conecte-se conosco


Política e Governo

Casagrande descarta possibilidade de lockdown no ES

Publicado

Em entrevista à Rádio Jovem Pan News Vitória, governador disse que capacidade de atender população está mantida no Estado

A possibilidade de medidas mais restritivas no Estado por causa da pandemia está descartada. Pelo menos, por enquanto. A declaração foi dada pelo governador Renato Casagrande em entrevista à Rádio Jovem Pan News Vitória na manhã desta terça (2), data em que a rádio completa um ano. Ele também disse que os embates com o governo federal prejudicam, e muito, as ações de combate ao avanço da covid-19 não só no Espírito Santo, mas em todo o País.

“Não posso falar do futuro porque vai depender do comportamento da pandemia e da nossa capacidade de atender à população. Mas, no momento, está descartado isso (lockdown, toque de recolher, fechamento de comércio à noite). Nós estamos em uma situação hoje sob controle e temos uma outra estratégia de aumento na abertura de leitos, vacinação em massa, trabalhando nos grupos de risco. Espero não ter que tomar medidas mais duras. Nós temos hoje uma matriz de risco que nos orienta com relação a medidas qualificadas de cada município e nesse momento vamos seguir nossa matriz de risco”, afirmou Casagrande.

Crítico das ações do governo federal, o governador lamentou, mais uma vez, a politização da pandemia e fez questão de citar o negacionismo praticado pelo presidente Jair Bolsonaro. Para ele, grandes dificultadores  no combate à crise. “Um ano de muita tristeza para as pessoas e um ano de muita politização dos temas da pandemia. Todos os temas foram politizados. Se vai usar máscara ou não, tá politizado. Se vai abrir hospital de campanha ou não está politizado. Se vai tomar vacina ou não tá politizado. Há uma falta de coordenação do governo federal, um negacionismo do Presidente da República, então tudo isso dificultou o trabalho. Eu tenho liderado o movimento no Estado para a gente poder continuar atendendo a população capixaba da melhor maneira possível”.

Sobre a possibilidade de os estados comprarem vacinas, Casagrande afirmou que ainda não foi possível encontrar fornecedores e mais uma vez ele apontou para a falha inicial do governo federal. “Até agora não encontramos o fornecedor, porque o Brasil fez poucos contratos. Deveria ter feito mais contratos no ano passado, com mais laboratórios, mas infelizmente não fez e nós hoje ficamos atrasados em relação ao cronograma de vacinação. Nós fomos lá fazer uma visita à União Química, que é o laboratório que produz a vacina russa Sputinik V, fomos com diversos outros governadores, mas ainda não conseguimos ainda o fornecedor”, afirmou.

Em busca de interlocução, Casagrande deve se reunir com o presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), nesta tarde. Na pauta, além de enfrentamento à pandemia, também pautas federativas de interesse do Estado. “Vamos ver o que ele pode ajudar nessa coordenação nacional. Vamos tratar de orçamento para a covid com certeza, porque o governo federal ainda não liberou recurso para a contratação de leitos e vamos tratar de outras pautas federativas com o presidente da Câmara. Acredito que ele possa colaborar. A Câmara pode tratar de alguns temas com o governo federal e pode ser intermediária, assim como o Senado, de assuntos importantes que por insensibilidade não são tratados”.

Sobre as ações de combate à pandemia no Estado, o governador afirmou que foram decisões difíceis, principalmente em função da falta de conhecimento sobre a doença. “Difícil dizer se poderia ter feito diferente porque estamos aprendendo a lidar com o tema, com o assunto. Inclusive para os médicos e profissionais de saúde. Fomos mais conservadores do que poderíamos ser. Inclusive nossas ações ajudaram a salvar vidas no Espírito Santo. Tivemos leitos de hospitais pra todo mundo, ninguém ficou sem atendimento nesse ano. A gente conseguiu enfrentar todas as fake news, todo o enfrentamento, toda a politização da pandemia. Estamos conseguindo, nesse momento de crescimento da pandemia, novamente atender a todo mundo. Estamos inclusive ajudando os estados do Amazonas, de Rondônia e agora de Santa Catarina”.

Casagrande ainda complementou. “Fizemos um investimento robusto na abertura de leitos, estamos fazendo muitos testes, agora mesmo vamos intensificar a testagem para isolar os casos ativos. E estamos nos comunicando diretamente com a sociedade todos os dias. Explicando o que a gente está fazendo, conversando com a sociedade. Acho que isso tem nos dado a garantia de estar enfrentando com estabilidade a pandemia e conseguindo atender as pessoas que dependem do serviço do Estado”. 

Leia mais:  Sedes acompanha andamento do projeto de concessão e duplicação da BR-262
publicidade

Política e Governo

Idaf regulamenta concessão do Selo Arte para produtos de origem animal

Publicado

Durante a Exposul Leite, evento que acontece em Cachoeiro de Itapemirim, o diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf) assinou a Instrução Normativa nº 17, que regulamenta a concessão do Selo Arte para produtos de origem animal, que são produzidos artesanalmente por agroindústrias do Estado.

Atualmente, o Selo Arte é concedido apenas para o Socol. Com a publicação da Instrução Normativa nº 17, a concessão valerá para todas as cinco categorias de produtos de origem animal: produtos cárneos, produtos lácteos, pescados, ovos e produtos de abelhas e derivados.

Segundo o diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo, Mário Louzada, a regulamentação se deu por meio do diálogo com a sociedade civil, produtores rurais, associações e cooperativas. “O Idaf se empenhou para atender a esta demanda urgente do setor. A regulamentação abre o mercado nacional para agroindústrias que produzem alimentos artesanalmente no nosso Estado, atendendo às exigências higiênico-sanitárias, estabelecidas legalmente”, salientou.

Louzada destacou ainda que as agroindústrias capixabas, que, muitas vezes, são oriundas de trabalho familiar, têm uma produção de alta qualidade. “Estamos dando a oportunidade para estas agroindústrias crescerem ainda mais, aumentando emprego e renda e a valorização dos produtos em todo o País”, acrescentou.

No evento, o secretário de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca, Paulo Foletto, ressaltou a importância da iniciativa para os agricultores capixabas. “O Selo Arte agrega valor ao produto, amplia o mercado de vendas da agroindústria, que é fator fundamental para a divulgação da produção artesanal no nosso Estado”, enfatizou.

Para requerer o Selo Arte, os agricultores capixabas precisam obrigatoriamente estar registrados em um serviço de inspeção oficial. Também é necessário que os produtos sejam de fato artesanais, pois serão avaliados por auditoria específica para comprovar se os requisitos da produção estão sendo cumpridos.

Estiveram presentes no evento cooperativas, produtores rurais, associações, além do secretário de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca, Paulo Foletto; o presidente da Federação da Agricultura do Espírito Santo (Faes), Júlio Rocha; prefeito de Cachoeiro de Itapemirim, Victor Coelho; o deputado estadual Emílio Mameri; secretário municipal da Agricultura, Paulo Miranda; presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Cachoeiro de Itapemirim, Wesley Mendes; presidente regional do Sicoob, Rubens Moreira, e o presidente da empresa Selita, Leonardo Monteiro.

Leia mais:  Educação Especial receberá investimento de quase R$ 9,5 milhões
Continue lendo

Política e Governo

Sectides participa de evento on-line da Câmara Americana de Comércio sobre investimentos no Estado

Publicado

Quatro das principais agências de fomento e investimento dos Estados Unidos apresentaram as oportunidades de financiamento para empresas e projetos capixabas, durante evento on-line realizado nesta quinta-feira (21), que contou com a participação de representantes da Secretaria de Inovação e Desenvolvimento (Sectides). O encontro foi organizado pela Câmara Americana de Comércio (Amcham) e pelo Governo do Estado, por meio da Sectides.

Participaram do encontro o vice-presidente Executivo da Amcham Brasil, Abrão Neto; o secretário de Estado de Inovação e Desenvolvimento, Tyago Hoffmann; o subsecretário de Estado de Atração de Investimentos e Negócios Internacionais, Gabriel Feitosa; a cônsul para assuntos econômicos do Consulado dos Estados Unidos no Rio de Janeiro, Gabrielly Moseley; e o cônsul comercial do consulado geral dos Estados Unidos, Elmer Richardson; além de representantes de empresas no Estado, como Fortleve, Imetame e Arcelor Mittal Tubarão

Na ocasião, representantes das principais agências do governo dos Estados Unidos apresentaram as linhas de atuação e metodologia de trabalho com as empresas americanas que buscam investimentos no Brasil. São eles: U.S. Department of Commerce I U.S. Commercial Service (FCS), Elmer Richardson (E.J,), Foreign Commercial Service Officer (Cônsul Comercial); U.S. Trade and Development Agency (USTDA), Rodrigo Mota, Sr. Country Representative; U.S. International Development Finance Corporation (DFC), Sara R. Mareno, CFA, Director, Structured Finance and Insurance; Export-Import (EXIM) Bank, Miguel Peñaloza, Loan Officer, Structured & Project Finance

O secretário de Estado de Inovação e Desenvolvimento, Tyago Hoffmann, ressaltou que é uma grande conquista para o Estado o retorno do escritório da Amcham. “Vamos dar toda atenção a esta agenda para que possamos avançar e para que o escritório não saia mais daqui. Somos um dos estados mais organizados do País, com segurança jurídica, estabilidade entre as instituições, competitivo, Nota A no Tesouro Nacional, transparente nas ações, e temos algumas vocações que despontam no cenário brasileiro”, disse.

Ele destacou que, mesmo diante da necessidade de avançar em relação à educação no Brasil como um todo, o Estado recebeu a melhor nota no Ideb e, em comparação com outros estados, tem a melhor avaliação na educação. “Temos a segunda menor mortalidade infantil. Temos avançado muito na segurança pública. Estamos dando passos importantes com o Programa Estado Presente. E temos ações de qualificação, saúde e educação nas regiões de vulnerabilidade para obter bons resultados e reduzir os índices de homicídios”, acrescentou o secretário.

Hoffmann pontuou ainda que, por ter organização fiscal, o Estado tem um Fundo Soberano e lançou um plano de investimentos públicos (PIP), da ordem de R$ 12 bilhões para os próximos anos. “Para a economia capixaba, este valor é muito representativo e é o maior plano de investimento do Estado. O Espírito Santo está preparado para receber investimentos em diversas áreas e tem grande potencial de crescimento”, enfatizou.  

O subsecretário de Estado de Atração de Investimentos e Negócios Internacionais, Gabriel Feitosa, participou do evento e fez uma apresentação dos projetos estruturantes da Secretaria de Inovação e Desenvolvimento. Feitosa pontuou iniciativas no segmento portuário, como o Porto Central, o Porto da Imetame, citou o Fundo Soberano, a desestatização da ES Gás, os projetos na área de infraestrutura, como a malha ferroviária e os investimentos previstos, bem como a importância dos principais aeroportos regionais do Estado, que estão preparados para receber investimentos.

Responsável pelas relações com os estados do Espírito Santo e da Bahia, a cônsul Gabrielly Moseley frisou a importância do encontro realizado com o Governo do Estado. “Estou satisfeita com esta reunião e com a participação de palestrantes de quatro agências de negócios do governo norte-americano para falar sobre os esforços comerciais dos Estados Unidos no Brasil e potenciais oportunidades de explorar parcerias, tendo em conta as prioridades do Estado em seus investimentos e visando ao desenvolvimento apresentados pelo secretário Tyago Hoffmann e pelo subsecretário Gabriel Feitosa. Estou impressionada com o espírito empreendedor capixaba. Agradeço a oportunidade”, salientou Moseley

Eventos com a Amcham

Em junho deste ano, o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, participou de um encontro on-line, com o tema “As Perspectivas das Relações EUA-Brasil e o Estado do Espírito Santo”, que contou com a presença do embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman; dos diretores das principais empresas capixabas e brasileiras, além de executivos e representantes do setor privado. A reunião estratégica marcou a retomada das atividades no Estado da maior Câmara Americana de Comércio (Amcham), entre as 117 existentes fora dos Estados Unidos.

Até abril deste ano, as exportações capixabas para os EUA aumentaram 54,5%, atingindo um total de quase US$ 1 bilhão, aponta o Monitor de Comércio da Amcham Brasil. Durante o evento, os participantes analisaram as oportunidades comerciais do Estado em 2021. Os Estados Unidos é um dos principais parceiros comerciais do Espírito Santo e a reativação da Amcham no território capixaba coloca o Estado no centro de debate da relação bilateral entre Brasil e Estados Unidos.

Memorando de Entendimento

Em 22 de abril de 2021, foi assinado o Memorando de Entendimento entre o Estado do Espírito Santo e o Consulado dos EUA no Brasil, visando à cooperação técnica e à discussão de temas importantes, além da elaboração de projetos e à articulação de ações que sejam de interesse mútuo. Ao firmar a cooperação com os Estados Unidos, o Espírito Santo dá um importante passo para criar oportunidades de discussão de pautas nas áreas de educação, saúde, segurança pública, meio ambiente, mudanças climáticas, desenvolvimento econômico, desenvolvimento sustentável, apoio ao fortalecimento econômico feminino, combate à desigualdade e discriminação, inovação tecnológica, intercâmbio cultural, entre outras.

Amcham

Criada como uma clássica câmara de comércio, em 1919, a Amcham Brasil se tornou uma entidade de escopo mais amplo. A Amcham tem sua atuação baseada em dois pilares centrais: defesa da livre iniciativa privada no Brasil e das relações entre o País e os Estados Unidos. São cerca de cinco mil empresas associadas, em 14 cidades, sendo 85% delas brasileiras.

Em 2021, a Amcham anunciou que a atuação da entidade no Espírito Santo terá três objetivos principais: facilitar o intercâmbio comercial; o relacionamento executivo entre corporações de todos os portes e a troca de ações e soluções empresariais para a retomada da economia em todos os setores e regiões do País.

Leia mais:  Sem previsão de retorno, Educação prevê rodízio de alunos nas escolas no ES
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana