conecte-se conosco


Brasil

Auxílio emergencial de 2021 começa a ser pago em 6 de abril

Publicado

Novo benefício chega para 45 milhões de pessoas, sendo 22 milhões a menos de contemplados que os do ano passado. Valor da parcela também será menor

O Governo Federal anunciou na manhã desta quarta-feira (31) o retorno de pagamento do auxílio emergencial. O benefício começará a ser pago a partir do dia 6 de abril, próxima terça-feira, com depósitos em contas digitais da Caixa Econômica Federal. 

O calendário de pagamento vai levar em conta a data de nascimento do beneficiado. A edição de 2021 do auxílio está mais restrita que a do ano passado. Serão quatro parcelas, com valores de R$ 150, R$ 250 ou R$ 375, dependendo da configuração de cada grupo familiar e limitado a um benefício por família.

Pelos cálculos do Ministério da Cidadania, serão beneficiadas 45,6 milhões de pessoas, sendo 22,6 milhões a menos do que auxílio emergencial de R$ 600, pago no ano passado. A quantia, em 2020, chegou para 68,2 milhões de pessoas.

A liberação da assistência foi autorizada em MP (medida provisória). Agora, o decreto regulamenta o programa, traz conceitos, detalhes e critérios para os pagamentos. 

O limite de gasto com a nova rodada da assistência é de R$ 44 bilhões. Nas MPs, porém, o governo anunciou a liberação de R$ 43 bilhões, incluindo despesas operacionais. Em 2020, o auxílio consumiu quase R$ 300 bilhões.

Veja os calendários de pagamento para o público em geral e para os beneficiados do Bolsa Família:

Confira ponto a ponto desses detalhes:

Quem tem direito

Na nova rodada, só terá direito quem já recebeu no ano passado e, portanto, está inscrito nos cadastros públicos usados para análise dos pedidos. Quem não faz parte desses cadastros não terá o benefício pois não haverá novos pedidos.

Valores

O valor do auxílio dependerá da condição de cada benefício. Famílias vão receber R$ 250. Uma família monoparental, dirigida por uma mulher, vai receber R$ 375 e pessoas que moram sozinhas vão receber R$ 150.

Critérios

Para ter direito, o interessado deverá se encaixar nos seguintes critérios: ser trabalhador informal ou beneficiário do Bolsa Família; ter renda familiar mensal de até três salários mínimos (R$ 3.300); ter renda familiar por pessoa de até meio salário mínimo (R$ 550) ter recebido o auxílio emergencial em 2020.

Quem não pode receber

– Pessoas que recebem benefício previdenciário, assistencial ou trabalhista, exceto Bolsa Família e abono salarial

– Residentes médicos ou de outras áreas, beneficiários de bolsas de estudo e estagiários

– Menores de 18 anos, exceto mães adolescentes

– Presos em regime fechado

– Pessoas residentes no exterior

– Beneficiários do auxílio que não movimentaram valores da assistência em 2020 em sua conta digital Caixa ou que tiveram a assistência do ano passado cancelada

– Quem teve rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019 

– Quem tinha em 31 de dezembro de 2019 a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil 

– Quem recebeu em 2019 rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte superior a R$ 40 mil

Como pedir o auxílio? 

Não é possível pedir o benefício. No ano passado, o governo disponibilizou um aplicativo e um site para o trabalhador se cadastrar e solicitar o auxílio. Neste ano, o governo vai usar o cadastro feito no ano passado. Se avaliar que o trabalhador atende os critérios, pagará o benefício automaticamente, sem que o trabalhador tenha que fazer nada para receber.

Como será o pagamento?

O governo deve depositar o dinheiro nas contas digitais gratuitas abertas pela Caixa em nome dos beneficiários do auxílio no ano passado.

Bolsa Família

Beneficiários do Bolsa Família receberão conforme o calendário habitual do programa. Em abril, os pagamentos para essas pessoas serão iniciados no dia 16.

Leia mais:  Brasil tem segunda maior marca diária de mortes por covid: 3.438
publicidade

Brasil

Voos internacionais partindo do Aeroporto de Vitória sem previsão de decolar

Publicado

Voo direto para Buenos Aires, na Argentina, não tem data para começar a operar, segundo a companhia aérea Gol

O sonho dos capixabas de terem voos internacionais partindo do Aeroporto de Vitória ficou para mais tarde. A companhia aérea Gol, que inicialmente iria operar os voos diretos para Buenos Aires, na Argentina, informou que não há uma nova previsão para a oferta internacional a partir da capital capixaba.

Segundo a Gol, o cenário atual que envolve a pandemia foi um dos motivos para o adiamento e, por isso, no momento não há previsão para inclusão da oferta internacional no Espírito Santo.

“Os mercados internacionais ainda estão com várias medidas restritivas de circulação de viajantes e com fronteiras fechadas, alterando drasticamente a demanda por esse tipo de serviço. Mesmo frente ao desafio sanitário, a Gol trabalha em conjunto com o governo do Espírito Santo para viabilizar a plena retomada do transporte aéreo no estado o mais breve possível”, disse a empresa por meio de nota.

A Gol já havia adiado o início dos voos internacionais outras vezes. A última previsão era de começar a operar o voo direto de Vitória para Buenos Aires em meados de 2020, mas adiou por questões estratégicas.

Aeroporto de Vitória foi internacionalizado em 2019

Desde o dia 5 de novembro de 2019, o Aeroporto de Vitória Eurico de Aguiar Salles passou a ser internacional. Naquela data, foi publicado no Diário Oficial da União a homologação da internacionalização do terminal.

Os voos internacionais são um sonho antigo dos capixabas e usuários do maior aeroporto do Espírito Santo. Desde que foi inaugurado – em março de 2018, o terminal já passou por reformas e alterações para a adaptação das estruturas para salas de embarque e desembarque internacionais.

Na nova estrutura, o embarque internacional fica nos fundos do saguão doméstico. Já a sala de desembarque é próxima à área das esteiras de bagagens, no térreo. Hoje, o aeroporto movimenta diariamente uma média de 10 mil passageiros em 80 voos. Em 2020, recebeu mais de 3 milhões de passageiros.

Leia mais:  Festas de Réveillon são canceladas devido à pandemia de covid-19
Continue lendo

Brasil

Criança de dois anos fica com cabeça presa em panela de pressão e pais fazem alerta

Publicado

O episódio aconteceu na tarde desse sábado (18) e só foi solucionado após ajuda da UPA.

Uma criança de dois anos precisou ser levada a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade de Granja, no Ceará, após ficar com a cabeça presa em uma panela de pressão.

O episódio curioso aconteceu na tarde desse sábado (18) e deixou os pais do menino bem aflitos.

Segundo relatos de Keciane Silva, mãe da criança, o pequeno João Pedro estava brincando de “bumba meu boi’ quando colocou a panela de pressão na cabeça e não conseguiu mais retirá-la. Nesse momento começou o desespero, tanto dos pais quanto da criança. 

A cabeça da criança começou a ficar inchada com as tentativas de retirar a panela, levando o pequeno a ficar desesperado com cada nova tentativa. Sem alternativa, os pais levaram João Pedro até a UPA da cidade para conseguir ajuda

O médico José William, que atendeu a criança, afirmou que os pais chegaram na unidade com a criança muito agitada e que não conseguiram retirar a panela de imediato, sendo necessário aplicar duas medicações para evitar qualquer edema.

Além disso, o Corpo de Bombeiros foi acionado, mas não conseguiu acalmar a criança.

A remoção da panela de pressão só foi possível após os pais conseguirem acalmar a criança, que acabou dormindo e o edema diminuiu. Após isso, os pais conseguiram remover a panela da cabeça da criança. 

Pais de João Pedro fazem alerta

Mais calma após o susto, a mãe da criança agradeceu o trabalho do Corpo de Bombeiros e da UPA da cidade e aproveitou para alertar os pais, buscando evitar acidentes como esse. Keciane pediu para terem mais atenção com seus filhos e ressaltou que, um momento de descuido, virou um grande desespero.

Leia mais:  Motociclista tem garganta perfurada por pássaro e percorre 9 km com ave no pescoço
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana