conecte-se conosco


Política e Governo

‘A outra sentença vem de Deus’, diz Rita Camata após condenação de acusado de matar ex-governador

Publicado

Marcos Venício Moreira Andrade, ex-assessor de Gerson Camata, foi condenado a 28 anos de prisão, por homicídio duplamente qualificado e porte ilegal de arma

A família do ex-governador Gerson Camata avaliou como justa a pena de 28 anos imposta pela Justiça contra o economista Marcos Venício Moreira Andrade, acusado de matar o político. A sentença foi proferida na tarde desta quarta-feira (04), no Fórum Criminal de Vitória, na Cidade Alta.

Marcos Venício foi condenado por homicídio duplamente qualificado — motivo torpe e impossibilidade de defesa da vítima — e por porte ilegal de arma de fogo. Além disso, foi determinado o pagamento de uma indenização no valor de R$ 200 mil para a família da vítima, uma vez que o filho mais novo de Camata era adolescente, na época do crime, e ficou traumatizado com a perda do pai.

Viúva do ex-governador, a ex-deputada federal Rita Camata acompanhou o júri popular ao lado dos filhos e os abraçou no momento da leitura da sentença do juiz. Ainda muito emocionada, ela atendeu a imprensa na saída do fórum.

Leia mais:  Qualificar ES prorroga inscrição para as 10 mil vagas em cursos on-line

Para ela, a pena contra Marcos Venício foi justa e deixa a família um pouco mais aliviada. No entanto, ela lembra que nada poderá trazer o marido de volta.

“Nós acreditávamos no Ministério Público, no trabalho dos nossos advogados. Hoje a gente vê a Justiça, mas a presença dele, a convivência com ele, não teremos nunca mais”, lamentou Rita Camata.

“A gente se sente aliviado por esse resultado. Estou confortada pela justiça. Acho que cumprimos a nossa parte, o ciclo aqui na Terra. A outra sentença vem de Deus e eu confio e acredito nele”, completou a viúva do ex-governador.

A ex-deputada disse ainda que não guarda mágoa de Marcos Venício e espera que Deus o perdoe pelo crime.

“Peço a Deus que ele tenha o conforto, que ele possa refletir. Ele disse que não queria fazer o que fez. Que Deus o perdoe. O ser humano é um ser frágil. Agora, o Camata não merecia receber o que recebeu, depois de tudo o que fizemos e compartilhamos com o assassino. Mas não guardo mágoa no meu coração. Muita saudade e muito desejo de que nós possamos viver mais em paz, em harmonia”, destacou.

Rita Camata afirmou também que acredita que o crime foi premeditado, uma vez que o acusado estava armado na rua.

Leia mais:  Presidente da Findes vai liderar pela CNI o Comitê de Governança para a Indústria

“O resultado foi um pouco nessa linha da pena. Acho que uma pessoa armada que sai e, a sangue frio, do lado de uma pessoa com quem ela conviveu por mais de 20 anos, faz o que fez, nada foi sem pensar”.

Ela também destacou o projeto de lei apresentado pelo marido, no fim dos anos 90, enquanto Gerson Camata ainda era senador, que mais tarde resultou no Estatuto do Desarmamento.

“Acho que mais uma vez Camata, quando apresentou o projeto de lei do desarmamento, e que virou lei, ele tinha razão. Arma não é instrumento de defesa de ninguém”, finalizou.

Gerson Camata foi assassinado em dezembro de 2018, na Praia do Canto, em Vitória

publicidade

Política e Governo

Eleições 2022: eleitores do ES têm até o dia 18 para pedir voto em trânsito

Publicado

Os pedidos devem ser feitos em atendimento presencial, e não há a opção de solicitação pela internet

Os eleitores capixabas que pretendem participar do pleito deste ano e estarão fora do domicílio eleitoral no dia da eleição têm até o dia 18 de agosto para se habilitar, na Justiça Eleitoral, a fim de votar em trânsito ou em seção distinta da de origem, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O requerimento para votar em trânsito pode ser feito para o primeiro, o segundo ou ambos os turnos. Essa modalidade de votação ocorre somente nas capitais e nos municípios com mais de 100 mil eleitores.

Pedidos

Os pedidos devem ser feitos em atendimento presencial, e não há a opção de solicitação pela internet. Para isso, basta procurar qualquer cartório eleitoral, portando um documento oficial com foto, e indicar o local escolhido para ir votar no dia da eleição. Neste ano, o primeiro turno está marcado para 2 de outubro e, eventual segundo turno, para o dia 30.

Leia mais:  Ex-prefeito de Água Doce do Norte que morava nos EUA enquanto vice terá que devolver R$ 104 mil ao município

O voto em trânsito é como uma transferência de domicílio eleitoral, mas temporária. Por exemplo, o eleitor mora no Espírito Santo, mas já sabe que estará em Brasília no dia da votação. Nessa hipótese, basta informar à Justiça Eleitoral que pretende votar naquela cidade indicada.

Habilitação

A habilitação para o voto em trânsito não transfere ou altera quaisquer dados da inscrição eleitoral. Após as eleições, a vinculação do eleitor com a seção de origem é restabelecida automaticamente.

Modalidades

Segundo o artigo 233-A do Código Eleitoral e a Resolução TSE nº 23.669/2021, existem duas possibilidades de voto em trânsito: quem estiver fora de sua cidade, mas no mesmo estado, poderá votar para os cargos de presidente da República, governador, senador, deputado federal, deputado estadual ou deputado distrital. Já os que estiverem em outro estado poderão votar apenas para presidente da República.

Exterior

Vale reforçar que não é possível votar em trânsito fora do Brasil. No entanto, quem tem o título de eleitor cadastrado no exterior e estiver no território brasileiro poderá, sim, votar na eleição para o cargo de presidente da República, desde que habilitado dentro do prazo.

Leia mais:  Comissão da Assembleia quer ouvir diretor-presidente da Eco101

Continue lendo

Política e Governo

Ramalho decide disputar a Câmara Federal

Publicado

Após ser rifado pelo partido na disputa do Senado e ter desabafado que o “sistema” tinha retirado o seu sonho, o ex-secretário da Segurança Pública Coronel Alexandre Ramalho (Podemos) vai disputar uma vaga de deputado federal. Ele vai se somar à chapa que já tem o ex-prefeito Gilson Daniel e o vice-prefeito de Vila Velha, Victor Linhalis, entre outros.

A decisão foi divulgada em nota na tarde desta quinta-feira (11), por sua assessoria. O comunicado diz que a homologação da candidatura foi deferida pelo prefeito de Viana, Wanderson Bueno, que representou a Executiva estadual.

Nos bastidores, a ida de Ramalho para a chapa federal do Podemos dá mais tranquilidade aos candidatos que temiam não alcançar nenhuma das 10 vagas. Agora, os cálculos dão conta da possibilidade de conquistar até duas cadeiras, segundo analistas políticos. O Podemos faz parte da base aliada do governo e vai apoiar a senadora Rose de Freitas (MDB) à reeleição.

Leia a nota na íntegra:

“Nesta quinta-feira (11), após refletir sobre a negativa da homologação da sua candidatura ao Senado, o Coronel Ramalho, ex-secretário de Segurança Pública e Defesa Social do Espírito Santo, decidiu continuar na disputa eleitoral de 2022, agora como candidato a deputado federal.

Sua candidatura foi homologada pelo prefeito de Viana, Wanderson Bueno, que representou a Executiva estadual do Podemos, que também o orientou e motivou a permanecer com seu nome à disposição da sociedade capixaba.

A decisão foi tomada após ouvir sua família, amigos e principalmente as pessoas que o incentivaram a continuar lutando por uma vaga no Congresso Nacional. A deliberação final foi pautada ainda na possibilidade concreta de ser o único candidato com experiência e propostas efetivas no campo da segurança pública.

Ramalho continuará defendendo a modernização e adequação da Legislação Penal Brasileira, que no seu entender, não atende aos anseios dos operadores de segurança pública e das famílias brasileiras, que sofrem nas mãos dos criminosos e não são devidamente alcançados e punidos”.

Leia mais:  Ex-secretário de Hartung assumirá ‘supersecretaria’ em Vitória
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana