conecte-se conosco


Brasil

Adulto de Chupeta, conheça a nova mania desta fraca geração

Publicado

Comunidades online de regressão infantil encontram conforto usando objetos como fralda, brinquedo e mamadeira

Para lidar com sentimentos ruins e traumas, Laura Pini, 19, passa a agir como uma criança. Laura, que prefere ser identificado com o pronome masculino, realiza regressões infantis junto de um caregiver, Rodrigo*, amigo que conheceu pela internet e que assume a posição de cuidador e auxiliar.

A reportagem do TAB presenciou o episódio. Por uma chamada de vídeo, víamos Laura sobre a cama, de pernas cruzadas, usando um macacão jeans e uma tiara no cabelo. Na boca, revezava três mordedores infantis coloridos, emitia sons guturais e gargalhadas.

Minutos depois, apareceram na tela outros objetos que Laura ia garimpando, na ânsia de distração: mamadeira, urso de pelúcia, boneca, chocalho. Como um bebê, mexia as mãos de forma desengonçada e mantinha os olhos arregalados enquanto explorava os detalhes do que tocava.

Durante mais de uma hora, seu cuidador ficou pouco em silêncio. Mesmo distantes fisicamente — Rodrigo mora no Rio; Laura, em Valinhos (SP) –, o caregiver de 18 anos agia como um pai orgulhoso que ri das traquinagens do filho e não pode desviar a atenção. “Cuidado para não se machucar”; “não bota o mordedor muito fundo senão vai passar mal”; “não pode colocar a boneca na boca, só o tetê”. Laura soltava palavras indistinguíveis quando incentivado. “Consegue falar buraco?” — “o caco”. “Qual música está cantando?” — “vilaéamo”, o que Rodrigo traduziu como Vila Sésamo.

Os sinais de que estávamos diante de um adulto apareciam na destreza ao segurar os objetos; na tatuagem de Hello Kitty na mão de Laura, ou no piercing medusa no lábio superior, que brotava quando a chupeta escorregava.

A chamada chegou ao fim quando os bocejos se tornaram constantes. “Tem certeza de que não está com sono?”, indagou Rodrigo, enquanto Laura balançava a cabeça negando, ao mesmo tempo em que deixava uma fralda de pano passear pelo rosto. Resistiu por pouco tempo. Logo dormiu.

Laura diz que quase sempre termina suas regressões com o caregiver o colocando para dormir — depois de um tempo, acorda e volta para a vida adulta.

Apesar disso, afirma que a maioria das regressões é involuntária. Freud explica (ou tenta explicar). A age regression (regressão de idade) é um mecanismo de defesa do ego que causa uma reversão temporária ou de longo prazo a um estágio anterior de desenvolvimento, fazendo com que a pessoa evite lidar com impulsos de maneira adulta. A questão toda é que, para Freud, esse processo se daria inconscientemente.

Leia mais:  Falso juiz é preso com arsenal no porta-malas em rodovia no interior de SP

Laura trabalha com tatuagem e começou a regredir ainda no início da adolescência. Algumas de suas regressões são “impuras”, ou seja, trazem uma sensação ruim e são acompanhadas de memórias de traumas. “Não é uma escolha para mim. Tem dias que me dá um pico de sentimento forte, não consigo lidar, aí regrido e tenho crise de birra igual criança.”

A regressão também pode ser voluntária, com objetivos terapêuticos. Pensando nisso, Laura montou uma loja online de “conforto sensorial e regressão de idade”, a Crayon Heart. Entre os produtos à venda estão prendedores de chupeta, babadores e cubos sensoriais. Com a ajuda da irmã, produz os “objetos de conforto”, que estimulam a regressão nos praticantes.

Uma das clientes de Laura, Moon Queiroz, 21, é formada em pedagogia e é influencer no TikTok com mais de 119 mil seguidores. Ela gosta de definir a age regression como uma forma de meditação. “É um hobby, não é algo de que necessito”, afirma. Segundo ela, não basta só usar chupeta ou mamadeira. “Quem regride entra numa mentalidade infantil.”

Qual o sentimento após uma regressão pura? Para Sarah*, 27, que mora sozinha em Vitória (ES), o processo dá forças para se voltar à realidade. “Depois de sair do meu mundinho cor-de-rosa, fico recuperada”, diz. Ela trabalha como desenvolvedora de TI e, desde a adolescência, suas ações foram descritas como “coisas de criança”. “As filhas da vizinha vinham em casa, passávamos o dia brincando. Cantávamos Xuxa e víamos Barbie. Agora, elas estão maiores e não querem mais algumas coisas. Eu não queria crescer, chorava.”

Tímida, é no conforto do lar que se sente à vontade para regredir.

Apesar de sempre preservar um lado infantil, Sarah não sabia o que era regressão até ver Moon no TikTok. “Eu me achava uma aberração. Vivia sem saber que existiam pessoas como eu.” O namorado é um dos únicos que sabe das regressões. “Ele já fez uma cabaninha para mim, colocou até meus ursinhos de pelúcia.”

Grande parte dos regressores infantis que visitam o canal de Moon se mantêm longe do ageplay — prática fetichista mais frequente, de caráter sexual, em que há encenações nas quais um indivíduo se comporta ou trata outra pessoa como se tivesse outra idade.

Thiago Luis Ferreira, 22, é dos que se identificam com as duas práticas. Ele é empacotador em um supermercado e mora sozinho, em Itapira (SP). No tempo livre, fala sobre ageplay num canal no YouTube e, paralelamente, mantém uma rotina de regressão.

Leia mais:  Manifestantes jogam tinta vermelha na rampa do Palácio do Planalto

Logo cedo, depois de limpar a casa e fazer comida, assiste a desenhos infantis e gosta de desenhar, sempre com a chupeta na boca. “Depois do trabalho, boto uma fralda e durmo com meu ursinho, o ‘fofuchinho’,”

Os “littles” — como são denominados os adeptos da regressão infantil — têm se organizado em uma comunidade que está repercutindo no Brasil pelo TikTok e no Instagram.

Os termos usados pelos membros são em inglês: big age (idade adulta); little age (idade para qual regridem, que é definida a partir da observação de interesses, como o tipo de brincadeiras de que gostam); caregiver (cuidador); little (pessoa que regride); little space (espaço mental em que entram quando regridem). Moon diz que gostaria de “abrasileirar”, mas é complicado, porque a comunidade norte-americana é bem consolidada.

A reportagem de TAB entrou em um dos ecossistemas da comunidade, um servidor com mais de 800 pessoas no Discord. É como um playground digital, com várias salas virtuais que permitem a interação entre os littles. Há membros entre 10 e 40 anos. A maioria é de adolescentes e eles não se identificam pelo nome. Geralmente, usam um apelido acompanhado das palavras “little” ou “baby”.

Na sala de desenhos, os littles compartilham fotos das artes que fazem, como as que ficam penduradas nas paredes do jardim de infância. Também se reúnem em outras alas para regredir por chamada de voz, jogar Minecraft e Gartic, assistir a desenhos animados e cantar no karaokê.

O bate-papo está sempre ativo. “Agola eu tenho uma nova dedela de suquinho e uma bebeta“. “É normal quando eu regredir preferir engatinhar do que andar?”; “Eu gosto de ouvir ‘Galinha Pintadinha’ volume 1, 2 e 3”; “Feliz porque minha mãe comprou meu sabonete de bebê”. Só não pode falar palavrão.

Eles também frequentam escolinhas virtuais. Arthur Santiago, o Tio Thut, 20, é dono de uma delas. Atualmente, são mais de 80 alunos, com little ages de até 7 anos, que são divididos entre maternal e primário. De segunda a sexta-feira, Arthur passa uma atividade pelo Telegram e eles devem entregar à noite.

Na sexta, assistem a um filme juntos e fazem exercícios sobre ele. “Aprendemos que não existem pessoas perfeitas”, diz Tio Thut sobre o ensinamento que tiraram da animação “Ugly Dolls”.

publicidade

Brasil

Setores de petróleo e minério puxam queda da produção industrial capixaba 

Publicado

Ainda que negativo, o resultado do ES no semestre (-1,2%) foi melhor do que a média nacional, que teve retração de 2,2% no mesmo período  

A indústria geral capixaba retraiu 1,2% no primeiro semestre do ano, na comparação com o mesmo período do ano passado. A queda foi resultado do desempenho da indústria extrativa (-12,6%), que foi impactada pela menor produção de petróleo, gás natural e minério de ferro.  

Ainda que negativo, o resultado do Espírito Santo no semestre foi melhor do que a média nacional que teve recuo de 2,2% no mesmo período. Os dados da Produção Industrial Regional (PIM-PF) foram divulgados na terça-feira (9/8) pelo IBGE e compilados pelo Observatório da Indústria da Findes. 

De acordo com dados da Agência Nacional de Petróleo (ANP), a extração de óleo no Espírito Santo recuou 30,1% no primeiro semestre deste ano, enquanto a de gás natural reduziu em 31,9%.  

A presidente da Findes, Cris Samorini, explica que a expectativa para o desempenho da indústria nacional e capixaba para os próximos meses é mais positiva.  

“Temos alguns bons indicadores que estamos acompanhando. Entre eles a criação de mais de 200 mil postos de trabalho formais na indústria nacional e de 4,8 mil apenas no nosso Estado.” 

Cris pondera ainda que caso as medidas governamentais de estímulo fiscal sejam mantidas, como a redução do IPI, isso irá contribuir para fortalecer a indústria capixaba e nacional.  

“O governo federal havia anunciado a redução do IPI, mas nesta semana fomos surpreendidos com a decisão liminar do ministro do STF Alexandre de Moraes de suspender os benefícios. Isso muito nos preocupa, uma vez que trará grande impacto na indústria nacional, afetando o ritmo de retomada da economia e, por consequência, a geração de empregos.” 

Cenário nacional 

Os ramos industriais que registraram os piores desempenhos foram: veículos automotores, reboques e carrocerias (-5,4%); produtos de metal (-12,1%); produtos de borracha e de material plástico (-10,0%); e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-14,6%).

Por Siumara Gonçalves, com informações do Observatório da Indústria da Findes 

Continue lendo

Brasil

Petrobras reduz em R$ 0,22 o preço do diesel nas distribuidoras

Publicado

Decisão derruba de R$ 5,41 para R$ 5,19 o valor de venda do combustível a partir desta sexta-feira (12)

A Petrobras anunciou nesta quinta-feira (11) uma redução de 4,07% no preço do diesel A (puro) nas distribuidoras a partir de amanhã (12). Com a segunda redução em uma semana, o valor do combustível passará R$ 5,41 para 5,19 por litro, uma redução de R$ 0,22 por litro.

Considerando a mistura obrigatória de 90% de diesel A e 10% de biodiesel para a composição do diesel vendido nos postos, a Petrobras afirma que a parcela que recebe do valor final do preço ao consumidor passará de R$ 4,87, em média, para R$ 4,67 a cada litro vendido na bomba.

De acordo com a estatal, a nova redução “acompanha a evolução dos preços de referência, que se estabilizaram em patamar inferior para o diesel, e é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca o equilíbrio dos seus preços com o mercado global, mas sem o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio”.

Leia mais:  Justiça do Rio suspende decreto que liberava igrejas e lotéricas

As duas reduções no preço do combustível no período de sete dias ocorrem após um intervalo sem reajustes no preço do combustível desde o início de maio do ano passado. Com as determinações, o preço do diesel nas distribuidoras caiu 7,5% (R$ 0,42), de R$ 5,61 para R$ 5,19.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana