmissão é silenciosa, espalhando-se antes que os sintomas apareçam. Uma vez contraída, já é tarde demais para detê-la — não há cura. A vida nunca mais será a mesma. Soa familiar?

Não se trata da covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus. A Tropical Race 4 (TR4) afeta bananas. Também conhecida como mal-do-Panamá, é causada pelo fungo Fusarium oxysporum, que vem destruindo as fazendas de banana nos últimos 30 anos.

Seria apenas mais uma doença a afetar plantas se não fosse o fato de que, na última década, a epidemia se acelerou repentinamente, espalhando-se da Ásia para Austrália, Oriente Médio, África e, mais recentemente, América Latina, de onde vem a maioria das bananas enviadas para supermercados no Hemisfério Norte.

Atualmente, o mal-do-Panamá está presente em mais de 20 países, provocando temores de uma “pandemia da banana” e uma escassez da fruta mais consumida do mundo.

Cientistas de todo o mundo estão trabalhando contra o relógio para tentar encontrar uma solução, incluindo a criação de bananas geneticamente modificadas (GM) e uma vacina.

‘Novo normal’?

Mas, assim como a covid-19, a questão não é apenas se podemos encontrar uma cura, mas também como viveremos com um “novo normal” que mudará as bananas para sempre?

O primeiro lugar para procurar pistas é na origem da banana moderna que todos conhecemos. Sua história mostra exatamente o que acontece se essa doença for ignorada.

Não é a primeira vez que as bananas enfrentam uma ameaça, explica Fernando García-Bastidas, pesquisador em saúde vegetal que estudou TR4 na Universidade de Wageningen, na Holanda, antes de trabalhar em uma empresa holandesa de genética vegetal que tenta combater a doença.

Na década de 1950, a indústria foi dizimada pelo que ele descreve como “uma das piores epidemias botânicas da história”, quando o mal-do-Panamá ocorreu pela primeira vez.

Doença fúngica surgiu na Ásia

Origem

A doença fúngica surgiu na Ásia, onde evoluiu com as bananas, antes de se espalhar para as vastas plantações da América Central.

A razão pela qual foi tão devastadora, diz García-Bastidas, é o fato de que as bananas eram todas de apenas uma variedade, a Gros Michel ou ‘Big Mike’.

Essa espécie havia sido escolhida para cultivo pelos produtores porque produz frutos grandes e saborosos que podem ser cortados da árvore ainda verdes, possibilitando o transporte de alimentos exóticos altamente perecíveis por longas distâncias, enquanto continuam amadurecendo.

Cada planta era um clone de aproximadamente mesmo tamanho e formato, produzido a partir de rebentos laterais que se desenvolvem a partir do caule das raízes, facilitando a produção em massa.

Isso significa que cada bananeira é geneticamente quase idêntica, produzindo frutas consistentemente, sem imprevistos. Do ponto de vista comercial era excelente, mas, do ponto de vista epidemiológico, era um surto à espera de acontecer.

O sistema de produção de bananas se baseou fragilmente na diversidade genética limitada de uma variedade, tornando-as suscetíveis a doenças, diz García-Bastidas.

Lição aprendida?

Mas engana-se quem pensa que a indústria aprendeu a lição.

Foi iniciada, então, a busca por uma variedade para substituir a Gros Michel que poderia ser resistente ao mal-do-Panamá. Na década de 1960, uma espécie, a Cavendish, chamada no Brasil de banana nanica, mostrava sinais de resistência que poderiam salvar a indústria da banana.

Batizada em homenagem ao 7º duque de Devonshire, William Cavendish, por ele ter cultivado a planta em sua estufa em sua residência oficial, a Chatsworth House, a banana também poderia ser transportada verde — embora tivesse um sabor mais suave do que a Gros Michel.

Dentro de algumas décadas, ela tornou-se a nova referência para a indústria da banana e continua sendo até hoje. Mas para os cientistas que observavam com nervosismo as vastas plantações em expansão, era apenas uma questão de tempo até que houvesse outro surto.

Na década de 1990 uma nova cepa do mal-do-Panamá, conhecida como TR4, surgiu, novamente na Ásia, que era letal para as bananas Cavendish.

Desta vez, com uma economia globalizada em que pesquisadores, agricultores e outros visitantes das plantações de banana circulam livremente pelo mundo, ela se espalhou ainda mais rapidamente.

García-Bastidas, que completou seu doutorado em TR4 na Universidade de Wageningen, descreve a doença da banana moderna, que ataca o sistema vascular das plantas fazendo-as murchar e morrer, como uma “pandemia”.

“As bananas estão inegavelmente entre as frutas mais importantes do mundo e são um alimento básico importante para milhões de pessoas”, diz ele. “Não podemos subestimar o impacto que a atual pandemia do TR4 pode causar na segurança alimentar.”

Mal-do-Panamá, é causada pelo fungo Fusarium oxysporum

García-Bastidas foi quem viu pela primeira vez o TR4 fora da Ásia, na Jordânia, em 2013.

Desde então ele tem “cruzado os dedos” para que a doença não afete os países em desenvolvimento, onde as bananas são um alimento básico.

Mas registros da doença já foram observados na África, particularmente em Moçambique.

A razão pela qual o TR4 é tão mortal é porque, assim como a covid-19, ela se espalha por “transmissão furtiva”, embora em diferentes escalas de tempo.

Pandemia da banana pode ter resultados positivos se nos forçar a cultivar bananas de maneira mais ecológica e a comer uma variedade maior de frutas, diz cineasta

Uma planta doente ficará saudável por até um ano antes de mostrar os sintomas da doença: manchas amarelas e folhas murchas. Em outras palavras, quando a TR4 é identificada, já é tarde demais e ela terá se espalhado por esporos no solo em botas, plantas, máquinas ou animais.

García-Bastidas, que é natural da Colômbia, sabia que o TR4 chegaria ao centro da produção de banana na América do Sul.

Leia mais:  A fúria de Elizabeth II com a decisão de seu neto Harry
Continue lendo

Internacional

VÍDEO| Homem captura cobra venenosa e morre ao se exibir com o animal

Publicado

Sakeer, de 30 anos, brincou com o animal e acabou picado na mão direita, e morreu a caminho do hospital

Um homem foi chamado por moradores do distrito de Thiruvananthapuram, na Índia, para capturar uma naja,  serpente das mais venenosas e perigosas do planeta.

Segundo o site de notícias The News Minute, Sakeer, como o rapaz foi identificado, tinha 30 anos e não possuía licença para realizar esse tipo de resgate. Ele cumpriu a missão, mas, acabou na pior após ter decidido brincar com o animal.

O homem, acabou picado pelo animal na mão direita. Um dos moradores disse que o capturador de cobras amador recusou ir para o pronto-socorro de imediato: “Demorou cerca de 30 minutos para que as pessoas o levassem ao hospital”, revelou.

Sakeer só acatou a recomendação após sentir-se fraco. No entanto, era tarde demais. O rapaz morreu a caminho do centro médico e deixou uma esposa e dois filhos Após o incidente, a naja foi pega novamente. Mas, dessa vez, por um capturador profissional.

Leia mais:  Astrônomos descobrem estrela com órbita inusitada e provam previsão de Einstein
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana