conecte-se conosco


Política e Governo

Ambientalistas defendem contorno em Sooretama

Publicado

Alternativa para dar seguimento ao projeto de duplicação da BR-101 foi apontada por ativistas da área ambiental em reunião de colegiado que atua na fiscalização da obra

Participantes de reunião virtual aparecem em tela

A Comissão Especial de Fiscalização da BR-101 se reuniu nesta quinta-feira (17) de maneira virtual para discutir a duplicação da rodovia no trecho que corta a Reserva Ambiental (Rebio) de Sooretama, no Norte do Estado. Especialistas na área ambiental denunciaram sérios prejuízos à biodiversidade na região ao longo dos anos e propõem um contorno a oeste do trecho da reserva como uma solução válida para o caso.

A BR-101 corta a Reserva Natural Vale e a Rebio de Sooretama em trecho de aproximadamente 25 quilômetros. De acordo com o presidente do Instituto Marcos Daniel, Marcelo Renan de Deus Santos, a região é uma das últimas áreas de Mata Atlântica capazes de comportar e conservar por longo prazo populações viáveis de espécies de grandes animais e árvores, além de ser considerada o último refúgio desse tipo de floresta para animais como a surucucu-pico-de-jaca, a harpia, o queixada e a onça pintada.

Marcelo, que é doutor em Ecologia de Ecossistemas, ainda disse que a reserva é considerada uma das regiões de mais elevados valores ambientais no mundo, tendo uma das maiores estocagens de carbono na vegetação em todo o planeta, conferindo relevância para os acordos ambientais internacionais. Destacou ainda a importância da reserva para a manutenção da qualidade do clima, da água e do solo, assim como para a polinização e para o controle de pragas agrícolas e epidemias.

“A Rebio de Sooretama é a unidade de conservação mais antiga do Espírito Santo, é de 1941, e é a que vem sendo estudada e conservada há mais tempo no Estado. Junto com as reservas da Vale e do Grupo Suzano, forma o maior bloco florestal de mata de tabuleiro da Mata Atlântica, com 53 mil hectares. É uma das áreas protegidas mais biodiversas do mundo”, explicou o presidente do Instituto Marcos Daniel.

A região possui diversos títulos e diplomas que reconhecem sua relevância no contexto ambiental, tendo sido inclusive declarada Patrimônio Nacional Mundial pela Unesco em 1999. Também foi definida como Área Prioritária para Conservação da Biodiversidade Brasileira pelo Ministério do Meio Ambiente em duas ocasiões (2016 e 2018). “Essa região vem sendo diplomada sucessivamente pela sua relevância ecológica dentro dos contextos estadual, nacional e internacional”, comentou o especialista.

Irregularidades

O palestrante explicou que a BR-101 atravessou ilegalmente a Rebio de Sooretama já durante a implantação, nos anos 1960 e 1970, em desacordo com a Lei 4.771/1965, que trata do Código Florestal. A rodovia, apontou, funciona ainda hoje à revelia da Lei 9.985/2000, que institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza.

Leia mais:  Findes lança "Selo Produto 100% Capixaba" para fortalecer a indústria de alimentos e bebidas do Espírito Santo

“O processo de licenciamento da duplicação da Rodovia BR-101, no que tange ao trecho norte, especialmente ao complexo de áreas protegidas Sooretama/Linhares está cheio de vícios e problemas legais e constitucionais, o que demanda uma análise atenta pelos órgãos de controle, pelo Ministério Público Federal (MPF) e pelo Poder Legislativo”, analisou.

Marcelo explicou que as consequências são desastrosas. “Os 25 quilômetros da BR-101 que atravessam a Rebio e sua zona de amortecimento têm os maiores números de espécies e indivíduos de animais vertebrados atropelados no mundo”, lamentou. O ativista disse que mais de 1 milhão de animais já morreram atropelados no local desde a implantação do trecho, sendo mais de 20 mil atropelamentos a cada ano, com registros de 200 tipos diferentes de espécies nessas intercorrências.

Outros prejuízos relacionados à ocupação desordenada da região também foram apontados pelo ambientalista, entre eles falta de água nos cursos d’água e nos solos, aumento da temperatura e redução da umidade do ar, aumento de focos de incêndios florestais, mortandade de espécies de árvores, poluição sonora, do ar e por emissão de resíduos sólidos, além da contaminação da fauna e da flora.

Contorno

O palestrante explicou que os dispositivos de mitigação, reparação e compensação disponíveis hoje no mundo não seriam capazes de garantir a conservação da biodiversidade no complexo. “Então qual seria a solução que os pesquisadores, amparados na ciência e em dados científicos, coletados em loco, propõem? Que a região do complexo florestal Sooretama/Linhares seja contornada pelo oeste. Que seja feito um contorno da BR-101, a oeste da Rebio de Sooretama”, concluiu.

Os pesquisadores já fizeram também o planejamento desse contorno. O trecho teria 97 quilômetros, uma diferença de 32 quilômetros para a rodovia original. A pesquisa aponta que isso não impactaria no tempo de viagem, já que ela não atravessaria áreas urbanas, diminuindo o número de obstáculos. “Além de garantir mais conforto, segurança, economia e redução nos impactos ambientais”, salientou Marcelo.

A reunião foi mediada pelo professor do Departamento de Biologia, do Centro de Ciências Exatas, Naturais e Saúde (CCENS), da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) Aureo Banhos dos Santos. O professor disse concordar com a solução do contorno pelo lado oeste da rodovia e fez uma análise pelo viés econômico, abordando o contexto histórico e o desenvolvimento da região.

“Se você remove aquela rodovia dali você tem a oportunidade de deixar os eixos regionais funcionarem para o escoamento da produção e controlar o movimento nessa rodovia com muito mais tranquilidade nas estradas que ficarem. Inclusive, nós propomos aqui deslocar essa rodovia pro lado oeste porque a área lá é muito mais degradada e já era um eixo de desenvolvimento do Estado, naturalmente, que foi empobrecido porque foi tudo deslocado para a foz do Rio Doce. Mas lá, através da rodovia, podem ser instaladas indústrias e outros grandes empreendimentos”, argumentou.

Leia mais:  Casagrande anuncia venda do controle da ES Gás

O professor acredita que o Estado não tem condições de controlar a degradação ambiental da região com a duplicação do trecho conforme está previsto. “Não é colocando uma rodovia de alto fluxo, de um grande empreendimento naquele cenário, que você vai conseguir preservar isso, porque é reconhecido mundialmente que é o maior vetor de perda de biodiversidade direto e indireto. Porque através desse vetor, vários outros empreendimentos se instalam e isso fica incontrolável. O Estado não consegue controlar o cenário hoje, imagina no futuro”, alertou.

O fundador e voluntário do Instituto Últimos Refúgios, Leonardo Merçon, também falou sobre a importância e riqueza da biodiversidade da reserva. “Pra mim a Rebio de Sooretama é um símbolo de biodiversidade, não só do Espírito Santo, mas do Brasil, e quiçá do mundo. Eu, como fotógrafo de natureza, que é a minha profissão, já viajei pelo mundo inteiro fotografando quase todos os continentes e eu nunca vi um lugar tão rico em biodiversidade quanto a Rebio de Sooretama, que tem animais da Mata Atlântica, da Amazônia e por aí vai”, afirmou.

Licenciamento

A reunião foi proposta pelo presidente do colegiado, deputado Gandini (Cidadania). O parlamentar está de acordo com os especialistas e acredita que o contorno seria uma solução viável. “Uma pessoa que não tem essa carga de informações tende a achar que é simples passar ali. Não tem essa profundidade de entendimento de perdas que nós vamos ter a curto, médio e longo prazo, do ponto de vista ambiental e do ponto de vista econômico, pois ficou claro também que isso vai gerar impacto em toda região, principalmente na agricultura”, explicou.

Gandini ainda destacou a importância do debate para a compreensão sobre os entraves no licenciamento ambiental da obra. “A gente verifica que há, por parte da concessionária, um desinteresse enorme em resolver essa questão do trecho de Sooretama. Mais especificamente há um desinteresse enorme em ter a concessão da licença nesse trecho. Ao que nos parece, isso é uma vantagem que eles estão conseguindo ao não apresentar as documentações pedidas pelo Ibama. Por isso que eu manifesto sempre que o Ibama precisa encerrar esse assunto e falar que a concessão é inviável desse jeito”, concluiu.

publicidade

Política e Governo

Veja o perfil dos 7 candidatos ao governo do Espírito Santo em 2022

Publicado

Neste ano, sete candidatos disputam a vaga para o Palácio Anchieta. Veja a lista e o perfil de quem está no páreo para ser o governador do Espírito Santo

Nas eleições deste ano, sete candidatos disputam o cargo de governador. São eles, em ordem alfabética: Aridelmo Teixeira (Novo), Audifax Barcelos (Rede), Carlos Manato (PL), Cláudio Paiva (PRTB), Guerino Zanon (PSD), Renato Casagrande (PSB) e Vinícius Sousa (PSTU).

O Folha Vitória acompanha as publicações no TSE das candidaturas e vai atualizar a lista dos candidatos à medida que houver mudanças. 

No caso do pedido de candidatura do ex-prefeito de Linhares Guerino Zanon, a reportagem teve acesso ao extrato do seu pedido de registro de candidatura. No entanto, até às 19h desta segunda-feira (15), a solicitação ainda não constava da base de dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), cujo sistema não é atualizado automaticamente

O primeiro turno será realizado em 02 de outubro e um eventual segundo turno para governador e/ou presidente ocorrerá em 30 do mesmo mês.

Veja abaixo quem são os candidatos ao governo do ES:

Veja o perfil de cada um dos candidatos:

Aridelmo Teixeira

Natural de Governador Valadares, em Minas Gerais, o professor e empresário Aridelmo Teixeira é cofundador da FUCAPE Business School. Aos 57 anos, o candidato ao governo do Espírito Santo já atuou como secretário da Fazenda da prefeitura de Vitória, de 2021 a 2022.

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (USP), mestre em Ciências Contábeis pela FGV/RJ e graduado em Ciências Contábeis, atualmente Aridelmo é coordenador do InspiraES, plataforma de gestão de voluntários para o desenvolvimento de políticas públicas, fundada por ele em 2019 por meio do Instituto Fucape de Tecnologias Sociais (IFTS).

O candidato também já foi presidente institucional da ONG “Espírito Santo em Ação”, além de compor o time de fundadores do Instituto Líderes do Amanhã.

Aridelmo é membro Intergovernmental Working Group of Experts on International Standards of Accounting and Reporting / United Nations Conference for Trade and Development (ISAR /UNCTAD).

Ainda na educação, o empresário também atuou como membro da Comissão de Assessoramento na área de Ciências Sociais Aplicadas na FAPES, na CAPES e no CNPq.

Audifax Barcelos

Aos 58 anos, Audifax Barcelos já acumula 34 de experiência na gestão pública. Casado, pai de dois filhos e evangélico, o ex-prefeito da Serra atualmente é membro da Primeira Igreja Batista de Vitória, onde já atuou como diácono e professor da escola bíblica dominical.

Formado em Economia e Administração pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), a trajetória profissional do também ex-deputado federal, teve início entre os anos de 1982 e 1986, quando assumiu o cargo de auxiliar administrativo da prefeitura de Vitória.

Leia mais:  Findes lança "Selo Produto 100% Capixaba" para fortalecer a indústria de alimentos e bebidas do Espírito Santo

Passado um ano, Audifax iniciou a carreira de economista na administração da Capital. Tempos depois, entre 1988 e 1989, foi secretário de Planejamento de Vila Velha.

A partir daí, Audifax atuou como secretário de Administração de Vitória e, também, como diretor do Departamento de Administração da Ufes.

Com uma densa história com a Serra, onde foi prefeito por três mandatos, Audifax começou a vida na gestão do município no setor de Administração, entre os anos de 1997 e 2000. Pouco tempo depois, o atual candidato ao governo do Estado, se elegeu como deputado federal por dois anos, em 2011 e 2012.

Carlos Manato

Nascido em Alegre, o médico e ex-deputado federal Carlos Manato agora está na disputa pela posição de governador do Estado. Presente na política capixaba desde 2003, Manato já ocupou o posto de deputado federal por quatro vezes.

Com a vida acadêmica voltada à área da Saúde, Manato é pós-graduado em Medicina do Trabalho, pela Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (Emescam), e em Colposcopia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 

O candidato também é pós-graduado em Administração Hospitalar e especialista em Ginecologia e Obstetrícia.

Na Câmara dos Deputados, já foi membro das seguintes comissões: Turismo, Agricultura, Pecuária, Abastecimento, Desenvolvimento Rural, Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços, entre outras.

Em sua carreira,  o político já trabalhou como professor na Emescam, médico no Instituto Estadual de Saúde Pública; foi diretor-clínico e diretor-geral do Hospital Dório Silva, além de diretor-clínico e diretor-presidente do Hospital Metropolitano.

Cláudio Paiva

Aos 62 anos, pai de três filhos e morador de Guarapari, na região metropolitana do Estado, o contador e administrador de empresas Cláudio Paiva trabalha, há mais de trinta anos, como consultor empresarial e com gestão de pessoas.

Ainda em sua trajetória profissional, Paiva  atuou na educação durante 16 anos, como professor de graduação e pós-graduação, além de trabalhar como terapeuta e psicanalista. É pós-graduado e doutor em Psicanálise Clínica e, atualmente, gerencia uma clínica, onde atende dependentes químicos.

De maneira voluntária, Cláudio também presta serviços para a “Rede Mulher”, uma organização que acolhe mulheres vítimas de agressão por parte dos companheiros e que foram colocadas para fora de casa. 

Guerino Zanon

Natural do município de Rio Bananal, interior do Espírito Santo, Guerino Luiz Zanon começa a jornada ainda aos 13 anos quando decide sair de casa para estudar em um internato no interior de Colatina.

Tempos depois se mudou para Linhares, onde trabalhou em uma padaria e em um hotel. Ainda na juventude, com a ajuda de familiares, Guerino se mudou para Vitória para entrar na universidade.

Guerino é formado em Física pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Ainda nos primeiros anos do curso, começou a dar aulas em um pré-vestibular que, anos depois, lhe conferiu a experiência suficiente para fundar, ao lado da esposa, o Colégio Cristo Rei e a Faculdade de Administração e Ciências Contábeis de Linhares.

Leia mais:  Governo anuncia entrega de cestas básicas a alunos da Rede Estadual por mais um mês

A carreira política de Zanon começou em 1996, quando ele decidiu se afastar da direção das instituições de ensino para disputar a primeira eleição para prefeito de Linhares. Guerino esteve à frente do Executivo municipal por cinco mandatos.

Ainda na política, o ex-prefeito também já atuou como deputado estadual duas vezes, sendo que em 2006 foi o deputado estadual mais votado da história do Espírito Santo. Nesse mesmo ano, foi presidente da Assembleia Legislativa.

Guerino também foi secretário estadual de Esportes e Lazer por duas vezes, entre os anos de 2005 e 2006; e de janeiro a junho de 2016.

Renato Casagrande

Nascido em Castelo, no Sul do Estado, Renato Casagrande é formado em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais, e em Direito pela Faculdade de Direito de Cachoeiro de Itapemirim.

Casado, pai de dois filhos e atual governador do Espírito Santo, Casagrande já atuava na esfera política antes de ocupar o Palácio Anchieta. 

Durante sua vida pública, Casagrande já exerceu os cargos de senador, deputado federal, vice-governador e deputado estadual. Também já foi secretário de Estado da Agricultura, secretário de Meio Ambiente no município da Serra e de Desenvolvimento Rural, em Castelo.

Além da atual gestão, Casagrande já foi governador do Estado de 2011 a 2015. De 2015 a 2018, o atual chefe do Executivo estadual foi presidente da Fundação João Mangabeira, dedicada a discutir e difundir o socialismo democrático (se opondo ao capitalismo).

Capitão Sousa

Capitão da Polícia Militar, bacharel em Direito e membro do Movimento Policiais Antifascismo, Vinícius Sousa é natural de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais. Casado com Marcelle Sillis Bilo e pai de três crianças, o capitão, que reside no município de Castelo, constituiu família em solo capixaba.

Após concluir os estudos, terminou por forma-se professor. Em seguida, atuou na vigilância sanitária, onde se aposentou.

Na juventude, o candidato trabalhou como “office boy”. Durante esse período, entrou para o curso de Direito, e fez estágios em diversas funções, para custear os estudos.

Também trabalhou nas procuradorias municipais de Belo Horizonte e Vitória, além da Secretaria de Planejamento, Habitação e Desenvolvimento Urbano de Cariacica.

A carreira na Polícia Militar começou em 2008, quando foi aprovado, em primeiro lugar, no concurso para soldados e precisou desistir do curso de Direito. Em 2012, Vinícius foi aprovado no concurso para Oficiais da PM, formando-se em 2014, e só então conseguiu retomar o curso e se formar em Direito.

Continue lendo

Política e Governo

Partidos têm até as 19h de hoje para as últimas definições da eleição

Publicado

Às 19 horas desta segunda-feira (15) encerra-se o prazo para que os partidos informem ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) os dados sobre candidatos e coligações desta eleição. O prazo é somente para o envio presencial, com mídia entregue na sede do TRE, uma vez que o período para o envio pela internet se esgotou às 8 horas, segundo a Lei das Eleições (Lei 9.504/1997) e a Resolução do TSE 23.609/2021.

Algumas coisas ainda precisam ser definidas. Dos sete candidatos ao governo, quatro já estão registrados no portal do Divulgacand do TSE. São eles: Aridelmo (Novo), Audifax (Rede), Capitão Sousa (PSTU) e Casagrande (PSB). Já Manato (PL), Guerino (PSD) e Cláudio Paiva (PRTB) ainda não foram registrados.

Guerino ainda precisa definir o nome que vai concorrer em sua chapa como vice e seu candidato ao Senado. Segundo a assessoria do candidato, o anúncio deve ser feito na tarde de hoje.

Dos oito candidatos ao Senado também, apenas quatro já têm o registro. São eles: Idalécio Carone (Agir), Erick Musso (Republicanos), Filipe Skiter (PSTU) e Gilbertinho Campos (Psol). Ainda faltam: Rose de Freitas (MDB), Nelson Júnior (Avante), Magno Malta (PL) e Antônio Bongestab (PRTB). Alguns candidatos ao Senado ainda precisam bater o martelo com relação aos suplentes, como Rose e Malta que, até então, constam com suplentes provisórios.

Leia mais:  Casagrande anuncia venda do controle da ES Gás

Ainda há dúvidas, também, sobre as coligações dos partidos. O Pros, por exemplo, no final de semana, desfez o que foi definido nas convenção partidária e saiu da coligação de Casagrande para apoiar Audifax. Há uma movimentação do partido na instância nacional e também estadual e até 19h uma nova reviravolta pode ocorrer. Em outras eleições, como em 2018, mudanças foram feitas no último minuto.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana