conecte-se conosco


Segurança

Advogada e marido são assassinados em sítio de Santa Leopoldina

Publicado

O presidente OAB-ES, José Carlos Rizk Filho, cobrou investigações rígidas sobre o caso e também sobre o crime cometido contra uma outra advogada em Iúna

Uma advogada, identificada como Marinelva Venturim Atash, e o marido, D’Ali Atash, foram assassinados a tiros em um sítio localizado na zona rural do município de Santa Leopoldina, região Serrana do Espírito Santo. O crime ocorreu na tarde deste domingo (18), nas proximidades de Colina Verde, em Mangaraí.

A Polícia Militar informou que, após ser acionada, uma equipe foi até Colina Verde verificar a informação de que proprietários de um sítio haviam sido baleados. No local, a equipe encontrou o casal caído na estrada da residência. O Samu foi acionado e constatou o óbito das vítimas. Buscas foram realizadas, mas nenhum suspeito de cometer o crime foi detido. 

A Polícia Civil informou que o caso segue sob investigação da Delegacia de Polícia de Santa Leopoldina. Até o momento nenhum suspeito foi detido e outras informações não serão repassadas para que a apuração dos fatos seja preservada.

Os corpos das vítimas foram encaminhados para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, e devem ser liberados para os familiares após a realização do exame cadavérico. 

OAB cobra investigação

Em vídeo enviado à equipe de reportagem do Folha Vitória, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Espírito Santo (OAB-ES), José Carlos Rizk Filho, cobrou que as investigações sobre o caso sejam rígidas. 

Ele também exigiu resposta sobre um atentado cometido contra uma advogada trabalhista em Iúna, e afirmou que, até o momento, não tiveram nenhum resposta sobre que executou ou orquestrou o atentado.

“A OAB do Espírito Santo vem manifestar sua intensa preocupação com relação aos crimes praticados em face de advogados no Estado. Há cerca de 10 dias, tivemos um atentado em Iúna, cerca de 10 tiros na sala de estar de uma advogada trabalhista. Até o presente momento, não foi entregue nem os executores, nem os mandantes e nem os intermediários. Ontem tivemos um caso em Santa Leopoldina contra uma advogada, cuja a linha de investigação pode ser próxima. Neste sentido, a Ordem cobra imediatas providências do governador do Estado e das força de segurança para que haja uma apuração sobre estes crimes e sejam entregues à sociedade um resultado efetivo para que todos nós tenhamos segurança em nossos lares”, disse Rizk.

Leia mais:  Internos de unidade de segurança máxima aprendem técnicas de pintura
publicidade

Segurança

Detento é espancado até a morte em Penitenciária de Viana

Publicado

O homem de 41 anos foi morto por companheiros de cela após ser acusado por outros detentos de abusar de uma menina de 8 anos

Um detento foi espancado até a morte por companheiros de cela no Complexo Penitenciário de Viana. O homem de 41 anos foi morto no Centro de Detenção Provisória de Viana II no último sábado (18), porque teria abusado de uma menina de 8 anos.

De acordo com o Sindicato dos Inspetores Penitenciários do Espírito Santo (Sindaspes), os detentos acionaram os agentes após o ocorrido e afirmaram que espancaram Renato Silvares até a morte porque ele teria molestado uma criança e os internos não admitem tal comportamento.

O chefe da equipe solicitou uma enfermeira de plantão, que confirmou a morte do detento na cela.

De acordo com a Secretaria de Justiça (Sejus), o homem estava preso desde maio de 2021 por roubo, mas já tinha três passagens na polícia por ameça, furto e roubo com uso de arma de fogo, sendo a mais antiga registrada em 2017.

A equipe da Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) esteve no local para colher depoimentos e três presos foram convocados pelos agentes para prestar esclarecimentos.

A Polícia Civil informou que dois internos, de 23 e 33 anos, foram conduzidos ao plantão do Departamento de Homicídios e autuados em flagrante pelo crime de homicídio. O caso segue sob apuração na Delegacia De Crimes Carcerários.

Leia mais:  Casal de idosos é mantido em cárcere privado por filho e nora
Continue lendo

Segurança

Grupo é preso ao realizar ‘pescaria’ de dinheiro em caixas eletrônicos de Cachoeiro de Itapemirim

Publicado

Segundo a Polícia Federal, um série de furtos semelhantes estavam acontecendo em outras agências em Vitória e Vila Velha

Um grupo de criminosos, formado por dois homens e duas mulheres, foram presos em flagrante pela Polícia Militar, no último sábado (19). Eles tentavam “pescar” envelopes com dinheiro de um caixa eletrônico, em uma agência da Caixa Econômica Federal, em Cachoeiro de Itapemirim.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) foi acionada e o veículo que os indivíduos estavam utilizando foi identificado. A partir dessa informação, foi possível localiza-los dentro da agência bancária no sul do Estado praticando novos furtos.

Após a identificação, a PM efetuou a prisão e não houve resistência por parte do quarteto. Com eles, foram encontrados valores dos furtos cometidos anteriormente em pelos menos outras quatro agências, além dos apetrechos utilizados para o cometimento dos crimes.

Segundo a Polícia Federal, um série de furtos semelhantes estava acontecendo em outras agências em Vitória e Vila velha. Juntamente com a área de segurança do banco, a PF conseguiu identificar o grupo que estava realizando os crimes.

Crime é conhecido como “pescaria”

De acordo com a polícia, essa modalidade de furto é conhecida no meio criminal como “pescaria”. Na ação, é utilizada uma ferramenta própria para penetrar os cofres dos caixas e retirar valores depositados em envelopes. Esse dispositivo mecânico é comumente chamado de “jacaré”.

Um fato curioso que chamou atenção dos policiais envolvidos na apreensão é que dois dos quatro detidos foram presos em flagrante, pelo mesmo crime, no dia 17 de junho deste ano, no Estado da Bahia.

Leia mais:  Internos de unidade de segurança máxima aprendem técnicas de pintura
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana