conecte-se conosco


Cidades

Banestes patrocina projeto com foco no empreendedorismo periférico, lançado pelo Instituto Das Pretas

Publicado

O projeto Rede Fortalece de Empreendedorismo Periférico, lançado neste mês pelo Instituto, vai contar com aulas exclusivas, desafios e monitorias em plataforma digital de acesso gratuito

Vitória – O Instituto Das Pretas lançou, nesta semana, uma das maiores idealizações entidade: a Rede Fortalece de Empreendedorismo Periférico, uma plataforma de aprendizagem empreendedora aberta, que oferece gratuitamente conteúdo de educação com foco no empreendedorismo, inovação e transformação digital. O programa é a junção de resultados e aprendizados anteriores alcançados pelo Instituto, para a ampliação de um projeto único, maior e mais forte, realizado por meio de novos e já existentes cursos na modalidade Ensino a Distância (EaD), que estarão disponíveis na plataforma on-line do projeto, o site www.fortalece.com.br.

A Rede Fortalece tem também na proposta o desenvolvimento e a realização de desafios e jornadas de orientação para grupos de empreendedores periféricos, com aulas exclusivas, monitorias e outros conteúdos para o fortalecimento desse público, com o objetivo de proporcionar desenvolvimento, aprendizado, transformação, inovação e novas conexões. O projeto conta com grandes parcerias e apoios, tendo como principal apoiador o Banco do Estado do Espírito Santo (Banestes).

O diretor-presidente do Banestes, José Amarildo Casagrande, destaca a relevância dessa parceria para o banco capixaba, que é referência nacional em microcrédito. “Nós consideramos o microcrédito um instrumento de inclusão social e de desenvolvimento econômico. Nesse contexto, a promoção da cidadania financeira durante o processo de bancarização é um ponto central, conduzido com grande atenção pelo banco. O Banestes opera microcrédito há 19 anos e, desde então, já concedeu mais de R$ 860 milhões, em mais de 163 mil contratos. Desse montante, mais de 50% foi destinado a mulheres empreendedoras. A atuação conjunta com o Rede Fortalece consolida nosso objetivo, enquanto banco dos capixabas, de expandir, fomentar novas ações e projetos de desenvolvimento e de fortalecimento do empreendedorismo nas comunidades”, ressaltou Amarildo Casagrande.

Idealizador do projeto, o Instituto Das Pretas é uma das principais organizações potencializadoras do empreendedorismo afro e periférico do Brasil, com mais de 100 mil pessoas impactadas. Somente entre os meses de janeiro de 2020 a junho de 2021, o Instituto impactou 298.134 pessoas, capacitou 1.639, alcançou 19 municípios só no Estado do Espírito Santo e realizou 134 atividades de formação de empreendedoras.

Leia mais:  Banestes lança laboratório próprio de inovação com foco no mercado capixaba

Com atuação há seis anos no Estado do Espírito Santo, o Das Pretas é liderado por Priscila Gama e opera como um laboratório de inovação social no enfrentamento às violências contra a juventude e às mulheres negras, por meio da construção de soluções de impacto social nas áreas da cultura, da educação, do empreendedorismo e da tecnologia.

“O Rede Fortalece de Empreendedorismo Periférico foi concebido com o objetivo de expandirmos a atuação e o trabalho do Das Pretas, gerando impactos positivos ainda maiores. O Rede é um programa contínuo, por meio do qual vamos poder abraçar parceiros, patrocinadores e novas demandas, e que vem para agregar ainda mais na capacitação de empreendedores que atuam dentro das periferias, principalmente as mulheres empreendedoras. Além de ser uma plataforma ativa e responsiva, que vai disponibilizar os conteúdos de forma aberta e gratuita. Além disso, a vitrine virtual vai possibilitar o mapeamento dos empreendedores que passarão pelas capacitações dos projetos realizados”, destacou a líder do Instituto e do Rede Fortalece, Priscila Gama.

Segundo estudos do ano de 2019, realizados pelo Sebrae, o número de mulheres que dão início a negócios por necessidade é de 44%, frente a 32% dos homens. Somente no segundo semestre do ano passado, cerca de 87 mil mulheres perderam empregos devido à situação econômica do País e ao encerramento de atividades por diversas empresas, sendo 58% deste número de mulheres negras, o mesmo público que o Instituto Das Pretas tem como objetivo capacitar e impactar com o escopo de aulas.

O formato no qual o Fortalece foi desenhado oferece mobilização híbrida, ciclos trimestrais e aulas on-line com EaD aberto, aulas ao-vivo, jornadas e/ou desafios específicos e personalizados, turmas de Educação Financeira, Envolvimento Territorial e Cidadania Ativa, Organização Econômica & Vitrine Virtual. As jornadas de educação e capacitação on-line trazem novas experiências para pessoas que estão empreendendo em diversas localidades e que se assemelham com os desafios do mercado, além de soluções coletivas e possibilidade de parcerias e negócios. Haverá ainda um espaço exclusivo e integrado ao grupo no Facebook, que possibilitará a realização de acelerações, mentorias e acompanhamento.

Leia mais:  Sistema indenizatório simplificado alcança R$ 1,4 Bi em pagamentos em nove localidades do Vale do Rio Doce

No site oficial do projeto, é possível conhecer os cursos e as capacitações oferecidas para as empreendedoras, além de ficar por dentro das agendas e planos de aulas: www.fortalece.com.br. O projeto também conta com um perfil oficial no Instagram, onde também são divulgadas as ações e oportunidades: @Redefortalece.

Conheça mais sobre o Instituto Das Pretas e os projetos de transformação da instituição nas redes sociais: LinkedIn (Instituto Das Pretas) e Instagram (@das.pretas).

Acompanhe também o Banestes nas redes sociais:
https://www.banestes.com.br/banestesoficial/.

Sobre a idealizadora da Rede Fortalece, Priscila Gama:

Considerada uma das mais influentes mulheres do Estado do Espírito Santo, é uma expoente no enfrentamento às violências contra a juventude e às mulheres negras, por meio da cultura e empreendedorismo. Ativista e empreendedora social, consultora jurídica e especialista em Direito Público e Direitos Humanos, mestranda em Sociologia Política, pesquisadora e movimentadora da Economia Criativa Afrocentrada e Periférica, Priscila Gama coordena 12 projetos de ação afirmativa. Consultora de Inteligência em Resolutivas de Impacto Social, é CEO da Ojá Consultoria & Soluções em Tecnologia Social, desenvolve produtos de impacto social para a iniciativa privada em Estratégias Culturais de Inclusão e Equidades. Presidente do Instituto Das Pretas.Org. CEO do Festival Bekoo Das Pretas e A Tarja Preta Hip Hop Festival, além de TEdx Talk Speaker. Já fez trabalhos com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o ColaborAmérica, a Rede Mulher Empreendedora, Bankoo, Atitude Inicial, Fábrica Lab, Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Universidade de Vila Velha (UVV), Instituto Feira Preta, STEX VIX e outros.

publicidade

Cidades

Prefeitura de Jaguaré debate criação de Associação de Segurança Pública com sociedade organizada

Publicado

Encontro reuniu representantes de entidades da sociedade civil e poder público; participação da sociedade em decisões de Segurança Pública é opinião em comum para todos os participantes

Em reunião realizada entre representantes da Prefeitura Municipal de Jaguaré, da Câmara Municipal e de entidades da sociedade civil, foram debatidas propostas para a criação de uma associação com forte representatividade que possa promover e apontar ações estratégicas para garantir efetivamente a segurança pública no município, em substituição ao Conselho Municipal de Segurança Pública – Comsej.

O encontro foi realizado no Plenário da Câmara Municipal de Vereadores e contou com a presença do prefeito Marcos Guerra, do subsecretário municipal de Segurança Pública, Miller Kutz, do secretário municipal de Planejamento Urbano, Robson Grobério, o presidente da Câmara, Jean Costalonga e o vereador Tião Soprani.

Também estiveram presentes, o comandante da Polícia Militar, Major Borba, o sargento Rogério Pontes, o soldado Renan Brumatti, de Vila Valério, a presidente da CDL, Maria Cristina de Lima e o presidente do Sindicato Rural, Jarbas Nicoli e representantes de diversas entidades civis, além de membros do Comsej. Durante a reunião foi apresentada a situação do Conselho e foi apresentada a possibilidade de um novo modelo de organização, no formato de associação.

Em busca do melhor formato

Toda forma de organização que busque melhorias para a sociedade é válida. Em especial numa área tão sensível a todos nós, que é a Segurança Pública. Esta reunião tem o objetivo de avaliar o melhor caminho a seguir com autoridade, pois aqui estão reunidos atores da sociedade que ajudam a impulsionar o desenvolvimento municipal. Portanto, é preciso que todos se dediquem e estudem uma solução em conjunto com a sociedade, pois, a Constituição Federal afirma que a Segurança Pública é dever do Estado e responsabilidade de todos”, ressaltou o prefeito Marcos Guerra.

Leia mais:  Ciência para agricultura: Espírito Santo recebe 1° Simpósio Incaper Pesquisa

Opinião seguida também pelo presidente da Câmara de Vereadores, Jean Costalonga, para quem a participação da sociedade é fundamental. “Nós incentivamos a participação das pessoas em todos os assuntos que dizem respeito à vida comunitária. Em especial, os assuntos relacionados à segurança, que

Necessidade de reestruturação

De acordo com o secretário municipal de Planejamento, Robson Grobério, o encontro resultou em ações concretas. “É sempre bom ter um novo modelo para avaliarmos, nesse caso a associação. Mas, a maioria decidiu por tentar reestruturar o Conselho novamente. Para tanto, criamos uma comissão para levantar as possibilidades”, destacou Grobério.

“O Comsej foi criado em 1997 com o intuito de aproximar a PM das pessoas e, na época isso trouxe muitos benefícios para Jaguaré, que ficou conhecida por ter o melhor Conselho Municipal do Estado, por isso esse órgão é muito importante funcionando de forma adequada”, afirmou o subsecretário municipal de Segurança Pública, Miller Kutz.

O comandante da 18ª Companhia Independente de Jaguaré, Major Tiago Borba destacou a importância da participação da comunidade nas decisões dos assuntos relacionados à segurança. “Esses assuntos só podem apresentar caráter definitivo e duradouro se houver a participação da comunidade. O que as forças de segurança, isoladamente, podem fazer é muito limitado por que o tema Segurança Pública é muito amplo e complexo. Vai muito além de posicionar viaturas nas ruas e fazer patrulhamento. É preciso interação com a comunidade, troca de informações, debate sobre prioridades, dos anseios, das dores que as comunidades carregam”, pontuou o comandante. Major Borba ainda lembrou que o tema Segurança Pública envolve todos na sociedade, posto que é uma necessidade básica do ser humano. “Sem segurança você não consegue fazer nada”, afirmou.

O professor, gestor social e advogado Bernardo Augusto Gomes Rodrigues, destacou que o debate realizado teve uma particularidade significativa, que foi o envolvimento de vários segmentos. “Aqui estiveram reunidos, poderes públicos locais, as forças de segurança, produtores rurais, líderes comunitários. O grande destaque foi a necessidade desse envolvimento e participação, além de comprometimento das pessoas em órgãos que buscam o bem estar da sua população. Pouco importa a forma que seja organizada a sociedade civil. Que seja por conselho, associação, desde que atenda a necessidade de ter pessoas envolvidas nesse processo de organizar a sociedade civil de jaguaré. Isso é importante”, afirmou o Professor Bernardo.

A decisão dos presentes foi a criação de uma comissão para tratar dos assuntos do Conselho e a possibilidade de criação de uma associação. Outra reunião já está marcada para daqui a duas semanas com o objetivo de levantar informações sobre o conselho e as características de um formato associativo.

Leia mais:  Cadastro de currículos no Recoloca Rio Doce permite candidatura a vagas de emprego

Continue lendo

Cidades

Senac-ES abre novas vagas gratuitas para curso de Técnico em Estética

Publicado

O Senac-ES acaba de abrir 20 vagas  gratuitas para o curso de Técnico em Estética. Desta vez, além dos requisitos socioeconômicos, como renda familiar inferior a dois salários mínimos, pessoas egressas da educação básica e trabalhadores – empregados ou desempregados, os candidatos participarão de um processo seletivo com avaliação escrita em língua portuguesa, matemática/raciocínio lógico e redação dissertativa sobre um tema da atualidade. Os interessados devem ter mais de 18 anos e estar cursando o 2ª ano do Ensino Fundamental em diante.

As inscrições acontecem  nos  dias 6 e 8 de setembro, na unidade do Senac de Vila Velha, localizada no bairro Divino Espírito Santo. Já a prova escrita está agendada para o dia 22 de setembro, das 9h às  11h , no auditório do Senac Vila Velha. O resultado será divulgado no dia 3 de outubro, após as 18h, no site www.es.senac.br.

O período de matrículas e apresentação da documentação comprobatória será de 4 a 7 de outubro, também na unidade Senac de Vila Velha, onde o curso será ministrado a partir do dia 13 de outubro. Todas as informações sobre requisitos, prazos e o conteúdo do teste escrito está disponível no edital do programa no site da instituição.

Leia mais:  Parceria entre PMVV e FINDES melhora ambiente de negócios em Vila Velha

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana