conecte-se conosco


Internacional

Biden vai anunciar volta a Acordo do Clima e fim de muro com México

Publicado

Em suas primeiras horas, democrata deve assinar também vários decretos para fortalecer o combate à pandemia de covid-19

Em suas primeiras horas como presidente dos Estados Unidos, Joe Biden planeja assinar inúmeros decretos executivos para o combate à pandemia de covid-19 e derrubar algumas das decisões mais controversas de seu antecessor, Donald Trump, como a retirada do país do acordo climático de Paris.

De acordo com assessores do novo presidente americano, ele assinará 15 ações executivas depois de tomar posse nesta quarta-feira (20).

Em entrevistas, discursos e em até 49 memorandos divulgados durante a campanha eleitoral, Biden detalhou quais medidas aprovaria “em seu primeiro dia” na Casa Branca, descrito por ele como uma “batalha pela alma da nação” contra Trump.

As ações incluem a obrigação de uso de máscara em propriedades federais e o processo de reingresso dos Estados Unidos no acordo climático de Paris.

Entre uma série de ordens que tratam da imigração, Biden vai revogar a declaração de emergência de Trump que ajudou a financiar a construção de um muro na fronteira com o México e acabar com a proibição de viagens em alguns países de maioria muçulmana.

O momento da verdade chegou, e Biden terá que enfrentar quatro crises desde o primeiro dia: a pandemia, o consequente enfraquecimento econômico do país, a crise climática e o conflito sobre as desigualdades raciais e a violência nos EUA.

Estas são algumas das medidas que Biden tomará em seu primeiro dia na Casa Branca, de acordo com uma carta distribuída nos últimos dias por seu chefe de Gabinete, Ron Klain:.

Máscaras e alívio econômico contra a covid-19

– Biden pedirá aos americanos que usem máscaras em edifícios federais e em meios de transporte interestaduais como aviões e ônibus, um movimento que ampliará as restrições já impostas por governos estaduais.

– Estenderá uma medida para proibir despejos, o que beneficiará cerca de 25 milhões de americanos.

– Ordenará uma prorrogação da moratória sobre os pagamentos de dívida estudantil no país, beneficiando 43 milhões de americanos que devem, no total, US$ 1,7 trilhão.

– Biden pode começar a pressionar os congressistas para que aprovem um plano de estímulo econômico de US$ 1,9 trilhão destinado a acelerar a distribuição de vacinas contra a covid-19 e aliviar os efeitos econômicos da pandemia. Entretanto, não se espera que o Congresso comece a debater esse plano até o final de janeiro ou início de fevereiro.

Acordo de Paris

– O líder democrata assinará um decreto executivo para reintegrar os Estados Unidos, segundo país mais poluente do planeta, ao Acordo de Paris contra a mudança climática, do qual saiu oficialmente em 4 de novembro de 2020 por ordem de Trump.

Acabar com o veto muçulmano e reforma da imigração

– Biden acabará com o veto migratório aplicado por Trump, que afeta cidadãos de 11 países com populações muçulmanas significativas (Eritreia, Irã, Quirguistão, Líbia, Mianmar, Nigéria, Somália, Sudão, Síria, Tanzânia e Iêmen) e inclui restrições aos de Venezuela e Coreia do Norte.

– Enviará ao Congresso dos EUA uma ambiciosa reforma migratória que inclui um caminho para 11 milhões de imigrantes não legalizados obterem a cidadania americana, uma expansão da política de asilo e um plano para fortalecer a segurança nas fronteiras através do uso da tecnologia.

OMS e direito das pessoas transgênero

– Durante a campanha, Biden se comprometeu a usar seu primeiro dia no cargo para evitar que os EUA deixassem a Organização Mundial da Saúde (OMS), um processo iniciado por Trump e que está programado para entrar em vigor em julho de 2021. Entretanto, a equipe do presidente eleito não revelou se Biden planeja dar esse passo imediatamente após a chegada à Casa Branca.

– O líder democrata também prometeu que, no primeiro dia no poder, revogaria a proibição de Trump a transgêneros nas Forças Armadas e restauraria uma regra aprovada pelo ex-presidente Barack Obama para permitir que estudantes transgênero nas escolas públicas utilizem banheiros com base no gênero com o qual se identificam.

Leia mais:  Trump volta a usar petróleo como argumento para tirar votos de Biden
publicidade

Internacional

Ex-general diz que Venezuela mandou dinheiro para Lula

Publicado

Partidos da esquerda na América Latina e também na Europa teriam sido financiados ilegalmente por Chávez e Maduro

O ex-chefe do Serviço Secreto da Venezuela, general Hugo Armando Carvajal, conhecido como Pollo Carvajal, enviou uma carta de sete páginas para o juíz espanhol Manuel García-Castellón relatando detalhes de um esquema de financiamento de partidos de esquerda na América Latina e na Europa pelos governos de Hugo Chávez e de Nicolás Maduro. Entre os beneficiados estaria o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As informações foram divulgadas pelo site espanhol Okdiario nesta semana.

“O governo venezuelano financia ilegalmente movimentos políticos de esquerda no mundo há pelo menos 15 anos, incluindo o financiamento da criação do partido político espanhol Podemos”, diz Carvajal. “Enquanto eu era diretor de Inteligência Militar e Contrainteligência da Venezuela, recebi muitos relatórios apontando que esse financiamento internacional estava acontecendo”.

Carvajal  cita como exemplos “concretos” de beneficiados pelo esquema de financiamento: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva; Néstor Kirchner, na Argentina; Evo Morales, na Bolívia; Fernando Lugo no Paraguai; Ollanta Humala, no Peru; Zelaya em Honduras; Gustavo Petro na Colômbia; Movimento Cinco Estrelas na Itália e o partido Podemos na Espanha.

No documento de sete páginas endereçado à justiça espanhola, ele relata em detalhes como era o envio de dinheiro para a Espanha durante a criação do partido de esquerda Podemos. Segundo Carvajal, os valores foram transportados para a Europa por meio de malas diplomáticas, um sistema oficial de correspondência entre governos e o corpo diplomático no exterior e que não podem ser violadas.

Ele conta que o dinheiro era levado por um homem de confiança do governo venezuelano da embaixada de Cuba, em Caracas, para o Ministérios das Relações Exteriores, onde era recebido por Williams Amaro, secretário de Maduro.

Amaro seria o responsável por enviar as quantias para a embaixada do país na Espanha por meio de malas diplomáticas. Já em território espanhol, o dinheiro era recebido por Ramón Gordils, vice-ministro de Cooperação Econômica da Venezuela e presidente do Bancoex de Comércio Exterior, e entregue para Juan Carlos Monedero, um dos fundadores do Podemos.

Carvajal conta na carta que a última vez que soube desse tipo de operação foi em 7 julho de 2017, quando Ramón Gordils retornou a Caracas em um voo da Iberia.

Ele afirma ter como provar a existência do esquema de financiamento de partidos de esquerda pelo governo da Venezuela. “Tenho informantes que testemunharam diferentes estágios dessa rede. Pedi aos meus advogados que os contatassem enquanto eu estava na prisão para perguntar se eles estariam dispostos a atestar meu testemunho e alguns responderam sim para concordar em testemunhar perante um juiz.” 

Capturado na Espanha

Caravajal foi preso na Espanha em setembro acusado de envolvimento no tráfico de drogas. Ele estava foragido desde novembro de 2019, quando vivia em Madri, um dia antes de sua extradição para os Estados Unidos ser autorizada.

“Estou há dois anos trancado em apartamentos. Mudava a cada três meses, menos nesta ocasião, em que fiquei oito meses no mesmo apartamento”, disse aos policiais no momento em que estava sendo algemado.

A agência antidrogas dos Estados Unidos chegou a oferecer uma recompensa equivalente a R$ 50 milhões por informações que levasse à prisão do ex-chefe do Serviço Secreto da Venezuela.

Leia mais:  Índia gera polêmica ao recomendar gengibre contra o coronavírus
Continue lendo

Internacional

Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos

Publicado

Lydia Fairchild precisou solicitar assistência para ajudá-la a sustentar a si mesma e a seus filhos no estado de Washington, nos EUA, em 2002. Como parte da inscrição, ela e os filhos foram testados, a fim de provar que eram todos parentes.

Pouco tempo depois, o Departamento de Serviços Sociais chamou Lydia ao escritório para discutir seu caso e acabou descobrindo que, de acordo com os testes, os filhos que ela havia dado à luz e posteriormente criado não eram biologicamente dela.

“Quando me sentei, eles vieram e fecharam a porta, e eles simplesmente voltaram e começaram a me perfurar com perguntas como, ‘Quem é você?’”, disse ela à ABC News na época. No que diz respeito aos Serviços Sociais, não haviam dúvidas. “Não”, disseram-lhe quando ela tentou questionar se tinha havido um erro. “O DNA é 100% infalível e não mente.”

Mas, seu namorado, Jamie Townsend, o pai das crianças, foi confirmado como parente deles. Foi apenas Lydia, que se lembra de ter dado à luz a eles, que não era mãe de seus próprios filhos. Além de isso a desqualificar para receber assistência financeira, ela se tornou suspeita de fraude na previdência e corria o risco de ter seus filhos tirados dela.

Embora os testes de DNA não sejam infalíveis, neste caso, estava correto. Um segundo teste voltou com o mesmo resultado estranho, e outros depois daqueles também. A situação começou a parecer muito sombria para Lydia, pois o estado entrou com um processo contra ela por fraude.

Mas seu caso não era o único. Em 2002, Karen Keegan, de 52 anos, sofreu insuficiência renal e precisou de um transplante de rim. Quando ela se voltou para sua família, ela também descobriu que dois dos três filhos que ela deu à luz e criou eram filhos biológicos de seu marido, mas não dela. A investigação da causa disso ajudaria Lydia a ganhar seu caso contra o governo.

Amostras foram retiradas de Keegan, que eles suspeitaram de ter quimerismo tetragamético. O quimerismo tetragamético ocorre quando dois óvulos separados são fertilizados por dois espermatozoides diferentes e, então, um dos embriões absorve o outro durante os estágios iniciais de desenvolvimento. Pessoas com esse tipo de quimerismo podem ter dois tipos de sangue, cores de olhos diferentes ou outros sinais físicos, como marcas de nascença.

O quimerismo é raro, com apenas cerca de 100 casos documentados em humanos. Pessoas com a doença podem viver sem complicações, além da pigmentação alterada, e várias dessas pessoas só ficam sabendo de sua condição após exames de sangue.

Em pacientes quiméricos, a maioria das células geralmente acaba vindo de um conjunto de DNA, de acordo com a Live Science. Em alguns casos, a pessoa pode desenvolver genitália ambígua, se os embriões de gêmeos a partir dos quais foi desenvolvida contiverem cromossomos diferentes (ou seja, se um dos gêmeos for masculino e o outro for feminino).

No entanto, nenhum desses sinais estava presente em Keegan ou Fairchild, mas depois que amostras de todo o Keegan foram coletadas, descobriu-se que o quimerismo tetragamético era a causa. No caso de Keegan, a equipe que a estudou foi capaz de descobrir grupos de genes ligando seus filhos a seus próprios pais. “Devido à aparente raridade do quimerismo tetragamético e à importância do uso de técnicas moleculares para confirmar sua presença, essa condição pode ser subdiagnosticada”, escreveu a equipe em seu estudo.

“Além disso, se uma única linha celular predomina no sangue, o estado quimérico pode não ser detectado a menos que estudos familiares sejam realizados. Mesmo assim, os resultados podem ser mal interpretados como excluindo maternidade ou paternidade.”

Com esse conhecimento, ela foi capaz de lutar contra as alegações de que ela não era a mãe de seus filhos, enquanto ela buscava mais testes. Um outro teste acabou comprovando que ela tinha dois conjuntos distintos de DNA, algo que ela provavelmente nunca teria conhecimento até se envolver nos problemas jurídicos contra o governo.

Leia mais:  China fecha 2020 com crescimento de 2,3% do PIB, mas desempenho é o mais fraco em 44 anos
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana