conecte-se conosco


Internacional

Atentado mata presidente do Haiti, diz premiê

Publicado

De acordo com primeiro-ministro interino do país, um grupo de pessoas não identificadas atirou no presidente e na primeira-dama, que sobreviveu

O presidente do Haiti, Jovenel Moïse, foi assassinado na madrugada desta quarta-feira, anunciou o primeiro-ministro interino do país, Claude Joseph, em um comunicado. Um grupo de homens armados teria invadido a residência oficial no bairro de Pelerin, em Porto Príncipe, atirando no presidente e na primeira-dama, Martine, que foi internada.  

“Um grupo de indivíduos não identificados, alguns dos quais falavam em espanhol, atacou a residência privada do presidente da República (…) ferindo mortalmente o chefe de Estado”, diz a nota. “Todas as medidas estão sendo tomadas para garantir a continuidade do Estado e proteger a nação.”

Joseph disse que está no comando do país e pediu calma à população após o ato “desumano e bárbaro”, afirmando que a polícia e o Exército já têm o controle da situação — segundo a Reuters, no entanto, era possível ouvir tiros por toda a capital após o ataque. Também há relatos de que drones teriam sido usados e ao menos uma granada teria sido disparada.

No início da semana, o presidente havia nomeado um sucessor para o cargo de Joseph, o médico Ariel Henry, que seria o sétimo primeiro-ministro em quatro anos.

Os assassinos, segundo o jornal Miami Herald, que teve acesso a vídeos filmados na vizinhança da residência oficial, se passaram por agentes da agência antidrogas dos Estados Unidos, a DEA. Na gravação, é possível ouvir um homem com sotaque americano dizendo: “operação da DEA. Todos se afastem”. Fontes no governo haitiano disseram ao veículo que tratavam de mercenários sem vínculos com o órgão americano.

O assassinato vem após meses de instabilidade política no país mais pobre das Américas. A oposição vinha exigindo desde o fim do ano passado a renúncia de Moïse, com o argumento de que seu mandato deveria ter terminado em 7 de fevereiro, exatos cinco anos após seu antecessor, Michel Martelly, deixar o poder.

Manifestantes marcham em Porto Príncipe para protestar contra o governo do presidente Jovenel Moise. Milhares de pessoas saíram às ruas em 14 de fevereiro de 2021 para denunciar uma nova ditadura no Haiti e o apoio da comunidade internacional ao presidente Jovenel Moise Foto: Valerie Baeriswyl / AFP

As eleições de 2015 deram a vitória ao empresário Moïse no primeiro turno, mas o voto foi anulado por denúncias de fraude. Após vencer um segundo pleito organizado no ano seguinte, quando obteve 600 mil votos em um país de 11 milhões de habitantes, Moïse tomou finalmente posse em 7 de fevereiro de 2017 — a seu ver, portanto, seu mandato só terminaria em fevereiro de 2022. Ele se recusou a deixar o poder, convocando novas eleições para 26 de setembro deste ano.

Membros de gangue tomam conta da capital Porto Príncipe Foto: Raynald K. Petit Frere / via REUTERS

Durante o embate entre governo e oposição, protestos tomaram as ruas do país demandando a renúncia de Moïse, questionado pelo que muitos caracterizam como um comportamento autocrático. Com o adiamento de eleições legislativas e municipais que deveriam ter ocorrido no ano passado, o presidente passou a governar por decreto, classificando certos tipos de manifestação como terrorismo, e criou uma agência de inteligência que se reporta somente a ele.

Junto com as eleições marcadas para daqui a dois meses, Moïse havia convocado um controverso referendo constitucional, com o objetivo de aprovar a elaboração de uma nova Constituição — a minuta do novo texto foi redigida por uma Comissão Especial nomeada pelo próprio presidente, sem a participação de nenhum setor importante da sociedade haitiana.

Em fevereiro, as autoridades anunciaram ter frustrado uma “tentativa de golpe”. Na época, 23 pessoas foram presas, entre eles um juiz da instância máxima da Justiça hatiana, e a inspetora geral da Polícia Nacional. A oposição negou qualquer tentativa de golpe, afirmando que pleiteava apenas um governo de transição.

O Haiti tem um histórico de turbulência e violência política. Depois de quase 30 anos da ditadura da dinastia Duvalier, entre 1957 e 1986, o país elegeu o ex-padre católico Jean-Bertrand Aristide, deposto dois anos depois em um golpe militar. Reeleito em 1994 e 2001, Aristide acabou fugindo do país em 2004, em meio a confrontos entre seus apoiadores e ex-militares do Exército que havia sido desmantelado após o fim da ditadura, junto com a força paramilitar da ditadura Duvalier, conhecida como Tonton Macoute.

A fuga deu início à intervenção dos capacetes azuis da ONU, sob comando de forças brasileiras. A força de paz, que teve vários formatos, permaneceu no país até 2017.

Mais recentemente, a violência no país atingiu “níveis sem precendentes”, segundo a ONU. Na semana passada, em um ataque coordenado, pelo menos 20 pessoas, entre elas importantes figuras da oposição, foram mortas em Porto Príncipe. Agravando ainda mais a situação, o país não vacinou até agora nenhum de seus 11,26 milhões de habitantes contra a Covid-19. 

O descontrole nas ruas deslocou, desde o início de junho, pelo menos 17 mil pessoas, de acordo com a Organização Internacional das Migrações (OIM), e causou a morte de dezenas de civis.

Um relatório do Unicef (Fundo da ONU para a Infância) publicado há duas semanas estima que existam hoje 95 gangues armadas que controlam grandes territórios da capital, ou cerca de um terço de Porto Príncipe. “Essas gangues estão cada vez mais envolvidas em batalhas armadas pelo controle do território, afetando a vida de cerca de 1,5 milhão de pessoas”, afirma o documento.

Leia mais:  Especialista explica como homem sobreviveu 40 segundos dentro da boca de uma baleia
publicidade

Internacional

Chuvas intensas, secas e ondas de calor deixam cientistas em alerta

Publicado

Os chamados eventos climáticos extremos vêm ocorrendo com frequência e podem significar mudanças irreversíveis

Chuvas torrenciais deixaram centenas de mortos na Alemanha, na Bélgica, no Japão, na China e na Índia. Uma onda de calor matou outras dezenas de pessoas e forçou milhares a deixarem suas casas por conta de incêndios florestais nos EUA e no Canadá. Uma frente de ar frio congelou o estado norte-americano do Texas. Furacões cada vez mais frequentes e intensos no Caribe, assim como ciclones no leste da Ásia. Uma estiagem de meses no Brasil.

Esses eventos climáticos extremos vêm causando prejuízos, destruição, fome, racionamento de energia elétrica e muitas mortes nos últimos meses. Para alguns cientistas, isso pode significar que o mundo está cada vez mais próximo do chamado “ponto de não-retorno”, o momento em que, teoricamente, as alterações no clima da Terra serão irreversíveis.

“Eventos extremos não são novidade, eles ocorrem ao longo dos séculos, mas com registro científico, observando em tempo real, é a primeira vez. Desde que a gente começou a medir dados atmosféricos, oceânicos e outros, é a primeira vez que estamos registrando tantos deles ao vivo”, explica o professor de Meteorologia da USP e membro da Câmara de Agronomia do CREA-SP, Ricardo Hallak.

Diferenciar o que é clima, que são as condições meteorológicas históricas de um local, e tempo, que são as condições em um determinado momento é importante. “Para dizer que o clima está mudando realmente, precisa ter uma série de dados longa, estatisticamente falando precisa pegar um período de 30 anos e analisar a tendência, para ver se aumentou. Mas a frequência de eventos extremos tem aumentado nos últimos anos”, explica Hallak.

O professor da USP ressalta também que muitas mudanças não estão necessariamente associadas às emissões de gases na atmosfera, mas também a como a ocupação humana vem sendo ampliada. “Conforme você vai urbanizando e mexendo no solo, muda as condições. Além disso, quando chove muito forte, as cidades não estão preparadas para receber precipitações intensas.”

O meteorologista Pedro Regoto, especialista em mudanças climáticas e consultor do site Climatempo, destaca que os casos recentes tiveram o diferencial de acontecer em países onde há estrutura para fazer a previsão de um evento climático extremo. No entanto, não foi possível preparar os locais atingidos e a população para o que aconteceu.

“Na Europa as agências locais conseguiram prever o evento, a população já estava avisada, tudo funcionou, mas foi tão catastrófico, uma chuva tão volumosa e tão rápida, que não tinha o que fazer. E na Columbia Britânica (província do Canadá), o recorde de temperatura era de cerca de 45°C e subiu para 50°C, é muita coisa de uma vez só”, analisa Regoto.

Segundo o pesquisador, os governos do mundo precisam se planejar para tentar frear o avanço antes que esses eventos se tornem rotina. “É justamente essa atenção que todo mundo tem que ter globalmente, essas quebras de recorde de calor, de frio, de chuva, uma série de coisas que impactam nas nossas vidas. O problema é que a cada ano o nosso prazo vem diminuindo. No futuro, vai ter muito evento extremo e quem vai sofrer somos nós.”

Hallak destaca o impacto da mudança climática na vida das pessoas e na economia global. “Não dá para esperar que se chegue ao ponto de não retorno. Isso pode afetar muito a vida das pessoas. Se o nível do mar subir e inundar as cidades litorâneas, vai atingir não só a população, mas a produção de petróleo, os portos, muita coisa”, diz ele.

Leia mais:  "Chuva de ratos" intriga internautas e imagens viralizam na web; assista!
Continue lendo

Internacional

‘Homem-Aranha’ invade supermercado e briga com clientes e funcionários

Publicado

O homem fantasiado nocauteou uma mulher e causou tumulto no estabelecimento em Londres

Um homem fantasiado de Homem-Aranha invadiu um supermercado em Londres e partiu para cima de clientes e funcionários. O covarde agressor nocauteou uma mulher, que imediatamente caiu no chão. Seis pessoas ficaram feridas e cinco foram presas depois de causarem o tumulto em cenas inacreditáveis e lamentáveis.

Atenção: imagens fortes!

As imagens, que viralizaram na internet, mostram a confusão que aconteceu na noite de quinta-feira (22) em Londres, na Inglaterra. Assustadas, algumas pessoas filmam as cenas de violência, enquanto outras tentam apartar a confusão. Gritos e xingamentos são ouvidos. Veja abaixo um trecho (e um outro momento clicando aqui):

Cinco pessoas foram presas por causa da briga. Segundo o The Sun, duas meninas, de 17 e 18 anos, e três homens, de 31, 35 e 37 anos, foram detidos pela polícia. Uma mulher de 20 anos foi levada ao hospital com ferimentos leves; outras cinco receberam atendimento médico no local.

Homem-Aranha invade supermercado e agride funcionários e clientes (Foto: Reprodução/Twitter)

“A polícia foi chamada às 22:40hrs de quinta-feira, 22 de julho, por causa de um grupo de pessoas envolvidas em um tumulto em um supermercado em Lavender Hill, SW11. Os oficiais compareceram junto ao Serviço de Ambulâncias de Londres. Uma mulher de 20 anos foi levada ao hospital com ferimentos leves. Outras cinco pessoas foram atendidas no local”, disse o porta-voz da polícia ao site Metro.

Não está claro o motivo que teria iniciado a confusão. Nas redes sociais, as pessoas condenaram os agressores que atacaram mulheres e idosos, além de criticarem o fato de ninguém apartar de fato a briga: “Nenhum dos homens ao redor se preocupa em intervir”, criticou uma usuária. “Mundo enlouquecido”, comentou outro.

Leia mais:  Apoiadores de Trump protestam contra resultado de eleições
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana