conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Brasil terá imunidade coletiva ao vacinar 99%

Publicado

Especialistas consideram que a imunidade coletiva é obtida quando entre 60% e 70% da população está imunizada

O Brasil precisará aplicar a Coronavac em praticamente toda a sua população apta a recebê-la (99%) para alcançar a imunidade coletiva – e deter a circulação do novo coronavírus no País. O cálculo é do microbiologista Luiz Gustavo de Almeida, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo e do Instituto Questão de Ciência. Segundo Almeida, seriam necessários dez meses para que todos recebessem a primeira dose. Ou seja, se tudo der certo, a vacinação só terá detido totalmente o vírus no segundo semestre de 2022.

A eficácia global da vacina produzida pelo Butantã e pelo laboratório chinês Sinovac é de 50,4%, como anunciado na terça-feira. Por isso, para alcançar a imunidade de rebanho, será necessário imunizar 160 milhões de brasileiros (dos 162 milhões que podem receber a vacina). Segundo o IBGE, o País tem 211 milhões de habitantes. No entanto, os menores de 18 anos, inicialmente, não receberão a vacina.

Especialistas consideram que a imunidade coletiva é obtida quando entre 60% e 70% da população está imunizada. O porcentual da população vacinada e o tempo para atingir a meta seriam menores com vacinas de eficácia mais alta.

Almeida calcula ainda que, no caso da vacina da Pfizer/BioNtech, cuja eficácia é de 95%, seria necessário imunizar metade do público, 81 milhões de pessoas, em aproximadamente cinco meses. No caso da vacina de Oxford (produzida no País pela Fiocruz e que também deve estar disponível no Brasil), com uma eficácia de 62,1%, o porcentual teria que chegar a 80%. Seriam 129 milhões vacinados em aproximadamente oito meses.

“Uma campanha de vacinação tem dois objetivos muito claros: gerar a imunidade de rebanho e a proteção individual”, disse Flávio Guimarães, presidente da Sociedade Brasileira de Virologia. “A CoronaVac não consegue cumprir muito bem o primeiro objetivo, mas o segundo objetivo se cumpre muito bem. Diante da emergência e das circunstâncias, é uma ferramenta muito importante.”

Cálculo errado

Cálculos com os dados brutos dos testes da Coronavac apontam uma eficácia de 49,69%, e não de 50,38%, como anunciado esta semana pelo Butantã. Mas o método usado na conta está errado para o caso da Coronavac e não corresponde ao modelo definido pelo Butantã no protocolo de pesquisa para calcular a eficácia da vacina, disse ao Estadão o diretor médico de pesquisa clínica do Butantã, Ricardo Palacios.

Segundo ele, o cálculo que aponta eficácia de 49,69% é inadequado nesse caso por considerar só o total absoluto de infecções em cada grupo do estudo (placebo e vacinado) e deixar de fora outro fator avaliado: o tempo de exposição ao risco de cada participante dos testes até ser infectado.

Em estatística, o método que conta também a variável tempo de exposição ao risco é chamado de análise de sobrevivência e tem como principal medida o hazard ratio (HR). Existe também a análise clássica, que leva em conta só o número de infecções em cada grupo, sem considerar o tempo de exposição. Ela tem como medidas o odds ratio (OR) ou risco relativo (RR). A metodologia deve ficar clara, para não haver desvios dos objetivos iniciais do estudo.

Palacios diz que o Butantã preferiu usar esse método por ser um estudo de curta duração, no qual o tempo de exposição ao risco de infecção de cada voluntário poderia variar muito.

No slide de apresentação dos resultados da Coronavac, além dos números absolutos, consta essa incidência, que seria de 11,74 no grupo vacinado ante 23,64 no grupo placebo.

“Se fosse um estudo em que a análise de eficácia fosse feita após dois anos, por exemplo, não teria tanta diferença porque todos os voluntários ficariam expostos por um tempo similar. Mas nesse caso, consideramos que seria mais adequado atribuir riscos diferentes conforme o tempo porque o risco de um voluntário com duas semanas de exposição após a vacinação é diferente de um que ficou quatro meses exposto”, afirma Palacios.

Ele ressaltou que a escolha do método está no protocolo de pesquisa, de agosto, apresentado à Anvisa para ter aval para a pesquisa e publicado em revista científica revisada por pares. “No protocolo descrevemos com antecedência a forma como a análise será feita justamente para não sermos acusados de mudar a regra do jogo durante a partida”, disse. O documento traz na página 47 a informação de que o método usado seria o do cálculo do hazard ratio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia mais:  Sarampo: suspensão da dose zero para crianças de seis a onze meses no Estado
publicidade

Medicina e Saúde

Estado começa imunização de trabalhadores da saúde com doses da Oxford-AstraZeneca

Publicado

O Governo do Estado iniciou, na manhã desta segunda-feira (25), a imunização dos profissionais da saúde com as doses da vacina contra o novo Coronavírus (Covid-19) da Oxford-AstraZeneca, produzida na Índia e importada pelo Ministério da Saúde. A cerimônia de vacinação simbólica ocorreu na Unidade Básica de Saúde (UBS) de São Francisco, em Cariacica, com a presença do governador Renato Casagrande. O Espírito Santo recebeu 35.500 doses da vacina, que chegaram neste domingo (24) e serão utilizadas para contemplar mais 27% dos trabalhadores da saúde que estão na linha de frente do combate à Covid-19.

“O mais importante da chegada dessas vacinas é que a gente pode ter a oportunidade de vacinar todos os trabalhadores da saúde pública do Espírito Santo que estão na linha de frente no combate à doença. A prioridade dada a esses profissionais é para que tenhamos segurança na aplicação das vacinas quando iniciar a fase de imunização para toda a população. A quantidade de vacinas ainda é pequena, mas é importante imunizar cada pessoa. Priorizamos quem estava na linha de frente nos hospitais, onde o tratamento da doença é mais intenso”, explicou o governador.

Casagrande destacou que o número de profissionais imunizados será o mesmo da quantidade de doses recebidas da vacina de Oxford-AstraZeneca. “A Fiocruz, o Ministério da Saúde e a nossa Secretaria da Saúde nos garantiram que outra leva desta vacina chegará antes de 12 semanas, que é o prazo para quem tomou a primeira dose, tomar a segunda”, afirmou o governador, citando também que novas doses da CoronaVac devem chegar ao Estado ainda esta semana.

“Nossa expectativa era maior, mas devem chegar ao nosso Estado entre 15 e 16 mil vacinas. Quando essa nova leva chegar, vamos convencer o Ministério da Saúde para que comecemos a vacinar os idosos com mais de 85 anos, que estão no grupo de maior vulnerabilidade, para que a gente possa também proteger essas pessoas. Estamos todos ansiosos, pois a quantidade de vacina ainda é pequena e está chegando a conta-gotas. Mas, estamos trabalhando com as prioridades dentro do Plano Nacional e Estadual de Imunização”, pontuou Casagrande.

O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, destacou sobre o marco da vacinação dessas doses estarem iniciando em uma Unidade Básica de Saúde. “Hoje é a materialização da chegada das duas tecnologias que foram incorporadas ao Sistema Único de Saúde (SUS). Iniciar essa nova etapa em uma Unidade Básica de Saúde tem um significado muito importante, porque é a Atenção Primária que será responsável pela imunização de toda população. Nós resistimos à pandemia com os hospitais, com testagem, diagnóstico oportuno e monitoramento. Agora, para derrotar a pandemia, será com vacinas seguras, cientificamente comprovadas”.

Nésio Fernandes também falou sobre a imunização dos trabalhadores da saúde: “Na medida que chegarem novos lotes (de vacinas) vamos dar segmento para imunizar todos os trabalhadores da saúde da rede pública e privada.”

Na UBS de São Francisco, o primeiro trabalhador a ser imunizado foi o agente comunitário Edson Coimbra, que não escondeu a felicidade em receber a dose. “É uma ação muito importante, uma iniciativa que salva vidas. Nós, agentes comunitários, temos esse contato direto com a comunidade e é importante que não sejamos o transmissor da doença. Então, me sinto seguro, é uma dose de esperança”, relatou.

O prefeito de Cariacica, Euclério Sampaio, também acompanhou o início dessa nova etapa de vacinação. “É um momento superimportante para nossa cidade com a chegada dessas novas vacinas. Estou muito feliz com a mobilização e o carinho tão grandes do governador Renato Casagrande com o município e, principalmente, com os nossos profissionais de saúde”, comentou.

As doses da nova vacina serão utilizadas para contemplar cerca de 33.858 profissionais da população-alvo da Fase 1 da Campanha de Vacinação contra a Covid-19 no Estado. Na última quarta-feira (20), o Ministério da Saúde atualizou a população total de trabalhadores da saúde que deverão ser vacinados. No Espírito Santo, esse público representa 124.416 pessoas.

Até a última sexta-feira (22), o Espírito Santo já havia imunizado 9.797 pessoas no Estado, segundo dados do Programa Estadual de Imunizações.

Campanha de Vacinação contra a Covid-19

Leia mais:  Municípios receberão R$ 401 milhões para cadastrar brasileiros no SUS

A vacinação no Espírito Santo teve início na última segunda-feira (18), em solenidade com a presença do governador Renato Casagrande e do secretário Nésio Fernandes. O Estado segue o Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19, com os grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde, que compreende às pessoas maiores de 60 anos residentes em instituições de longa permanência; pessoas maiores de 18 anos com deficiência residentes em Residências Inclusivas; indígenas aldeados; e trabalhadores da saúde.

Quanto aos imunizantes, a população que está sendo vacinada com a CoronaVac deverá receber a segunda dose no intervalo de quatro semanas. Já para a população-alvo imunizada com Oxford-AstraZeneca, a segunda dose será aplicada em um intervalo de 12 semanas, aproximadamente três meses.

“Para esta nova remessa de imunizantes, o Ministério da Saúde recomendou a todos os estados que a utilização seja feita como primeira dose, devido ao intervalo longo. O Ministério informou que os estados receberão o novo quantitativo para suprir a segunda dose, em 12 semanas”, informou a coordenadora do Programa Estadual de Imunizações e Vigilância das Doenças Imunopreveníveis da Sesa, Danielle Grillo.

Está prevista para esta primeira fase, a imunização do público idoso acima dos 75 anos não institucionalizados, em conformidade com os cenários de disponibilidade da vacina.

A coordenadora ressalta também que em todas as campanhas de vacinação, o Ministério da Saúde trabalha com a “reserva técnica” das doses. “Isso significa que de todo quantitativo de doses que nos é enviado, cerca de 5% deste total é o que chamamos de reserva técnica, ou a margem de segurança, para suprir eventuais perdas”, disse.

Trabalhadores da saúde

Leia mais:  Covid-19 pode provocar impotência, dizem médicos da Itália e EUA

Em relação à imunização dos trabalhadores da saúde, o Ministério da Saúde entregou o quantitativo que somado à primeira remessa de doses, poderá imunizar cerca de 61% dos trabalhadores da saúde, cerca de 76 mil dos 124.416 mil profissionais – população total de trabalhadores da saúde capixaba que deverá ser imunizada, segundo dados atualizados do Ministério da Saúde.

Ainda segundo a Resolução Nº008/2021 da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), aprovada entre Estado e Municípios, há a atualização do público de trabalhadores da saúde que serão imunizados nesta primeira etapa da fase 1 da Campanha de Vacinação contra a Covid-19.

Serão imunizados, a depender do quantitativo de doses disponibilizadas pelo Ministério da Saúde, trabalhadores da saúde de:

– Hospitais que realizam atendimento Covid-19: todos os trabalhadores de saúde, exceto setor administrativo;

– Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e equipes de remoção de pacientes com suspeita da Covid-19, exceto setor administrativo;

– Unidade de Pronto Atendimento (UPA’s e PA’s): todos os trabalhadores de saúde, exceto setor administrativo;

– Atenção Básica e Centros de Referências para a Covid-19: trabalhadores envolvidos diretamente na atenção para casos suspeitos e confirmados de Covid-19;

– Hospitais da rede de Urgência e Emergência: todos os trabalhadores, exceto setor administrativo.

Continue lendo

Medicina e Saúde

Doses da vacina de Oxford contra a Covid-19 chegam ao ES

Publicado

As 35.500 doses da vacina Oxford-AstraZeneca chegaram na manhã de domingo (24), por volta das 09h35, ao Aeroporto de Vitória

As 35.500 doses da vacina Oxford-AstraZeneca, produzida na Índia e importada pelo Ministério da Saúde, chegaram ao aeroporto de Vitória às 09h35 deste domingo (24). 

As doses vieram em um avião da companhia aérea da Latam que saiu do aeroporto Santos Dumont, do Rio de Janeiro.

A Polícia Federal Estadual  está ajudando na segurança no local e no transporte das vacinas. 

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SESA), os imunizantes serão encaminhados à Central Estadual de Rede de Frio, e começarão a ser distribuídos às Regionais e municípios a partir de segunda-feira (25).

Essas doses serão utilizadas para contemplar mais 27% dos trabalhadores da saúde que estão na linha de frente do combate à Covid-19. São cerca de 33.858 profissionais da população-alvo da Fase 1 da Campanha de Vacinação contra a Covid-19 no Estado. 

Na última quarta-feira (20) o Ministério da Saúde atualizou a população total de trabalhadores da saúde que deverão ser vacinados, no ES esse público representa 124.416 pessoas.

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB) falou sobre a chegada das vacinas no Twitter. 

“35.500 doses chegaram agora cedo. Sim é pouco. Mas é emocionante saber que cada dose, em cada frasco, é um paciente que não evoluirá a quadro grave”, disse.

O Secretário Estadual de Saúde, Nésio Fernandes, reafirmou que o estado está preparado para garantir a imunização para toda a população.

“Cada vacina que chegou é uma vida que não irá morrer pela covid-19. Obrigada Ministério da Saúde,  parabéns ao Sistema Único de Saúde por ter acertado em fazer as aquisições complementares.” comemorou.

Leia mais:  Sarampo: suspensão da dose zero para crianças de seis a onze meses no Estado
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana