conecte-se conosco


Internacional

APÓS TRÊS SEMANAS EM DESERTO DE GELO, HOMEM É RESGATADO NO ALASCA

Publicado

Um americano de 30 anos foi resgatado – no último dia 9 – depois de sobreviver por mais de três semanas em um deserto de gelo do Alasca, a mais de 30 quilômetros da cidade mais próxima.

Há quatro meses, Tyson Steele morava em uma cabana que acabou destruída por um incêndio acidental no fim de dezembro.

Ele então improvisou uma barraca simples com os destroços e passou a se alimentar de enlatados que resistiram ao fogo, segundo reportagem da BBC.

Os parentes de Steele acionaram as autoridades que deram início às buscas.

Nascido no estado de Utah, o americano chegou inclusive a escrever SOS na neve para chamar a atenção das equipes de resgate.

Em entrevista à polícia, Steele afirmou que o incêndio começou após colocar um pedaço de papelão no fogão a lenha, um “erro bastante precipitado” – em suas palavras.

“Tive fogões a lenha toda a minha vida. Eu sabia que não se faz isso. Então, provocou uma faísca pela chaminé que chegou ao telhado”,

Leia mais:  Guerra na Ucrânia: casamento duplo é realizado entre soldados

disse ele, que não soube especificar a data da ocorrência. Acredita que tenha sido antes do Natal, na noite de 17 ou 18 de dezembro.

Tyson Steele foi resgatdo de helicóptero pelas autoridades do Alaska Foto: Divulgação Alaska State Troopers
Tyson Steele foi resgatdo de helicóptero pelas autoridades do Alaska Foto: Divulgação Alaska State Troopers

Steele morava sozinho desde setembro na cabana feita de lona e tábuas localizada no Vale Susitna, em uma região isolada das áreas habitadas mais próximas.

Quando o incêndio teve início, ele ainda estava dormindo. Acordou com gotas de plástico derretido caindo pelo telhado em meio à fumaça.

De imediato, correu para o lado de fora da cabana, vestido com suas botas e um suéter.

Levou ainda cobertores e seu rifle, mas não conseguiu salvar seu cachorro Phill.

Chegou a pensar que o labrador havia escapado do incêndio até ouvir os latidos do animal dentro da cabana já tomada pelo fogo.

“Não tenho palavras para a dor; foi apenas um grito. Parecia que eu havia rasgado meu pulmão”, disse.

Steele contou ainda que não era bem treinado, mas estava habituado a viver em ambientes inóspitos como esta área remota do Alasca.

Leia mais:  Canadá: vacinação salta após Quebec exigir comprovante para comprar maconha

O fogo se propagou ainda mais rapidamente porque havia no local centenas de cartuchos de munição e um tanque de propano.

Após sua moradia ser reduzida a cinzas, ele buscou as latas de comida que restaram – muitas delas com gosto de plástico queimado, segundo relatou Steele.

Para sobreviver, ele construiu uma tenda com os pedaços de lona e manteve o fogão a lenha com uma casca de árvore e uma vela que estava em seu bolso.

Em seguida, desenhou na neve uma mensagem de SOS perto de um lago por onde acreditava que o resgate pudesse chegar.

Pouco mais de três semanas do incêndio, Steele foi salvo pela polícia de Alaska. Seu primeiro desejo foi voltar para Utah e reencontrar sua família. “Eles têm um cachorro, e isso seria uma terapia pra mim”, concluiu.

publicidade

Internacional

Escola é construída em semanas a partir de impressora 3D na África

Publicado

Projetos sem fins lucrativos se juntaram para criar colégio na ilha de Madagascar que pode receber até 30 alunos

Um projeto feito na ilha de Madagascar, no continente da África, construiu a primeira escola com auxílio de uma impressora 3D no país, na cidade de Fianarantsoa.

Uma parceria entre a organização sem fins lucrativos Thinking Huts, a Ecole de Management et d’Innovation Technologique e a universidade local de Fianarantsoa busca mudar a realidade dos jovens da ilha, na África subsaariana.

Com o nome de Bougainvillea, a escola, antes da chegada das entidades, passava por uma construção que já durava sete anos. Com a ajuda desses parceiros, as paredes do colégio foram impressas em 18 horas e três semanas depois a estrutura do local estava finalizada.

O espaço, de 65 m², foi projetado para acomodar até 30 estudantes ao mesmo tempo. A escola receberá desde alunos do primário até estudantes do ensino médio.

As portas, o teto e a janela da escola foram fabricados com materiais locais, e as paredes, construídas com cimento, com auxílio da tecnologia 3D. Além disso, a estrutura do colégio tem formato de uma colmeia de abelha, simbolizando a união.

Leia mais:  Nos EUA, leite para bebês desaparece das prateleiras

Impressora 3D auxilia na construção das paredes do colégio

“Nós nos inspiramos na colmeia, que simboliza a reunião de pessoas para formar uma comunidade que só vai prosperar se todos trabalharem para uma missão compartilhada”, afirma Maggie Grout, empreendedora que criou a Thinking Huts. “A impressão 3D permite reduzir o desperdício e o tempo de construção”, completa.

Segundo estimativa da Unesco, para melhorar os índices educacionais em Madagascar, seria necessária a criação de cerca de 22 mil escolas no país.

Com os números atuais, uma em cada três crianças na ilha não completou sequer o primário e 97% das crianças de até 10 anos não conseguem ler uma frase com poucas sentenças.

A iniciativa pode ser uma virada de chave para melhorar o sistema educacional e afetaria positivamente outros tantos setores do país, que atualmente ocupa a 164ª posição no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), com pontuação de apenas 0,528 em um índice que vai até 1.

Continue lendo

Internacional

Homem é enterrado vivo após beber e desmaiar durante festival na Bolívia

Publicado

Victor Alvarez, de 30 anos, conseguiu escapar do caixão, que estava a 80 km de distância da festa; linha de apuração aponta para ritual

Um jovem de 30 anos afirmou que foi enterrado vivo depois de consumir bebidas alcoólicas com um amigo e ficar bêbado durante um tradicional festival em homenagem à Mãe Terra em El Alto, na Bolívia. 

Victor Hugo Mica Alvarez conseguiu escapar do caixão em que foi colocado, em Achacachi, a cerca de 80 km de distância do local do evento.

As autoridades investigam a possibilidade de o rapaz ter sido vítima de um ritual. O caso ocorreu na última sexta-feira (5), de acordo com o jornal britânico Daily Mail. 

“Ontem à noite foi a pré-entrada [da Villa Victoria], fomos dançar, sou guia, e não lembro mais. A única coisa que lembro é que pensei que estava na minha cama e me levantei para ir ao banheiro, mas não conseguia mais me mexer. Foi quando empurrei o caixão, que tinha um vidro, que se quebrou. A terra começou a entrar pelo vidro, e então eu consegui sair. Eles me enterraram”, declarou o rapaz ao diário Página Siete, de La Paz, capital boliviana.

Leia mais:  Canadá: vacinação salta após Quebec exigir comprovante para comprar maconha

O Festival Madre Tierra conta com oferendas para Pachamama, a deusa da terra e da fertilidade na cultura dos povos indígenas dos Andes Centrais. Os bolivianos indígenas acreditam que a divindade “abre a boca” em agosto. Por isso, há quem ofereça a ela desde animais até doces. Existe a suspeita na região de que anciãos ainda oferecem seres humanos em segredo.

O jovem afirmou que havia uma estrutura montada no local em que foi enterrado. Assim que escapou, ele pediu ajuda a outro rapaz, que o levou a uma delegacia de polícia. No entanto, os agentes não acreditaram na versão de Álvarez, que procurou o jornal boliviano para fazer a denúncia e pedir ajuda com a investigação.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana