conecte-se conosco


Brasil

Banestes participa do Fórum do Desenvolvimento ABDE 2021

Publicado

O diretor-presidente do Banestes, José Amarildo Casagrande, apresentou case de Microcrédito operado pelo banco capixaba, considerado uma referência nacional.

Na manhã desta quinta-feira (29), o diretor-presidente do Banestes, José Amarildo Casagrande, participou ao vivo do evento internacional Fórum do Desenvolvimento 2021, promovido pela Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE).

O presidente foi um dos palestrantes do painel “Desenvolvimento e Diversidade”, que teve como foco discutir as oportunidades e entraves para a incorporação no tema da diversidade, em suas várias perspectivas, e nas políticas de promoção ao desenvolvimento sustentável.

Na oportunidade, Amarildo Casagrande apresentou o case de atuação de sucesso do Banestes na operação das linhas de Microcrédito, com atenção especial ao projeto Crescemos Juntas, para mulheres empreendedoras. O convite para a participação no Fórum se deu pelo Banestes ser reconhecido como uma referência nacional em operação de microcrédito.

“Nós consideramos o microcrédito um instrumento de inclusão social e desenvolvimento econômico. Uma grande diferença no processo é a atenção e o apoio dado ao microempreendedor, que recebe orientações com foco na promoção da cidadania financeira durante o processo de bancarização. O Banestes opera microcrédito há 18 anos e, desde então, já concedeu mais de R$ 825,2 milhões, em mais de 160 mil contratos. Desse montante, mais de 50% foi destinado às mulheres empreendedoras. Temos orgulho de sermos um banco capixaba referência nacional em microcrédito. Temos também o objetivo de expandir, fomentar novas ações e projetos, com a parceria, principalmente, de representantes das comunidades”, ressaltou Amarildo Casagrande.

O banco capixaba opera linhas de microcrédito por meio do Programa Nossocrédito, do Governo do Estado, em parceria com a Agência de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas e do Empreendedorismo (Aderes).

O painel foi moderado pela representante do Prosperity Fund UK, Maud Chalamet. Também participaram do painel o diretor da Rede Brasil do Pacto Global, Carlo Pereira; a gerente do Programa Ganha-Ganha, ONU-Mulheres, Tayna Leite; a co-fundadora da DIMA Consultoria, Luana Ozemela; e a presidente da Agência de Fomento do Rio Grande do Norte, Marcia Maia.

Em breve, o vídeo de exibição do evento estará disponível no canal da ABDE no YouTube. Para saber mais, acesse www.forumdodesenvolvimento.com.br/.

Leia mais:  Operação Acolhida leva dignidade a venezuelanos refugiados
publicidade

Brasil

Pais são presos suspeitos de torturar e matar filho de 1 ano em MT

Publicado

Os pais foram presos suspeitos de torturar e matar filho de 1 ano com socos e fio de carregador. Menino também recebeu um golpe no tórax. Depois de dar outra versão na delegacia, mãe confessou que viu a criança sendo agredida pelo pai

Um casal foi preso, na sexta-feira (23), suspeito de torturar e matar o filho de 1 ano, com socos e fio de carregador de celular, em Cáceres, a 250 km de Cuiabá. A mãe foi identificada como Stefanny Fontaneli Soares, de 20 anos, e o pai como Lucas da Rocha Ramos, de 21 anos.

Enzo Gabriel Fontaneli deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Cáceres, levado pela mãe, com diversas marcas de lesões pelo corpo. Segundo a equipe médica, ele já não apresentava sinais vitais. Ainda assim, a equipe tentou a reanimação do garoto, sem sucesso.

A médica responsável pelo atendimento à criança informou que no exame físico realizado ficaram evidentes diversas marcas pelo corpo da criança, como hematomas, inclusive nos olhos, nódulos na cabeça e cicatrizes, entre elas a que mostra a marca de um carregador de celular.

A Polícia Militar foi acionada pela UPA e encaminhou a mãe da criança ao plantão da Delegacia de Cáceres.

A versão inicial da mãe, de 20 anos, foi de que na noite de quinta-feira (22), o filho teria caído de uma mureta e batido a cabeça.

Após a queda, os pais teriam dado banho no menino, que se queixou de dores pelo corpo. Depois de acalmarem o garoto, eles o teriam colocado para dormir mas, na manhã de sexta-feira (23), a criança estava fraca e não respondia aos chamados, quando então pediram ajuda e a mãe o levou à unidade de saúde.

No entanto, durante interrogatório na delegacia, a mãe acabou confessando à delegada Judá Maali Marcondes que viu a criança sendo agredida pelo pai, que não gostou de ouvir o pequeno Enzo chorar e se irritou com o filho. Ela disse que depois das agressões, a criança ficou desacordada, sendo então levada à UPA.

A apuração da Polícia Civil constatou que a criança passou por intenso sofrimento físico por um longo período, com diversas agressões causadas por objetos, como um fio de carregador de aparelho celular.

Além disso, o menino recebeu um golpe no tórax e vomitou. Com isso, o pai tornou a agredi-lo, diante do choro do garoto.

O pai da criança foi localizado na chácara onde mora, na Comunidade Taquaral, e preso em flagrante. Na casa, as equipes da Delegacia Especializada do Adolescente de Cáceres localizaram uma arma de fogo.

O pai também vai responder por posse ilegal de arma — Foto: PJC/MT

A delegada Judá Marcondes explicou que a mãe se omitiu no dever de cuidar e proteger o filho das agressões e por isso responderá também pelo homicídio qualificado.

“Essa criança foi torturada, sofreu agressões seguidas, que resultaram em sua morte”, pontuou a delegada.

Em depoimento na delegacia, o pai, de 21 anos, confessou as agressões contra o filho. Um laudo preliminar apontou indícios de que a criança tenha sido abusada sexualmente.

Os dois responderão pelo homicídio qualificado mediante tortura e recurso que impossibilitou a defesa, com agravante pelo fato da vítima ser menor de 14 anos. Além disso, também podem responder por estupro de vulnerável.

Após os procedimentos na Delegacia da Mulher de Cáceres, o casal será submetido a exame de corpo de delito e depois encaminhado para as respectivas unidades prisionais, onde permanecerão à disposição da Justiça.

A delegada representou ao Poder Judiciário pela conversão do flagrante em prisão preventiva do casal. O homem foi autuado em flagrante também por posse ilegal de arma de fogo.

Leia mais:  MPF denuncia Felipe Santa Cruz por calúnia contra Moro
Continue lendo

Brasil

Prazo para contestar auxílio emergencial negado termina neste sábado

Publicado

Saiba como proceder e quem tem direito a fazer a solicitação, realizada por meio do site do Ministério da Cidadania

O prazo para a contestar os pedidos de auxílio emergencial negados termina neste sábado (24), às 23h59. A data limite se aplica aos trabalhadores que se inscreveram pelos meios digitais e que tiveram a solicitação recusada na revisão mensal de julho.

Mensalmente, governo federal analisa os CPFs dos beneficiários para conferir se eles ainda se enquadram nos critérios para receber o auxílio.

De acordo com o Ministério da Cidadania, a contestação vai permitir uma nova análise com bases mais atualizadas dos dados da pessoa. O requerimento com o pedido de revisão deve ser feito pelo site da pasta (https://consultaauxilio.cidadania.gov.br).

“Após ingressar com os dados de identificação e clicar na aba correspondente ao auxílio emergencial 2021, a pessoa deve clicar no botão: contestar. A partir daí, precisa aguardar até que seja realizada uma nova análise da situação do seu benefício”, informou o ministério.

Após a contestação, o pedido será reanalisado pela Dataprev. A partir daí, é preciso aguardar até que a nova análise da situação do benefício seja concluída.

Se a razão que motivou o cancelamento permitir contestação, o trabalhador poderá voltar a receber o benefício.

O ministério disse que, caso não ocorra a aprovação por algum motivo de indeferimento definitivo, não será possível apresentar contestação, pois a situação que motivou o indeferimento não vai se alterar.

Pessoas que já tenham ficado inelegíveis para receber o auxílio antes e já tenham realizado a contestação não poderão submeter nova contestação.

Já os bloqueios feitos a pedido dos órgãos de controle não podem ser contestados ainda, pois estão sob análise do Ministério da Cidadania e da Dataprev. Esse tipo e bloqueio é feito de forma preventiva.

“Posteriormente, é definido pela liberação ou cancelamento do benefício em definitivo. Não há prazo definido para divulgação do resultado”, disse o ministério.

Leia mais:  Mapa assina contrato com o BID para destinar US$ 195 milhões para a defesa agropecuária
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana