conecte-se conosco


Brasil

Após 5 dias, político suspeito de matar candidato vai para prisão

Publicado

Jorge Marra (DEM) disparou 5 vezes contra adversário em Patrocínio (MG); ele ficou foragido durante três dias e dormiu uma noite na delegacia 

Após passar uma noite preso na delegacia de Patrocínio, a 390 km de Belo Horizonte, o ex-secretário de Obras da cidade, Jorge Marra (DEM), foi levado para o presídio de Patos de Minas, a 71 km de distância. De acordo com a Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), ele deu entrada no local por volta das 18h desta segunda-feira (29). 

Marra, que é irmão do atual prefeito da cidade, Deiró Marra (DEM), foi preso preventivamente após matar a tiros o candidato a vereador Cassio Remis (PSDB) na última semana.

Em depoimento à Polícia Civil no domingo (27), Jorge Marra disse ter agido em “legítima defesa”. Segundo as investigações, ele disse que ficou “amedrontado” pelo seu adversário político. Marra ficou três dias foragido antes de se entregar à polícia. 

Assassinado após live

Cassio Remis estava fazendo uma “live” em sua página no Facebook quando foi abordado pelo então secretário de Obras, Jorge Marra. Ele denunciava uma suposta obra da Prefeitura de Patrocínio em uma calçada em frente a uma casa onde seria montado o comitê de campanha à reeleição do atual prefeito. 

Durante a transmissão, Marra desce de uma caminhonete e corre em direção a Remis. Nesse momento, a transmissão é interrompida. 

De acordo com a Polícia Militar, o secretário municipal voltou para o carro e foi em direção ao prédio da secretaria, onde ele despachava. Remis foi atrás do homem para tentar recuperar o celular. 

Uma câmera de segurança mostra o momento em que Jorge Marra pega um revólver no carro e dispara contra Remis, que morreu no local.

Leia mais:  Confira o calendário de pagamento do FGTS emergencial
publicidade

Brasil

Covid-19: Casados há 57 anos idosos morrem em dois dias

Publicado

Nair e João Poderoso estavam internados no Hospital Universitário em São Carlos (SP) há mais de 40 dias. ‘Eles não iam conseguir viver longe um do outro’, lamentou a filha.

“Eu entendo que não podia ser diferente, pois ele jamais ia conseguir viver sem ela”. É assim que Valéria Poderoso, filha do casal Nair e João Poderoso, de Ibaté (SP), define o momento delicado que sua família enfrenta.

Nesta sexta-feira (15), após 43 dias de internação, ela e os irmãos enterraram o pai de 74 anos, vítima de Covid-19. Na quarta-feira (13), eles enterraram a mãe, de 72, que também faleceu por complicações do vírus depois de 41 dias internada. Eles eram casados há 57 anos e tinham comorbidades.

A filha do casal agradeceu aos amigos que estiveram ao lado da família durante esses dias. “Eu queria poder abraçar cada um, foram muitas pessoas, cada um de uma religião ou crença diferente, gratidão”, disse.

Valéria Poderoso (ao Centro), com os pais Nair e João Poderoso — Foto: Arquivo Pessoal

Covid-19

A família não sabe como o casal se contaminou. Mas, assim que apareceram os sintomas, no início de dezembro, eles já foram internados no Hospital Universitário em São Carlos. Foram mais de 40 dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Valéria, diariamente, publicava em suas redes sociais o estado de saúde dos pais e pedia aos familiares e amigos orações. Dona Nair, como era conhecida, faleceu na madrugada da quarta-feira (13). Senhor João, não resistiu as complicações do vírus e morreu dois dias depois.

Segundo a filha, o casal nunca passou uma noite sem se falar. “Eles não iam conseguir viver longe um do outro”, lamentou.

“Para as pessoas que estão passando pelo mesmo que eu, digo para nunca perderem a fé, manter a família unida em Deus e no amor. A fé e o amor da família e dos amigos é essencial para amenizar a dor”, acrescentou.

Leia mais:  76% concordam com isolamento social contra pandemia de Covid-19

Continue lendo

Brasil

Polícia apreende caminhão com 33 cilindros de oxigênio em Manaus

Publicado

Dos 33 cilindros, 26 possuíam oxigênio. Eles estavam sendo distribuídos gradualmente pela empresa que os comercializava

As polícias Civil e Militar do Amazonas apreenderam, na tarde desta quinta-feira (15), um caminhão com 33 cilindros de oxigênio na zona centro-oeste de Manaus.

Um homem de 38 anos foi detido e responderá por deter produtos para fins de especulação financeira, e ficará à disposição da Justiça amazonense.

Dos 33 cilindros encontrados e apreendidos pela polícia a partir de uma denúncia anônima, 26 possuíam oxigênio. Eles estavam sendo distribuídos gradualmente pela empresa que os comercializava.

Segundo informou o delegado Bruno Fraga, do DPI (do Departamento de Polícia do Interior), durante o interrogatório o suspeito informou que possui uma empresa que comercializa os cilindros, mas ficou com medo de que a população invadisse o estabelecimento, então os tirou do local.

Policiais fizeram a escolta dos cilindros para abastecer quatro unidades da rede estadual de saúde.

Colapso na Saúde em Manaus

A capital amazonense vive esta semana um colapso no sistema de saúde após os casos de covid-19 dispararem no Estado, o que fez a demanda por cilindros de oxigênio subir em igual proporção, deixando pacientes sem atendimento adequado. Segundo os médicos, o colapso provocou a morte de diversos pacientes na noite da quinta-feira.

Diante do colapso, os governos estadual e federal trabalham agora em uma força-tarefa para encaminhar mais cilindros ao Amazonas e pacientes a outros Estados para desafogar a fila de espera por atendimento para covid-19.

Leia mais:  76% concordam com isolamento social contra pandemia de Covid-19
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana