conecte-se conosco


Mundo Cristão

Cantores gospel recusam ceder músicas para ‘novela evangélica’ da Globo

Publicado

A tentativa da TV Globo em recuperar prestígio com o público evangélico envolve a novela Vai na Fé, que terá uma protagonista crente. Porém, a rejeição à emissora é tão alta que os cantores gospel têm recusado autorizar o uso de suas músicas na trilha sonora do folhetim.

Escrita por Rosane Svartman, Vai na Fé terá a atriz Sheron Menezzes como protagonista. O roteiro da futura novela das 19h é um experimento da Globo para acomodar o segmento evangélico em sua audiência.

Nos bastidores da emissora, essa produção vai funcionar como um teste para agradar o público evangélico, considerado “o novo catolicismo” entre seus diretores, representando um movimento social definitivo no país, visto que há projeções indicando a maioria evangélica no Brasil entre 2026 e 2030.

De acordo com o portal Na Telinha, “a fé vai ser usada com frequência cada vez maior nas novelas a partir de agora, assim como católicos são vistos aos montes”, com a diferença de que “todos os profissionais envolvidos no processo são crus” quando o assunto são os evangélicos.

Leia mais:  ‘Minha força é Cristo’, diz pastor que se tornou técnico na NFL e vem fazendo sucesso

Música gospel

Um exemplo claro dessa falta de conhecimento entre os profissionais da Globo sobre os bastidores do meio evangélico se dá no contato com os artistas. A experiência acumulada com o mercado fonográfico secular não tem tido grande serventia no que se refere aos evangélicos, pois “tudo funciona de uma forma muito diferente”, informa o jornalista Daniel César.

“Muitos cantores conhecidos são donos das próprias produtoras, gravadoras e selos, que às vezes também têm vínculos diretos com pastores e igrejas, o que torna a negociação diferenciada. Tanto a emissora quanto as produtoras e gravadoras evangélicas não possuem qualquer experiência em negociar trilha sonora. De um lado, porque a Globo jamais teve interesse no estilo e por outro porque, mesmo séries jamais procuraram esses profissionais que não sabem direito o que fazer”, contextualiza César.

Outro aspecto considerado “imprescindível” pela emissora é a presença de músicas que sejam “icônicas” para os evangélicos, porém, nesta lista repousam artistas como Ana Paula Valadão, contra quem o Grupo Globo tem uma disputa judicial que se arrasta há anos.

Leia mais:  Na ONU, Bolsonaro faz apelo contra 'cristofobia': 'País é cristão e conservador'

Rejeição

Entre outros artistas, os problemas para a Globo são outros, entretanto. Nomes de artistas como Bruna Karla e Thalles Roberto, com carreiras extensas e de grande audiência, também são ligados a pastores que formam uma rede de críticos severos da emissora.

“Na visão dos produtores, isso pode dificultar as negociações, principalmente porque esses músicos querem conhecer a história da trama antes de aprovarem a canção como tema de determinados personagens, o que não faz parte do padrão de negociação. A emissora jamais permite interferência de um produtor ou cantor nos rumos da narrativa somente para ter a trilha que pretende e isso não será modificado no caso de Vai na Fé”, resumiu Daniel César.

A única artista que teria autorizado sem maiores complicações o uso de suas canções é Aline Barros, que possui histórico de boa relação com a Globo. Porém, a emissora nega que esses problemas estejam ocorrendo: Não procede qualquer dificuldade com relação à trilha, inclusive, porque essa etapa ainda nem começou a ser definida”, disse a assessoria de comunicação.

publicidade

Mundo Cristão

Entidades fazem campanha nacional de “jejum e oração” pelas eleições no Brasil

Publicado

Com o início oficial da campanha para as eleições este ano, entidades ligadas a igrejas evangélicas resolveram lançar uma campanha nacional de jejum e oração pelo Brasil, mobilizando denominações de todos os estados do país.

O projeto teve início no último dia 14 e durará até o dia 30 de setembro. A intenção, portanto, é abranger todo o período eleitoral. O primeiro turno das eleições será realizado em 2 de outubro, quando a população deverá eleger deputados federais, estaduais, senadores, governadores e o presidente da República.

“A união faz a força! Vamos, juntos, interceder por melhores dias para o nosso País. Cada dia da semana contará com a contribuição e a determinação de cada estado! Quem vem nessa?”, escreveu o bispo Robson Rodovalho, líder da Igreja Sara Nossa Terra.

O líder religioso compartilhou um banner digital com as informações da campanha de jejum e oração. No material é possível observar que os dias da semana foram divididos por estado, ficando o sábado e domingo para todos.

Ou seja, as igrejas de São Paulo, Rio de Janeiro e o Paraná, por exemplo, deverão se unir em jejum e oração em todas as quartas-feiras até o dia 30 de setembro, enquanto que o Espírito Santo, Rondônia e Roraima deverão orar e jejuar nas quintas-feiras.

Leia mais:  “Deus sabia que você iria errar, mas Ele preparou uma solução: Jesus”, lembra pastor

Esta é uma iniciativa da Associação dos Parlamentares Evangélicos do Brasil (Apeb), do Fórum Evangélico Nacional de Ação Social e Política (Fenasp) e da Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil (Concepab).

Clamor pelo Brasil

A mobilização nacional em prol do jejum e oração, contudo, não é inédita no país. Em 05 de abril de 2020 também foi realizado um evento semelhante, logo no início da pandemia do novo coronavírus.

Na época, lideranças religiosas também convocaram as suas igrejas para jejuar e orar pelo Brasil. O presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (PL) também aderiu ao movimento, chegando a participar de um rápido momento em frente ao Palácio da Alvorada. Confira:

jejum

No Alvorada, Bolsonaro participa do jejum e recebe oração de pastores

Continue lendo

Mundo Cristão

Igreja causa polêmica ao anunciar culto ‘Vem Novinha’

Publicado

A publicação foi alvo de várias críticas que partiram de internautas cristãos

Um anúncio divulgado nas redes sociais com a chamada para participação em um culto, deu o que falar na última sexta-feira, 12. Isso porque, o evento religioso foi batizado de “Vem Novinha” e causou polêmica na internet.

A programação estava marcada para o último sábado (13), no templo da Igreja Casa, em Águas Lindas de Goiás (GO). o evento chamou anta atenção que até a ex-ministra de Estado da Mulher, Família e Direitos Humano, Damares Alves (Republicanos) se manifestou sobre o caso.

“Águas Lindas, neste sábado teremos o famoso VEM NOVINHA… A tour do SHARE já começa com um tema um pouquinho polêmico rs. Esse é o TBT de um culto que ficou pra história… Quer entender que loucura é essa? Vem pra CASA que temos certeza que você será surpreendido. Marque pelo menos cinco pessoas nos comentários e se prepare!”, diz o post.

A publicação foi alvo de várias críticas que partiram de internautas cristãos, que não ficaram satisfeitos com o nome do culto nem da boca provocante utilizada na arte de convite para o culto.

Leia mais:  Pesquisa: 68% dos cristãos na pandemia buscam na igreja oração e apoio emocional

A ex-ministra Damares também comentou o caso. “Eu não acredito no que estou lendo. Este povo não sabe que as “novinhas” são meninas estupradas e exploradas sexualmente. Eles não têm noção que estão ajudando na apologia à pedofilia? Falta de sabedoria”, escreveu Damares.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana