conecte-se conosco


Camisa 10

Brasil leva virada da Rússia e vê sonho do ouro ruir no vôlei masculino

Publicado

Seleção começa bem, mas não segura reação dos rivais. No terceiro set, chegou a ter 20/13 no placar, mas sofre a maior virada da história da seleção em Olimpíadas

O gosto amargo na garganta por um momento pareceu sumir. Foi um início perfeito, dos melhores até aqui. Aos poucos, porém, tudo voltou a ruir. Com direito a uma virada inexplicável no terceiro set, depois de ter 20/12 no placar, o Brasil caiu para a Rússia nas semifinais das Olimpíadas de Tóquio. Em 3 sets a 1, parciais 18/25, 25/21, 26/24 e 25/23, deu adeus ao sonho do quarto ouro olímpico. Depois de quatro finais em sequência, vai precisar se contentar com a disputa pelo bronze.

O Brasil vai buscar o bronze contra o perdedor da outra semifinal, entre França e Argentina, à 1h de sábado. A Rússia, por outro lado, espera o rival pelo na briga pelo ouro.

A Rússia joga sob o nome de ROC por conta da punição imposta devido ao escândalo de doping no esporte do país. Não pode usar nome, bandeira ou qualquer coisa que lembre sua nação – ainda que o vermelho do uniforme não deixe esconder. Foi a terceira vitória seguida dos russos contra os brasileiros, a segunda nas Olimpíadas – na fase de classificação, também levou a melhor.

Queda brusca e virada

O Brasil começou com um primeiro set perfeito. O domínio começou a ruir a partir do segundo set, mas foi no terceiro que tudo desandou. A seleção vencia por 20/12 e parecia caminhar tranquila rumo à vitória quando os russos voltaram a crescer. Encaixaram o saque, passaram a defender tudo e derrubaram a seleção no caminho para a final

Leal, em seu melhor jogo nas Olimpíadas, terminou com 18 pontos. Lucão, outro destaque, fez 13. Do outro lado, Mikhaylov, com 22, foi o grande nome da partida. Kliuka, com 15, e Podlesnykh, que entrou muito bem no terceiro set, também levaram a Rússia à decisão.

A virada sofrida no terceiro set é a maior da história olímpica desde que o Brasil se impôs como potência no vôlei mundial. Em 2012, também diante dos russos, chegou a colocar as mãos no ouro em Londres, mas levou a virada no terceiro set depois de vencer os dois primeiros e ter 21/18 no placar.

1° set – Em parcial perfeita, seleção larga na frente

 

Brasil x ROC - semifinal do vôlei masculino — Foto: REUTERS/Valentyn Ogirenko

Wallace precisou curvar o corpo para trás e, com um leve toque, empurrar a bola ao chão da Rússia. A resposta foi imediata. Volvich subiu à rede e encheu a mão na bola para cravar na quadra brasileira. Ao contrário das partidas anteriores, o Brasil tentava fazer frente aos rivais na base da técnica. O caminho parecia ser evitar o paredão russo com um ataque mais técnico. Foi assim que Lucarelli fez a seleção abrir 4/2 no início.

O Brasil fazia um bom jogo àquela altura. Maurício Souza, em um bloqueio, fez o placar disparar para 13/10. Naquele momento, a seleção tinha na defesa seu maior diferencial dos jogos anteriores contra os rivais. Tudo parecia funcionar. Um bloqueio de Lucão fez com que a vantagem marcasse 21/14. Lucarelli, no saque, aumentou logo na sequência. O caminho para a vitória na parcial estava definido. No erro de saque dos russos, 25/18 na melhor atuação da seleção nos Jogos até ali.

2° set – Rússia cresce, freia reação do Brasil e empata jogo

A Rússia tentou diminuir a diferença dentro de quadra na volta. Volkov, com uma pancada, fez os russos abrirem 4/1 logo de cara. Já não era tão simples. A Rússia passou a usar a mesma tática brasileira. Diante da forte defesa que o Brasil impunha até ali, os russos tentaram mudar a tática, alternando força e técnica. Àquela altura, também passaram a defender. E muito. Com o placar em 10/5, Renan parou o jogo pela segunda vez na parcial.

Brasil x ROC - semifinal do vôlei masculino — Foto: REUTERS/Valentyn Ogirenko

A seleção tentava reagir na marra. Mas, depois de um longo rali, Leal parou no bloqueio russo. Os rivais dispararam: 14/7. Àquela altura, Renan já havia mandado Alan para a quadra no lugar de Wallace. E foi com um ace do oposto que a seleção tentou começar a reagir, fazendo a diferença no placar cair para 15/10. Pouco depois, Leal, também no saque, diminuiu a desvantagem para apenas três pontos. Areação, porém, parou por ali. Mikhaylov manteve o comando dos rivais rumo ao empate: 25/21.

3° set – Brasil abre oito pontos, mas sofre virada inexplicável

Iaklovev, com uma pancada, abriu a conta no segundo set. Mas Leal e Lucão, com um ace, logo colocaram a seleção na frente. Ali, o Brasil acertou a marcação no bloqueio e voltou a ser eficiente no ataque. Com uma pancada de Leal, abriu 9/6. A seleção retomou o controle do jogo. Lucarelli voou de trás para encher a mão e abrir 13/9.

Foi a senha para o Brasil acelerar. Maurício Souza, no ace, abriu 18/12. Wallace, com uma pancada, fez a bola explodir na defesa russa para alargar ainda mais a vantagem. Mas os russos foram buscar. O placar marcava 20/12. Em seguidam fizeram mais um, o que seria 20/13. Mas, neste momento, a arbitragem paralisou o jogo e apontou um erro no placar. Com isso, foi para 20/14. A distância no placar ainda era grande, mas a Rússia conseguiu uma virada inexplicável. O Brasil ainda salvou um set point, mas caiu depois de um bloqueio rival sobre Lucarelli: 26/24.

4° set – Rússia ignora reação do Brasil e vai à final

Era preciso reagir. Diante de uma queda sofrida na parcial anterior, a seleção voltou à quadra disposta a se reerguer. Mas, do outro lado, a Rússia pouco se importou. O Brasil chegou a ensaiar uma reação ao empatar o placar em 15/15. Voltou a ficar atrás depois de erros em sequência. No ace de Pankov, os russos abriram 18/15. Mas o time buscou mais uma vez. Não queria se entregar. Ficou à frente pela primeira vez em um bom tempo depois de um ataque para fora dos rivais. Mas foi o último suspiro do time. A Rússia retomou a dianteira e carimbou a vaga na final: 25/23.

Leia mais:  Esporte Clube Pinheiros traz o primeiro gramado com tecnologia mais avançada do mundo
publicidade

Camisa 10

Rio de Janeiro está descartado, e Emirados Árabes devem receber o Mundial de Clubes

Publicado

Fifa deve organizar o torneio em janeiro ou fevereiro. Caso receba a competição, país asiático vai ser anfitrião pela quinta vez

O Rio de Janeiro não tem chances de ser a sede do Mundial de Clubes de 2021. Tudo indica que o torneio será disputado nos Emirados Árabes Unidos. O provável é que seja realizado em fevereiro de 2022. O martelo ainda não foi batido: o local e as datas exatas ainda serão definidas pela Fifa.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, fez uma live nesta terça-feira para anunciar o interesse da cidade em abrigar o torneio. Nos últimos dias, dirigentes do Flamengo também conversaram com dirigentes da CBF para demonstrar apoio à ideia.

O plano foi apresentado à Fifa de maneira informal. O Brasil nunca chegou a submeter uma candidatura oficial – ao contrário do que fizeram África do Sul e Emirados Árabes Unidos, que já abrigaram o torneio em 2009, 2010, 2017 e 2018 e são apontados como favoritos por fontes ouvidas pela reportagem.

O Mundial de Clubes de 2021 deve ser o último no atual formato, adotado pela Fifa em 2005. A entidade planeja fazer um reformulação no torneio. A ideia era fazer já em 2021 um Mundial com 24 participantes, na China, mas o plano teve que ser adiado por causa da pandemia.

Esta edição do torneio estava prevista para acontecer em dezembro, no Japão. Mas o país que foi sede das últimas Olimpíadas informou à Fifa que não teria condições de organizar a competição por causa da pandemia.

O fato de a Fifa empurrar o Mundial para janeiro ou fevereiro gerou alívio na CBF, que não vai precisar alterar mais uma vez datas das finais da Copa do Brasil.

Liga dos Campeões da Uefa

Chelsea campeão.

Libertadores

Está em sua fase semifinal, com as partidas Flamengo x Barcelona-EQU e Palmeiras x Atlético-MG. A decisão é no dia 27 de novembro, no estádio Centenário, em Montevidéu.

Liga dos Campeões da África

Al Ahly campeão.

Liga dos Campeões da Ásia

Está nas quartas de final. A decisão do torneio deve ser apenas no fim do ano.

  • Al Hilal (Arábia Saudita) x Persepolis (Irã)
  • Al Wahda (Emirados Árabes) x Al Nassr (Arábia Saudita)
  • Ulsan Hyundai (Coreia do Sul) x Nagoya Grampus (Japão)
  • Jeonbuk Hyundai (Coreia do Sul) x FC Pohang Steelers (Coreia do Sul)

Liga dos Campeões da Concacaf

A final será entre Monterrey e América-MEX, em jogo único, no dia 28 de outubro.

Em junho, a OFC (Confederação da Oceania) cancelou o torneio pelo segundo ano seguido devido à pandemia do novo coronavírus. A entidade indicou o Auckland City. Último campeão do continente, o Auckland não disputou o Mundial em fevereiro para preservar o isolamento social que era mantido na Nova Zelândia.

Campeão nacional do país sede

A Fifa ainda vai definir nova sede. Caso confirme que será nos Emirados Árabes, o Al Jazira, campeão da temporada 2020/21, será o representante. Se o Al Wahda ganhar a Liga dos Campeões da Ásia, o vice-campeão do torneio continental assume a vaga do campeão nacional. O regulamento do Mundial não permite que um país tenha mais de dois representantes.

Continue lendo

Camisa 10

Kleber Andrade será palco de jogos pela Copa do Brasil Sub-17 e Copa ES durante esta semana

Publicado

Principal palco esportivo do Espírito Santo, o Estádio Estadual Kleber Andrade, em Cariacica, vai receber três jogos de futebol durante esta semana. A primeira partida já acontece nesta terça-feira (21), às 15 horas, entre Porto Vitória e Atlético Mineiro, válida pelas quartas de final da Copa do Brasil Sub-17.

A equipe capixaba chega para a disputa confiante, após vencer os dois confrontos contra o São Raimundo, de Roraima. A primeira partida, disputada também no Kleber Andrade, terminou com o placar de 3 a 0 para o Porto Vitória. Já o segundo jogo, disputado no estádio Canarinho, teve o placar de 2 a 1.

O segundo jogo contra a equipe mineira está marcado para a próxima terça-feira (28), às 16 horas, no Sesc Alterosas, em Minas Gerais. Quem avançar para as semifinais pega o vencedor da partida entre São Paulo e Fluminense.

Copa ES

Na quinta-feira (23) e no domingo (26) as partidas serão válidas pela terceira rodada da Copa Espírito Santo, sempre com início as 15 horas.

O primeiro jogo, pelo Grupo A, será entre Vilavelhense e Porto Vitória. A equipe de Vila Velha lidera a competição com seis pontos, enquanto o Porto Vitória, que ocupa a quinta colocação, tem uma vitória e uma derroa.

A segunda partida será válida pelo Grupo B. Vice-lanterna com apenas um ponto ganho, o Aster recebe o Real Noroeste, segundo colocado do grupo com quatro pontos.

Vacinação

Além dos jogos, o Klebão vai receber durante esta semana um mutirão de vacinação contra a Covid-19, organizado pela Prefeitura de Cariacica. A imunização coletiva acontecerá no sábado (25), das 8  às 17 horas. O agendamento para vacinação deve ser feito diretamente pelo site da prefeitura.

Leia mais:  Cristiano Ronaldo é alvo de críticas de jornais e Juventus não garante renovação
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana