conecte-se conosco


Internacional

Cientistas buscam cura da covid-19 com terapia usada contra câncer

Publicado

A imunoterapia envolve a extração de células imunes da corrente sanguínea do paciente, que depois são modificadas em laboratório

Cientistas da Duke-NUS Medical School (Duke-NUS), faculdade de medicina de Cingapura, exploram a possibilidade de usar células imunes do próprio organismo para combater doenças infecciosas como a covid-19. Essa técnica, chamada de imunoterapia, já é usada no tratamento de diferentes tipos de câncer e de outros doenças infecciosas, como a hepatite B.

As informações foram publicadas na revista acadêmica Journal of Experimental Medicine nesta terça-feira (21).

A terapia envolve a extração de células imunes – chamadas linfócitos T – da corrente sanguínea de um paciente e o mecanismo de ação de um dos dois tipos de receptores para eles: receptores quiméricos de antígeno (CAR) ou receptores de células T (TCR). 

Esses receptores permitem que os linfócitos T manipulados por cientistas reconheçam células cancerígenas ou infectadas por vírus. Os TCRs são naturalmente encontrados nas superfícies dos linfócitos T, enquanto os CARs são receptores artificiais de células T produzidos em laboratório.

Leia mais:  Tailândia fará testes em humanos de vacinas contra a Covid-19 via spray nasal

“Esta terapia é classicamente usada no tratamento do câncer, onde os linfócitos dos pacientes são redirecionados para encontrar e matar as células cancerígenas. No entanto, seu potencial contra doenças infecciosas e vírus específicos não foi explorado”, afirma Anthony Tanoto Tan, pesquisador sênior da Duke- Programa de Doenças Infecciosas Emergentes (EID) da NUS.

“Algumas infecções, como [as causadas pelos vírus] HIV e HBV [da hepatite B],  também podem ser um alvo perfeito para essa terapia, especialmente se os linfócitos forem projetados de maneira a ficarem ativos por um período limitado de tempo, pois isso diminui os possíveis efeitos colaterais”, acrescenta.

Esse tipo de imunoterapia requer pessoal e equipamento especializados e precisa ser administrado indefinidamente. Isso o torna inviável em termos de despesas para o tratamento da maioria dos tipos de infecções virais.

No entanto, no caso de infecções por HBV, por exemplo, os tratamentos antivirais atuais apenas suprimem a replicação viral e curam menos de 5% dos pacientes. Tratar essas pessoas com uma combinação de anti-virais e células T CAR / TCR pode ser uma opção viável.

Leia mais:  Princesa Mako, do Japão, se casa com plebeu e deixa família imperial

“Demonstramos que as células T podem ser redirecionadas para atingir o coronavírus responsável pela SARS. Nossa equipe agora começou a explorar o potencial da imunoterapia com células T CAR / TCR para controlar o vírus causador da covid-19,  o SARS-CoV-2, e proteger pacientes que tenham sintomas “, disse o professor Antonio Bertoletti, do programa EID da Duke-NUS.

publicidade

Internacional

Escola é construída em semanas a partir de impressora 3D na África

Publicado

Projetos sem fins lucrativos se juntaram para criar colégio na ilha de Madagascar que pode receber até 30 alunos

Um projeto feito na ilha de Madagascar, no continente da África, construiu a primeira escola com auxílio de uma impressora 3D no país, na cidade de Fianarantsoa.

Uma parceria entre a organização sem fins lucrativos Thinking Huts, a Ecole de Management et d’Innovation Technologique e a universidade local de Fianarantsoa busca mudar a realidade dos jovens da ilha, na África subsaariana.

Com o nome de Bougainvillea, a escola, antes da chegada das entidades, passava por uma construção que já durava sete anos. Com a ajuda desses parceiros, as paredes do colégio foram impressas em 18 horas e três semanas depois a estrutura do local estava finalizada.

O espaço, de 65 m², foi projetado para acomodar até 30 estudantes ao mesmo tempo. A escola receberá desde alunos do primário até estudantes do ensino médio.

As portas, o teto e a janela da escola foram fabricados com materiais locais, e as paredes, construídas com cimento, com auxílio da tecnologia 3D. Além disso, a estrutura do colégio tem formato de uma colmeia de abelha, simbolizando a união.

Leia mais:  'Sei como se sentem, mas vão para casa', diz Trump em vídeo

Impressora 3D auxilia na construção das paredes do colégio

“Nós nos inspiramos na colmeia, que simboliza a reunião de pessoas para formar uma comunidade que só vai prosperar se todos trabalharem para uma missão compartilhada”, afirma Maggie Grout, empreendedora que criou a Thinking Huts. “A impressão 3D permite reduzir o desperdício e o tempo de construção”, completa.

Segundo estimativa da Unesco, para melhorar os índices educacionais em Madagascar, seria necessária a criação de cerca de 22 mil escolas no país.

Com os números atuais, uma em cada três crianças na ilha não completou sequer o primário e 97% das crianças de até 10 anos não conseguem ler uma frase com poucas sentenças.

A iniciativa pode ser uma virada de chave para melhorar o sistema educacional e afetaria positivamente outros tantos setores do país, que atualmente ocupa a 164ª posição no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), com pontuação de apenas 0,528 em um índice que vai até 1.

Continue lendo

Internacional

Homem é enterrado vivo após beber e desmaiar durante festival na Bolívia

Publicado

Victor Alvarez, de 30 anos, conseguiu escapar do caixão, que estava a 80 km de distância da festa; linha de apuração aponta para ritual

Um jovem de 30 anos afirmou que foi enterrado vivo depois de consumir bebidas alcoólicas com um amigo e ficar bêbado durante um tradicional festival em homenagem à Mãe Terra em El Alto, na Bolívia. 

Victor Hugo Mica Alvarez conseguiu escapar do caixão em que foi colocado, em Achacachi, a cerca de 80 km de distância do local do evento.

As autoridades investigam a possibilidade de o rapaz ter sido vítima de um ritual. O caso ocorreu na última sexta-feira (5), de acordo com o jornal britânico Daily Mail. 

“Ontem à noite foi a pré-entrada [da Villa Victoria], fomos dançar, sou guia, e não lembro mais. A única coisa que lembro é que pensei que estava na minha cama e me levantei para ir ao banheiro, mas não conseguia mais me mexer. Foi quando empurrei o caixão, que tinha um vidro, que se quebrou. A terra começou a entrar pelo vidro, e então eu consegui sair. Eles me enterraram”, declarou o rapaz ao diário Página Siete, de La Paz, capital boliviana.

Leia mais:  Zelenski afirma que não pode trair seu país, mas está disposto a fazer concessões à Rússia

O Festival Madre Tierra conta com oferendas para Pachamama, a deusa da terra e da fertilidade na cultura dos povos indígenas dos Andes Centrais. Os bolivianos indígenas acreditam que a divindade “abre a boca” em agosto. Por isso, há quem ofereça a ela desde animais até doces. Existe a suspeita na região de que anciãos ainda oferecem seres humanos em segredo.

O jovem afirmou que havia uma estrutura montada no local em que foi enterrado. Assim que escapou, ele pediu ajuda a outro rapaz, que o levou a uma delegacia de polícia. No entanto, os agentes não acreditaram na versão de Álvarez, que procurou o jornal boliviano para fazer a denúncia e pedir ajuda com a investigação.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana