conecte-se conosco


Segurança

Assassino de Camata o culpava por ter perdido emprego, afirma testemunha de defesa

Publicado

O julgamento de Marcos Venício, acusado de matar Gerson Camata, começou nesta terça-feira (03), no Fórum Criminal de Vitória

Minutos antes de começar o julgamento do acusado de assassinar o ex-governador do Espírito Santo, Gerson Camata, uma testemunha da família conversou com o jornal online Folha Vitória na porta do Fórum Criminal de Vitória. 

Convocado para ser testemunha de defesa de Camata, o advogado criminalista e ex-vereador da Capital, Sebastião Pelaes, afirmou que o réu, Marcos Venício, culpava Camata por ter ficado desempregado.

“Eu sou muito amigo do Marquinhos e conhecia muito o Camata. Ele só falava que queria receber algo do Camata porque tinha ficado desempregado. Uma decisão que ele mesmo me contou é que o Camata, dois anos antes de sair do governo, colocou ele no Banestes. Logo depois ele foi exonerado, e acusa o Camata por isso, por  ter perdido o emprego”, contou.

Pelaes afirmou ainda que Marcos Venício nunca demonstrou sentir raiva de Camata, destacando que o ex-governador sempre ajudou o amigo.

Sebastião Pelaes foi convocado para ser testemunha de defesa da família Camata

“O Marcos matou um grande político, uma grande pessoa que nunca fez mal à ninguém. Camata respeitava a todos, então acho que Marcos agiu em uma defesa totalmente errada. O Camata sempre ajudou o Marcos, sempre fez tudo por ele, e ele não passava para as pessoas que tinha essa raiva do Camata. Nós ficamos surpresos com isso, porque ele adorava a família do Camata”, contou.

O julgamento de Venício começou nesta terça-feira (03), no Fórum Criminal de Vitória. Doze testemunhas serão ouvidas: sete de acusação e cinco de defesa. 

A defesa do réu recusou a presença de homens como jurados. Diante disso, o júri é composto exclusivamente por mulheres.

‘Processo doloroso para a família’, diz advogado de defesa

Antes de entrar no Fórum, advogado Ludgero Liberato, que representa a família Camata, conversou com a imprensa. Ele afirmou que o júri é um processo doloroso, mas necessário para a sociedade tenha uma resposta do Estado. 

“Reviver isso em um momento em que a família já tenta seguir a vida, é doloroso, mas necessário para que esse capítulo seja encerrado e a sociedade conheça a resposta que é dada pelo Estado nesses casos de brutalidade”, afirmou. 

“Acreditamos que os cidadãos de Vitória, que hoje estarão aqui representados por esses sete jurados, apreciarão a prova dos autos e dirão a todo o Brasil, em alto e bom som, que nós não toleramos os crimes premeditados e feitos com crueldade à cidadão de bem”, destacou o advogado da família.

Rita Camata: ‘Vou revisitar a maior dor que já tive’

Rita Camata, ex-deputada federal e viúva de Gerson Camata, compareceu ao Fórum Criminal de Vitória na manhã desta terça-feira (3), para o julgamento de Marcos Venício. 

Acompanhada do filho, Bruno David Paste Camata, Rita abraçou alguns familiares e amigos que estavam na porta do Fórum e falou brevemente com a imprensa. 

“É um dia triste. Eu vou revisitar a maior dor que já tive em minha vida, mas acredito que haverá justiça”, afirmou Rita. 

O julgamento, que começou às 09h e pode durar até três dias, acontece dois anos e meio depois do assassinato de Gerson Camata. 

A defesa afirmou que não espera por absolvição, e que vai apresentar a cronologia dos fatos desde 1986, quando Marcos Vinício e Gerson Camata se conheceram.

O réu será julgado por homicídio qualificado e porte ilegal de arma. A pena máxima é de 34 anos de prisão.

Posicionamento da defesa de Marcos Venício

Antes de entrar no Fórum, o advogado Homero Mafra, responsável pela defesa de Marcos Venício, falou sobre a expectativa para o júri.

 “Julgamento tranquilo, com respeito ao acusado, respeito às provas. Um julgamento sereno”, disse.

Gerson Camata foi morto no dia seguinte ao Natal

Gerson Camata foi assassinado com um tiro no pescoço, no dia 26 de dezembro de 2018, aos 77 anos, na Praia do Canto, em Vitória. Marcos Venicio, que já foi assessor de Camata, foi preso no mesmo dia e confessou o crime.

Em julho de 2019, a Justiça decidiu que Marcos Venicio, denunciado pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES) por homicídio qualificado por motivo torpe e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima, fosse submetido a júri popular.

Marcos Venício é economista e era o responsável pelas finanças e pelas campanhas políticas de Camata entre os anos de 1986 e 2005.

O ex-governador moveu um processo contra o acusado depois que ele foi a público apontar possíveis irregularidades no governo de Camata. Eles tinham uma briga desde então e o processo teria motivado o crime. 

Leia mais:  Internos participam do Enem 2019 para pessoas privadas de liberdade no Estado
publicidade

Segurança

Advogadas são condenadas a 33 anos de prisão por levar drogas para dentro de presídios do ES

Publicado

Além das advogadas, outras cinco pessoas envolvidas no esquema foram condenadas. Elas foram investigadas na operação “Vade Mecum”, da PCES

Duas advogadas foram condenadas pela Justiça a 33 anos e 8 meses de prisão por levarem drogas para presídios do Espírito Santo. A sentença que condenou Marcia Borlini Marim Sanches e Joyce da Silva Boroto foi assinada pelo juiz Eliezer Mattos Scherrer Junior, da 1ª Vara Criminal de Guarapari. 

Além das advogadas, outras cinco pessoas envolvidas no esquema foram condenadas, mas com penas menores. Entre elas, está Rogério Alvarenga Carvalho Silva, namorado de Márcia e apontado como um dos líderes do tráfico da região de Nova Brasília, em Cariacica.

Os condenados foram investigados pela Delegacia Especializada de Narcóticos (Denarc) de Guarapari, durante a operação “Vade Mecum”, deflagrada em setembro do ano passado

O objetivo foi desmantelar uma organização criminosa suspeita de vender drogas para internos do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Guarapari.

As investigações começaram após um inspetor penitenciário do CDP de Guarapari denunciar que havia recebido propina de Joyce para levar drogas para dentro do presídio e entregá-las a Rogério, que faria a distribuição entre os demais detentos. 

O inspetor passou a atuar como agente infiltrado, dentro do presídio, e ajudou a polícia a flagrar o tráfico de drogas no local.

Venda de drogas no presídio de Viana

De acordo com a sentença, Rogério iniciou um relacionamento amoroso com Márcia na época em que ele estava preso no Centro de Detenção Provisória de Viana. Até então, Márcia trabalhava como advogada de Rogério.

“Ao que tudo indica, Márcia desde este período já se movimentava para o acesso às dependências do referido estabelecimento penal para a inserção de drogas e redistribuição por parte de Rogério”, relata um trecho da sentença.

Ainda segundo as investigações, para viabilizar o tráfico de drogas dentro do presídio de Viana, o casal contava com a ajuda de um inspetor penitenciário, que também foi condenado na ação.

Em abril de 2020, Rogério foi transferido para o Centro de Detenção Provisória de Guarapari, o que teria o desagradado. Para tentar retornar ao presídio de Viana, ele chegou a alegar, por intermédio de Márcia, que havia sido torturado no CDP de Guarapari, mas constatou-se que as informações eram falsas.

Joyce é chamada para continuidade do esquema em Guarapari

Segundo a sentença, a fim de manter o esquema de tráfico de drogas ativo também na penitenciária de Guarapari, Márcia precisou captar uma intermediária, para que “evitasse contato direto com os funcionários do novo estabelecimento penal, já que, como por ela alegado, Rogério era muito ciumento, tanto que não permitia que ela sequer sorrisse para outros homens”.

Diante disso, Márcia teria recrutado sua amiga e também advogada Joyce. De acordo com a sentença, Joyce iniciou um relacionamento com um inspetor penitenciário da unidade para tentar persuadi-lo e realizar as entregas para Rogério.

No entanto, o inspetor não aceitou a proposta e denunciou o esquema à direção do presídio, que acionou a polícia. Após negar a participação no esquema, o inspetor teria sido ameaçado por Joyce para que aceitasse a proposta.

A partir da denúncia recebida, a Delegacia Especializada de Narcóticos (Denarc) de Guarapari iniciou a investigação. Ainda segundo a sentença, mediante autorização judicial, o inspetor tornou-se agente infiltrado, “‘participando’ das negociações com o objetivo de aguardar o melhor momento para o desmantelamento da associação e demais crimes que permeavam a situação”.

O flagrante dentro do presídio de Guarapari aconteceu no dia 10 de agosto de 2020. Segundo as investigações, Márcia conseguiu a droga com comparsas de Rogério, que estavam soltos, e a entregou para Joyce, que ficou encarregada de entrar na penitenciária com o material.

A advogada, segundo a polícia, deixou a droga dentro do banheiro da unidade prisional, para que o inspetor infiltrado a recolhesse e repassasse para outro interno, que finalmente a entregaria para Rogério.

De acordo com a sentença, o material chegou a ser distribuído para outros presos. No entanto, toda a ação era monitorada pela direção do presídio e pela Polícia Civil, que agiu naquele momento. 

Quando os policiais chegaram à cela, encontraram pouca droga, pois a maior parte já havia sido redistribuída, e o que sobrou foi jogada no vaso e dado descarga. 

Leia mais:  PM e Corpo de Bombeiros fazem buscas após denúncia de cadáver na região de Ourimar
Continue lendo

Segurança

Projeto altera critérios de promoção na PM

Publicado

Objetivo é assegurar a participação dos cabos excedentes no próximo Curso de Habilitação de Sargentos

O governo do Estado encaminhou à Assembleia Legislativa (Ales) o Projeto de Lei Complementar (PLC) 25/2021 para alterar a Lei 911/2019 que rege as promoções dos Oficiais de Administração e das Praças Militares Estaduais. 

A proposta do Executivo acrescenta parágrafo ao artigo 14 da lei para estabelecer critérios que assegurem a participação de cabos excedentes no Curso de Habilitação de Sargentos (CHS), em andamento na Polícia Militar, possibilitando que os militares estejam habilitados para o próximo concurso, caso exista vaga.

O PLC estabelece que as vagas de 3º Sargento da Qualificação Policial Militar de Praça Combatente existentes na Polícia Militar no dia 16 de julho de 2021, incluindo as vagas dos níveis hierárquicos superiores que não foram contabilizadas para matrícula no Curso de Habilitação de Sargentos, serão destinadas aos cabos com melhor classificação nos critérios de antiguidade e intelecto-profissional e que não foram matriculados em virtude do limitador de vagas existente à época. 

Em agosto deste ano, foi aprovada proposta do governo que alterou para 10 o número mínimo de vagas para abertura de processo seletivo para o Curso de Habilitação de Sargentos (CHS). Antes, os militares precisavam esperar a abertura de 30 vagas para a graduação de 3º sargento. 

Tramitação

O PLC será avaliado pelas comissões de Justiça, Cidadania, Segurança e Finanças. 

Leia mais:  Projeto altera critérios de promoção na PM
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana