conecte-se conosco


Brasil

As vantagens da conexão Brasil-Europa via cabo submarino

Publicado

Fibra óptica percorre milhares de quilômetros pelo fundo do oceano possibilita uma comunicação mais rápida e eficiente

O Brasil e a Europa estão mais próximos desde o dia 1º de junho. Não em distância, claro, mas em tempo de transmissão de dados com a inauguração do primeiro cabo submarino de fibra óptica entre o país e o velho continente.

Uma das principais vantagens de ter um gigantesco cabo instalado no fundo do oceano é uma menor interferência durante a troca de informação do que pelo uso de um satélite na órbita do planeta. 

“Toda tecnologia que funciona por meio de satélites geoestacionários (aqueles que completam em órbita a rotação ao redor da Terra no tempo de 24 horas) está sujeita a interferência, sobretudo em dias de chuvas e tempestades”, explica Cristiano Panazio, engenheiro de telecomunicações e professor na USP (Universidade de São Paulo).

A estrutura também possibilita uma menor latência, ou seja, um intervalo de tempo menor entre ação e reação, e, consequentemente, uma comunicação mais eficiente.

“Enquanto um satélite geoestacionário está instalado a cerca de 36 mil quilômetros de altitude, para além da órbita da Terra, um cabo submarino tem apenas alguns milhares de quilômetros de extensão, fazendo com o que o dado seja enviado muito mais rapidamente”, diz Cristiano.

O físico Eric Fagotto, professor do curso de Engenharia Elétrica da PUC-Campinas (Pontifícia Universidade Católica de Campinas) destaca com vantagem a vida últil da estrutura que cruza o mar. Um cabo submarino permanece em operação por 25 anos, já um satélite consegue funcionar por até 10 anos. Além de durar mais, o custo para a instalaçaõ é menor na água do que no espaço.

Fagotto compara o projeto Starlink, da SpaceX, empresa do bilionário Elon Musk, que tem como objetivo oferecer acesso rápido à internet em qualquer lugar do mundo por meio de 12 mil satélites de baixa órbita com o investimento para a instalação do cabo Brasil-Europa. 

“Com esses 12 mil satélites, a SpaceX pretende atingir a capacidade de 247 terabits a um custo de US$ 250 milhões (R$ 1,26 bilhão) por satélite, totalizando US$ 3 bilhões (R$ 15,16 bilhões)”, diz. “O cabo que conecta o Brasil e a Europa, por sua vez, tem capacidade para 100 terabits e demandou um investimento de € 185 milhões (R$ 1,22 bilhão).”

Qual a importância do novo cabo?

De acordo com Panazio, atualmente, são transmitidos por cabos submarinos quaisquer tipos de dados digitais, como fotos, vídeos e áudios. Fagotto complementa que cerca de 98% do tráfico da internet transita hoje pelas estruturas subaquáticas.

O cabo recém inaugurado impacta diretamente na vida dos brasileiros. Enquanto um dado enviado por satélite leva centenas de milissegundos (um milésimo de segundo) para chegar ao destino final, a comunicação via cabo submarino tem uma latência de cerca de 60 milissegundos.

“Se levado em consideração atividades como vídeo conferências e jogos online, uma latência de centenas de milissegundos já seria relativamente importuna”, afirma Panazio. “Em outros cenários, como no mercado financeiro, por sua vez, essa latência se tornaria impraticável.”

No caso específico do cabo submarino que liga o Brasil e a Europa, há ainda uma outra vantagem: a estrutura não passa pelos Estados Unidos, o que encurta a distância percorrida e proporciona atrasos ainda menores. Até então, a maioria das transmissões passavam, necessariamente, pelos EUA.

Um sinal saído de Fortaleza, por exemplo, chegará em Lisboa após cerca de 60 milissegundos e percorrerá a distância São Paulo-Marselha (França) em 120 milissegundos. Os tão esperados benefícios da tecnologia 5G dependerão não somente de alta capacidade, mas também da baixa latência.

“Há ainda a previsão de se disponibilizar parte da infraestrutura do cabo para pesquisas e educação, o que poderá contribuir para o desenvolvimento das novas tecnologias para a internet e a inserção digital”, diz Fagotto.

“Em resumo, trata-se de um cabo moderno, de alta capacidade, que abre portas para a utilização e o desenvolvimento de novas tecnologias, inserção digital e, como não poderia deixar de ser, grandes negócios. Não há dúvidas de que todas essas atividades serão beneficiadas por esta infraestrutura independente e mais segura”, completa.

Leia mais:  Bolsonaro diz que vai pagar auxílio emergencial por mais 3 meses
publicidade

Brasil

Idoso recebe nota de R$ 420 e dá troco de R$ 320 em Unaí (MG)

Publicado

Jovem de 24 anos usou a cédula falsa que tem um bicho-preguiça desenhado para pagar uma dívida de R$ 100; suspeito foi preso

Um jovem de 24 anos foi preso nesta quinta-feira (29) após usar uma cédula falsa de R$ 420 para pagar um empréstimo feito por um idoso de 75 anos em Unaí, a 590 km de Belo Horizonte.

De acordo com a PM (Polícia Militar), o idoso se recusou a receber a nota que tinha, em uma das faces, um desenho de um bicho-preguiça e uma folha similar à da maconha. O suspeito teria, então, esbravejado com a vítima e alegado que a nota era verdadeira e que ele teria retirado a cédula em um caixa eletrônico da cidade. A vítima, então, aceitou a nota e ainda devolveu R$ 320 de troco.

O boletim de ocorrência indica que a vítima teria sido procurada, na última terça-feira (27) pelo suspeito, que é empregado de um vizinho. O homem pediu R$ 100 emprestados e prometeu que faria a devolução até o início de agosto.

Desconfiada, a vítima procurou a Polícia Militar, que foi até a casa do suspeito. O homem reafirmou ter recebido a nota no caixa eletrônico do banco e que já havia gasto o dinheiro repassado pelo idoso. O jovem também afirmou que estava em liberdade condicional e já havia sido detido por roubo e receptação.

Na residência, os militares encontraram maconha. Questionado, o suspeito confirmou que a droga era dele e que ele a levaria para uma fazenda, onde seria consumida pelo jovem e pela esposa. O suspeito foi preso e encaminhado a uma delegacia.

Leia mais:  Após sofrer acidente doméstico, Bolsonaro recebe alta hospitalar
Continue lendo

Brasil

Rio prevê liberar 50% do público em estádios e boates em 2 de setembro, com 4 dias de festa

Publicado

Planejamento leva em conta progressão da pandemia e da cobertura vacinal. Em caso de piora nos índices, calendário e medidas podem ser revistos. Especialistas criticam plano de celebrar a reabertura com eventos por toda a cidade

A Prefeitura do Rio anunciou, nesta quinta-feira (29), um plano gradual de flexibilização das medidas de restrição na cidade. Serão 3 etapas, de 2 de setembro até 15 de novembro.

O anúncio também incluiu a programação para o réveillon e o carnaval e uma celebração de quatro dias com diversos eventos pela cidade, entre 2 e 6 de setembro (leia detalhes abaixo) – medida criticada por especialistas (leia abaixo o que dizem).

A primeira etapa, que prevê a reabertura de estádios e boates com 50% do público, depende de 77% dos cariocas já terem recebido a primeira dose da vacina contra a Covid e 45%, a segunda dose.

Hoje, no Rio, há 3.727.738 pessoas vacinadas (73% da população adulta) com primeira dose, e 1.536.740 imunizados com as duas doses. A meta da prefeitura é ter, até o início de setembro, 4.751.823 vacinados com a primeira dose – 91% da população adulta. Até novembro, o objetivo é atingir 93% de imunizados com a primeira dose e 90%, com as duas doses.

Veja como será a liberação

Fase de reabertura no RIo — Foto: Reprodução

2 de setembro:

  • liberação de eventos em ambientes abertos;
  • estádios: 50% do público com vacinação completa;
  • boates, casas de shows e festas em áreas fechadas: 50% do público também vacinados com 1ª e segunda dose.

17 de outubro:

  • estádios: 100% do público com vacinação completa;
  • boates, casas de shows e festas em áreas fechadas: 100% do público com vacinação completa.

Os eventos terão checagem de situação vacinal das pessoas, com o aplicativo Connect SUS, do Ministério da Saúde, segundo o secretário de Saúde, Daniel Soranz. Quem não tiver sido vacinado, será barrado.

15 de novembro:

  • uso de máscara obrigatório só no transporte público e em unidades de saúde;
  • livre circulação, sem restrição de capacidade e distanciamento.

Lançamento com festa

Segundo o prefeito Eduardo Paes, a reabertura será acompanhada de uma celebração de quatro dias, entre 2 e 5 de setembro, em toda a cidade .

Paes disse que o planejamento é otimista e conservador ao mesmo tempo.

“Se houver necessidade, se o secretário de Saúde chegar para mim um dia e falar que não dá porque aumentou ou chegou uma nova variante, imediatamente a gente interrompe qualquer processo de abertura e pode impor novas medidas restritivas (…) Tudo indica, nesse momento, os dados, internações, óbitos, que a gente vive um momento melhor. Não é um momento ideal ainda, por isso as restrições continuam e a abertura é gradual”, disse.

Entre 2 e 5 de setembro, a prefeitura prevê:

  • fechamento de ruas para o trânsito;
  • eventos em pólos gastronômicos;
  • DJs em pontos da orla;
  • iluminações e projeções;
  • apresentações musicais;
  • ponto facultativo no dia 3 de setembro (sexta-feira);
  • manifestações culturais e artísticas em centenas de pontos com priorização de artistas locais;
  • meia entrada nos principais pontos turísticos da cidade;
  • mapping e orquestra nos Arcos da Lapa;
  • programação especial nas cidades das Artes e do Samba;
  • atividades em todas as vilas olímpicas da cidade;
  • meditação, tai chi chuan e ioga em praças e parques;
  • Taça Renasce Rio: partida comemorativa (“de preferência no Maracanã”, diz Paes) com 50% do público;
  • campeonato de futebol solidário em comunidades;
  • Jogos de Botequim.

O que dizem especialistas

Para Roberto Medronho, infectologista e epidemiologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), liberar estádios para 100% a partir de outubro é “muito complicado”.

“Eu pessoalmente sou contra o plano apresentado. Esse plano sequer foi discutido e aprovado no Comitê Científico, criado pela prefeitura, de altíssimo nível, com pessoas de alto gabarito e que deveriam ter sido ouvidos para referendar ou não esse plano.”

A pneumologista Margareth Dalcomo, da Fiocruz, diz que entende a intenção da prefeitura, mas vê com preocupação as medidas:

“A intenção da prefeitura é a melhor possível no sentido de trazer um pouco de alegria no momento em que passou um ano e meio de muito luta, perda, tristeza, um impacto sobre toda a população, entendo que do ponto de vista de agregar, de fazer algo coletivo agradável sem duvida nenhuma. Alerto que isso tudo tem um risco, um risco que é razoavelmente calculado e um risco que é fora de controle, sem duvida nenhuma.”

“Eu não sou contra a prefeitura fazer atividade ao ar livre, como uma orquestra nos Arcos da Lapa, quero apenas alertar que ir a um sanitário, por exemplo, num local como esse, continua a ter os mesmos riscos, então, os cuidados que todas as pessoas que terão que tomar serão os mesmos que temos alertado esse tempo todo”, opina Dalcomo.

A especialista lembrou que a variante delta da Covid já está circulando mas, embora tenha melhorado o ritmo de vacinação, a dinâmica de imunização ainda está longe de uma situação de cobertura (vacinal), que ela afirma ser de 80% da população vacinada.

“Seria aquele [percentual] que eu, particularmente, consideraria confortável para que procedêssemos a algumas aberturas”, opinou Dalcomo.

‘Maior réveillon da história’, diz Paes

Show de cores e imagens durou 14 minutos no último réveillon com público na Praia de Copacabana (Arquivo) — Foto: Felipe Grandim/G1 Rio

O prefeito disse ainda que o réveillon será o “maior da história da cidade” e que o carnaval, se tudo caminhar como o previsto, será realizado.

Paes disse que semana que vem a prefeitura divulga o caderno de encargos da festa de Ano Novo e lembrou que a cessão do Sambódromo foi assinada.

“Já estamos quase fechando os detalhes do apoio e do patrocínio que a prefeitura fará para as escolas de samba. Há uma cláusula que diz: ‘Olha, caso não aconteça, na data programada, as escolas terão a obrigação de fazer numa data programada pela prefeitura’. Mas nós estamos programando diante dos dados – aí, desculpe, são os epidemiologistas que podem nos dizer – que a gente vai ter, sim, réveillon e carnaval.”

Projeto de liberação do Rio de Novo

Rio anuncia etapas do plano de flexibilização — Foto: Reprodução

O anúncio é considerado um “plano de voo” das atividades que vão ser liberadas até o fim do ano, conforme o avanço da vacinação.

O prefeito explicou que pretende vacinar adultos com a primeira dose até o dia 18 de agosto. E, assim como projetou um calendário de vacinação, decidiu anunciar um calendário para o carioca “poder ter de novo uma vida normal”. O plano foi denominado Rio De Novo.

“Nosso desejo é que o Rio seja a cidade do mundo inteiro que celebre o reencontro da vida com ela mesma.”

Pré requisito para redução de restrições:

  • Cenário epidemiológico favorável
  • Continuidade da chegada de vacinas
  • Manutenção da vacinação dos cariocas
  • Alta cobertura vacinal completa acima de 60 anos

A realização do plano anunciado nesta quinta vai depender da concretização do calendário de vacinação, que pretende imunizar todos adultos, com a primeira dose, até agosto.

Na véspera, o prefeito Eduardo Paes (PSD) admitiu que tentou pressionar Brasília, quando divulgou o calendário de vacinação com base na estimativa de entrega das vacinas do governo federal.

“Outro dia me disseram que eu não deveria ter divulgado o calendário sem ter a certeza que o ministério (da Saúde) iria enviar as vacinas. Falei que temos que divulgar o calendário para que, caso atrase, a gente tenha pressão popular e, dessa forma, a vacina chegue logo.”

Rock in Rio e feriado

O período de um ano de celebrações termina em 2 de setembro, exatamente quando começa o Rock in Rio 2022 – a edição de 2021 foi adiada devido à Covid.

Paes anunciou nesta quinta que pretende que a abertura do evento, em 2 de setembro de 2022, seja transformada em feriado na cidade – a pauta depende de aprovação da Câmara Municipal. A data seria chamada de Dia do Reencontro.

A organização do festival promete divulgar, nas próximas semanas, novidades e nomes de bandas e artistas confirmados.

Flamengo pede volta de público aos estádios

Paes também comentou a polêmica sobre o pedido do Flamengo para ter público de volta em estádios:

“Em relação ao jogo do Flamengo, o Flamengo fez uma proposta específica, ela está sendo analisada hoje pela Secretaria Municipal de Saúde. A proposta chegou só ontem, ela não teve uma reposta até ontem porque ninguém tinha pedido, não é porque eu sou vascaíno”, disse Paes, antes de perguntar o time do secretário Daniel Soranz, que é flamenguista.

Leia mais:  Governo divulga calendário de pagamento do PIS/Pasep de 2020 e 2021

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana