conecte-se conosco


Camisa 10

Com dono brasileiro, Orlando City passa a valer R$ 2,2 bilhões

Publicado

Flávio Augusto explica motivos que o fizeram investir na MLS e como a franquia da Flórida está avaliada em 11 vezes o investido inicialmente

Um carioca criado no subúrbio do Rio de Janeiro, aluno de escola pública, é o principal responsável pelo sucesso financeiro de um time que não tem resultados expressivos dentro de campo na principal liga de futebol do país mais rico do mundo. Como? Em cinco temporadas no comando do Orlando City, sem comemorar uma classificação para os playoffs da Major League Soccer (MLS), o empresário Flávio Augusto, de 47 anos, tem a experiência e calma necessárias para dar todas as respostas que envolvem essa questão.

O sucesso fora das quatro linhas se traduz em alguns números. Foram quase 23 mil espectadores de média de público nas partidas do Orlando City em 2019, pior somente do que oito times no Brasil, por exemplo. A taxa de ocupação no seu estádio é de 90%. E o que talvez mais impressione: a valorização da franquia, hoje estipulada em R$ 2,2 bilhões, cerca de 11 vezes mais que o investido pelo próprio Flávio Augusto em 2013.

– A gente se importa em ganhar títulos. Aliás, é muito bom ganhar títulos. Quando você ganha, isso ajuda nos negócios (…) A gente não toma uma decisão (de investimento) para ser eleito ou reeleito mês que vem ou ano que vem. Isso é o que torna a liga nos Estados Unidos a que mais cresce em presença nos estádios, também cresce financeiramente. É o que vai levar essa liga muito longe no cenário do futebol mundial – afirma o dono do Orlando City.

Flávio Augusto é dono do Orlando City — Foto: Divulgação / Arquivo pessoal

Para se chegar ao valor de R$ 2,2 bilhões, Flávio leva em consideração a venda de 8,63% do Orlando City para uma empresa de fundos de investimentos em 2018. Com o custo da fatia, chegou-se ao cálculo de cerca de US$ 500 milhões para o valor total do clube de futebol da Flórida. Com a conversão atual para dólares, fica próximo dos R$ 2,2 bilhões.

Em 2013, quando comprou o Orlando City, o empresário Flávio Augusto da Silva ainda não era um grande conhecido do público brasileiro. Dono de um curso de inglês e empreendedor de sucesso, a fama veio a acompanhá-lo depois, quando passou a ser visto mundialmente como proprietário de um clube de futebol onde jogava Kaká e passou a ser presença frequente na mídia, também empenhando mais tempo nas redes sociais. Hoje, é acompanhado por 2,5 milhões de seguidores no Instagram e outros 450 mil no Twitter.

A fortuna de Flávio ultrapassava a casa do bilhão de reais em 2016, segundo a revista Forbes, e não parou de crescer. Um sucesso, no entanto, que veio através de uma trajetória incomum. Para abrir sua primeira escola de inglês, em 1995, usou R$ 20 mil de investimento tirados de seu cheque especial.

Leia mais:  Brasil x Chile: prováveis times para quartas da Copa América
publicidade

Camisa 10

Direção do Grêmio não sabe o que fazer para evitar o rebaixamento

Publicado

Desespero bateu na porta da direção gremista

Mais uma vez o Grêmio foi derrotado. No entanto, dessa vez pode ter sido a derrota que selará o destino do clube para 2022, o Imortal foi derrotado por 3 a 1 pelo Bahia.

Após a partida, Denis Abrahão concedeu uma entrevista coletiva onde ele disse não saber mais o que fazer para mudar a situação do clube. Talvez essa fala do dirigente tenha sido um desabafo de alguém que está perdido em meio a um grupo de jogadores que não formam um time.

“Fizemos bate papo coletivos, viemos dois dias antes para reforçar a concentração, tivemos conversas individuais, mostramos a importância do jogo de hoje, fizemos um trabalho junto com o marketing. Fizemos de tudo”, contou Denis Abrahão.

Depois disso ele ainda completou sua fala, relatando mais alguns fatos e indagando qualquer um que apresente uma solução para evitar o rebaixamento.

“Impossível ser mais claro do que estou sendo. Fizemos de tudo, reunião com jogadores, departamento de marketing fez um trabalho muito bonito. Criamos cenários, mostramos posicionamento, demos carinho, demos força. O que mais se pode fazer?”, indagou Denis Abrahão.

Talvez a resposta que possamos dar a ele é a ruptura que Felipão propôs antes de ser demitido do Grêmio. O técnico experiente queria implodir lideranças nocivas do tricolor, mas  ele quem foi mandado embora e como podemos ver, não deu nada certo.

O Grêmio seguiu um caminho de abraçar os seus jogadores acima de qualquer um. Por isso, já está em seu quarto técnico na temporada. Afinal, se o time não rende é culpa dos treinadores, mas, parece que na verdade os culpados eram os jogadores desde o princípio.

Leia mais:  Fred inicia percurso de bicicleta até o Rio, para se apresentar no Flu
Continue lendo

Camisa 10

Campeonato de Kart agita centro de Barra de São Francisco, neste domingo

Publicado

Neste domingo (28), estará acontecendo a 10ª Etapa do Campeonato Norte Capixaba de Kart, categoria FT 150, as 9 horas da manhã na Rua de Lazer no centro de Barra de São Francisco. O evento terá o apoio da prefeitura de Barra de São Francisco, através da secretaria de Esportes e Lazer. Venha e traga a sua família e divirta-se para valer.

 

Leia mais:  Copa do Brasil tem 6 campeões, veja os confrontos
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana