conecte-se conosco


Camisa 10

A final é brasileira! Santos atropela o Boca e decide Libertadores com o Palmeiras

Publicado

Peixe faz grande partida na Vila e despacha o gigante argentino com gols de Pituca, Soteldo e Lucas Braga

A final da edição de 2020 da Libertadores da América terá clássico, terá rivalidade. E terá um brasileiro campeão. O Santos fez ótima partida na noite desta quarta-feira, bateu o Boca Juniors por 3 a 0 na Vila Belmiro e garantiu classificação para enfrentar o Palmeiras em uma inédita decisão continental. Diego Pituca, no primeiro tempo, colocou o Peixe na frente. Soteldo e Lucas Braga, em um começo de segundo tempo avassalador, garantiram a vitória santista. O Boca ainda teve Fabra expulso – por pisar em Marinho. No jogo de ida, na Argentina, as duas equipes haviam empatado por 0 a 0.

Marque na sua agenda: dia 30 de janeiro, um sábado, às 17h, será realizada a grande decisão da Libertadores da América. A partida será em jogo único, no Maracanã, sem presença de público.

Primeiro tempo

O Santos levou 30 segundos para mostrar que estava disposto a mandar no jogo. Marinho recuperou a bola pela direita, avançou e chutou. Acertou a trave. Naquele lance, já havia sinais do que buscava a equipe de Cuca: marcação forte no campo adversário, saída em velocidade, dominação territorial. E assim os lances foram se sucedendo ao natural, amadurecendo o gol. Aos 11, após cobrança de escanteio de Soteldo, Kaio Jorge desviou para fora, com perigo. Aos 12, Pituca chutou de fora da área, por cima. Parecia mesmo questão de tempo – e pouco tempo. Aos 15, Soteldo mandou o chute, e a bola desviou no braço de Lisandro López. Enquanto os jogadores do Santos pediam pênalti e os do Boca juravam que não foi nada, Pituca pegou o rebote e mandou para o gol: 1 a 0. A desvantagem fez o Boca se soltar um pouco, porém sem jamais dominar o Santos. O time da casa ainda teria chances de ampliar – especialmente em uma pancada impressionante de Marinho em cobrança de falta e depois em batida colocada de Kaio Jorge.

Segundo tempo

O Boca voltou com duas trocas para a etapa final: Buffarini no lugar de Jara na lateral direita, Capaldo na vaga de Diego González no meio. Mas nem teve tempo de sentir os efeitos das substituições. O Santos, avassalador, matou o jogo em cinco minutos. Soteldo, aos três, avançou para cima da marcação e mandou uma pancada: 2 a 0. Dois minutos depois, Marinho rompeu os zagueiros e mandou para Lucas Braga completar: 3 a 0. O Boca, desnorteado, viu Fabra perder a cabeça e agredir Marinho com um pisão. Levou o vermelho direto. Curiosamente, foi a partir daí que o Boca jogou melhor. Aos 13, os xeneizes martelaram na área santista em chutes sucessivos – mas pararam na defesa ou em João Paulo. Aos 26, no reflexo, o goleiro também impediu gol de Villa. Mas o Santos também continuou criando suas chances. Poderia ter ampliado com Marinho, em chute que passou rente à trave. E ainda mais com Madson, que perdeu ótima chance ao sair cara a cara com o goleiro Andrada. E mais ainda com Kaio Jorge, também livre diante de Andrada. Mas, àquela altura, fez pouca diferença. A vitória era do Santos, a vaga era do Santos.

  • Entre brasileiros

    Esta será a terceira vez que dois brasileiros decidirão uma Libertadores da América. As anteriores não tiveram nem Santos, nem Palmeiras. Em 2005, o São Paulo foi campeão sobre o Athletico; um ano depois, viveu o outro lado da moeda: perdeu a decisão para o Inter.

  • Chance de soberania

    A ida à final dá ao Santos a chance de retomar a soberania brasileira em títulos da Libertadores. O Peixe é um dos três brasileiros tricampeões do torneio, ao lado de Grêmio e São Paulo. Foi campeão em 1962, 1963 e 2011. O Palmeiras busca o bi – conquistou a América em 1999.

Leia mais:  Nome do argentino Heinze cresce no Palmeiras
publicidade

Camisa 10

Tóquio-2020 anuncia redução drástica de atletas na cerimônia de abertura

Publicado

De acordo com o jornal, cerca de 6.000 atletas participarão do evento, contra os mais de 11.000 programados para competir em Tóquio

Os organizadores dos Jogos Olímpicos de Tóquio anunciaram nesta segunda-feira que, devido à pandemia de covid-19, vão reduzir o número de atletas nas cerimônias de abertura e de encerramento – uma medida que pode afetar milhares de atletas.

“Para garantir a proteção e a segurança dos atletas e simplificar as operações durante os Jogos de Tóquio, achamos necessário reconsiderar o número de participantes nas cerimônias de abertura e de encerramento”, afirmaram os organizadores.

O Comitê Olímpico Internacional (COI) planeja reduzir esse número quase à metade na cerimônia de abertura, prevista para 23 de julho, informa o jornal Yomiuri Shimbun. De acordo com o jornal, cerca de 6.000 atletas participarão do evento, contra os mais de 11.000 programados para competir em Tóquio.

Os organizadores explicaram que os números ainda não foram divulgados, porque os detalhes estão sendo acertados com o COI. Segundo o Yomiuri Shimbun, essa redução drástica de participantes se deve às restrições sanitárias que limitam o tempo de permanência na vila olímpica.

Leia mais:  Cruzeiro pagou pai de santo na luta contra o rebaixamento de 2019
Continue lendo

Camisa 10

Valdívia recebe teste positivo para covid no intervalo e é substituído

Publicado

Meio-campista estava atuando pelo Avaí na partida diante do CSA. Após saber do resultado de teste, técnico o trocou por Renato

Valdivia testou positivo para covid enquanto estava jogando pelo Avaí

O meio-campista Valdívia foi substituído na partida entre CSA e Avaí pela Série B do Brasileirão. Até aí, sem problemas. O estranho é que ele deixou a partida após receber o diagnóstico positivo para covid-19.

O resultado teria chegado ao conhecimento do clube através de informação repassada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) durante o confronto disputado na cidade de Maceió, momento em que o jogador estava em campo.

Com isso, a atitude do clube foi de, no intervalo do compromisso, substituir o jogador que deu lugar ao também meio-campista Renato. Até o presente momento, o clube ou mesmo a CBF não se pronunciou em caráter oficial.

Desde que chegou ao Avaí por empréstimo do Internacional, Valdívia participou de 45 partidas. Ele fez sete gols em uma passagem marcada por altos e baixos.

Leia mais:  Nome do argentino Heinze cresce no Palmeiras
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana