conecte-se conosco


Mundo Cristão

APAC do Estado integra ação nacional de oração

Publicado

As Associações de Proteção e Assistência aos Condenados (APACs) de todo o País estão participando de uma campanha de oração itinerante. Nesta sexta-feira (29), a ação chega à APAC de Cachoeiro de Itapemirim, no sul do Estado.

Na unidade funciona o regime fechado, com 40 vagas para recuperandos, como são chamados os presos. Eles terão a oportunidade de participar da “Jornada da Esperança”, uma ação promovida pelas APACs de forma peregrina, com o intuito de fomentar a oração e a gratidão pela vida de voluntários envolvidos na recuperação dos condenados, em especial Franz de Castro. Ele era vice-presidente da APAC e faleceu em um presídio durante uma rebelião em São Paulo, há 30 anos.

O secretário de Estado da Justiça, Luiz Carlos Cruz, esteve, na manhã desta sexta-feira (29), com a comitiva que promove a ação. Abrindo a programação da jornada no Estado, uma missa será celebrada às 15 horas, no Convento da Penha, em Vila Velha, com transmissão ao vivo pelo canal do Convento no Youtube, que poderá ser acessada pelo link: https://www.youtube.com/results?search_query=convento+da+penha+esp%C3%A 

Na sequência, o grupo religioso se dirige ao município de Cachoeiro de Itapemirim, onde segue até a próxima quarta-feira (03). Estão programadas diversas atividades, entre elas vigílias de oração, missas e cultos, retiro espiritual e apresentação cultural. Todas as ações serão restritas, em virtude da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19).

APAC no Espírito Santo

No Espírito Santo, a Secretaria da Justiça (Sejus) é parceira da Apac de Cachoeiro de Itapemirim. A instalação foi entregue em março de 2020. Cabe à APAC aplicar a metodologia de ressocialização. A custódia do apenado, porém, permanece sob responsabilidade da Sejus. A previsão da Secretaria da Justiça (Sejus) é que, em breve, o espaço abrigue também presos do regime semiaberto, com a abertura de mais 80 vagas.

Além disso, a Sejus acompanha as tratativas para implantação de APAC’s em outros municípios capixabas, como São Mateus e Vila Velha.

APAC

Para participar da APAC é necessário que o detento seja voluntário e que passe por um treinamento para conhecer o conceito e o método aplicado nas APACs.

A metodologia utilizada caracteriza-se pelo estabelecimento de uma disciplina rígida, baseada no respeito, na ordem, no trabalho e no envolvimento da família do recuperando. Uma das principais diferenças em relação ao sistema prisional comum é que, na APAC, os próprios presos, denominados recuperandos, são co-responsáveis por sua recuperação.

Na unidade, eles recebem assistência espiritual, médica, psicológica e jurídica. A APAC é filiada à Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (FBAC).

Leia mais:  “Não tem o que fazer a não ser se entregar a Deus”, diz Périssé
publicidade

Mundo Cristão

Ex-panicat Carol Dias se batiza em igreja evangélica: “Cristo tocou em mim”

Publicado

Vídeo no Instagram mostra sua conversão para quase 6 milhões de seguidores

No último domingo (9), a ex-panicat e atualmente educadora financeira Carol Dias, postou um vídeo no Instagram que mostra o seu batismo e disse que irá falar sobre sua conversão quando se sentir pronta.

“Ontem foi o dia mais inexplicável da minha vida. Cristo tocou em mim. Nós fomos escolhidos por ELE. Eu vou dar meu testemunho com Deus, quando me sentir pronta para contar e espalhar fé e muito amor para vocês”, escreveu em sua conta.

A influenciadora também citou João 14:17: “É o espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece. Vocês o conhecem, porque ele habita com vocês e estará em vocês.”

E por fim, agradeceu a @drisanchessp por estar com ela nesse momento.

Jaque Khoury, ex-BBB e ex-panicat, comentou: “Linda! Cheia de amor e cheia de luz, Te amo amiga”.

Ex-colegas do “Pânico”, Lizi Benitez, Fernanda Lacerda, Wendy Tavares e Nicole Bahls também reagiram a sua publicação, de acordo com o Uol.

Leia mais:  “Não tem o que fazer a não ser se entregar a Deus”, diz Périssé
Continue lendo

Mundo Cristão

Joe Biden pode “punir” médicos cristãos que não realizam cirurgia transgênero, nos EUA

Publicado

O governo de Joe Biden anunciou que está revertendo uma política da era Trump que, segundo seus defensores, protegia a liberdade religiosa dos médicos cristãos em disputas sobre procedimentos médicos para transgêneros.

Em causa está uma parte da Patient Protection and Affordable Care Act (PPACA ou Lei de Proteção e Cuidado Acessível ao Paciente, também conhecida como Obamacare) que proíbe a discriminação com base no sexo dentro dos cuidados de saúde. A Seção 1557 da lei, que trata da não discriminação, foi interpretada pela administração Trump como se referindo a “homem ou mulher e conforme determinado pela biologia”. Várias organizações religiosas, incluindo as associações médicas e odontológicas cristãs , apoiaram a regra Trump e disseram que protegia a liberdade religiosa. O próprio governo Trump disse que a regra oferece “proteção à consciência e à liberdade religiosa”.

Mas o governo Biden disse nesta segunda-feira que interpretaria a Seção 1557 para proibir a discriminação com base na orientação sexual e identidade de gênero. O último termo abrange o transgenerismo. A aplicação da nova regra entra em vigor imediatamente.

O Escritório de Direitos Civis do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (HHS, na sigla em inglês) disse que interpretaria e aplicaria as proibições da Seção 1557 e do Título IX sobre a discriminação com base no sexo, para incluir a discriminação com base na orientação sexual e na identidade de gênero.

“O medo da discriminação pode levar os indivíduos a renunciar aos cuidados, o que pode ter consequências negativas graves para a saúde”, disse Xavier Becerra, secretário do Departamento de Saúde e Serviços Humanos.

“É posição do Departamento de Saúde e Serviços Humanos que todos – incluindo as pessoas LGBTQ – devem ter acesso aos cuidados de saúde, sem discriminação ou interferência, ponto final”, disse Becerra.

Apoiadores da regra da era Trump, no entanto, dizem que a nova regra Biden – que é semelhante a uma da administração Obama – levará os médicos cristãos e outros médicos religiosos a serem forçados a realizar procedimentos de transição de gênero, incluindo cirurgia.

“Isso é ruim para pacientes, médicos e para a liberdade religiosa”, tuitou Luke Goodrich, advogado do Fundo Becket para Liberdade Religiosa, que está envolvido em um processo judicial relacionado ao assunto.

Becket chama isso de ” Mandato Transgênero “.

Goodrich disse que a regra Biden “puniria médicos e hospitais se eles não executassem procedimentos prejudiciais de transição de gênero contra sua consciência e julgamento médico”.

O governo Biden disse na segunda-feira que iria “cumprir a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa” e “todas as ordens judiciais aplicáveis”. A Lei de Restauração da Liberdade Religiosa é uma lei federal que impede o governo de “onerar substancialmente o exercício da religião de uma pessoa”.

Goodrich, no entanto, observou que o governo Biden está lutando contra os médicos cristãos no tribunal sobre o assunto. Em abril, o governo Biden apelou de uma decisão de um tribunal que determinou que os médicos não podem ser forçados a realizar procedimentos de transição de gênero.

O Catholic Vote também criticou o governo Biden.

“A decisão do HHS desta manhã atrasa o relógio da sanidade médica”, disse Brian Burch, presidente da Catholic Vote. “Este novo mandato do HHS é um esforço transparente para substituir o julgamento médico no campo altamente experimental e politizado da medicina de gênero”, alertou.

Ao contrário do anúncio enganoso do HHS, a nenhum americano está sendo negado tratamento por braços quebrados ou procedimentos médicos padrão com base em suas  “identidades” de gênero ou orientação sexual. 

“Este movimento do HHS é uma configuração para normalizar e dar força aos médicos para administrar drogas que bloqueiam a puberdade em crianças, realizar cirurgias de mudança de sexo e muito mais. Hospitais e médicos cristãos provavelmente sofrerão mais pressão e escrutínio como resultado”, concluiu.

Leia mais:  Número de divorciados que frequenta a igreja dobrou nas últimas décadas
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana