conecte-se conosco


Internacional

Ataque a tiros em metrô deixa ao menos 16 feridos em Nova York; 5 estão em estado crítico

Publicado

Ocorrência registrada na estação Rua 36, no Brooklyn, não é investigada como terrorismo; homem negro considerado suspeito é procurado pela polícia

NOVA YORK – Um ataque a tiros deixou pelo menos 16 feridos, dos quais 10 foram baleados, no metrô de Nova York, nos Estados Unidos, nesta terça-feira. Cinco vítimas estão em estado crítico, mas estável. O crime aconteceu na estação Rua 36, no bairro Sunset Park, na região do Brooklyn, por volta de 8h30, hora de maior movimento no transporte.

Na primeira entrevista coletiva sobre o caso, a polícia informou que a ocorrência não está sendo investigada como um ataque terrorista, mas ainda não sabe o que teria motivado o ato de violência. Investigadores estão procurando um suspeito. Ele foi identificado como um homem negro que usava máscara de gás, colete laranja e camisa verde escura — traje semelhante ao usado por trabalhadores da construção civil.

A polícia disse que a fumaça vista na estação foi provocada por uma bomba de fumaça, e não por um dispositivo explosivo. O autor do ataque lançou o artefato e começou a atirar de dentro de um vagão do metrô. Vídeos postados em redes sociais mostraram as pessoas fugindo de um vagão para a plataforma da Rua 36, enquanto a fumaça tomava  conta do local. 

Leia mais:  Miss mexicana é presa acusada de integrar gangue de sequestradores

Vários dispositivos não detonados foram descobertos na estação da 36th Street e Fourth Avenue, no bairro de Sunset Park Foto: SPENCER PLATT / AFP

Conforme a emissora de TV ABC, uma vítima baleada também teria sido encontrada na estação Rua 25, em Greenwood Heights, pouco antes das 8h30. Esse registro indicaria que ataque pode ter começado no local e terminado apenas na Rua 36.

O local do ataque

Uma passageira identificada com Claire disse ao New York Post que estava em um trem da linha N, com destino a Manhattan, quando testemunhou o ataque.

— Houve tantos disparos que perdi a conta — contou.

O Departamento de Polícia isolou toda a área e pediu que moradores evitem a região. Dezenas de agentes estão no local. A circulação de trens nas linhas D, N e R foi afetada. Oito pessoas feridas foram levadas para o NYU Langone Hospital-Brooklyn em condições estáveis.

Na esquina da Quarta Avenida com a Rua 35, dezenas de viaturas policiais se estendem por quatro quarteirões. Ao menos dois helicópteros também estão no local.

—  Vimos uma ambulância saindo com uma maca com uma pessoa que estava ferida na perna —  contou Silvana Guerrero, que estava no local. —  Depois vimos mais duas ambulâncias chegando.

Leia mais:  Lapid quer encerrar relações 'hostis' entre Israel e aliados

O presidente Joe Biden foi informado sobre o tiroteio e o prefeito Eric Adams, que testou positivo para Covid-19 no domingo, também monitora a situação.

Os tiroteios na cidade de Nova York aumentaram este ano e os crimes violentos com armas têm sido o foco central do prefeito Adams desde que assumiu o cargo em janeiro. Até 3 de abril, os incidentes com tiros aumentaram de 260 para 296 em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo estatísticas do Departamento de Polícia.

publicidade

Internacional

Caça escolta avião de passageiros após ameaça de bomba

Publicado

Vídeo mostra F-18 sinalizando para jato comercial segui-lo. Incidente foi causado por trote de um adolescente britânico que estava a bordo. Jovem foi preso pela polícia espanhola

Um voo da easyJet indo de Londres para a ilha de Menorca, na Espanha, neste domingo (3), foi escoltado ao seu destino por um caça espanhol depois que um adolescente britânico a bordo fez uma ameaça de bomba nas redes sociais, informou a polícia nesta segunda-feira (4).

O jovem, de 18 anos, que viajava com cinco amigos, passou a noite na prisão e aguarda uma audiência no tribunal, disse um porta-voz da Guarda Civil da Espanha.

As imagens do incidente mostraram um jato F-18 voando perto das pontas das asas laranja da aeronave A-319 da companhia aérea comercial, que normalmente transporta entre 120 e 150 passageiros.

O caça é visto balançando as asas, um gesto conhecido na aviação como sinal de que o outro piloto deve segui-lo, enquanto passageiros, preocupados, podem ser ouvidos discutindo o que está acontecendo e uma mulher pergunta: “Por que ele está fazendo isso?”.

Leia mais:  Hong Kong vai sacrificar mais de 2 mil hamsters após casos de Covid-19 entre roedores

Aviões militares geralmente interceptam uma aeronave civil quando o controle de tráfego aéreo terrestre perde contato com ela ou há uma ameaça percebida à aeronave ou aos passageiros devido a um aviso de bomba, objeto suspeito ou atividade terrorista temida.

Reportagem da Reuters informa que o voo EZY8303 da easyJet, que saiu do aeroporto de Londres Gatwick às 13h, pousou em segurança no aeroporto de Menorca, nas Ilhas Baleares, com meia hora de atraso, pouco antes das 17h, e foi escoltado para uma área de segurança.

Lá, o adolescente foi preso e, durante um período de duas horas, os passageiros foram desembarcados um a um e solicitados a identificar suas bagagens para verificação por cães farejadores e especialistas em desmonte de bombas, segundo a Guarda Civil.

Outros voos de Menorca foram interrompidos pelo incidente.

Um porta-voz da companhia confirmou que o voo foi escoltado por uma aeronave militar e houve um atraso no desembarque devido a verificações de segurança preventivas, mas não deu detalhes sobre a causa.

Leia mais:  Mulher da beijo em agente de trânsito para não pagar multa

“A segurança de seus passageiros e tripulantes é sempre a maior prioridade da easyJet e gostaríamos de agradecer aos passageiros pela compreensão”, disse ele.

A reportagem não fornece detalhes da ameaça feita pelo adolescente.

Continue lendo

Internacional

Três pessoas são presas após ao menos 50 mortos serem encontrados em caminhão abandonado nos EUA

Publicado

Além dos cerca de 50 cadáveres, dezesseis pessoas foram encontradas com vida no veículo, sendo quatro crianças. Elas foram levadas a hospitais da região

A polícia dos Estados Unidos prendeu três pessoas supostamente ligadas ao caminhão encontrado com ao menos 50 mortos próximo à cidade de San Antonio, no Texas.

O Departamento Interno de Segurança Interna dos EUA assumiu a investigação do caso. A prisão do trio foi confirmada, mas não se sabe qual a ligação dos suspeitos com as mortes.

O caminhão onde estavam as vítimas foi abandonado em uma estrada remota pouco antes das 18h locais da última segunda (27).

Conforme o chefe da polícia local, William McManus, um funcionário da cidade ouviu um grito de socorro de dentro do veículo e descobriu a situação. Um funcionário do Corpo de Bombeiros da cidade disse que encontrou “pilhas de corpos” e nenhum sinal de água no local.

“Os pacientes que vimos estavam quentes ao toque, estavam sofrendo de insolação, exaustão. Era um trator-reboque refrigerado, mas não havia unidade de ar condicionado visível naquela plataforma”, afirmou o chefe dos bombeiros de San Antonio, Charles Hood, em entrevista coletiva.

Leia mais:  "Militarismo não combaterá a covid", diz Biden na ONU

A hipótese inicial é que as vítimas sejam imigrantes, que entraram no país de forma ilegal. A tragédia levantou mais uma vez o debate sobre as políticas migratórias dos Estados Unidos.

Além dos cerca de 50 cadáveres, dezesseis pessoas foram encontradas com vida no veículo, sendo quatro crianças. Elas foram levadas a hospitais da região.

Governador culpa Biden

Governador do Texas, o republicano Greg Abbott repercutiu na última segunda o episódio e responsabilizou o presidente norte-americano, Joe Biden, pelo ocorrido.

“Essas mortes são culpa de Biden. São resultado de sua política mortal de fronteiras abertas. Elas evidenciam as consequências mortais de sua recusa em fazer cumprir a lei”, afirmou em postagem no Twitter.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana