conecte-se conosco


Mundo Cristão

Ativismo LGBT pressiona Igreja da Inglaterra pelo reconhecimento do “casamento gay”

Publicado

À luz da doutrina bíblica, a única união matrimonial aceita por Deus é entre homem e mulher, visto que até mesmo biologicamente a reprodução da espécie só é possível mediante a relação sexual entre macho e fêmea. Mas, ativistas LGBTs estão agora pressionando a Igreja da Inglaterra para que o “casamento gay” seja reconhecido como oficial.

Segundo informações do Christian Today, um grupo que integra o movimento LGBT inglês escreveu uma carta que foi enviada a 34 bispos “conhecidos por serem partidários de pessoas LGBTIQ+”, entre eles o arcebispo de York e os bispos de Oxford, Manchester, Leeds, Dover e Liverpool.

Na carta, os ativistas – entre os quais estão vários clérigos apoiadores do movimento LGBT, incluindo o Rev. Colin Coward, fundador da Changing Attitude England e o Rev. Michael Sadgrove, Reitor Emérito de Durham – ameaçam abandonar o diálogo para a produção do relatório ‘Vivendo em Amor e Fé’ (LLF) 2021.

O relatório traça a visão da Igreja da Inglaterra, sendo uma espécie de declaração pública de fé. Por causa disso, a exigência dos ativistas é que os líderes da Igreja declarem que apoiam a relação entre pessoas do mesmo sexo, alegando que isso diz respeito à “igualdade”.

“Precisamos saber se vocês são capazes de expressar apoio público pela igualdade total das pessoas LGBTIQ + no ministério e relacionamento na Igreja da Inglaterra”, diz a carta, que destaca o reconhecimento da relação entre sacerdotes homossexuais, por exemplo.

“Isso inclui permitir que aqueles que vão para a seleção para o ministério e para leitores licenciados e clérigos se casem com parceiros do mesmo sexo e conduzam casamentos do mesmo sexo na igreja e abençoem casamentos e parcerias civis com os mesmos parâmetros aplicáveis aos casamentos de sexos opostos”, diz o documento.

Sem que as principais lideranças da Igreja manifestem apoio público à causa LGBT, os ativistas dizem que não irão participar dos diálogos para a elaboração do relatório Vivendo em Amor e Fé desse ano.

“A menos que isso seja esclarecido antes do início de qualquer processo das próximas etapas, não poderemos estar envolvidos com ele ou apoiá-lo. Precisamos que vocês forneçam essa clareza como uma questão de urgência”, diz a carta.

Leia mais:  “Vi a morte, mas Deus me curou”, diz pastor curado do coronavírus
publicidade

Mundo Cristão

Pastor ensina a identificar se sonhos vêm ou não de Deus: “Busque a interpretação”

Publicado

Imagem de José interpretando sonho na novela Gênesis. (Foto: Reprodução/TV Record)

O pastor Joel Engel explica o que a Bíblia diz sobre os sonhos e destacou a importância de buscar em Deus a interpretação.

Como saber se um sonho vem de Deus, do diabo ou da imaginação? O pastor Joel Engel ministrou na terça-feira (19) a respeito do que a Bíblia diz sobre os sonhos e destacou a importância de buscar em Deus a interpretação.

O pastor Joel Engel explica que os sonhos enviados por Deus têm o objetivo de alertar, apontar um acontecimento futuro ou trazer uma revelação do presente. “Esta é uma das formas pelas quais Deus se manifesta”, explicou. “E Deus afirma que não faz nada sem antes revelar aos seus servos, os profetas.”

Em Gênesis, a Bíblia relata que José estava preso por dois anos, até ser chamado à presença do faraó do Egito para interpretar dois sonhos que ele havia tido. Diante do faraó, José disse: “A capacidade de interpretar não está em mim; mas Deus dará resposta favorável a faraó”. (Gn 41:16)

Joel Engel ensina que José deixou dois segredos importantes: os sonhos que se repetem podem vir da parte de Deus e a interpretação é maior do que o próprio sonho.

“O dom de interpretação é ainda mais importante do que o sonho em si”, afirma o pastor. “O sonho é algo tão sério que, se for interpretado através de uma revelação desfavorável, pode desviar um povo do propósito de Deus.”

Engel alerta que as pessoas podem manipular visões e sonhos. “Por isso, a coisa mais importante em desvendar os sonhos é quem vai interpretar”, destaca.

Como descobrir a fonte do sonho?

O pastor ensina que os sonhos podem vir de Deus, do inimigo ou das nossas próprias vivências. “A psicologia diz que o sonho é a descarga de muitas imagens do seu dia a dia e mais de 90% dos sonhos realmente não significam nada”, afirma.

Por outro lado, os sonhos também podem ter influência espiritual, tanto da parte de Deus, como do diabo. “Eu tenho dentro de mim uma alma, e esta alma está conectada com o mundo espiritual. Segundo o Talmude, o sono é 1/60 avos da morte. Ou seja, quando você dorme, só 1/60 da alma fica no corpo — e quando você morre, a alma sobe e passa pelas regiões espirituais”, explica.

Se você acordar assustado, amedrontado ou carregando um peso de culpa, provavelmente o sonho não é de Deus, alerta Engel. “Não aceite sonhos que você não quer que se materializem. Nós estamos conectados com Deus e temos a capacidade de materializar imagens que estão dentro de nós”.

Muitas vezes, as nossas vidas podem parecer com a jornada de José: cheia de lutas, mas revelações de Deus através de sonhos. “Toda prova aperfeiçoa a pessoa. Não tenha medo de se tornar escravo ou parar numa prisão. Porque o sonho de Deus para você vai se realizar”, lembra Engel.

“Os sonhos de Deus para as nossas vidas podem nos custar anos de provações. Todos nós precisamos ser lapidados, assim como José passou. E no final da vida ele entendeu que tudo o que ele viveu não foi culpa dos irmãos, mas foi Deus quem o enviou para cumprir um propósito”, completa o pastor.

Assista a pregação completa:

Leia mais:  Bispo Edir Macedo vence a covid-19 e recebe alta médica em São Paulo
Continue lendo

Mundo Cristão

Cristãos devem usar redes sociais para dar bom testemunho, diz pastor

Publicado

As redes sociais se tornaram num campo de batalha ideológico em que, muitas vezes, usuários trocam ofensas por discordâncias relacionadas aos diversos temas em debate. Nesse cenário, o bom testemunho cristão deve continuar sendo uma prioridade, exortou um pastor.

Recentemente, uma ex-funcionária do Facebook veio a público denunciar a plataforma pela forma como a programação da rede social é feita. Segundo ela, a empresa aprende como os usuários se comportam e usa isso de forma a mantê-los instigados.

“O Facebook ganha mais dinheiro quando você consome mais conteúdo”, explicou Frances Haugen. “As pessoas gostam de se envolver com coisas que provocam uma reação emocional. E quanto mais raiva elas ficam expostas, mais elas interagem e mais consomem”, acrescentou.

O tema passou a ser debatido de forma mais profunda a partir dessas revelações, feitas a partir do vazamento de documentos internos do Facebook, em diversos meios, como veículos de imprensa e canais de formadores de opinião em plataformas como YouTube e Instagram.

Entrevistado pela emissora Christian Broadcasting Network (CBN News), o pastor Matt Ward, auxiliar na Primeira Igreja Batista em Thompson, Geórgia (EUA), afirmou que o ambiente manipulado das redes sociais se tornou tóxico.

“Eu vejo o efeito que isso teve sobre meus amigos, membros da igreja, como isso os faz sentir”, disse o pastor.

Bom testemunho

Ward afirmou que na igreja em que atua, a diretoria chegou à conclusão que seria bom oferecer um guia básico de comportamento nas redes sociais para os membros, como forma de orienta-los a evitar atritos.

“Você é cristão e sempre é cristão, mesmo quando está online. Você sempre é um seguidor de Jesus Cristo. […] Tenha compaixão. Uma resposta gentil reduz a raiva. Não crie polêmica”, sugeriu, acrescentando que as redes sociais podem ser úteis como ferramenta para promover o Evangelho através do testemunho.

O escritor cristão Daniel Darling concorda, dizendo que alguns cristãos estão alimentando a incivilidade: “Temos a tendência de esquecer que as pessoas com quem interagimos não são avatares ou pixels, mas seres humanos feitos à imagem de Deus”, pontuou.

“E então, acho que esquecemos todas essas coisas quando ficamos online e, como resultado, com frequência os cristãos agem tão rudes e pouco caridosos quanto qualquer pessoa no mundo”, lamentou.

Por fim, o escritor ponderou que seus conselhos não são uma sugestão de que os cristãos não se envolvam em tópicos importantes de nossos dias: “Acho que podemos ter conversas realmente robustas e substantivas sobre política. Acho que devemos ser francos sobre o que acreditamos, defender a verdade. Podemos até mesmo ter debates acirrados. Não é importante apenas dizermos as coisas certas e defendermos a verdade – mas como nós dizemos que é importante”, encerrou.

Leia mais:  Censura a pastores: Jorge Linhares responde Lula após ameaça, ‘a Igreja não vai recuar’
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana