conecte-se conosco


Entretenimento

TV Globo e Maju Coutinho são processados por auxiliar de produção

Publicado

Kaíque Batista, auxiliar de produção, está processando a TV Globo e a jornalista Majú Coutinho por danos morais, de acordo com publicação feita nesta sexta-feira, 16, pela coluna de Fábia Oliveira no portal O Dia.

Em março de 2020, ele foi  foi absolvido do crime de racismo por falta de provas contra a apresentadora. Kaíque, na época, tinha sido levado para depor no Fórum Criminal da Barra Funda por por policiais e funcionários do Ministério Público de São Paulo e na ocasião, ele teve o seu computador apreendido também.

O rapaz que conseguiu responder em liberdade, estava sendo denunciado por falsidade ideológica, injúria, corrupção de menores na internet e associação criminosa na internet.

“A minha vida mudou. Eu tinha emprego há quatro anos, tinha uma casa e tinha a minha dignidade. Perdi tudo mesmo falando que era inocente e não tendo uma prova concreta contra mim. A única coisa que me envolvia na postagem de racismo foram os comentários de duas pessoas ‘O Kaíque que nos mandou vir aqui’. Eu não publiquei nada! Fui julgado, hostilizado e acusado em todas as mídias. Agora que eu fui inocentando, ninguém me procurou”, disse Kaíque à coluna.

Kaíque está pedindo R$ 800 mil de indenização. “Até hoje eu sou apontado nas ruas. Adquiri síndrome do pânico e depressão. Acabaram com a minha vida e eu quero Justiça”, explicou ao O Dia.

Angelo Carbone é o advogado que defende Kaíque Batista no processo e disse que o juiz já ordenou a citação dos réus, mas que ainda não foi realizada. “É um processo só, mas eu coloco os dois, a emissora e a jornalista, na ação porque houve a tentativa de incriminar um inocente. Ele conhecia as pessoas, mas não fez nada e, na verdade, ele que teria que ter praticado o ato racial, a intenção, o dolo, para ser acusado e não foi o que aconteceu. Destruíram a vida do rapaz e é justo que o Kaíque seja reparado”, falou Carbone à coluna.

Entenda o caso

Tudo começou quando em julho de 2015, Maju foi alvo de racismo nas redes sociais. Uma enxurrada de comentários racistas foram expostos na página oficial do “Jornal Nacional” no Facebook, sendo a maioria com xingamentos envolvendo a cor da pele da jornalista.

Na época, foi levantado a hipótese de que algum grupo ou página racista no Facebook tenha feito uma “convocação” de usuários para ofender a Maju, tendo em vista que os comentários surgiram todos no mesmo instante.

Foi aí que em julho de 2016, a Justiça acatou o pedido da TV Globo e da jornalista e transformou em réus quatro acusados de promover ataques racistas contra ela.

Entre os réus do processo estavam, Érico Monteiro dos Santos, Rogério Wagner Castor Sales, Kaíque Batista e Luis Carlos Félix de Araújo. Na acusação, os três primeiros teriam arquitetado o ataque e tiveram a ajuda de Araújo, profissional de TI, para cometer os crimes.

O grupo ainda foi acusado de induzir outras pessoas, incluindo menores, a também postarem mensagens racistas contra a comunicadora.

Leia mais:  Globo toma medida drástica após escândalo com Drauzio Varella
publicidade

Entretenimento

Tempo e atitude do piloto levaram à morte de Gabriel Diniz, diz relatório

Publicado

Investigação do Cenipa revela que instabilidade atmosférica, formações meteorológicas e atitude do piloto determinaram a queda de aeronave

Um relatório do Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) finalizado na quinta-feira (29) e divulgado nesta sexta-feira (30), apontou que instabilidade atmosférica, formações meteorológicas e a atitude do piloto levaram à queda da aeronave que transportava o cantor Gabriel Diniz, de 28 anos, em maio de 2019, em Sergipe.

O relatório investigou as causas que levaram ao acidente com a aeronave PT-KLO, modelo PA-28-180, ocorrido no dia 27 de maio de 2019. Segundo o órgão, durante o voo, “sob condições meteorológicas adversas, houve desprendimento de componentes da aeronave em voo, seguindo-se da queda da aeronave.”

No acidente, o piloto e os passageiros sofreram lesões fatais. A aeronave ficou destruída. De acordo com o relatório, a atitude de não considerar os procedimentos previstos para se manter em condições de voo levou à exposição da aeronave a um elevado risco de acidente.

A presença de fenômenos meteorológicos também contribuiu para a queda da aeronave. Foram identificadas camadas de nuvens baixas e precipitações de intensidade moderada a forte, com instabilidade atmosférica. Segundo o relatório, esses fatores climáticos interferiram de forma determinantes no acidente. 

Outro fator citado pelo Cenipa é a indisciplina do voo. “Ao ingressar em área com instabilidade atmosférica e formações meteorológicas, o piloto deixou de observar a ICA 100-12/2016 Regras do Ar, que estabelecia os mínimos de visibilidade e distância de nuvens em Condições Meteorológicas de Voo Visual (VMC).”

O relatório considera ainda que não houve uma avaliação adequada dos parâmetros relacionados à operação da aeronave em relação aos limites operacionais para efeito de decisão. Além disso, a aeronave não estava certificada para o tipo de voo em uma rota que se caracterizava pela presença de nuvens baixas e com precipitações fortes e moderadas.

Assim, o relatório concluiu que houve inadequação nos trabalhos de preparação realizados pelo piloto para aquele tipo de operação. “A decisão de manter o voo para Maceió, em condições incompatíveis com o voo visual, demonstraram fragilidades na avaliação da situação, cujos prováveis impactos na segurança do voo não foram adequadamente considerados”, afirmou o órgão. 

Além disso, o relatório concluiu ainda que “o fato de transportar um artista que possuía compromissos familiares no destino tornou-se um dado relevante para a tomada de decisão, em detrimento a relevantes aspectos relativos à manutenção da segurança da operação.”

Leia mais:  Por que o príncipe William não usa aliança?
Continue lendo

Entretenimento

Família de Andressa Suita impede Gusttavo Lima de visitar os filhos

Publicado

Gusttavo e Andressa são pais de Gabriel, de três anos de idade, e Samuel, de dois anos

Eita! Gusttavo Lima e Andressa Suita anunciaram o fim do casamento há três semanas e, pelo que parece, até agora o cantor não conseguiu visitar os filhos, que estão com a mãe, a avó e o tio, irmão da modelo, na casa onde o ex-casal morava antes do divórcio. A informação é do jornal Extra, que ainda revelou que o encontro entre ele e as crianças tem sido dificultado pela família da ex-esposa.

Gusttavo e Andressa são pais de Gabriel, de três anos de idade, e Samuel, de dois anos. A publicação firma que a ex-sogra e o ex-cunhado não gostaram das atitudes de Gusttavo com a modelo, e que nas redes sociais já rolaram até indiretas do irmão dela para o cantor.

Segundo jornal, na semana passada Gusttavo procurou a ex-mulher, tentando uma reconciliação, mas a modelo não aceitou. Ela segue irredutível com a ação de divórcio e acreditando que foi traída pelo sertanejo. Enquanto isso, o cantor está em outro endereço, morando em um apartamento de luxo num bairro nobre de Goiânia.

Além disso, de acordo com o Extra, o edifício em Goiânia possui 32 apartamentos e não são baratos. Os valores de cada unidade são comercializados por valores a partir de quatro milhões de reais.

Leia mais:  Por que o príncipe William não usa aliança?
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana