conecte-se conosco


Política Nacional

Após 29 dias no cargo, Nelson Teich pede demissão do Ministério da Saúde

Publicado

O ministro da Saúde, Nelson Teich, pediu demissão após 29 dias no cargo. O secretário-executivo Eduardo Pazuello é o mais cotado para ser seu substituto.

“É o dia mais triste da minha vida”, disse. “Não vou manchar a minha história por causa da cloroquina.”

Nelson Teich se reuniu na manhã desta sexta-feira (15) com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O compromisso não constava na agenda oficial de Bolsonaro. O encontro durou cerca de 15 minutos.

O presidente defende mudanças no protocolo do uso da hidroxicloroquina no tratamento do novo coronavírus, mas o ministro é contra, o que vem gerando críticas de bolsonaristas.

Pela manhã, o presidente afirmou que mudaria ainda nesta sexta o protocolo de uso da cloroquina adotado no sistema de saúde. Nos últimos dias, o presidente já havia citado a mudança. A declaração foi dada após apoiadores questionarem o presidente sobre o assunto no Palácio da Alvorada.

Atualmente, a recomendação é que medicamento seja usado no tratamento de pacientes em casos graves da Covid-19. A indicação está prevista em protocolo do Ministério da Saúde publicado ainda na gestão do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, que deixou o cargo em 16 de abril.

Bolsonaro argumenta que “é direito do paciente” decidir sobre o seu tratamento. A droga ainda não tem eficácia comprovada contra o novo coronavírus. O Conselho Federal de Medicina publicou nota técnica permitindo a prescrição do medicamento mesmo em casos leves da doença, com as ressalvas dos riscos.

“O protocolo deve ser mudado hoje, porque o Conselho Federal de Medicina diz que pode usar desde o começo”, afirmou. “O médico na ponta da linha é escravo do protocolo. Se ele usa algo diferente do que está ali e o paciente tem alguma complicação, ele pode ser processado”, explicou.

Histórico

O médico oncologista e empresário Nelson Teich foi anunciado como substituto de Luiz Henrique Mandetta (DEM) no Ministério da Saúde no dia 16 de abril. Teich teve o apoio da classe médica e contou a seu favor a boa relação com empresários do setor da saúde. O argumento pró-Teich na pasta era o de que ele traria dados para destravar debates “politizados” sobre a Covid-19.

Teich é formado pela Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e tem mestrado em economia da Saúde pela Universidade de York, na Inglaterra. Ele chegou a ser cotado para assumir a Saúde logo após a eleição de Bolsonaro, em novembro de 2018, mas o lobby do DEM — partido de Onyx Lorenzoni (ministro da Cidadania, ex-Casa Civil), Ronaldo Caiado (governador de Goiás) e Mandetta — falou mais alto. Ele já foi sócio de Denizar Vianna, atual secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos do Ministério da Saúde.

Críticas

Teich enfrentava críticas de apoiadores bolsonaristas nas redes sociais, além de políticos alinhados com o presidente, que queriam um apoio mais contudente ao uso da cloroquina no tratamento novo coronavírus.

Nesta terça-feira (12), Teich usou a conta que mantém no Twitter para defender, nesta terça-feira (12), o uso do medicamento. Ele ressaltou, no entanto, os efeitos colaterais: “Então, qualquer prescrição deve ser feita com base em avaliação médica”, escreveu.

“O @minsaude em 23.03 informou que a cloroquina pode ser prescrita para pacientes hospitalizados. O @Medicina_CFM, em 23.04, entendeu a excepcionalidade em que vivemos e possibilitou o uso em outras situações”, escreveu o ministro, citando sua pasta e o Conselho Federal de Medicina (CFM), na primeira de uma série de mensagens.

O ministro afirmou ainda, na terça, que ele e sua equipe acompanhavam as pesquisas no país e no exterior sobre possíveis tratamentos para a Covid-19 e forneceu um link para uma página no site do Ministério da Saúde em que são listados, diariamente, evidências na literatura sobre diagnóstico e tratamento da doeça.

Teich disse também que estava em contato com pesquisadores e laboratórios para garantir a oferta de uma proteção, quando ela existir, para a população brasileira. “Queremos também nos preparar para a possível descoberta de uma vacina contra a doença.”

‘Lockdown’

Em entrevista coletiva no dia 6 de maio, Teich também defendeu o “lockdown” nas regiões mais afetadas pelo novo coronavírus. Ele disse que medidas têm que ser analisadas caso a caso e que haverá locais para os quais vai recomendar a flexibilização do isolamento também. “Não existe ser contra ou a favor, é fazer o que é certo. Tem lugar em que a gente vai recomendar lockdown e lugar em que a gente vai permitir já alguma coisa”, declarou, sem especificar os locais.

O presidente Jair Bolsonaro é contra o “lockdown”. Em videoconferência nesta quinta (14) com quase 500 empresários, o presidente prometeu reduzir tributos para ajudar na recuperação da economia e pediu que o setor privado lute contra um “lockdown”, que estaria sendo preparado pelo governador de São Paulo, João Doria.

Leia mais:  Mourão critica decisão de Marco Aurélio de soltar traficante do PCC
publicidade

Política Nacional

Moro se filia ao Podemos para concorrer a Presidência

Publicado

O ex-juiz Sergio Moro decidiu se filiar ao Podemos para concorrer à eleição em 2022. Ainda não há definição se a disputa será por uma vaga ao Senado ou à Presidência da República.

A propósito, será uma filiação em família: sua mulher, Rosângela, também assinará a ficha do partido.

O Podemos marcou para 10 de novembro o evento de filiação, que deve ocorrer em Brasília. O partido não descarta que a pré-candidatura à Presidência seja anunciada na ocasião.

Até o ato de filiação, Moro já deve estar desligado da empresa de consultoria americana Alvarez & Marsal, da qual foi anunciado em novembro do ano passado como sócio-diretor.

 

 

Leia mais:  Bolsonaro sobe o tom e diz ter pronto decreto contra lockdowns
Continue lendo

Política Nacional

“Precisamos pacificar o país”, diz Eduardo Leite em visita ao ES

Publicado

Em seu discurso, Eduardo Leite afirmou que é necessário ter bom senso e equilíbrio para focar no enfrentamento dos problemas do Brasil

Pacificar o Brasil! Esta é a meta do pré-candidato à presidência, Eduardo Leite (PSDB). Atual governador do Rio Grande do Sul, ele esteve no Espírito Santo neste sábado (23) e se reuniu com apoiadores e representantes do partido. 

Eduardo Leite enfrenta o governador paulista João Doria e Arthur VIrgílio, ex-prefeito de Manaus, nas prévias pela candidatura do PSDB à Presidência da República nas eleições de 2022.

Em seu discurso, Eduardo Leite afirmou que “o Brasil não precisa de um terceiro polo de radicalização”. O governador ressaltou que é necessário ter bom senso e equilíbrio para focar no enfrentamento dos problemas do país. 

“Estamos vendo a quantidade de inflação, de estagnação econômica se projetando para 2022, uma perda no poder de compra e na renda das famílias. Os reais problemas que devem ser enfrentados são esses: inflação, desemprego, gerar crescimento econômico para incluir as pessoas no mercado de trabalho e dar mais renda às famílias”, disse. 

Quando questionado sobre os possíveis adversários, Leite afirmou que não iria fazer considerações e adjetivações para ressaltar defeitos dos adversários para conquistar simpatia e apoio de possíveis eleitores. “Queremos ganhar essa eleição pela qualidade do nosso projeto e não pelo defeitos dos adversários”, disse. 

E completou: 

“Essa tentativa de desfazer, de destruir e desconstruir o que pensa diferente da gente, foi o que gerou para o Brasil esses problemas que estamos vivenciando. Esse é um sentimento que nem é próprio do brasileiro. O brasileiro não é do ódio, não é da guerra, não é do conflito. É um povo afetivo que gosta de construir coisas boas. Mas nos convenceram e permitimos que nos convencessem, de que deveríamos promover um enfrentamento uns aos outros”, afirmou.

Questionado sobre ser ou não uma opção da chamada “terceira-via”, Eduardo Leite disse que o seu foco está no Brasil que “podemos ser”. “Lula (PT) é o Brasil que já foi. Bolsonaro (sem partido) é um Brasil que estamos sendo, e que não está bom. Eu não quero discutir o Brasil que já foi, nem o que estamos sendo. Eu quero discutir o Brasil que podemos ser. O Brasil que queremos ser”, afirmou. 

Leia mais:  Flordelis tem mandato cassado pela Câmara e perde imunidade parlamentar
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana