conecte-se conosco


Internacional

Chile detecta primeiro caso da cepa britânica de covid-19

Publicado

O contágio foi detectado após uma análise do teste de PCR feito na passageira depois de ela apresentar sintomas assim que desembarcou em Santiago

As autoridades de Saúde do Chile anunciaram nesta terça-feira, 29, que detectaram o primeiro caso da nova cepa do coronavírus em uma chilena que esteve no Reino Unido e voltou ao país sul-americano no dia 22 de dezembro.

O contágio foi detectado após uma análise do teste de PCR feito na passageira depois de ela apresentar sintomas assim que desembarcou em Santiago, informou a subsecretária do Ministério da Saúde, Paula Daza.

O Chile mantém todos os voos com o Reino Unido suspensos desde 22 de dezembro, mas a passageira, de nacionalidade chilena, chegou ao país no mesmo dia em um voo que saiu de Madri, onde fez escala. Depois pegou um avião para a cidade de Temuco, cerca de 800 km ao sul de Santiago.

“Imediatamente, tomamos as medidas de alerta e essa pessoa se encontra no hospital para ser vigiada de forma rigorosa, assim como seus contatos”, disse a subsecretária.

Leia mais:  China: Após sete casos de covid-19, Wuhan vai testar 11 milhões de pessoas

As autoridades ainda rastreiam os demais viajantes que estavam a bordo do voo procedente da Espanha e do que levou a mulher da capital a Temuco.

Quarentena obrigatória

Após a identificação da nova cepa, as autoridades anunciaram que todas as pessoas procedentes do exterior deverão fazer uma quarentena obrigatória de dez dias que só poderá ser encerrada quando forem recebidos os resultados de um teste de PCR realizado a partir do sétimo dia de confinamento.

Em 22 de dezembro, o governo suspendeu todos os voos diretos provenientes do Reino Unido e decretaram quarentena obrigatória de 14 dias para todos os chilenos e estrangeiros que chegarem do território britânico.

O país reabriu suas fronteiras em meados de novembro depois de um fechamento aéreo e terrestre desde março. Os novos contágios têm crescido nas últimas semanas no Chile. Nos últimos 14 dias, houve um aumento de 28%, chegando a 603.986 infectados e 16.488 mortes confirmadas desde o primeiro caso no país, em 3 de março.

De acordo com especialistas, essa mutação do vírus é mais contagiosa. Sua detecção provocou novas medidas em centenas de países, incluindo a Espanha, e impuseram restrições aos voos com o Reino Unido. 

Leia mais:  OMS não classifica coronavírus como pandemia, mas é emergência

publicidade

Internacional

Estados Unidos confirmam primeiro caso de varíola do macaco

Publicado

Paciente é um homem que tem histórico de viagem recente ao Canadá; ele está internado no estado de Massachusetts

O governo do estado norte-americano de Massachusetts confirmou na quarta-feira (18) o primeiro caso de varíola do macaco. O paciente é um homem adulto que tinha histórico de viagem recente ao Canadá. De acordo com o Portal R7, autoridades sanitárias estão rastreando contatos próximos dele para tentar rastrear a cadeia de transmissão do vírus.

Leia mais:  Velório de Maradona é estendido em três horas por medo de protestos
Continue lendo

Internacional

Espanha avança na adoção de licença médica menstrual, medida sem precedentes na Europa

Publicado

O governo espanhol apresentou, nesta terça-feira (17), um projeto de lei que estabelece licença médica para mulheres que sofrem com menstruações dolorosas, uma medida inédita na Europa

“Somos o primeiro país da Europa a regular pela primeira vez uma incapacidade temporária paga integralmente pelo Estado por menstruações dolorosas e incapacitantes”, celebrou a ministra da Igualdade, Irene Montero, em uma coletiva de imprensa após reunião do conselho de ministros.

“A menstruação vai deixar de ser um tabu (…) Acabou o ‘ir trabalhar com dor’, acabou ‘se dopar’ (tomar muito remédio) antes de ir trabalhar”, disse a ministra, que faz parte da formação de esquerda radical Podemos, um parceiro minoritário dos socialistas no governo de Pedro Sánchez, que se afirma feminista.

Montero havia indicado anteriormente na televisão pública que esta autorização, que deve ser assinada por um médico, não terá limite de dias.

Uma versão preliminar do projeto de lei, divulgada na semana passada pela mídia, mencionava uma licença de três dias que poderia ser estendida até cinco em caso de sintomas agudos.

Leia mais:  Kim Jong-un é visto em público pela 1ª vez depois de mais de um mês

O texto, que gerou debate dentro do Executivo e entre os sindicatos, ainda precisa ser aprovado pelo Parlamento, onde o governo é minoria, para entrar em vigor.

Se receber luz verde dos deputados, a Espanha se tornará o primeiro país da Europa – e um dos poucos do mundo, seguindo o Japão, Indonésia e Zâmbia – a legislar sobre o assunto.

Essa licença médica menstrual é uma das principais medidas de um projeto de lei mais amplo que também pretende fortalecer o acesso ao aborto nos hospitais públicos, onde são realizadas menos de 15% dessas intervenções devido à uma objeção de consciência dos médicos.

Também dará a menores de 16 anos a chance de fazer um aborto sem a permissão dos pais, removendo essa exigência introduzida por um governo conservador em 2015.

O aborto foi descriminalizado na Espanha em 1985 e legalizado em 2010, mas a interrupção da gravidez permanece como um direito difícil de exercer em um país de forte tradição católica, onde os movimentos antiaborto são muito ativos.

Leia mais:  Tiros fora da Casa Branca interrompem coletiva de Trump

O projeto de lei prevê também o fortalecimento da educação sexual nas escolas, assim como a distribuição gratuita da pílula anticoncepcional do dia seguinte nos postos de saúde e de anticoncepcional nas escolas.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana