conecte-se conosco


Segurança

‘Barão do Petróleo’ comandava da prisão esquema de adulteração de combustíveis no ES

Publicado

Denilson Silva Pessanha está preso desde 2020 e, segundo a polícia, é um conhecido miliciano do Rio de Janeiro. Investigações apontam que ele é o dono de vários postos de combustíveis, mas os colocava em nome de ‘laranjas’

organização criminosa responsável pelo esquema de adulteração de combustíveis no Espírito Santo, descoberto pela Polícia Federal, era comandada da prisão por um homem apontado pela polícia como um dos milicianos mais famosos do Rio de Janeiro. 

Denilson Silva Pessanha, mais conhecido como “Maninho do Posto” ou “Barão do Petróleo”, está preso desde 2020. Na ocasião, ele foi detido na Praia da Costa, em Vila Velha, e depois transferido para o Rio.

O suspeito já foi vereador na cidade de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, e teria fugido para o Espírito Santo, por ser procurado no Rio de Janeiro por furtar combustível de dutos da Petrobras.

De acordo com as investigações da Polícia Federal, mesmo preso, o Barão do Petróleo continuava chefiando a quadrilha suspeita de adulterar combustíveis no Espírito Santo.

Segundo o superintendente da PF no Estado, delegado Eugênio Ricas, alguns postos investigados foram colocados no nome de terceiros, mas, na verdade, eram geridos por Denilson Pessanha.

“Com ele, tinham outras pessoas, inclusive familiares, que cuidavam dessa organização criminosa. Parte dessa organização era composta por laranjas, pessoas que sabiam que o nome era utilizado para gerir os postos de combustíveis”, frisou.

Oito postos na Grande Vitória vendiam gasolina adulterada

Ao todo, oito postos de combustíveis da Grande Vitória — a maioria em Cariacica — são investigados por receber e vender gasolina adulterada para a população. Eles foram alvo da Operação Naftalina, deflagrada pela Polícia Federal, em parceria com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Receita Federal.

As investigações apontam que, desde 2020, a quadrilha recebia, de forma ilegal, cargas de álcool hidratado e nafta solvente de outros estados, e misturavam um corante para simular a cor da gasolina.

“O material transportado era um solvente chamado nafta e álcool hidratado. Tudo indica que a organização misturava o álcool com a nafta e colocava corante para parecer gasolina. Mas, na verdade, não se tratava de gasolina. É um produto adulterado que pode danificar os carros e prejudicar os consumidores”, explicou Eugênio Ricas.

O perito da Polícia Federal, Sérgio Cibreiros, explicou como os criminosos faziam a combinação irregular. “Eles pegavam esse solvente utilizado em empresas para fazer tíner, querosene e outros solventes usados em empresas de tinta. Eles pegavam esse solvente e misturavam com álcool hidratado”, explicou.

Leia mais:  Crianças desaparecidas há mais de um ano são encontradas em Marataízes e Piúma, no Sul do ES

Criminosos lucraram R$ 38 milhões com as fraudes

Ainda de acordo com as investigações, os criminosos teriam lucrado cerca de R$ 38 milhões com o esquema fraudulento. Se considerados culpados pela Justiça, os envolvidos no esquema podem pegar até 41 anos de prisão.

Durante a operação desta terça-feira, foram presos suspeitos de integrarem a organização criminosa no Espírito Santo, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Até agora, foram expedidos nove mandados de prisão preventiva, seis de temporária e 27 de busca e apreensão.

Segundo a polícia, um pátio clandestino em Vila Velha era utilizado pela quadrilha como estacionamento para caminhões-tanque. Além disso, os suspeitos adulteravam a gasolina no local para depois revender para os postos.

A fraude foi descoberta em 2020. Segundo o superintendente da PRF, delegado Amarílio Luiz Boni, equipes desconfiaram de irregularidades nas notas fiscais das cargas dos produtos durante abordagens nas rodovias do Espírito Santo.

“Nas abordagens de rotina, verificou que os motoristas das cargas apresentava documentos que tinham indícios de irregularidades. A origem diferia do que estava nas notas”, disse.

Já o delegado titular da Receita Federal, Eduardo Augusto Roelke, disse que as investigações apontaram que os suspeitos cometeram crime contra a ordem tributária, usando empresas de fachada e fantasmas.

O que diz o Sindipostos?

O Sindipostos, que representa o setor composto por mais de 700 postos no Espírito Santo, destacou que apoia a Operação Naftalina e repudia toda e qualquer prática que não esteja em conformidade com as regras do setor, mas respeitando o direito de defesa dos envolvidos.

“O Espírito Santo tem, historicamente, segundo o Programa de Monitoramento da Qualidade dos Combustíveis da ANP, um dos melhores índices de qualidade do Brasil. Os fatos que estão sendo investigados são pontuais e, como se viu, praticados por novos entrantes oriundos de outros estados. Ou seja, não representa a realidade do nosso mercado”, destacou o sindicato da categoria. 

Veja a lista dos postos de combustível onde a gasolina adulterada era vendida

Posto Gallo
Rodovia Governador José Sete, Cariacica

Posto São Geraldo
Cruzamento da Rua São Roque com a Rua Águia Branca, Vale Encantado, Vila Velha

Posto Frontier
Cruzamento da Rua Vicente Celestino com a Rua Santana, Campo Grande, Cariacica

Posto As Eirelli
Avenida Fernando Antônio, 579, Bela Aurora, Cariacica

Posto Nova Marca
Rodovia Norte-Sul, ao Lado do Terminal de Carapina, Rosário de Fátima, Serra

Posto Jupter
Rodovia do Sol, 1796, Praia de Itaparica, Vila Velha

Posto Bremenkamp
Cruzamento da Avenida Bahia com a Rua Mariano Firme, Valparaiso, Cariacica

Posto Rio Marinho
Cruzamento da Rua Principal com Rua Ovídio, Rio Marinho, Cariacica

O que dizem as bandeiras?

A Vibra (Bandeira BR), responsável pela bandeira de alguns dos postos, informou que tomou conhecimento dos fatos e solicitará aos revendedores esclarecimentos como parte do processo interno de investigação conduzido por sua área de compliance.

Leia mais:  Diretores de presídios de Linhares recebem homenagem de conselho municipal

“É importante ressaltar que como líder de mercado e presente em todo o território nacional, a Vibra é reconhecida pelo empenho nos esforços para a moralização e saneamento do mercado de distribuição de combustíveis, com iniciativas próprias ou juntamente com demais empresas reunidas no Instituto Combustível Legal (ICL) e Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP)”, destacou em nota.

A companhia disse ainda que vem fazendo um radical corte de postos de sua rede após detecção de diversos tipos de irregularidades, resultando em menos 800 revendedores.

Já a AleSat Combustíveis S/A (Bandeira Ale) informou que mantém um rigoroso programa de compliance e é comprometida em operar segundo fortes princípios éticos.

“Por força das normas brasileiras de regência da atividade de comercialização de combustíveis, a administração dos postos revendedores é feita diretamente por seus proprietários sem intervenção dos agentes de distribuição. Os contratos firmados entre a distribuidora e os postos revendedores possuem cláusulas expressas de anticorrupção e observância das leis vigentes no país, sendo vedada a sucessão comercial sem anuência expressa da companhia, sob pena de rescisão contratual, com as cominações legais de praxe. Também é exigido, em contrato, o compromisso com a qualidade dos produtos comercializados e há rígido controle sobre as especificações e conformidades dos combustíveis, de acordo com as normas vigentes”.

A companhia destacou que está apurando os fatos e, caso sejam detectadas irregularidades na operação do revendedor de combustíveis que possam prejudicar ou lesar os consumidores, vai adotar todas as medidas legais cabíveis para descaracterizar e expurgar esses postos de sua rede credenciada.

publicidade

Segurança

Pacotes falsos: agente de turismo é preso por aplicar golpes de viagens no ES e no Rio de Janeiro

Publicado

As investigações apontam que mais de 40 pessoas foram vítimas do agente de viagens que atuava em Marataízes, no Sul do Espírito Santo

Um agente de turismo, de 31 anos, foi preso no bairro Acapulco, em Marataízes, no Sul do Espírito Santo. Segundo a polícia, o homem teria ofertado, por meio de uma agência de viagens, falsos pacotes de excursões para pessoas do Espírito Santo e do Rio de Janeiro com valores abaixo do mercado.

A prisão foi realizada, na última segunda-feira (27), em cumprimento a um mandado de prisão preventiva. As investigações da Polícia Civil apontam que mais de 40 pessoas foram vítimas do homem.

O titular da Delegacia de Marataízes, delegado Renato Barcellos, disse que diversos procedimentos investigativos foram abertos para apurar os golpes praticados pelo suspeito.

Além disso, segundo a polícia, o suspeito tem diversas petições protocoladas por advogados e várias reclamações no Instituto Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-ES) sobre os pacotes de viagens ofertados para clientes e que não foram realizados. 

Leia mais:  Crianças desaparecidas há mais de um ano são encontradas em Marataízes e Piúma, no Sul do ES

De acordo com o delegado, o homem aplicava o mesmo golpe desde 2019. 

“Os pacotes ofertados abaixo do valor de mercado eram comprados por terceiros, sem nenhuma garantia de que seriam cumpridos. O suspeito ofertava as viagens aos clientes com base na cotação do dia, referente a milhas que são comercializadas livremente em sites da internet. Antes de efetivar as compras, os clientes pagavam pelo valor indicado, porém, quando os compradores iriam de fato adquirir essas milhas correspondentes à viagem prometida pelo valor flutuante, já pago por eles, já havia subido ou as milhas tinham sido vendidas a outros negociantes”, explicou.

O suspeito, segundo o delegado, mesmo sabendo da probabilidade de frustração do acordo com as vítimas, mantinha os clientes no erro. As vítimas só descobriam o golpe no dia do embarque.

“O passo seguinte do investigado era tentar, por alternativas mais baratas, até que os clientes desistissem ou aceitassem outros pacotes totalmente diversos do que ele oferecia, uma vez que já estavam vulneráveis, obtendo, dessa forma, vantagem em cima das transações efetuadas pelas vítimas”, acrescentou o delegado.

Leia mais:  Motorista morre carbonizado em grave acidente na BR-101

O suspeito mantinha uma agência de viagens no bairro Cidade Nova, em Marataízes, e tinha o registro de pessoa jurídica no cartório. Além disso, segundo a polícia, a empresa tinha redes sociais, por onde mantinha contato com os clientes e fazia propagandas para atrair a atenção deles. 

Após o suspeito ser detido, o estabelecimento teve as atividades encerradas e foi encaminhado um ofício ao Instagram para a suspensão da conta.

O suspeito, de acordo com a polícia, vai responder pelo crime de estelionato. Ele foi encaminhado para o Centro de Detenção Provisória de Marataízes e está a disposição da Justiça.

Continue lendo

Segurança

Suspeitos de abuso e exploração sexual infantil na internet são presos durante operação no ES

Publicado

As prisões fazem parte da Operação Luz na Infância, deflagrada pela Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC)

Dois suspeitos foram presos em flagrante nesta quinta-feira (30) por abuso e exploração sexual, no ambiente virtual, no Espírito Santo. As prisões fazem parte da Operação Luz na Infância, deflagrada pela Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC).

O títular da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), delegado Brenno Andrade, afirmou que as duas prisões já realizadas foram efetuadas nos municípios de Vitória e Vila Velha. Se condenados, os presos podem cumprir até dez anos de prisão.

“Foram conduzidas para a unidade policial, vamos lavrar o procedimento e encaminhar ao Poder Judiciário. Com elas foi encontrado material de abuso extremamente bárbaro. A Polícia dá prioridade a isso porque afeta não só as crianças, mas o entorno dela, o crescimento da criança, os pais, familiares, o ambiente escolar. Queremos prender esses criminosos e levar à Justiça”, afirmou a autoridade policial.

De acordo com informações da PC, estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão em três municípios do Estado nesta quinta (30). 

Leia mais:  Sejus recebe representantes de esposas e familiares de presos

A ação faz parte de uma mobilização nacional para combater crimes de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes na internet e foi articulada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública por meio da Secretaria de Operações Integradas (Seopi). Ao todo, são 162 alvos no Brasil e mais 6 países, incluindo os Estados Unidos.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana