conecte-se conosco


Mundo Cristão

Ateus acabam comprovando a ressurreição de Jesus após tentarem negá-la com a ciência

Publicado

J. Warner Wallace e Josh McDowell planejaram refutar as evidências da ressurreição, mas encontraram a verdade

Tentando negar que a ressurreição de Jesus aconteceu através da ciência, dois ateus convictos acabaram descobrindo a veracidade da vitória de Cristo sobre a morte e se tornaram cristãos. 

Warner Wallace, um detetive ateu, e Josh McDowell, um escritor que se tornou incrédulo na juventude, contaram sobre as evidências da ressurreição que encontraram em seus estudos, durante a conferência “Truth for a New Generation”, nos Estados Unidos.

Famoso por solucionar casos antigos de assassinatos arquivados, Wallace disse que desejava investigar uma das teorias que refutam a ressurreição de Jesus com suas habilidades de detetive. A teoria afirma que Cristo não morreu na cruz, mas estava quase morto e reviveu mais tarde.

Durante sua investigação, Wallace encontrou na passagem do Evangelho de João, que diz que saiu sangue e água do corpo de Jesus, a prova de que Ele realmente morreu e não estava apenas inconsciente ou fingindo sua morte. 

“A água se acumulou em seus pulmões. Agora, se isso acontecer, se você perfurar essa cavidade, verá uma separação de sangue e água”, disse ele em entrevista à CBN News.

Leia mais:  Superman foi criado por judeus e inspirado em Jesus; conheça a história

Segundo o ex-ateu, esse detalhe registrado pelo apóstolo João é muito significativo para comprovar a morte de Cristo na cruz. “Ele era tão inteligente que incluiu algum fato biológico pouco conhecido, que ninguém descobriria por 1800 anos ou apenas relatou o que viu”, observou Wallace.

E acrescentou: “E, como resultado, temos uma boa parte da ciência oculta que confirma que Jesus realmente morreu de parada cardíaca e estava morto no momento em que o corpo foi retirado da cruz”.

Já Josh McDowell, queria provar que as evidências da ressurreição de Jesus eram fracas, mas acabou encontrando a verdade do Evangelho e escrevendo o livro “Evidência que exige um veredicto”, um clássico da apologética cristã. 

O escritor descobriu provas de que Jesus realmente estava morto quando foi sepultado na tumba. “Havia 50 quilos de invólucro de especiarias aromáticas e goma de consistência de cimento ao redor de seu corpo, embrulhado firmemente em três panos de linho separados, pesando cerca de 53 quilos. Cristo foi envolto nisso, e ficou endurecido”, afirmou McDowell.

E completou: “Em segundo lugar, como Ele poderia se mover em tal estado, com aquela pedra de duas toneladas, para longe da entrada?”.

Leia mais:  ‘Finanças para a Vida’: Pastor ensina a consultar a Bíblia para evitar gastos no Natal

Descobrindo a verdade através da ciência

Usando a ciência durante suas pesquisas, Wallace e McDowell também refutaram outras teorias céticas sobre a ressurreição de Cristo, como a que afirma que as 500 pessoas que testemunharam o Senhor vivo após sua morte foi uma mera alucinação coletiva.

Josh McDowell revelou que entrevistou especialistas da área que atestaram que duas pessoas nunca podem ter as mesmas alucinações. “Não há história de alucinações de grupo com o tipo de detalhe que vemos nos evangelhos”, acrescentou Wallace.

O ateu que se tornou um dos maiores apologistas cristãos ressaltou que o ponto central da fé cristã é a história verídica da ressurreição de Jesus. “Na minha pesquisa para refutar o cristianismo, fiquei convencido de que a Igreja nunca teria sido fundada sem a ressurreição. Tudo o que eles fizeram apontava para isso”, afirmou.

Passados mais de 50 anos de quando descobriu que Jesus era de fato o Filho de Deus ressuscitado e entregou sua vida a Ele, McDowell disse que o sacrifício na cruz ainda o toca.

“Isso me dá esperança de que, assim como Cristo ressuscitou dos mortos, eu também serei”, declarou o teólogo.

publicidade

Mundo Cristão

Após ser atacada, Bruna Karla fala a multidão: “Não abra mão de viver o Evangelho”

Publicado

A cantara gospel Bruna Karla virou alvo dos holofotes da grande mídia nas últimas semanas, após declarar em uma entrevista que se recusou a cantar em um “casamento homossexual” a convite de um amigo. Como resultado, diversos famosos atacaram a artista, com parte da imprensa lhe chamando de “homobófica”.

Bruna Karla, contudo, não se mostrou abalada pela intolerância religiosa contra a sua fé. Em vez disso, ela reafirmou para uma multidão de pessoas que foram prestigiar o evento  Louvorsão 93, realizado na Praça da Apoteose no sábado do dia 2, os seus princípios cristãos.

“Como é bom e maravilhoso a Igreja estar reunida adorando Aquele que vive e reina para todo o sempre. E esse amor que a gente sente um pelo outro, que transborda, vem de Deus. É esse amor que nos sustenta, que nos mantêm de pé”, disse a cantora.

Ao ouvir a multidão de pessoas lhe manifestando apoio, com dizeres como “Bruna, eu te amo”, a cantora gospel se emocionou e brincou com o público. “Vocês vão me fazer chorar aqui?”, disse ela.

Leia mais:  Mesmo cercadas por tropas, igrejas fazem cultos de domingo na Ucrânia

Bruna Karla fez o encerramento do evento, que contou com a presença de personalidades do mundo político, como o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro. A cantora argumentou que os cristãos não devem abrir mão na defesa dos seus princípios e valores.

“Este é o tempo em que a Igreja se coloca de pé. Este é o tempo em que a Igreja não depende do que estão falando aí fora. A Igreja depende do Deus vivo. Não abra mão de viver o Evangelho. Não abra mão de ser quem Deus te chamou para ser”, disse Bruna.

O presidente da República, por sua vez, falou sobre a defesa moral que o seu governo faz da família e agradeceu o apoio dos evangélicos. “Agradeço a Deus pela minha segunda vida, a ele também a missão de estar na frente do Executivo Federal”, disse ele.

“E se essa for a vontade dele continuaremos juntos por muito tempo, modificando o nosso Brasil. A todos vocês meu muito obrigado, agradeço o apoio de cada um e termino com aquela [a frase] projetada lá atrás por Silas Malafaia, que com toda certeza será eternizada: ‘Brasil acima de tudo, Deus acima de todos’”, concluiu o presidente.

Leia mais:  92,2% dos evangélicos dizem não considerar Lula melhor presidente

Continue lendo

Mundo Cristão

Renomado cientista admite que a ciência não preenche “o vazio em nosso coração”

Publicado

Para quem se dedica a conhecer um pouco do mundo científico atual, não é mais novidade o fato de que a ciência, por si mesma, não traz respostas aos maiores dilemas da vida humana. Essa realidade também foi constatada pelo renomado cientista aeroespacial romeno, Dragos Bratasanu.

O “Dr. Dragos”, como é mais conhecido, já foi nomeado para o prêmio MIT Innovators Under 35 como uma das “mentes mais brilhantes da Europa”. O seu sucesso no mundo científico, contudo, não foi suficiente para preencher “o vazio” em sua vida.

Mesmo sendo um destaque na National Geografic por sua pesquisa junto à NASA (Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço), o cientista se viu mergulhado em uma depressão que lhe fez rever todos os seus conceitos sobre o sentido da vida.

“A dor era tão intensa que peguei meu travesseiro e clamei a Deus do fundo do meu coração: Se você é real, eu preciso de você agora”, disse ele em uma entrevista à CBN News.

Leia mais:  Filmes e música têm um impacto maior na visão de mundo de uma criança do que a escola, diz pesquisador cristão

Busca por sentido

A necessidade de sentido em sua vida, fez com que o Dr. Dragos buscasse respostas em várias crenças religiosas. Ele ainda não tinha noção de que a fé em Jesus Cristo não é mais “uma” entre muitas, mas sim a revelação da própria verdade acerca de Deus.

Entre idas e vindas em religiões asiáticas e espíritas, ele só veio a ter os primeiros contatos com algo mais sólido do cristianismo quando leu um livro de Katheryn Kuhlman, uma pregadora cristã dos Estados Unidos, a qual faz uma série de relatos de milagres em sua obra.

“Você simplesmente não pode negar as evidências. Eu li que as piores e mais horríveis doenças foram curadas. E entendo que o papel da ciência não é definir o que é possível e o que não é possível, ou dizer o que podemos ou não fazer. O papel da ciência nada mais é do que observar, explicar e entender. É isso”, disse o cientista.

O Dr. Dragos, então, posteriormente foi chamado a entregar a sua vida para Cristo. Como um cientista acostumado a lidar com evidências, ele uniu o seu conhecimento empírico aos fatos ligados à fé, e acabou se convertendo ao Evangelho.

Leia mais:  Cultura de autoajuda levou jovens à egolatria e à rejeição a Deus, alerta escritora cristã

Com isso, a sua conclusão agora é de que “a ciência e a tecnologia transformaram nosso mundo de maneiras belas e surpreendentes, mas não são suficientes para preencher o vazio em nosso coração.”

“Precisamos sentir o fluir do Espírito de Deus dentro de nós para termos uma vida significativa e com propósito”, diz ele. “Quando você vai até Jesus com o coração aberto, não à igreja, não à religião, mas para uma dimensão mais profunda, sentindo o amor e o poder de Deus, então o céu se abre.”

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana