conecte-se conosco


Camisa 10

CBF perde 25% da receita, mas tem R$ 48,8 milhões de superávit em 2020

Publicado

No conturbado 2020, a CBF teve uma queda de aproximadamente 25% nas receitas totais, na comparação com 2019. Mas mesmo assim a entidade fechou o ano passado com um superávit de R$ 48,8 milhões. Em 2019, primeiro ano da gestão Rogério Caboclo, o saldo positivo fora de R$ 190 milhões.

Segundo o balanço aprovado nesta quinta-feira pelas federações estaduais – que não foi completamente divulgado -, a CBF registrou arrecadação total de R$ 716 milhões. Em 2019, o montante foi recorde: R$ 957 milhões.

Apesar da pandemia, 2020 trouxe a segunda maior arrecadação da CBF na história, em números absolutos (desconsiderando a inflação). A entidade insere na receita total fontes operacionais – como patrocínios, direitos de transmissão e a verba do fundo de legado da Copa 2014 – e o valor gerado nos rendimentos financeiros. Nisso tudo, a variação cambial costuma jogar a favor. A CBF tem contratos de patrocínios em dólar, por exemplo.

A entidade bate no peito para dizer que investiu R$ 523 milhões de forma direta e indireta no futebol ao longo de 2020. Segundo os critérios da própria CBF, houve uma ligeira queda em relação a 2019, quando esse gasto foi de R$ 535 milhões.

A CBF informou que, em 2020, destinou R$ 168 milhões a várias camadas do futebol para amenizar os impactos da pandemia. Foram R$ 33,5 milhões em testes de Covid-19.

Houve uma linha de crédito de R$ 100 milhões para as Série A e B (R$ 74,6 milhões para os clubes da elite e R$ 25,4 milhões aos da segunda divisão). A CBF ainda doou R$ 15,8 milhões para os clubes das Séries C e D, além da A1 e A2 do Brasileirão feminino.

Foram ainda R$ 8,6 milhões para as federações estaduais. R$ 2,7 milhões para arbitragem, além de um desconto de R$ 7,5 milhões pela suspensão da cobrança de taxa de registro de atletas.

Leia mais:  Advogados pedem prisão domiciliar no Paraguai para Ronaldinho e Assis
publicidade

Camisa 10

Flamengo recusa proposta de R$ 160 milhões por Gerson

Publicado

Primeira oferta do Olympique de Marselha não foi aceita

A diretoria do Flamengo recusou a primeira proposta feita pelo Olympique de Marselha. O clube francês ofereceu 25 milhões de euros (R$ 160 milhões), e o departamento de futebol achou o valor baixo.

A intenção é que a oferta se aproxime dos 35 milhões de euros. Os valores não foram sequer levados ao departamento de finanças do Flamengo, que acompanha o caso de perto para dar seu parecer sobre a negociação.

A possibilidade de perder Gerson assombra o Flamengo desde o fim do Brasileiro. Depois da campanha que terminou com o título, o técnico Rogério Ceni sinalizou para a diretoria rubro-negra que via a renovação do meio-campo como prioridade para o começo da atual temporada.

O clube, sem dinheiro, colocou a venda de outros jogadores na frente, e adiou a valorização de Gerson e de Arrascaeta. Ciente das primeiras movimentações de mercado, Ceni sinalizou para Gerson que contava com ele, e o via como um atleta sem substitutos no Flamengo.

De clube para clube

A movimentação nos bastidores antecedeu a chegada de uma proposta do Olympique de Marsellha. Agora, a diretoria do Flamengo avalia se aceita a venda ou se antecipa as conversas para renovação de Gerson, cujo contrato vai até o fim de 2023.

No momento, o Flamengo faz um terceiro movimento. Tenta melhorar a proposta, ja que precisará repassar 10% a Roma, clube que vendeu o jogador em 2019.

Gerson ainda não recebeu proposta diretamente. O contato foi de clube para clube.

Agora, o Flamengo precisa definir se dá preferência ao recurso financeiro ou ao projeto esportivo. No clube, Ceni teria o jovem João Gomes como substituto imediato. Na posição, Thiago Maia seria alternativa, mas se recupera de uma cirurgia e só deve voltar em cerca de um mês ou dois.

O elenco ainda tem Hugo Moura, reserva, e o meia Diego, que tem atuado recuado. Arão segue improvisado na zaga.

Leia mais:  Globo perde Libertadores. Farra no futebol acabou
Continue lendo

Camisa 10

Olympique oferece R$ 160 milhões ao Flamengo para contratar Gérson

Publicado

Técnico argentino Sampaoli definiu o volante convocado para a seleção olímpica como uma das prioridades no mercado. Diretoria negocia aditivos e deseja permanecer com percentual do volante

Unanimidade pelo Flamengo, convocado pela seleção olímpica e agora também assediado oficialmente pelo mercado europeu. Novidade na última lista do Brasil antes da relação definitiva para os Jogos Olímpicos de Tóquio, Gerson está na mira do Olympique de Marselha a pedido de Jorge Sampaoli, e os franceses já formalizaram uma oferta de 25 milhões de euros (R$ 160 mi na cotação atual) mais aditivos por metas. A diretoria rubro-negra ficou de avaliar.

Gerson Flamengo — Foto: Alexandre Vidal / Flamengo

Esta é a segunda investida do clube de Marselha pelo volante. A primeira foi considerada baixa e o Flamengo sequer abriu conversas, mas, ciente das pretensões rubro-negras no mercado, o Olympique enviou o ex-atacante Túlio de Mello e um sócio francês para intensificar as tratativas. A dupla foi responsável pela negociação de Thuler com o Montpellier recentemente e tem bom diálogo com a diretoria.

O Flamengo não descarta avançar na negociação, mas trabalha por cláusulas de bônus que façam com que o montante possa chegar aos 30 milhões de euros, além de exigir a manutenção de percentual de Gérson para venda futura. Marcos Braz e Bruno Spindel já se reuniram com Marcão, pai de Gérson, e os dois representantes do Olympique.

A situação contratual de Gérson, por sinal, é prioridade no Flamengo. O volante tem um dos menores salários entre os titulares e o clube entende que um reajuste é emergencial. A promessa era de que o aumento aconteceria até o fim de 2020, mas a pandemia fez com que os planos fossem adiados.

O Flamengo sabe que Gérson é o jogador do elenco com maior potencial de mercado e a dúvida agora está em esticar a corda nas negociações com o Olympique de Marselha ou aguardar a abertura da janela na expectativa por ofertas de clubes de maior expressão. O tema é tratado com paciência nos bastidores.

O volante rubro-negro volta ao time no Fla-Flu deste sábado, após duas semanas se recuperando de uma lesão muscular. Gérson é um desejo antigo de Sampaoli, que o indicou assim que chegou ao Olympique, em março, como informou na época o jornalista Giuliano Cossenza.

Gérson teve 100% dos direitos econômicos comprados ao Roma em julho de 2019 por € 11,8 milhões (cerca de R$ 49,7 milhões na época). Desde então, o volante conquistou sete títulos pelo clube, participou de 100 jogos e marcou sete gols.

Leia mais:  Globo perde Libertadores. Farra no futebol acabou
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana