conecte-se conosco


Brasil

Brasil deve concluir, com falhas, vacinação de covid-19 neste ano

Publicado

Para vice-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, milhões de pessoas ficarão sem receber a segunda dose

Se a entrega de vacinas dos laboratórios esperada pelo Ministério da Saúde for cumprida (veja abaixo), o Brasil tem tudo para concluir até o fim deste ano a campanha nacional de imunização contra a covid-19. Mas nem tudo é motivo para comemoração.

Para chegar a essa meta, o país precisaria aplicar pouco menos de 1,2 milhão de doses por dia até 31 de dezembro, velocidade que já foi superada nessa mesma campanha.

Ontem, sexta-feira (28), o país injetou fármacos que previnem a covid-19 em 1.211.432 pessoas – a terceira melhor marca num período de 24 horas até agora. O recorde, porém, ocorreu em 23 de abril, quando 1,744 milhão de injeções contra a doença foi parar nos braços dos brasileiros.

Agora, o Brasil tem 160 milhões de pessoas que podem ser imunizadas contra a covid-19, com primeira e segunda doses, de acordo com o painel Localiza SUS. A infectologista Paula Carnevale, professora da Universidade Anhembi Morumbi, acha possível completar todos os grupos vacináveis até o fim de dezembro, desde que, obviamente, existam vacinas.

“É essencial que o governo federal, de fato, assuma a responsabilidade de organizar a campanha nacional, que tem acontecido com ritmos diferentes nos estados. Para vacinar 1,2 milhão de pessoas por dia, é preciso que a vacina seja considerada prioritária pelo Ministério da Saúde”, comentou. 

Na visão da infectologista, a coordenação é difícil por haver mais de uma vacina, por causa da necessidade de segunda dose e dos intervalos diferentes entre as aplicações e também porque ela ocorre em meio a outras campanhas de imunização, como a da gripe.

O diretor da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), Renato Kfouri, diz não ter dúvida de que é possível que toda a população vacinável (com pelo menos 18 anos de idade) seja chamada para se imunizar. “O que não teremos é a imunização completa de grandes percentuais da população, porque, por várias razões, muitas pessoas não vão tomar a segunda dose”, explicou.

Kfouri observou que das três vacinas hoje utilizadas no país, apenas as da AstraZeneca e da Pfizer têm estudos que mostram alguma proteção com apenas uma dose. “Mas não há essa informação da CoronaVac, a mais utilizada até o momento.”

O diretor da SBIm conta que é comum em vacinações de doença que exijam mais de uma dose uma redução no número de pessoas que procuram o posto de saúde para complementar a imunização. 

“As taxas de abandono normais de segunda dose ficam entre 15% e 20%. As pessoas simplesmente não retornam para se vacinar.”

Kfouri observa que a velocidade da imunização nos estados pode ser uma falsa notícia positiva. “Quando você passa a vacinar o grupo seguinte rapidamente, pode ser que sua cobertura esteja baixa. E aí, até porque não é justo ficar segurando imunizantes 30, 35 dias à espera das pessoas, você avança usando doses de quem ficou para trás e acabou não se imunizando”, disse. “E isso compromete toda a campanha.”

Nem segunda nem primeira dose

A falha apontada pelo diretor da SBIm aparece nos dados do painel de vacinação do projeto ModCovid19.

O gráfico de monitoramento do estudo, financiado com verbas do Ministério da Ciência e Tecnologia, e coordenado por professores de grandes universidades do país, alerta para o fato de que não foram sequer tomar a primeira dose 14,1% dos brasileiros acima de 60 anos. Esses idosos integram os primeiros grupos prioritários, de fases da campanha já encerradas em todo o país.

A faixa mais alarmante é a de homens entre 60 a 64 anos. Com esse perfil, 26,3% não se preocuparam ou não puderam ir uma única vez ao posto de saúde.

O mesmo monitoramento aponta que a vacinação até para quem quer receber a segunda dose é quase impossível em praticamente todos os municípios do Brasil, afinal faltam mais de 5 milhões de imunizantes que serviriam à completação vacinal.

Na opinião de Renato Kfouri, as entregas erráticas dos laboratórios são o principal problema para atingir a meta de imunizar a população até o fim do ano. “A velocidade não é limitada por uma dificuldade estrutural, mas pela falta de vacina.”

Paula Carnevale adiciona que ao mesmo tempo em que aumentavam os números de casos de covid-19 no país, crescia outro fenômeno prejudicial à imunização. “O movimento antivacina, que era muito pequeno, ganhou força. As pessoas precisam se conscientizar que as duas doses só vão surtir efeito se quase toda a população se imunizar.”

Velocidade da vacinação

O Brasil havia aplicado até 19h de quinta-feira (27) à tarde, de acordo com o painel oficial do Ministério da Saúde, 65.268.576 doses (dado mais recente). Dados extraoficiais já apontam, porém, que 67,3 milhões de fármacos já foram parar no braço dos brasileiros.

Para atender uma população de pouco mais de 160 milhões de pessoas aptas a receber as duas doses contra a covid (com pelo menos 18 anos), o Brasil tem de ter 320.089.818 vacinas.

A velocidade diária necessária sai da quantidade de doses que se precisa para completar a população (254.821.818) dividida por 215 dias, tempo que falta até o fim de 2021.

Resultado: para encerrar a imunização de todos os brasileiros vacináveis contra a covid é preciso uma velocidade de 1,185 milhão de aplicações diárias.  

Lotes de vacinas

De acordo com a projeção de entregas de vacinas do Ministério da Saúde, a meta de 1,18 milhão por dia pode ser completada em junho, apesar de não haver tanta folga, mas precisa que os montantes destinados aos terceiro e quarto trimestres sejam diluídos por todos os meses.

Em junho, a previsão é de entrega de 43,8 milhões de doses ao Ministério da Saúde, média de 1,46 milhão por dia.

No terceiro trimestre são esperadas mais de 176 milhões de doses e, no quarto, considerado o novo lote de 100 milhões de doses da Pfizer, 310 milhões, quantidade, se realmente chegar, mais do que suficiente.

Leia mais:  Com 3.668 mortes por Covid em 24 horas, Brasil volta a bater pior marca da pandemia
publicidade

Brasil

“Sem possibilidade de ter carnaval em 2022”, diz médico sanitarista

Publicado

Gonzalo Vecina alerta para a falta de controle do evento, mas diz que os desfiles podem ocorrer, com pessoas totalmente vacinadas

Enquanto as prefeituras das maiores cidades do país debatem a realização do carnaval em 2022, o médico sanitarista Gonzalo Vecina defende a não realização do evento no próximo ano. Segundo ele, não há como controlar aglomerações, uso de máscara e garantir a participação somente de pessoas totalmente vacinadas.

“Carnaval é algo que você não controla, um evento de massa muito solto. Não vejo a possibilidade de ter carnaval em 2022. O São João, no meio do ano, é possível, mas difícil. Teremos espaço para jogos de futebol com torcida, teatro, eventos em que há controle”, diz Vecina, que é uma das maiores autoridades em saúde pública no país e foi presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) entre 1999 e 2003.

Apesar de defender a não realização do carnaval no próximo ano, Vecina pondera que os desfiles de escolas de samba no Rio de Janeiro e em São Paulo podem ser feitos sob protocolos de segurança.

“Para quem vai estar na arquibancada, é um evento discutível. As pessoas precisam estar vacinadas. Mesmo assim existem riscos. Também pode-se exigir um teste negativo de RT-PCR, mas não vejo obrigatoriedade da testagem”, afirma.

O principal risco em grandes aglomerações é a circulação da variante Delta, mais transmissível. Na projeção do médico sanitarista, os casos de covid-19, que atualmente estão em queda, devem voltar a subir entre o fim deste mês e o começo de outubro. Há casos de pessoas vacinadas que tiveram a forma leve da covid-19.

Na última semana epidemiológica, medida entre os dias 29 de agosto e 4 de setembro, o país registrou um total de 3.290 casos de variante Delta, segundo dados do Ministério da Saúde. A Gamma, predominante no Brasil, foram 18.484 casos.

“Ainda não sabemos se quem teve a covid-19 com a variante Gamma tem mais proteção contra a Delta. No Rio de Janeiro, ela conseguiu forçar bem a barra e os casos estão começando a subir. Eu prefiro colocar as minhas barbas de molho e ver o que vai acontecer”, alerta.

Rio e SP planejam carnaval 2022

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), já disse que “trabalha com a hipótese de que vai ter carnaval”. No fim de agosto, a Riotur – empresa de turismo do município – lançou um documento com orientações para as empresas que pretendem apresentar propostas de produção e suporte aos desfiles dos blocos de rua. A previsão é ter um carnaval de 40 dias.

Em São Paulo, a prefeitura autorizou, na quarta-feira, 15, o início dos preparativos para a realização dos desfiles de escolas de samba. Com a liberação, as escolas e a Liga podem retomar os preparativos. Mas a decisão ainda depende da Secretaria Municipal de Saúde.

Leia mais:  Lázaro, assassino em série de Goiás, deixou carta em esconderijo; veja trechos
Continue lendo

Brasil

Projeto de renaturalização do rio Gualaxo do Norte ganha reconhecimento internacional

Publicado

O projeto-piloto de renaturalização do rio Gualaxo do Norte, realizado pela Fundação Renova em parceria com a Aplysia Soluções Ambientais, ganhou reconhecimento internacional ao assegurar o 2º lugar na premiação BRICS Solutions for SDGs Awards 2021, na categoria Água Limpa e Saneamento. A premiação examina ações inovadoras realizadas nos países do bloco – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – que ajudam a alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU).

Executado em trechos do rio afetados pela passagem de rejeitos, o projeto tem colaborado para restabelecer a vida aquática neste que é um dos principais afluentes do rio Doce e que abrange os municípios de Mariana, Ouro Preto e Barra Longa (MG). Entre os resultados alcançados, destaca-se o aumento do recrutamento dos peixes em até 38%, indicando um ambiente propício para alimentação, abrigo e reprodução de diferentes espécies.

Essas e outras ações, juntas, potencializam a recuperação do rio Gualaxo do Norte, um dos rios que recebeu o primeiro impacto ambiental do rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG). Vale lembrar também que os resultados do monitoramento da qualidade da água mostram que a turbidez está decaindo a cada ano.

É um projeto de restauração fluvial que se diferencia por recriar a natureza. Ele proporciona a melhoria da qualidade da água, do sedimento, o aumento da biodiversidade, e ainda traz melhores condições de controle de erosão, enchentes e secas”.

Tatiana Heid Furley

Vice-presidente de Inovação da Aplysia Soluções Ambientais

Como funciona

O projeto consiste na instalação de troncos de madeira e feixes de capim nos trechos do rio que fazem curvas para diminuir e controlar o fluxo das águas. Dessa maneira, são criados remansos, porções de águas mais calmas que protegem as margens do rio e controlam as erosões fluviais, bem como proporcionam a formação de habitats que favorecem a alimentação e a reprodução de peixes e pequenos organismos.

Nesta primeira etapa, que teve início em 2019, foi revitalizado um trecho de aproximadamente 1,8 quilômetro, com a fixação de 79 troncos de árvores, além de 103 troncos submersos e 23 feixes de capim nos trechos 6 e 7, a montante e jusante, respectivamente, da confluência com o córrego Santarém. Em 2020, a iniciativa foi expandida para mais 2 quilômetros, no trecho 9, próximo à comunidade de Ponte do Gama, em Mariana (MG). A expansão teve a parte de campo concluída em julho de 2021.

“A premiação valida os esforços que a Fundação Renova tem empregado para restabelecer as condições ambientais pré-rompimento da barragem de Fundão. Apesar de todos os desafios enfrentados, é possível, sim, devolver a vida ao Gualaxo do Norte.”

Paulo Machado

Especialista do Programa Manejo de Rejeitos da Fundação Renova

Resultados atestam a recuperação do Gualaxo do Norte

– Aumento da quantidade de peixes em até até 38%

– Aumento do tamanho de algumas espécies de peixes em até 100%

– Aumento de retenção das águas em até 63,5%

– Retenção de sedimento por estrutura implantada de mais de 10 toneladas

A cadeia alimentar entre as principais comunidades aquáticas foi restabelecida, indicando a capacidade do rio em dar continuidade à melhoria das condições de vida.

Recuperação do Gualaxo do Norte

O curso d’água recebeu as primeiras ações ainda em 2015. Foi realizada a limpeza do leito, plantio emergencial de vegetação e a estabilização das margens do rio. Na sequência foi iniciada a recomposição da mata ciliar, fundamental para a saúde dos cursos d’água.

No rio Gualaxo do Norte também foi implantado o projeto-piloto das Estações de Tratamento Natural (ETN), que utiliza barreiras filtrantes e ilhas de vegetação na calha do rio para filtrar a água e absorver metais.

Leia mais:  Jovem que aparece em vídeo sendo beijada por 13 pessoas em festa clandestina no Ceará pede desculpas: 'arrependida'
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana